Seminário Internacional discute trajetória da implantação do Rio de Janeiro

De 6 a 8 de outubro, o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram) realizará o Seminário Internacional Ponta do Calabouço e Adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro, que promoverá um debate sobre a trajetória da região que corresponde ao Bairro da Misericórdia, ponto a partir do qual se implantou a cidade e tem o Museu Histórico Nacional como um de seus principais remanescentes.

O Seminário tratará sobre a formação da área conhecida como Ponta da Piaçava, posteriormente consagrada como Ponta do Calabouço, e analisará a história e paisagem arquitetônica da região, além de discutir sobre as possibilidades de educação para a construção de cidadania nesse espaço da cidade.

O conjunto arquitetônico do MHN é constituído pelos vestígios do Forte de São Tiago, a Casa do Trem, e o Arsenal de Guerra que, desde as últimas décadas do século XVI, constituem fontes para pesquisas e reflexões acerca das heranças materiais e imateriais do antigo centro, cujos limites eram os morros de São Bento, da Conceição, de Santo Antônio e do Castelo.

A importância desse território de memória e as coleções de objetos e documentos preservadas nas instituições aí localizadas, motivaram a organização do evento que será realizado em parceria com o Laboratório de História Oral e Imagem da Universidade Federal Fluminense – LABHOI-UFF, o Programa de Pós-graduação em Arquitetura da UFRJ – PROARQ e o Departamento de História da Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.

A participação no Seminário é gratuita, com limitação de 200 vagas. As inscrições podem ser feitas no local, a partir das 9h, pelo e-mail: mhn.pesquisa@museus.gov.br. Os participantes terão direito à certificado, mediante comprovação de frequência (75% de presença). Informações pelo telefone (21) 3299-0338

Tão importante, tão esquecido: o bairro da Misericórdia

A partir do dia 6 de outubro, o MHN exibirá a exposição Tão importante, tão esquecido: o bairro da Misericórdia, que aborda a plenitude e a decadência do bairro da Misericórdia, e que durante os 450 anos da cidade do Rio de Janeiro passou por diversas transformações. Com curadoria de Isabel Lenzi, a exposição pode ser vista até o dia 17 de janeiro de 2016.

As duas atividades fazem parte das comemorações do mês de criação do MHN e dos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro.

MNBA e MHN, no Rio de Janeiro, sediam mostra TRIO Bienal

A partir de 11 de setembro, o Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, no Rio de Janeiro,  será uma das sedes da TRIO Bienal, mostra  internacional de arte contemporânea em torno do tridimensional em seu escopo clássico – escultura, instalações e objetos – assim como, em todos os seus campos expandidos – pintura, fotografia, desenho, vídeo e outros suportes, como investigação tridimensional.Anish Kapoor (Sem titulo)

A curadoria de Marcus de Lontra Costa, sob o tema Quem foi que disse que não existe amanhã? – frase de uma letra do rapper Marcelo D2 – pretende discutir o momento de incerteza e de crise, tanto no Brasil quanto no mundo, e resume a persistência na procura de uma determinada arquitetura no caráter utópico da arte, recarregando fortemente a fé modernista em um mundo mais perfeito.A mostra no MNBA sob o título Reflexões sobre o Reflexo – Dinâmicas do Cinetismo no Tridimensional vai trazer obras de  Anish Kapoor(Reino Unido); Cildo Meireles(Rio de Janeiro), Constantin Brancusi(Romênia);  Heleno Bernardi(Rio de Janeiro);  Hilal Sami Hillal(Espírito Santo);  Hugo Mendes(Paraná); Ivan Navarro(Chile) e Marcia Xavier(Minas Gerais),  entre outros nomes e fica em cartaz até 11 de outubro.

Transversalidades das Identidades Tropicais

A partir de 12 de setembro, o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram) abriga a exposição Transversalidades das Identidades Tropicais, que reúne esculturas, objetos e instalações de 25 artistas do Brasil e do exterior e integra a TRIO Bienal – Bienal Tridimensional Intern’l do Rio 2015.

Sob a curadoria de Marcus de Lontra, ex-diretor do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, e produção executiva de Alexandre Murucci, a TRIO Bienal reúne, em onze centros culturais e museus da cidade, obras de 160 artistas, entre os quais Marina Abramovic, Vik Muniz, Los Carpinteros, Anna Bella Geiger, e Daniel Buren, de 44 países. Todas as obras da TRIO Bienal abordam o tridimensional – escultura, instalações, objetos – assim como, em todos os seus campos ampliados – pintura, fotografia, performance, vídeo e outros suportes enquanto investigação tridimensional.trio-bienal-300x80

Entre os artistas que expõem no Museu Histórico Nacional encontram-se Almandrade (Bahia), Andrea Brown (Rio de Janeiro), Barrão (Rio de Janeiro), Bruno Miguel (Rio de Janeiro), Camille Kachani – (São Paulo), Carina Bokel Becker (Rio de Janeiro), Carlos Krauz (Rio Grande do Sul), Daniel Buren (França), Deneir Martins (Rio de Janeiro), Denise Milan (São Paulo), Estela Sokol (São Paulo), Giuseppe Linardi (Itália), Henrique Oliveira (São Paulo), Joana Vasconcelos ( Portugal), Laerte Ramos (São Paulo) e Laurence Jenkell (USA). Participação, ainda, do artista Pedro Paulo Domingues, com uma intervenção em um canhão do acervo do Museu Histórico Nacional e posicionado no Pátio de Santiago, voltado para a baía da Guanabara.

A exposição fica  em cartaz até o dia 26 de novembro no Museu Histórico Nacional, que fica na Praça Marechal Âncora, s/nº, no Centro do Rio de Janeiro. Informações: (21) 3299-0324.