Página 1 de 212

Conheça o projeto de memória institucional do Museu da República no RJ

Para incentivar a reflexão dos museus sobre suas trajetórias, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) escolheu para  a 11ª Primavera dos Museus o tema “Museus e suas memórias”.

Museu da República no Rio (RJ)

Museu da República no Rio (RJ)

O Museu da República (MR), no Rio de Janeiro (RJ), que integra a rede de 30 museus federais do Ibram, tem a memória institucional como uma de suas preocupações recentes.

Com o objetivo de recuperar e organizar os registros da trajetória do MR, em seus mais de 50 anos de atividades, o Programa de Memória Institucional foi criado em 2010, coordenado pelo Arquivo Histórico e Institucional do museu.

Para além do recolhimento ao arquivo de documentação existente em outros setores do museu, assim como em instituições com as quais o museu já se relacionou, em 2014 teve início a etapa de entrevistas baseada nos métodos de história oral.

A memória contada
De 1960 até hoje, foram dez diretores, em sua maioria mulheres, que marcaram presença à frente do Museu da República.

“Realizamos 12 entrevistas até agora. São cerca de 40 horas gravadas com todos os ex-diretores, a diretora atual e com servidores que, ainda na ativa, estão no Museu da República há mais de 15 anos”, explica Gleise Cruz, arquivista.

Ela conta que, desde que o projeto foi criado, é perceptível o aumento no interesse pelo material, que tem ajudado a complementar informações já conhecidas, assim como preencher lacunas relacionadas à memória institucional.

A memória das colônias de férias do MR também está sendo preservada

A memória das colônias de férias do MR também está sendo preservada

“Estamos agora transcrevendo as entrevistas para facilitar o acesso: são muitas histórias curiosas, divertidas e até emocionantes…”, aponta Gleise Cruz.

Além de recontar a trajetória do museu por meio das histórias de seus servidores, a intenção é também incorporar esse material ao acervo, na forma de documentos históricos audiovisuais, e disponibilizá-lo para consulta.

Mario Chagas, museólogo do museu, aponta a realização da exposição O museu e eu (2013) como representativa para a memória da instituição. O foco da mostra foi a memória dos visitantes no museu, considerados “patrimônio” por Chagas, a partir de fotografias e livros de assinatura. Leia texto escrito para a exposição.

O museólogo ainda cita o trabalho realizado pelo Setor Educativo em prol da memória das colônias de férias do MR, que acontecem anualmente e envolvem centenas de participantes.

Mais informações sobre o projeto de memória institucional do Museu da República podem ser obtidas pelo endereço eletrônico mr.arquivo@museus.gov.br.Visite a página web e assista episódio da série Conhecendo Museus sobre o MR.

Primavera dos Museus
Museus, instituições de memória e centros culturais interessados em participar da 11ª Primavera dos Museus devem acessar a página de Eventos Ibram, até 14 de agosto, e cadastrar online suas atividades programadas -  como exposições, palestras, seminários, shows, exibição de filmes etc. A programação é de inteira responsabilidade dos museus.

A Primavera dos Museus 2017 acontece entre os dias 18 e 24 de setembro. Outras informações podem ser obtidas pelo endereço eletrônico primavera@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: MR/divulgação

Mato Grosso lança projeto para implantar Sistema Estadual de Museus

O Presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo, esteve em Cuiabá, na quinta-feira (1º), para participar do lançamento do projeto de implantação do Sistema Estadual de Museus de Mato Grosso.

Presidente do Ibram (centro) durante encontro com o governador do Estado em Cuiabá (MT)

O projeto visa promover a articulação entre os museus existentes no estado, bem como sua modernização e profissionalização. Com sua implantação, pretende-se cumprir com a agenda do Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM), beneficiando diretamente instituições mato-grossenses.

Na oportunidade, Araujo se reuniu com o Governador do Estado, José Pedro Taques, e com o Secretário Estadual de Cultura, Leandro Carvalho, que apresentaram as ações voltadas para os museus locais.

Ele também visitou cinco equipamentos culturais de Cuiabá: Museu Histórico do Mato Grosso, Museu de Arte Sacra, Museu de Arte do Mato Grosso, Galeria da Secretária de Estado de Cultura e a Biblioteca Estadual.

Para Araújo “a iniciativa de se implantar o Sistema Estadual de Museus em Mato Grosso é fundamental para o aprimoramento e fortalecimento dos museus”, e destacou ainda o cuidado com a memória que se tem na região.

 

Texto: Ascom/Ibram
Foto: GCom-MT/divulgação

Ibram dá início a contratações para restauro da Casa Histórica de Alcântara

MCHA está instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

MCHA está instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) lançou na última quarta-feira (30) edital destinado à seleção via pregão eletrônico, a acontecer no próximo dia 13, de empresa para a realização de levantamentos e projetos com foco no Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), no Maranhão. A contratação será o primeiro passo para a realização de obras de restauração na unidade.

Caberá à empresa selecionada elaborar projeto executivo de restauro, projeto estrutural e projetos de instalações prediais, comunicação visual e paisagismo, que serão utilizados como base para a execução da obra de restauração do museu – instalado num sobrado colonial do séc. XIX tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A elaboração de projeto executivo, que ficará a cargo de técnicos em Arquitetura e Engenharia, incluirá levantamento cadastral, mapeamento de danos e projeto de intervenção, além de projetos complementares. A ideia é que o restauro compatibilize o prédio às necessidades atuais do MCHA, inclusive quanto à atualização tecnológica, respeitando os critérios de intervenção mínima previstos no tombamento do imóvel.

A obra incluirá intervenção física no interior, fachada e cobertura do edifício e em suas instalações de energia, iluminação, telefonia, segurança, hidráulicas e sanitárias, além da execução de novos projetos de prevenção e combate a incêndio, sinalização, paisagístico, luminotécnico e expográfico. O prazo previsto para a realização dos levantamentos e projetos é de 180 dias.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MCHA/Divulgação

Forte Defensor Perpétuo de Paraty promove replantio de espécies nativas

O Forte Defensor Perpétuo de Paraty (RJ) recebeu 250 mudas do Horto Municipal para replantio no Morro do Forte. As espécies nativas da Mata Atlântica, como palmito juçara, ipê amarelo, ipê roxo, cedro, jatobá, cambucá, amora, e  mesmo mudas de café, começaram a ser plantadas.

Algumas delas, como os ipês, o cedro e o jatobá, podem levar até 40 anos para atingir a fase adulta. O palmito juçara, ameaçado de extinção em função da extração predatória, leva 19 anos até a fase adulta. Cambucá, amora e café levam cerca de oito anos.

O plantio das mudas, doadas pelo Horto Florestal, será feito também no alto do Morro do Forte, uma área hoje de mata fechada, mas que guarda as marcas da primeira ocupação da antiga vila de Paraty.

Projeto
O replantio dessas espécies é a primeira etapa do projeto de recomposição da mata nativa do Morro do Forte.

Uma trilha no alto do morro está sendo recuperada em parceria com o engenheiro florestal Nei França, do Instituto Chico Mendes (ICMBio/MMA). Tanto a domesticação da trilha já existente como o plantio das mudas integram um conjunto de propostas para a criação de um futuro parque no Morro do Forte.

A criação deste parque atenderia a demandas da comunidade local e de turistas, visando a prática de lazer, educação ambiental e turismo ecológico, criando uma nova atração turística junto ao Centro Histórico.

Parque do Morro do Forte

O projeto original do parque, datado de 1993 e executado parcialmente, previa, entre outras coisas, uma trilha sinalizada por dentro da mata; a criação de uma praça com espécies ornamentais – montada com artúrios, bromélias, samambaia-uçu, orquídeas, helicônias, avencas, begônias e palmeiras; a adaptação de uma concha acústica natural dentro da mata para funcionar como anfiteatro; e um marco em homenagem à fundação do vilarejo de Paraty, próximo às ruínas ali existentes.

Também constavam do projeto o enriquecimento do bosque com espécies primárias, secundárias e principalmente ornamentais, revitalizando os jardins do entorno do prédio colonial principal, onde hoje funciona o museu Forte Defensor Perpétuo, e a construção de mirantes com a abertura do dossel florestal, com vistas pra o Centro Histórico, Ilhas e Jabaquara.

O projeto foi retomado em 2013 e, nos últimos dias, teve início o trabalho de reabertura da antiga trilha. O parque do Morro do Forte tem uma área prevista de 13 hectares.

Texto e fotos: Divulgação Forte Defensor Perpétuo
Edição: Ascom/Ibram
Última edição: 23.9.2014

Museu Imperial oferece atividade educativa para escolas de Petrópolis (RJ)

Teve início a edição 2013 do Projeto Petrópolis, desenvolvido pelo Setor de Educação do Museu Imperial (Ibram/MinC) e voltado a estudantes das escolas de Petrópolis (RJ) – onde fica o Museu – que estejam  cursando desde o terceiro ano do ensino fundamental até o último ano do ensino médio.

O Projeto Petrópolis teve início em 2001 e a cada edição é explorado um tema, com o objetivo de apresentar aos participantes diferentes aspectos da história da cidade. Este ano, a temática são as representações de Petrópolis feitas por artistas do século XIX e disponíveis na exposição temporária Paisagem petropolitana, inaugurada no dia 16 de março.

Ao analisar os diferentes ângulos da paisagem petropolitana no século XIX, retratados pelo olhar de importantes pintores, fotógrafos, desenhistas, litógrafos e escritores daquele período, o trabalho pretende levar estudantes e professores a perceberem, sob uma perspectiva estética e reflexiva, as transformações que a cidade sofreu ao longo dos anos.

Entre os artistas expostos estão os pintores Augusto Rodrigues Duarte, João Batista da Costa, Benjamin Mary, Caroline F. Leveson Gower e Friedrich Hagedorn; os fotógrafos Jorge Henrique Papf, Marc Ferrez, Revert Henry Klumb e George Leuzinger; o desenhista Otto Reimarus; o litógrafo Eugène Cicéri; e o escritor Carlos Augusto Taunay.

A edição 2013 do Projeto Petrópolis está disponível até 12 de julho e a participação é gratuita, tanto para escolas públicas quanto particulares. As escolas interessadas podem fazer o agendamento pelo telefone (24) 2245.7735, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 12h30 às 17h30. O projeto acontece de terça a sexta-feira, com horários a partir das 11h. Mais informações na página do Museu Imperial.

Texto e foto: Divulgação Museu Imperial

Ibram começa a mapear público de exposições de curta duração no Brasil

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) deu início nesta semana a um projeto que vai assegurar informações mais precisas e abrangentes sobre a visitação a exposições de curta duração no Brasil.

O projeto Exposições no Brasil consiste na implantação de um sistema permanente de coleta, gerenciamento, tratamento e compartilhamento anual de dados sobre exposições de curta duração realizadas em todo o território nacional.

Exposições no Brasil: projeto vai envolver 50 instituições na primeira fase

A iniciativa vai oferecer ao setor museal uma plataforma online por meio da qual será realizada uma coleta anual de dados relacionados ao tema. Uma versão preliminar (beta) do recurso começou a ser testada na quarta-feira (16).

Participam desta etapa inicial cerca de 50 museus e instituições culturais que realizam exposições de curta duração no Brasil,  que já adotam metodologias de contagem de público e têm uma média mínima diária de 350 visitantes.

Ineditismo e colaboração
“Trata-se ainda de um projeto piloto, mas que em breve será lançado e apresentado na plataforma institucional utilizada pelo Ibram”, explica a coordenadora geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram, Rose Miranda. “A participação é voluntária, mas esperamos que o projeto tenha adesão do maior número possível de instituições”.

Há três anos, o Ibram vem colaborando com o periódico britânico The Art Newspaper, que coleta dados sobre visitação a exposições em todo o mundo. A parceria tem rendido projeção internacional ao campo museal brasileiro: na segunda participação do país na pesquisa, uma exposição do Brasil figurou como a mais visitada do mundo em 2011. Saiba mais.

O projeto também vem ao encontro de metas do Plano Nacional de Cultura (PNC) e Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM), subsidiando ainda pesquisas sobre visitação e oferta de exposições, assim como estudos institucionais voltados para a produção regular de dados estatísticos. Outras informações podem ser obtidas pelo endereço eletrônico exposicoesnobrasil@museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram

Museu das Bandeiras (GO) comemora 8 de março com Bordando Cidadania

No dia 9 de março, o Museu das Bandeiras/Ibram comemorou o Dia Internacional da Mulher (8 de março) com cinco internas da Unidade Prisional de Goiás. Dentro da cela, por meio de dinâmicas de grupo, refletiu-se sobre a condição feminina e sobre a convivência carcerária. A seguir, uma torta em homenagem às mulheres foi partilhada pelo grupo.

A atividade é parte do Projeto Bordando Cidadania, desenvolvido desde 2008 pelo Museu das Bandeiras em parceria com a Cabocla Criações – empresa da Cidade de Goiás.

O museu, que ocupa uma antiga Cadeia Pública, entre os anos de 1766 e 1950, desenvolve o projeto como forma de inserir o uso de tecnologias artesanais e sustentáveis na práxis museal e também uma maneira de se fazer cumprir a missão social do museu enquanto agente transformador da sociedade.

Desde a sua criação, o projeto tem levado às internas e algumas egressas oportunidade de profissionalização, geração de renda e remissão de pena, além de contribuir para a recuperação e elevação da auto-estima.

Atualmente, o Projeto também atende a alguns internos e seus familiares, todos atraídos pela garantia de sustentabilidade e possibilidade de re-inserção social e de permanência no mercado de trabalho. Saiba mais.

Fonte: Divulgação Museus Ibram em Goiás

Projeto Música no Museu realiza Festival de Sopros no RJ

O projeto Música no Museu apresentará, no Rio de Janeiro, no período de 4 a 30 de novembro, o IV Festival Internacional de Sopros, que inclui a realização de 28 concertos. As apresentações ocorrerão em espaços como a Biblioteca Nacional, Museu da República, Arquivo Nacional, Museu de Arte Moderna, dentre outros.

Oboé, fagote, clarineta e flauta são instrumentos que estarão em destaque durante todo o evento. O projeto Música no Museu conta com o apoio do Ministério da Cultura, por meio da Lei Rouanet (Lei nº 8.313/91).

O concerto de abertura ficará a cargo da Orquestra Jovem Música no Museu, nesta sexta-feira (4), às 12h30, no Centro Cultural Light, com capacidade para 200 lugares. Será a estreia do Concerto para Clarineta e Cordas, do Maestro Anderson Alves.

No programa constam J. Sibelius, Heitor Villa-Lobos, G. Bottesini, F. Mendelsohn e Anderson Alves. A apresentação inaugural será dedicada ao professor e clarinetista José Carlos de Castro. O festival contará com a participação de diversos convidados internacionais. Continue lendo.

Fonte: Portal MinC

Museu Chácara do Céu (RJ) inicia projeto Circuitos de Santa

O setor educativo do Museu da Chácara do Céu/Ibram, que integra os Museus Castro Maya (RJ), inaugurou neste mês de outubro, o Projeto Circuitos de Santa. Trata-se de uma ação voltada à educação patrimonial e valorização da comunidade de Santa Teresa, onde visitantes e membros da comunidade realizam visitas mediadas pelas ruas do bairro, conhecendo e sendo incentivados a valorizar o patrimônio histórico e cultural local.

No dia 8 de outubro, os educadores do museu receberam o projeto Periferias em Cena, com um grupo de integrantes  de uma ONG sediada no Complexo do Alemão. Já no dia 20, dois grupos de jovens da comunidade realizam atividades na Biblioteca Municipal de Santa Teresa.

As visitas são realizadas mediante agendamento, pelo endereço eletrônico comunicacao@museuscastromaya.gov.br ou pelo telefone (21) 3970.1198. Mais informações.

Fonte: Divulgação Museus Castro Maya

Museu Imperial (RJ) integra Outubro Rosa contra câncer de mama

Assim como já ocorreu como o Cristo Redentor, o Coliseu (Itália) o Arco do Triunfo (França) e a Casa Branca (EUA), O Museu Imperial/Ibram está iluminado de rosa entre os dias 13 e 29 de outubro, para conscientizar a população sobre o câncer de mama, no projeto internacional Outubro Rosa.

Além da iluminação, o museu também abrigará outra atividade do projeto. No dia 29 de outubro, às 19h30, será apresentada no Cine Teatro Museu Imperial a peça “Guerreira, seu nome é mulher”, de Zuzu Sarandon.

O espetáculo aborda a história de duas mulheres e os desafios da vida, incluindo infância, adolescência, descobertas, relacionamentos, preconceito, casamento, gravidez, trabalho, sonhos e o câncer. O evento será gratuito, com retirada de convites antecipados na bilheteria do Museu.

O Outubro Rosa é realizado em Petrópolis pela Associação Petropolitana dos Pacientes Oncológicos (APPO) em parceria com o Museu Imperial/Ibram e outras entidades da cidade.

O Outubro Rosa tem seu nome originado do laço cor de rosa que simboliza a luta contra o câncer de mama, através da prevenção e do diagnóstico precoce, e estimula a participação da população, empresas e entidades. Iniciado nos Estados Unidos, o movimento ganhou o mundo e já iluminou de rosa dezenas de edificações e monumentos em diversos países. Outras informações aqui.

Fonte: Divulgação Museu Imperial/Ibram

Página 1 de 212