Página 1 de 3512345...102030...Última »

MNBA recebe doação do acervo de Glauco Rodrigues

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), recebeu o arquivo pessoal do artista Glauco Rodrigues (1929-2004). A viúva do artista, Norma Rodrigues, doou ao museu documentos pessoais, fotografias, convites e a correspondência que o artista travou com amigos, como o poeta Ferreira Gullar, o escritor Erico Veríssimo, o artista Carlos Scliar e a atriz Camila Amado.

A doação cobre um período entre os anos 1940 e os anos 2000 -  60 anos de produção intelectual do artista gaúcho, possibilitando um panorama do seu processo de criação.

Conhecido por criar inúmeras obras inspiradas na figura de São Sebastião, padroeiro da cidade do Rio de Janeiro, Rodrigues teve uma presença marcante no tropicalismo e na pop art nacional.

Texto: Divulgação MNBA

A Paisagem na Academia em mostra no Museu Nacional de Belas Artes

Estudo de paisagem, sem data. Rodolfo Amoedo

Estudo de paisagem: Rodolfo Amoêdo (sem data)

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) recebe, a partir da terça-feira (9), a exposição Paisagem na Academia.

A mostra é uma parceria com a Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA) e enfoca a história do ensino da pintura de paisagem na Academia de Belas Artes, que funcionou no Rio de Janeiro.

Com curadoria dos professores Carlos Terra e Ana Cavalcanti, da EBA, a exibição apresenta 21 obras, entre gravura, pintura e aquarela.

São destaques da exposição o processo artístico cotidiano e trabalhos que habitualmente não são expostos ao público, como desenhos realizados como provas para o concurso de professor de “Paisagem, flores e animais” de 1881, estudos de nuvens de Victor Meirelles e pequenas paisagens de Rodolpho Amoêdo.

Fazem parte da mostra obras de sete artistas que foram professores na Academia entre 1816 e 1890: Nicolas Antoine Taunay, Manuel de Araujo Porto-Alegre, Agostinho da Motta, Victor Meirelles, Leôncio Vieira, Rodolpho Amoêdo e Antonio Parreiras.

A exposição fica em cartaz até 9 de junho. O MNBA funciona de terça a sexta, das 10h às 18h e aos sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h. Saiba mais.

 

Texto e imagem: MNBA/divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museu Histórico Nacional recebe mostra Quando o mar virou Rio

Quando o mar virou Rio em cartaz no MHN

Quando o mar virou Rio: exposição fica em cartaz no MHN até 28 de maio

Entre os dias 24 de março e 28 de maio, o Museu Histórico Nacional/Ibram, no Rio de Janeiro, vai “estender a canga e abrir o guarda sol” para receber a exposição Quando o mar virou Rio.

Ao todo são 130 obras de 25 artistas, entre gravuras, fotografias, instalações e pinturas, organizadas em nove temas que resgatam a história da relação dos moradores do Rio de Janeiro com a praia – desde a origem, quando os médicos receitavam banhos de mar para curar doenças de pele ou respiratórias, até os dias atuais – incluindo a moda, os esportes e o ideal de ‘carioquice’ que ganhou fama no mundo.

Uma parte significativa dessa coleção veio de acervos: 11 artistas e 24 obras são do próprio Museu Histórico Nacional; 26 obras das coleções dos fotógrafos Augusto Malta (1864-1957) e Alair Gomes (1921-1992) pertencem à Biblioteca Nacional; e há mais 5 imagens do Augusto Malta que compõem o acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS).

Trajetória entrelaçada
“A curadoria gosta de pensar que a exposição é uma ode ao movimento da cidade, que começa com a vinda dos primeiros índios que buscavam a terra sem males, passa pelos navegantes portugueses e é porto de partida e chegada de produtos, pessoas e influências de além mar”, explica o curador Diogo Rezende, até quando o Rio se volta literalmente para a praia, desaguando numa paixão do carioca por ocupar a orla de diferentes maneiras”.

Para Letícia Stallone, também curadora, a mostra “apresenta parte da história dessa cidade, conhecida no mundo inteiro como Rio, mas que tem uma trajetória tão entrelaçada ao mar que a sua própria identidade está vinculada à imensidão da água salgada, ao sol, à areia e tudo que pertence a esse ambiente. Tudo isso num mesmo gingado que a gente que se mete nessa geografia acaba adquirindo”.

A mostra foi idealizada e produzida pelo estúdio M´Baraká e pela produtora Logorama, com patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura por meio da Lei Municipal de Incentivo a Cultura – Lei do ISS, e da Multi Terminais, copatrocínio da E.T.T. First RH e a Shift Gestão de Serviços e apoio do Control Lab e do Consulado Francês.

Texto: Divulgação MHN
Edição: Ascom Ibram
Foto: Júlio Bittencourt/Divulgação

Museu de Arqueologia de Itaipu comemora 40 anos com festival

museu_arq_itaipu_8-200x300O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), em Niterói (RJ), comemora 40 anos no dia 23 de março. E para celebrar a data, o museu preparou, em parceria com o Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social da UFRJ, o I Festival UFRJMar Itaipu.

O MAI tem buscado o desenvolvimento local através de atividades de educação, cultura e lazer. Também suas ações são voltadas para a preservação da memória dos povos tradicionais da região e do desenvolvimento da Região Oceânica de Niterói e o festival envolverá toda a comunidade da vila de pescadores e da Praia de Itaipu.

O evento acontece entre os dias 23 e 26 de março e nos dias 1 e 2 de abril. A programação vai de oficinas a atividades culturais e esportivas.

São 9 oficinas ministradas por alunos da UFRJ voltadas para crianças – que acontecem nos dias 23 e 24, das 8h30 às 11h30 e das 14h às 17h. Há oficina de amarelinha, carretel, informática educativa, malabares, fontes alternativas de energia, surimi, waterball, futebol de prancha e animação.

Nos dias 25 de março e 1º de abril, o MAI recebe a Feira de Economia Solidária, atividades culturais e cineclube. As atividades são gratuitas e acontecem ao logo do dia.

O Festival também conta com atividades esportivas, nos dias 26 de março e 2 de abril. Haverá competição de natação, futevôlei e futebol, canoagem, dança e relaxamento. A programação acontece na Praia de Itaipu, com início às 8h e termino às 17h. Todas as atividades são gratuitas e abertas ao público. Mais informações pelo telefone (21) 3701.2994 ou pelo endereço eletrônico mai@museus.gov.br.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Nota de esclarecimento sobre seleção para diretor do Museu Villa-Lobos

Ibram_logo_baixaSobre questões levantadas no artigo Falando de música – misérias cariocas, escrito por Leandro Oliveira e publicado no blog Estado da Arte/Cultura Estadão, no dia 2 de março de 2017, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) vem a público esclarecer que:

1. Criado em 2009, o Ibram iniciou, a partir de 2011, a seleção de dirigentes para os museus federais que compõem sua rede por meio de editais públicos. O modelo, democrático e transparente, garante ampla concorrência aos profissionais da área interessados e capacitados para os respectivos cargos;

2. Com uma rede formada por 30 unidades museológicas, sete museus já tiveram novos gestores selecionados via editais públicos – todas as etapas dos processos estão disponíveis na página do Ibram;

3. O mais recente dos processos de seleção finalizados refere-se ao Museu Villa-Lobos/Ibram, localizado na cidade do Rio de Janeiro (RJ), que teve início em meados de 2016 e cujo resultado final foi publicado em fevereiro de 2017;

4. O referido edital de seleção, assim como os anteriores já realizados, não traz a obrigatoriedade da apresentação de currículos de candidatos no modelo Lattes. O currículo apresentado pela candidata citada no artigo guarda estrita coerência com os documentos comprobatórios apresentados;

5. A escolha dos nomes para compor a comissão de seleção avaliadora de candidatos à direção do Museu Villa-Lobos pautou-se pela relevância profissional, conhecimento do setor museal e perfis diferenciados para uma avaliação mais equânime. A comissão de três integrantes foi formada pelos diretores do Museu de Arte Contemporânea da USP e Museus Castro Maya e um representante do corpo diretivo do Ibram;

6. Um dos principais pontos de análise pela comissão de seleção é o Plano de Trabalho elaborado pelos candidatos, exigido no edital, que necessariamente deve prezar pela sua estrutura, coerência e viabilidade de execução – além da aderência à Política Nacional de Museus. No caso do Museu Villa-Lobos, a análise dos Planos de Trabalho foi fator preponderante na classificação final dos candidatos;

7. Cópia da dissertação da candidata Cláudia Nunes Castro, intitulada An analysis and performance practices of Jacques Ibert’s Flute Concerto: Second movement, citada no texto encontra-se depositada no Centro Nacional de Estudos e Documentação da Museologia (Cenedom), na sede do Ibram em Brasília, e disponível para consulta pública;

8. A comprovação de cumprimento de mestrado profissional em Administração das Artes da referida candidata, assim como os demais documentos comprovatórios, encontra-se no processo administrativo relativo à seleção de dirigente para o Museu Villa-Lobos/Ibram, estando à disposição para consulta dos interessados.

Assessoria de Comunicação
Instituto Brasileiro de Museus
Ministério da Cultura

Biblioteca infantil do Museu Imperial traz ampla programação em março

Durante o mês de março, a Biblioteca Rocambole do Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis (RJ), programou leituras para comemorar o aniversário da escritora Ruth Rocha, o Dia Nacional da Música Clássica, o Dia dos Animais, o Dia do Circo e o Dia Mundial da Água.

Nos dias 7 e 8, das 14h às 15h, para homenagear o Dia Nacional da Música Clássica, a hora do conto será do livro Bach, de Ann Rachlin, que faz parte da coleção Crianças Famosas.

Atividade de leitura na Biblioteca Rocambole do Museu Imperial

Atividade de leitura para crianças na Biblioteca Rocambole do Museu Imperial

O livro A família de Marcelo, de Ruth Rocha, será lido no dia 9 de março, das 14h às 15h, em comemoração ao aniversário da autora. Nos dias 14 e 15, das 14h às 15h, para homenagear o Dia dos Animais, a hora do conto será com o livro Jardim Zoilógico , de Carlos Pimentel.

O Dia Mundial da Água será homenageado nos dias 21 e 22, das 14h às 15h, através do livro De olho na água, de Regina Lucia Pires Nemer.

No dia 23 de março será a vez do livro O tamborim dá seu espetáculo, de Virginie Guérin. A hora do conto será das 14h às 15h, em homenagem ao Dia do Circo. Já O porco, de Bia Hetzel, será a história contada nos dias 28 e 29, das 14h às 15h.

Para finalizar a programação do mês de março, no dia 30, também para homenagear o Dia dos Animais, a contação será do livro Tigre em cima da árvore, de Anushka Ravishankar.

Todas as leituras são seguidas de atividades complementares – como oficinas criativas, exploração de livros, jogos e fantoches do acervo da Biblioteca Rocambole

As atividades são gratuitas e destinadas a grupos escolares previamente agendados junto ao setor de Educação do Museu Imperial pelo telefone (24) 2233.0345, de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 18h.

O Museu Imperial localiza-se à Rua da Imperatriz, 220 – Petrópolis (RJ). Saiba mais sobre a Biblioteca Rocambole e o Museu Imperial.

Texto e imagem: Museu Imperial/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

130 anos do nascimento de Villa-Lobos é comemorado com música no museu

O Museu Villa-Lobos/Ibram, no Rio de Janeiro, realiza no domingo (5), dia do nascimento de Heitor Villa-Lobos e também Dia Nacional da Música Clássica, uma série de concertos em memória de seu patrono. A programação tem início às 14h e o ingresso custa R$2,00. O Museu Villa-Lobos fica na Rua Sorocaba, 200, no bairro de Botafogo.

Villa-Lobos e sua esposa Arminda

Villa-Lobos e sua esposa Arminda em 1957 – dois anos antes de seu falecimento

Fazem parte da programação dois grupos – Orquestra Popular Tuhu e Orquestra Villa-Lobos e as Crianças – oriundos de um projeto social de educação musical nascido no Museu e apoiado pela instituição, além do Quinteto Villa-Lobos e o Quarteto Radamés Gnattali – dois dos mais importantes conjuntos de música de câmara brasileiros.

No encerramento, a soprano norte-americana radicada no Brasil Carol McDavit, acompanhada pelo pianista Flávio Augusto, apresenta um recital Villa-Lobos que servirá de abertura para o lançamento do seu livro Vozes das Américas – Encontro das culturas europeia, africana e indígena nas canções de câmara de Heitor Villa-Lobos e Aaron Copland.

Heitor Villa-Lobos
Considerado, ainda em vida, o maior compositor das Américas, Heitor Villa-Lobos compôs cerca de 1 mil obras e sua importância reside, entre outros aspectos, no fato de ter reformulado o conceito brasileiro de nacionalismo musical, tornando-se seu maior expoente.

Foi também, através de Villa-Lobos, que a música brasileira se fez representar em outros países, culminando por se universalizar. Villa-Lobos nasceu em 5 de março de 1887 e faleceu em 1959, aos 72 anos. Saiba mais na página do Museu Villa-Lobos.

Texto: Ascom Museu Villa-Lobos
Edição: Ascom Ibram

Ibram abre licitação para inspeção predial em museus de MG e RJ

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em parceria com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), publicou na última sexta-feira (27) Aviso de Licitação destinado à contratação de serviços de engenharia voltados à inspeção predial em três unidades museológicas que integram a sua rede.

Instalado em antigo convento que começou a ser edificado no século XVII, o Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (MART), será uma das unidades a passar por inspeção predial.

Instalado em antigo convento que começou a ser edificado no século XVII, o Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (MART) será uma das unidades a passar por inspeção predial.

A consultoria especializada a ser contratada abarca a realização de inspeções prediais no Museu de Arqueologia/Socioambiental de Itaipu (MAI), em Niterói (RJ); no Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (Mart), também no Rio de Janeiro; e na Casa Borba Gato (vinculada ao Museu do Ouro), em Sabará (MG).

O objetivo da contratação é realizar análise técnica de estruturas e instalações das três unidades, a qual permitirá a identificação de possíveis riscos a usuários, meio ambiente e patrimônio cultural envolvido, definindo prioridades para a posterior execução de reparos e manutenção.

Os três museus estão instalados em imóveis históricos tombados e não projetados originalmente para esta finalidade – o que impõe a adoção de princípios rigorosos de preservação dos elementos e materiais originais, assim como de intervenção física mínima, quando necessária.

A licitação será realizada na modalidade pregão presencial com data de abertura programada para o próximo dia 9 de fevereiro, às 10h, na sede da OEI (Setor Hoteleiro Sul, Quadra 06, Bloco C, Sala 919, Ed. Brasil 21) em Brasília (DF).

O edital e seus anexos encontram-se disponíveis na página da OEI. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (61) 3321.9955 ou pelo endereço eletrônico compras@oei.org.br.

Publicações editadas pelo MHN em 2016 estão disponíveis na internet

15972673_586036398260522_7262968518502455895_o

Recém-lançados, dois livros e um catálogo, além de mais um volume dos tradicionais Anais do Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), teve ampla produção bibliográfica no ano passado.

A Divisão de Pesquisa do museu foi responsável pela edição e lançamento de dois livros e um catálogo, além de mais um volume dos tradicionais Anais do Museu Histórico Nacional, publicados desde a década de 1940.

A nova safra de publicações inclui o livro Os Vice-Reis no Rio de Janeiro – 250 anos, que traz artigos selecionados pelo MHN a partir de Seminário Internacional dedicado à transferência da sede do governo-geral do Estado do Brasil e dos vice-reis de Salvador para o Rio de Janeiro.

Personagens e memórias
Também resultado de Seminário Internacional, D. Leopoldina e seu tempo: sociedade, política, ciência e arte no século XIX reúne ensaios que tomam a personagem histórica, arquiduquesa austríaca e imperatriz do Brasil, como referência para o entendimento de uma época de transformações sociais.

Idealizado a partir da exposição homônima realizada no MHN, o catálogo Tão importante, tão esquecido: o bairro da Misericórdia traz reflexões sobre a construção da memória e das transformações vividas pela cidade do Rio de Janeiro, do início da cidade, nos séculos XVI e XVII, ao Porto Maravilha do século XXI.

Completa o pacote de lançamentos o volume 47 dos Anais do Museu Histórico Nacional – material de referência para pesquisadores da área das ciências humanas e sociais, a tradicional publicação recebeu avaliação B1 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O volume 47 foi inteiramente dedicado à história recente da Museologia, com dossiê organizado pelo museólogo e professor Bruno Brulon, seleção de textos do professor francês André Desvallés, importante teórico francês da Nova Museologia, e artigos do museólogo e professor Mário Chagas (Ibram/UniRio) e da historiadora e doutora em Museologia Analucia Thompson.

As publicações podem ser adquiridas na loja física do MHN ou acessadas na Biblioteca Virtual do museu.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Pâmela Lima

Presidente do Ibram realiza segunda visita técnica a museus do RJ

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo, realiza, desde a sexta-feira (13), visitas técnicas a unidades da rede de museus Ibram no estado do Rio de Janeiro (RJ), além de outras instituições museológicas no Rio.

Esta é a segunda série de visitas a museus do Ibram no RJ desde que Marcelo Araujo assumiu o cargo – a primeira foi em outubro do ano passado. No total, o Ibram possui 14 museus no estado.

Agenda
No dia 13, na capital fluminense, Araujo visitou o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), onde participou das celebrações pelos 80 anos de criação do museu. Saiba mais.

80 anos do MNBA: Marcelo Araujo acompanhou a programação no Rio

80 anos do MNBA na sexta (13): Marcelo Araujo acompanhou a programação no Rio

Nesta segunda-feira (16), o presidente conhece a futura sede da Representação Regional do Ibram no centro do Rio. Também visita o Museu Villa-Lobos/Ibram, localizado no bairro de Botafogo, atualmente fechado para obras de modernização.

A agenda, que inclui reuniões com as equipes de cada museu da rede Ibram, prossegue na terça-feira (17), com visita ao Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI), em Niterói (RJ); e segue na quinta-feira (19) com ida ao Museu Casa da Hera, na cidade de Vassouras (RJ).

“Busco uma gestão mais próxima e forte entre equipes. As visitas técnicas são importantes para conhecer e conversar com os servidores de cada museu”, explica o presidente do Ibram. “É fundamental pensar o instituto como uma equipe única e integrada, capaz de desenvolver projetos transversais”.

Ao longo da semana, ele participa ainda de compromissos públicos e visitas técnicas a outros museus cariocas – como Museu do Samba, Sítio Burle Max, Museu da Maré e Instituto Casa Roberto Marinho.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MNBA/Divulgação

Página 1 de 3512345...102030...Última »