Página 1 de 912345...Última »

Publicações guardam aspectos relevantes da memória institucional do MHN

O Museu Histórico Nacional (Ibram/MinC), no Rio de Janeiro (RJ), criado em 1922 no âmbito das comemorações do Centenário da Independência do Brasil, é o mais antigo museu ligado ao Ibram. Voltado para a construção de memórias nacionais e suas representações, devota especial atenção à produção e preservação de suas memórias institucionais.

Anais do MHN: publicações abordam aspectos da memória institucional

Anais do MHN: publicações abordam aspectos da memória institucional

Instituição quase centenária, o museu é consciente de seu papel na sociedade e da importância de sua trajetória. Grande parte dessa trajetória está registrada nos Anais do Museu Histórico Nacional. Desde o primeiro volume, datado de 1940 até os atuais, todos podem ser acessados na página web do museu.

Ali também estão disponíveis os relatórios de atividades e os processos de entrada de acervo correspondentes ao período de 1922 até a década de 1970, além da Hemeroteca Gustavo Barroso.

Formação e preservação
Para a equipe do museu, a análise dessa documentação disponibilizada ao grande público tem contribuído para a produção do conhecimento sobre a história do MHN e sua atuação tanto na formação de profissionais de museologia, quanto na preservação do patrimônio nacional.

Trata-se de duas ações pioneiras do museu: a criação do Curso de Museus, em 1932, e da Inspetoria de Monumentos Nacionais em 1934.

O curso de museus funcionou sob a responsabilidade e nas dependências do MHN até 1979, quando foi transferido para a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

Em funcionamento até hoje, é uma referência na formação de museólogos. Já a Inspetoria de Monumentos Nacionais foi um órgão efêmero e extinto em 1937, em função da criação do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN) – órgão anterior ao Iphan. Em seu período de existência, a Inspetoria restringiu suas atividades à conservação e restauração de igrejas, pontes e chafarizes na cidade mineira de Ouro Preto – decretada Monumento Nacional em 1933.

Além disso, o MHN promove ações comemorativas que contribuem para a divulgação da memória institucional. No âmbito das atividades da Primavera dos Museus, com o tema Museus e suas memórias, e também na preparação da agenda para seu centenário em 2022, o Museu Histórico Nacional mais uma vez sublinha os trabalhos de produção e divulgação das suas memórias institucionais com projetos de eventos, livros, exposição e catálogos.

Assista episódio da série Conhecendo Museus sobre o Museu Histórico Nacional.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: MHN/Divulgação

Matérias relacionadas
MART aposta na integração entre sua memória e comunidade de Cabo Frio
A memória institucional de museus Ibram em MG na voz de seus colaboradores
Conheça as iniciativas de memória institucional do Museu Victor Meirelles
História oral resgata memória institucional do Museu das Missões
Livros e filmes abordam a memória institucional dos Museus Castro Maya
Conheça o projeto de memória institucional do Museu da República no RJ

Técnicos do Ibram participam de treinamento em Estudos de Público

museuspublico_MHN-300x224Técnicos dos museus vinculados ao Ibram participaram, nesta semana, de uma oficina de treinamento em Estudos de Público.

A primeira turma, nos dias 3 e 4 de julho, reuniu no Museu da Inconfidência (MG), 13 profissionais dos museus sediados naquele estado. Já a segunda turma, reuniu cerca de 40 técnicos oriundos dos museus vinculados nos demais estados da federação nos dias 6 e 7, no Museu Histórico Nacional (RJ).

A capacitação é voltada para a implementação do Laboratório de Público Ibram, iniciativa do Projeto Museus & Público, que pretende levantar dados sobre o perfil dos visitantes. O laboratório utilizará metodologia desenvolvida pelo Observatório Ibero-Americano de Museus (OIM), que contou com a participação dos países membros do Ibermuseus.

Para Rômulo Sabarense da Costa, do Museu Regional Casa dos Ottoni, o levantamento de estudo de público é primordial para qualquer museu que pretenda estabelecer plano estratégico. “Conhecer o público ajuda a estabelecer metas, ajustar atividades e também nos dá subsídios para identificar o público ausente, o ‘não-público’. A partir dessa análise, a instituição deixa de ser mero agente passivo, apenas esperando o público visitante, para buscar método para trazer público regular e público potencial”, declarou.

Para o diretor do Museu do Ouro, Ricardo Rosa, o treinamento proporcionou a troca de experiências, o intercâmbio e a interação com colegas de outros museus e foi um espaço de construção coletiva, dedicado ao debate e a capacitação.

“A área educativa do Museu do Ouro já realiza pesquisa de público, sendo computados dados como, procedência, gênero, escolaridade, rede de ensino, faixa etária etc, porém a criação de uma metodologia unificada de pesquisa e aplicação, dentro dos museus do Ibram, apresenta-se como de suma importância para a compilação, validação, interação e dinamização dos dados coletados”, concluiu.

Saiba mais sobre o projeto Museus & Público, que visa estudar as características das relações existentes entre os museus e seus públicos.

Tecnologia desenvolvida pela UFRJ será atração no Museu Histórico Nacional

FOTO: RICARDO BHERINGUma parceria entre o Museu Histórico Nacional/Ibram do Rio de Janeiro, pesquisadores do Laboratório Lamce, instalado no Parque Tecnológico da UFRJ e a startup Engset, ex-residente da Incubadora de Empresas da COPPE, irá unir tecnologia e história através das tecnologias de realidade aumentada e holografia.

A iniciativa será lançada no dia 13 de junho, às 10h30, na Galeria das Carruagens do Museu Histórico Nacional, onde um grupo de estudantes convidados fará uso das tecnologias em primeira mão.

Com o objetivo de levar interatividade para o Museu, foram desenvolvidas tecnologias de holografia e realidade aumentada para o espaço em forma de aplicativo.

Denominado MHN-GuideIn, o aplicativo permite, por meio da câmera de smartphones ou tablets, que visitantes visualizem os elementos virtuais tridimensionais sobre os painéis e cartazes da galeria das carruagens no Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro. Ele também apresenta imagens imersivas de 360 graus do interior de todos os veículos em exposição na galeria. O usuário poderá examinar detalhes do interior, direcionando o smartphone ou tablet como se estivesse no seu próprio veículo.

O projeto está sendo instalado na Galeria das Carruagens e inclui a modernização de todas as placas e painéis informativos da galeria, preparando-os para a inovação. A tecnologia permitirá que todos os visitantes que baixarem o aplicativo possam ter uma experiência de “volta ao passado” e se aproximar um pouco mais da história através da inovação. O aplicativo é gratuito e estará disponível para dispositivos da plataforma Android e IOS/Apple a partir de amanhã (13).

O Museu Histórico Nacional

Atualmente, o Museu Histórico Nacional ocupa todo o complexo arquitetônico da Ponta do Calabouço e reúne um acervo com cerca de 258 mil itens, entre objetos, documentos e livros, e sendo uma instituição de produção e difusão de conhecimento.

O MHN mantém, em 9 mil m² de área aberta ao público, galerias de exposições de longa duração e temporárias, além da Biblioteca especializada em História do Brasil, História da Arte, Museologia e Moda, do Arquivo Histórico, com importantes documentos manuscritos, aquarelas, ilustrações e fotografias, entre as quais exemplares de Juan Gutierrez, Augusto Malta e Marc Ferrez. Mantém, ainda, programas voltados para estudantes, professores, terceira idade e comunidades carentes.

As áreas de Reserva Técnica, Laboratório de Conservação e Restauração Numismática (coleção de moedas e outros valores impressos) podem ser consultadas, mediante agendamento prévio.

Texto e foto: Museu Histórico Nacional/divulgação

Museus Ibram participam da Semana Nacional de Arquivos

Acontece, entre os dias 5 e 10 de julho, a 1ª Semana Nacional de Arquivos. O evento, baseado no sucesso da Semana de Museus, é organizado pelo Arquivo Nacional em parceria com a Fundação Casa de Rui Barbosa e visa ampliar a visibilidade dos arquivos e sua inserção na sociedade.

As instituições interessadas em participar devem se inscrever até o dia 30 de maio aqui. O Museu Histórico Nacional e o Museu da República, ambos no Rio de Janeiro, já se inscreveram para participar da Semana.

O Museu Histórico Nacional realiza, no dia 6 de junho, às 14h, a palestra “Paleografia de Manuscritos do Brasil”, com o Prof. Dr. Franklin Leal. A Paleografia é uma ciência que causa fascínio ao abordar a história da evolução da escrita, das letras e dos números. Seu estudo é fundamental nas áreas de História, Filologia, Arquivologia, Museologia e Biblioteconomia. Considerando que o Brasil reúne o maior acervo de manuscritos da América Latina, o evento tem como objetivo debater a relevância da prática de transcrições paleográficas no país.

Diversas atividades foram programadas pelo Museu da República. Ao longo da semana, ficarão expostos no saguão do Palácio, documentos dos arquivos do Museu. No dia 6, haverá uma visita técnica ao Arquivo Histórico. São 15 vagas e as inscrições devem ser feitas através do e-mail mr.arquivo@museus.gov.br. Também o Cineclube Silvio Tendler será sobre o tema e acontece, no dia 7, a mesa-redonda A poética do arquivar-se, mediada pelo museólogo Mario Chagas, com apresentações de Luiz Claudio da Costa, Isabel Portella e os artistas do Coletivo Filé de Peixe. Toda a programação da Semana Nacional de Arquivos pode ser encontrada aqui.

Museu Histórico Nacional recebe mostra Quando o mar virou Rio

Quando o mar virou Rio em cartaz no MHN

Quando o mar virou Rio: exposição fica em cartaz no MHN até 28 de maio

Entre os dias 24 de março e 28 de maio, o Museu Histórico Nacional/Ibram, no Rio de Janeiro, vai “estender a canga e abrir o guarda sol” para receber a exposição Quando o mar virou Rio.

Ao todo são 130 obras de 25 artistas, entre gravuras, fotografias, instalações e pinturas, organizadas em nove temas que resgatam a história da relação dos moradores do Rio de Janeiro com a praia – desde a origem, quando os médicos receitavam banhos de mar para curar doenças de pele ou respiratórias, até os dias atuais – incluindo a moda, os esportes e o ideal de ‘carioquice’ que ganhou fama no mundo.

Uma parte significativa dessa coleção veio de acervos: 11 artistas e 24 obras são do próprio Museu Histórico Nacional; 26 obras das coleções dos fotógrafos Augusto Malta (1864-1957) e Alair Gomes (1921-1992) pertencem à Biblioteca Nacional; e há mais 5 imagens do Augusto Malta que compõem o acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS).

Trajetória entrelaçada
“A curadoria gosta de pensar que a exposição é uma ode ao movimento da cidade, que começa com a vinda dos primeiros índios que buscavam a terra sem males, passa pelos navegantes portugueses e é porto de partida e chegada de produtos, pessoas e influências de além mar”, explica o curador Diogo Rezende, até quando o Rio se volta literalmente para a praia, desaguando numa paixão do carioca por ocupar a orla de diferentes maneiras”.

Para Letícia Stallone, também curadora, a mostra “apresenta parte da história dessa cidade, conhecida no mundo inteiro como Rio, mas que tem uma trajetória tão entrelaçada ao mar que a sua própria identidade está vinculada à imensidão da água salgada, ao sol, à areia e tudo que pertence a esse ambiente. Tudo isso num mesmo gingado que a gente que se mete nessa geografia acaba adquirindo”.

A mostra foi idealizada e produzida pelo estúdio M´Baraká e pela produtora Logorama, com patrocínio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, da Secretaria Municipal de Cultura por meio da Lei Municipal de Incentivo a Cultura – Lei do ISS, e da Multi Terminais, copatrocínio da E.T.T. First RH e a Shift Gestão de Serviços e apoio do Control Lab e do Consulado Francês.

Texto: Divulgação MHN
Edição: Ascom Ibram
Foto: Júlio Bittencourt/Divulgação

Ibram e Google disponibilizarão online acervos de cinco museus

Imagens em alta definição de bens culturais pertencentes aos acervos de cinco museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) estarão disponíveis online nos próximos meses.

Museu Lasar Segall em SP é uma das instituições integradas ao projeto Ibram-Google

Museu Lasar Segall em SP é uma das instituições participantes da parceria entre Ibram e Google

Resultado de parceria entre o Ibram e a Google Inc, por meio do Projeto Google Art, a digitalização tem como objetivo promover os museus brasileiros e seus acervos, democratizando o acesso ao vasto patrimônio que essas instituições preservam.

Nesta primeira fase do projeto participam o Museu Imperial, em Petrópolis (RJ); o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), os Museus Castro Maya e o Museu Histórico Nacional (MHN), localizados no Rio; além do Museu Lasar Segall, em São Paulo (SP).

Inicialmente, estarão disponíveis online imagens do interior e edificação dos museus, por meio da tecnologia Street View, imagens de peças emblemáticas dos acervos de cada instituição, capturadas em alta definição (ArtCamera), além de conteúdos relacionados – como plantas baixas e dados de identificação (metadados) das obras.

Trabalho em processo
Com as imagens das galerias e edificações dos museus já capturadas, está em andamento a fotografia das obras: cerca de 100 imagens devem ser feitas em cada instituição. Com a inclusão dos metadados, a última fase será a construção das exposições virtuais que alinham as obras em torno de narrativas.

GoogleArt_Print

Projeto Google Art já possui cerca de 45 mil obras disponíveis online

O lançamento dos conteúdos digitais dos museus Ibram na plataforma Google deve acontecer durante o 7º Fórum Nacional de Museus, na cidade de Porto Alegre (RS), no mês de junho.

O Google Art é um projeto sem fins lucrativos desenvolvido pelo Instituto Cultural da Google. Com instituições parceiras em mais de 60 países, e cerca de 45 mil obras online, 26 instituições brasileiras já se encontram no projeto – como Pinacoteca de São Paulo, Museu do Amanhã (RJ), Fundação Athos Bulcão (DF) e Inhotim (MG).

A proposta é divulgar os acervos culturais, obras de arte e documentos históricos que estão fisicamente em museus e instituições de todo o mundo por meio da rede mundial de computadores, ampliando sua acessibilidade para pessoas no mundo inteiro. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Ibram/Divulgação

Publicações editadas pelo MHN em 2016 estão disponíveis na internet

15972673_586036398260522_7262968518502455895_o

Recém-lançados, dois livros e um catálogo, além de mais um volume dos tradicionais Anais do Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), teve ampla produção bibliográfica no ano passado.

A Divisão de Pesquisa do museu foi responsável pela edição e lançamento de dois livros e um catálogo, além de mais um volume dos tradicionais Anais do Museu Histórico Nacional, publicados desde a década de 1940.

A nova safra de publicações inclui o livro Os Vice-Reis no Rio de Janeiro – 250 anos, que traz artigos selecionados pelo MHN a partir de Seminário Internacional dedicado à transferência da sede do governo-geral do Estado do Brasil e dos vice-reis de Salvador para o Rio de Janeiro.

Personagens e memórias
Também resultado de Seminário Internacional, D. Leopoldina e seu tempo: sociedade, política, ciência e arte no século XIX reúne ensaios que tomam a personagem histórica, arquiduquesa austríaca e imperatriz do Brasil, como referência para o entendimento de uma época de transformações sociais.

Idealizado a partir da exposição homônima realizada no MHN, o catálogo Tão importante, tão esquecido: o bairro da Misericórdia traz reflexões sobre a construção da memória e das transformações vividas pela cidade do Rio de Janeiro, do início da cidade, nos séculos XVI e XVII, ao Porto Maravilha do século XXI.

Completa o pacote de lançamentos o volume 47 dos Anais do Museu Histórico Nacional – material de referência para pesquisadores da área das ciências humanas e sociais, a tradicional publicação recebeu avaliação B1 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

O volume 47 foi inteiramente dedicado à história recente da Museologia, com dossiê organizado pelo museólogo e professor Bruno Brulon, seleção de textos do professor francês André Desvallés, importante teórico francês da Nova Museologia, e artigos do museólogo e professor Mário Chagas (Ibram/UniRio) e da historiadora e doutora em Museologia Analucia Thompson.

As publicações podem ser adquiridas na loja física do MHN ou acessadas na Biblioteca Virtual do museu.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Pâmela Lima

100 obras de artistas de cinco países estão expostas até dia 31 no MHN

A partir desta sexta-feira (14), o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), recebe a mostra Aomei Fine Arts 2016, que reúne cerca de 100 obras de artistas da China, Japão, Irlanda, Coréia do Sul e Brasil.

Imagem que compõe a exposição mostra uma partida de hóquei na China antiga

Com o tema A Arte faz as Olimpíadas ainda mais bela, a exposição traz pinturas que retratam esportes seculares da China e sua civilização, que já apresentava esportes como o futebol e o hóquei, há dois mil anos.

A mostra fica em cartaz somente até o dia 31 de outubro e depois segue para outros países. No dia 25, haverá um seminário que contará com a presença de artistas chineses e dos curadores da mostra, no auditório do MHN, às 19h30.

Fruto da celebração do Ano de Intercâmbio China – América Latina – Caribe, iniciativa nascida após reunião do presidente chinês Xi Jinping e dos líderes da América Latina e do Caribe, realizada em julho de 2014, a exposição busca interpretar o espírito olímpico nas artes, refletindo a mistura multicultural chinesa, da América Latina e do mundo.

A Aomei Fine Arts é uma produção da China Society for the Promotion of Cultural and Art Development, da Beijing Association for the Promotion of Olympics-related Culture e do Beijing Olympic Club.

O Museu Histórico Nacional fica na Praça Marechal Âncora, s/nº – Centro, e está aberto ao público de terça a sexta-feira, das 10h às 17h30 e aos sábados, domingos e feriados das 14h às 18h.

Texto e foto: Divulgação MHN

Indumentária e moda são temas de seminário internacional no MHN

Sophia Jobim (1904-1968), uma das referências nacionais do ensino e estudo das relações entre indumentária e moda, é a homenageada no Seminário Internacional Estudos de Indumentária e Moda no Brasil: tributo a Sophia Jobim, que acontece entre os dias 27 e 29 de setembro na capital fluminense.

Sophia Jobim em seu ateliê no Rio (sem data)

Sophia Jobim em seu ateliê no Rio (sem data)

Organizado pela  Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e  Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) no Rio, o evento internacional se propõe a ampliar as discussões da presença da indumentária e da moda no âmbito das ciências humanas – que teve na professora, pesquisadora, artista e museóloga brasileira Sophia Jobim figura-chave no cruzamento entre as duas áreas.

Programação
Na abertura (27), a conferência principal traz o pesquisador e escritor Frederico Pernambucano de Mello para falar sobre a estética dos cangaceiros, personagens que fizeram história até meados do século XX na região Nordeste e integram o imaginário cultural brasileiro.

As três mesas de diálogo programadas para o primeiro dia trazem pesquisadores de universidades do Rio, São Paulo, Minas Gerais, Pará e Bahia – além de Alessandro Bucci, da Universidade de Edimburgo (Escócia). No fim do dia, o MHN abre exposição com obras da Coleção Sophia Jobim presentes no seu acervo.

Os dias 28 e 29 estão voltados para minicursos e oficinas. Podem se inscrever tanto professores do ensino fundamental e médio quanto o publico em geral. Os minicursos têm vagas limitadas e o valor da inscrição é R$30 por atividade. As demais atividades são gratuitas e haverá certificado para os participantes. Saiba como se inscrever.

O Museu Histórico Nacional está localizado na Praça Marechal Âncora, S/N (próximo à Praça XV), no centro do Rio. Saiba mais.

Texto: Divulgação MHN/Ibram
Edição: Ascom/Ibram
Foto: Cadernos de Sophia/Divulgação

Durante olimpíadas, exposição no MHN traz mostra da cultura popular brasileira

mhnPara o período dos Jogos Olímpicos Rio 2016, que terão abertura oficial nesta sexta-feira (5), o Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro, programa exposição que oferece a brasileiros e estrangeiros a oportunidade de conhecer melhor a riquíssima cultura popular do país sede.

O Brasil na Arte Popular – 40 anos do Museu Casa do Pontal traz ao público parte do acervo exclusivo daquele que é considerado o maior museu de arte popular brasileiro, resultado de mais de 40 anos de viagens e pesquisas por todo o país do designer francês Jacques Van de Beuque.

A exposição conta com 150 esculturas que expressam a arte popular brasileira das regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, que poderão ser visitadas de 12 de agosto a 30 de outubro.

Contestado – Oferecendo aos visitantes a oportunidade de conhecer melhor também detalhes da história brasileira, o MHN exibe, desde a última quarta-feira (3), a exposição Guerra do Contestado, Arte e História por Hassis: Em homenagem a Heidy de Assis.

Realizada em parceria com a Fundação Hassis e Museu do Contestado, a exposição, que aborda o conflito armado (1912-1916) travado entre Santa Catarina e Paraná, traz uma série de 78 desenhos feitos a nanquim, além de um documentário produzido pela Fundação Cultural de Santa Catarina e um vídeo do próprio artista.

Página 1 de 912345...Última »