Entrevista: Antonio Carlos Oliveira, meteorologista e museólogo do MNBA

O meteorologista e museólogo Antonio Carlos Oliveira fala aos participantes do seminário-oficina “Gestão de Riscos do Clima para Acervos Musealizados”, no Rio de Janeiro (RJ).

O meteorologista e museólogo Antonio Carlos Oliveira fala aos participantes do seminário-oficina Gestão de Riscos do Clima para Acervos Musealizados no Rio de Janeiro (RJ)

Meteorologista vinculado à Infraero, o também museólogo Antonio Carlos Oliveira atua, desde 2014, junto ao Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro (RJ), para onde foi cedido com um objetivo específico: desenvolver solução tecnológica que permita reunir e utilizar informações meteorológicas para proteger a estrutura física de museus brasileiros e seus acervos.

Ao lado do químico José Luiz Pedersoli Jr., também atuante na área da conservação do patrimônio cultural, Oliveira está à frente do seminário-oficina Gestão de Riscos do Clima para Acervos Musealizados – realizado no MNBA, entre os dias 21 e 25 de novembro, por iniciativa do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no âmbito do Programa para a Gestão de Risco ao Patrimônio Musealizado Brasileiro.

Criador de ferramenta inédita no âmbito da prevenção de riscos climáticos aos acervos brasileiros e aos prédios que os abrigam, o meteorologista e museólogo respondeu, durante o evento, a algumas perguntas feitas pela Assessoria de Comunicação do Ibram.

O que é o sistema informatizado e integrado que você desenvolveu e o que ele oferece?

A ferramenta tem como objetivo monitorar o clima interno e externo dos museus da rede Ibram para análise de risco ambiental e preservação de seus acervos. Ela oferece modelos de simulação de cenários que permitem combinar as variáveis do clima externo e clima interno para diagnosticar o grau de risco ambiental de forma contínua e informar aos respectivos responsáveis, em cada caso, qual a melhor conduta a ter com seu acervo.

Como a ferramenta vai gerar dados sobre clima externo e interno de todos os 30 museus da rede Ibram?

Para traçar cenários quanto ao clima externo, a plataforma vai agregar dados, atualizados de forma contínua, oferecidos por bases de dados online públicas e confiáveis disponíveis para a população brasileira, de órgãos como o Ministério da Agricultura, o Ministério da Ciência e Tecnologia e o Ministério das Minas e Energia, que a área da Cultura nunca utilizou com esta finalidade.

Para o monitoramento quanto ao clima interno de cada museu, estamos distribuindo a cada museu da rede Ibram, durante este seminário-oficina, um aparelho termohigrômetro, com capacidade expansível para mais 30 pontos de medição em cada museu, que medirá a temperatura e umidade de cada ambiente e serão todos conectados a uma rede única, que poderá ser acompanhada pela gestão central do Ibram.

Que desdobramentos isso terá para a gestão de risco ambiental aos acervos musealizados?

O monitoramento dos ambientes de todos os museus da rede Ibram, que estão distribuídos pelas diversas regiões brasileiras, permitirá a produção de simulações digitais de cenários e a elaboração de protocolos de alerta. As informações reunidas sobre risco ambiental interno e externo também tornariam o Ibram mais preparado, por exemplo, para se pronunciar quando da elaboração de Estudos de Impacto de Vizinhança para obras realizadas no entorno de seus museus.

O sistema também vai permitir catalogar sinistros e observar a distribuição e frequência dos eventos, tornando possível a prevenção de problemas específicos em cada local. A ferramenta também poderá ser útil para o intercâmbio de acervos entre museus, permitindo compatibilizar a temperatura e umidade adequada a cada bem cultural de cada região. De forma geral, ela vai permitir um mapeamento das condições de guarda de cada acervo e possibilitar que se garanta a sua estabilidade.

Qual a previsão para a entrada desta rede integrada em atividade?

Com a realização deste seminário-oficina e a distribuição doas higrômetros para cada museu, teremos condições de colocar o sistema em funcionamento no começo de 2017. A perspectiva é de que, através de parcerias, esta ferramenta inédita possa depois se expandir para outros museus públicos e privados brasileiros, e mesmo exportada para uso internacional.

Foto: Ascom/Ibram

SalicWeb: grande volume de acessos deixa sistema lento hoje (30)

Devido ao encerramento do prazo para envio de propostas culturais ao Ministério da Cultura (MinC) via Lei Rouanet, neste dia 30 de novembro,  o grande volume de acessos ao SalicWeb tem ocasionado um maior tempo de resposta na aplicação do Sistema, tornando-o lento, informa comunicado assinado pelo Secretário substituto de Fomento e Incentivo à Cultura (Sefic/MinC), Kleber Rocha.

Entre o dia 25 e a tarde do dia 30 de novembro, diz o comunicado, “o sistema recebeu 642 propostas apenas na admissibilidade, o que é equivalente, em outros períodos do ano, ao quantitativo médio de um mês”.

A ocorrência foi repassada para a área de infraestrutura do MinC. A recomendação da área é que sejam realizadas novas tentativas de acesso, até que se conclua o envio, já que o prazo será mantido, de acordo com o Art 5º da Instrução Normativa nº 1 – publicada em 5 de outubro de 2010.

O secretário substituto relembra que no período de 1º de dezembro de 2011 a 31 de janeiro de 2012, o Sistema estará fechado apenas para envio de propostas. “Para as ações de acompanhamento de projetos e de elaboração de propostas culturais sem o envio, o Sistema se manterá aberto”, conclui.

Fonte: Portal MinC

Ibram/MinC divulga habilitados em dois editais e retifica Prêmio de Enredos

Foram publicados no Diário Oficial da União da sexta-feira (25), retificação ao edital do Prêmio Ibram de Enredos e as listas dos proponentes habilitados nos editais Mais Museus e Criação e Fortalecimento de Sistemas de Museus.

O Prêmio Ibram de Enredos sofreu alteração no item 3.1, que trata das condições para participação. Onde lia-se “…carnavalescos (…) atuante nas tradições do Carnaval pertencente ao Grupo Especial ou similar”, agora lê-se “…carnavalescos (…) com vínculo comprovado em instituições de atuação no âmbito do carnaval: escolas de sambas ou grupos carnavalescos”. As listas dos habilitados nos dois outros editais estão disponíveis aqui.

Aos interessados, caberá recurso de inabilitação, no prazo de cinco dias úteis, contados a partir da data de publicação das respectivas listas. Todas as informações necessárias para o procedimento estão disponíveis nos editais. Saiba mais sobre o Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011.

Texto: Ascom/MinC

Programa de Qualificação em Museologia segue com oficinas em novembro

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), no âmbito do Programa de Qualificação em Museologia 2011, ofereceu 14 opções de oficinas de aperfeiçoamento em diversas áreas. 

Os estados que dispõem de Sistemas de Museus, ou cuja implantação esteja em andamento, tiveram prioridade na seleção, assim como os pedidos cujas demandas contemplassem diferentes municípios, inclusive no interior dos estados. As inscrições para todas as oficinas são gratuitas e o número de vagas é limitado.

Qualificação: Oficina Museu, Memória e Cidadania em Cuiabá (MT)

Entre os dias 16 e 18 de novembro acontece a Oficina Gestão e Documentação, em Palmas (TO), ministrada por Nóris Leal - professora do Bacharelado em Museologia da Universidade Federal de Pelotas. O evento será no Auditório do Memorial Coluna Prestes e as inscrições devem ser feitas pelos telefones (63) 3218-2419/3312.

Museus e Turismo é tema da oficina que será realizada de 17 a 19 de novembro no Museu das Bandeiras/Ibram, localizado na Cidade de Goiás (GO). A oficina toma como base a discussão do turismo como fenômeno econômico, espacial e social, a composição do produto turístico, o turismo cultural dentre outros tópicos. As inscrições seguem 14 de novembro e devem ser feitas pelo endereço eletrônico diretoriadepatrimonio@agepel.go.gov.br.

Já Juiz de Fora (MG) recebe a oficina Ação Educativa em Museus entre os dias 22 e 24 de novembro, no Auditório do Museu do Crédito Real. O curso será ministrado pela arte educadora Daniele de Sá, diretora do Museu Casa da Hera em Vassouras (RJ). As inscrições estão sendo feitas pelo telefone (32) 3212-0973 ou pelo endereço eletrônico sum.comunicacao@cultura.mg.gov.br.

Para encerrar novembro, a oficina Conservação de Acervos em Papel e Têxtil acontece em Curitiba (PR), no Museu Paranaense, de 30 de novembro a 2 de dezembro. A ministrante será Silmara Kürsten – Professora Assistente do Curso de Bacharelado em Museologia da Universidade de Brasília. Informações e inscrições pelos telefones (41) 3321.4751/4824 ou pelo endereço eletrônico cosem@seec.pr.gov.br.

Em 2011 já foram realizadas oficinas no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso. O calendário de encontros segue até o final de 2011.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Valdemar de Assis/Ibram

SMOP protesta contra cortes em orçamentos públicos da cultura

O Conselho Gestor do Sistema de Museus de Ouro Preto (SMOP), reunido no dia 3 de outubro de 2011, lançou uma Monção de Protesto contra os cortes deste ano no orçamento do Ministério da Cultura (MinC), assim como do órgão estadual de cultura de Minas Gerais.

“Lamentamos o corte no orçamento para o Ministério da Cultura e a destinação de um ínfimo orçamento para a área de museus na Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais, inviabilizando o lançamento do edital estadual de apoio a museus em 2011, proposto pela Comissão Estadual de Museus”, diz a monção.  

O conselho gestou manifestou preocupação “quanto à continuidade deste panorama em 2012″ e  solicitou  ao Congresso Nacional, à Assembléia Legislativa e aos Executivos federal e estadual uma “recomposição no orçamento destinado à área de museus para o ano de 2012, a fim de garantir a ampliação de recursos para a continuidade nas ações da área museológica”, conclui o documento. Saiba mais sobre o SMOP aqui.

 Fonte: Divulgação SMOP

SGI completa dois meses no ar

O Sistema de Gerenciamento de Informações do Ibram (SGI) completou no último dia 20 dois meses de funcionamento. O novo sistema, que entrou no ar no dia 20 de janeiro, já começa a se consolidar como ferramenta de produção e circulação de informação do Instituto Brasileiro de Museus.

Parte do Programa de Gestão Documental do Ibram, o SGI permite a consulta e acompanhamento centralizado de documentos, garantindo maior transparência, agilidade e controle dos processos administrativos.

Até o momento, já circularam pelo SGI um total de 4.188 documentos e 521 processos. Desde sua criação, o SGI já registrou cerca de 13 mil tramitações. Cada tramitação representa um “passo” de um documento dentro do sistema e seu histórico fica registrado.

“Hoje é possível ter um controle maior da documentação que circula no Ibram”, explica a arquivista Liane Lasmar, uma das responsáveis pela gestão do SGI. “O objetivo de dar maior transparência às ações administrativas do Ibram começa a tomar forma”.

De acordo com dados da Coordenação Geral de Sistemas de Informação Museal (CGSIM), o Museu da República, o Museu Lasar Segall e o Museu da Abolição são as unidades do Ibram com maior volume de informação circulada via SGI.

A Coordenação de Acervos e Memória (CAM/CGSIM), responsável pela administração do sistema, informa que em caso de dificuldade na utilização da ferramenta, é possível acionar o apoio técnico da equipe através do e-mail sgi.atendimento@museus.gov.br.