Página 1 de 41234

Livros e filmes abordam a memória institucional dos Museus Castro Maya

O tema Museus e suas memórias guia as atividades para a 11ª Primavera dos Museus – que acontece entre 18 e 24 de setembro de 2017.

Ottoni de Castro Maya no Museu do Açude

Ottoni de Castro Maya no Museu do Açude

Os museus ligados ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), que coordenada a temporada nacional de eventos, têm desenvolvido ações que buscam a preservação da memória institucional enquanto parte legítima de suas histórias.

A trajetória dos Museus Castro Maya, no Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, remonta diretamente à memória de Raymundo Ottoni de Castro Maya (1884-1968).

Industrial, editor de livros, esportista, defensor do patrimônio histórico, artístico e natural cariocas e, especialmente, colecionador de arte, seu acervo deu origem às duas instituições reunidas nos Museus Castro Maya: Museu da Chácara do Céu, no bairro de Santa Teresa, e Museu do Açude, no Alto da Boa Vista.

Histórias entrecruzadas
Os dois espaços foram residências de Castro Maya. O estilo refinado do mecenas ficava visível quando realizava recepções para personalidades mundiais e amigos no Rio.“Este período está registrado no primeiro livro que publicamos, em 1997, sobre nosso patrono – Castro Maya, anfitrião”, explica Vera Alencar, diretora dos museus.

“A publicação foi o início de uma série editorial que não só revela os múltiplos aspectos da atuação de Castro Maya na vida da cidade, como também resgata parte da memória dos museus, através das diferentes facetas de sua personalidade”, acrescenta.

50 anos do Museu do Açude

Museu do Açude durante comemoração dos seus 50 anos de criação (2014)

Por meio da produção editorial tem sido abordados aspectos relevantes: Castro Maya, bibliófilo; Castro Maya, colecionador de Debret; Castro Maya, colecionador de Portinari e Castro Maya e a Floresta da Tijuca são publicações que conectam a história de Castro Maya com os acervos das instituições. Conheça essas e outras publicações na Livraria do Ibram.

A exposição permanente Retratos de Raymundo, que recepciona os visitantes no Museu do Açude,  faz um recorte dessas diversas facetas do colecionador carioca.

Memória audiovisual
Além dos livros, três filmes também registram aspectos da memória dos museus. O mais antigo deles, O olhar de Castro Maya (2004), foi dirigido por Sylvio Tendler a partir de filmes 16mm realizados por Castro Maya entre 1930 e 1960.

Já em 2016, o documentário Castro Maya, carioca da perfeição, também sob direção de Tendler, retomou parte das imagens de arquivo e propôs uma nova abordagem para a relação entre memórias e acervos.

Outro documentário que vale o registro é Museus Castro Maya (2008), realizado por Marco Altberg, e que faz um recorte mais ligado às instituições.

Interior do Museu da Chácara do Céu/Museus Castro Maya no Rio

Interior do Museu da Chácara do Céu/Museus Castro Maya no Rio

Outros dois projetos que também se relacionam à memória dos museus são o Encontro de Colecionadores e Os amigos da gravura.

O primeira convida colecionadores particulares ou instituições para exposições na Chácara do Céu, com o propósito de estabelecer um diálogo entre acervos e coleções, intercalando memórias e permitindo novas leituras.

O segundo, criado pelo próprio Castro Maya em 1948, convida artistas para participar com um trabalho inédito em gravura, com tiragem limitada, que é incorporado ao acervo do museu.

Conheça mais sobre os Museus Castro Maya e assista episódio do programa Conhecendo Museus. Saiba como participar da 11ª Primavera dos Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Museus Castro Maya/Divulgação

Matéria relacionada
Conheça o projeto de memória institucional do Museu da República no RJ

Conheça a programação cultural do 7º FNM em Porto Alegre

A cada edição, o Fórum Nacional de Museus (FNM) abre espaço para atividades culturais das cidades por onde passa. Exposições, apresentações musicais e visita a museus compõem a programação de sua sétima edição em Porto Alegre (RS) – que acontece entre 31 de maio e 4 de junho no Centro de Eventos da PUC-RS.

Povo Guarani-Mbyá é tema de exposição no 7º FNM

Povo Guarani-Mbyá é tema de exposição no 7º FNM

Durante todos os dias os participantes poderão visitar a exposição fotográfica Os Guarani-Mbyá – realizada em 2015 pelo Museu da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

As imagens documentam o cotidiano de aldeias Guarani-Mbyá no RS. Considerados povos originários da América do Sul, há pelo menos 30 aldeias no estado.

Outra exposição em cartaz será Temporânea, Revitalizando Memórias em Porto Alegre. Resultado da parceria entre a Companhia Carris, o projeto Viva Centro e a Prefeitura Municipal, a mostra destaca o centro histórico da capital gaúcha e as relações que se estabelecem entre seus espaços e o transporte público.

Música e museus
Já as apresentações musicais começam na noite de abertura (30): o grupo musical do Instituto de Desenvolvimento Social e Cultural fará releituras de músicas atuais, combinando voz, instrumentos eruditos e DJ.

No dia 1º de junho, às 15h30, acontece show acústico do Império da Lã. O grupo, que surgiu há 10 anos, se caracteriza pela diversidade de estilos e de músicos: já lançou um EP e vem se apresentando em festivais pelo país.

Já o Grupo de Brincantes do Paralelo 30 é a atração do dia 2 de junho, também às 15h30. Com a proposta de retratar manifestações da cultura popular brasileira, para o 7º FNM o grupo propõe celebrar a cultura gaúcha, sem perder a perspectiva transdisciplinar das pesquisas que desenvolve.

A exposições, assim como as duas apresentações, ocuparão o Hall de Exposições do Centro de Eventos PUC-RS.

No dia 4 de junho, último dia do FNM 2017, a manhã do domingo (9h-12h30) será dedicada a visitas em museus de Porto Alegre e São Leopoldo -cerca de 35 km da capital. Confira a lista dos que estarão abertos para receber os participantes do FNM.

A programação completa do 7º Fórum Nacional de Museus está disponível no blogue do evento.

Foto: Museu da UFRGS/Divulgação

A Paisagem na Academia em mostra no Museu Nacional de Belas Artes

Estudo de paisagem, sem data. Rodolfo Amoedo

Estudo de paisagem: Rodolfo Amoêdo (sem data)

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) recebe, a partir da terça-feira (9), a exposição Paisagem na Academia.

A mostra é uma parceria com a Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EBA) e enfoca a história do ensino da pintura de paisagem na Academia de Belas Artes, que funcionou no Rio de Janeiro.

Com curadoria dos professores Carlos Terra e Ana Cavalcanti, da EBA, a exibição apresenta 21 obras, entre gravura, pintura e aquarela.

São destaques da exposição o processo artístico cotidiano e trabalhos que habitualmente não são expostos ao público, como desenhos realizados como provas para o concurso de professor de “Paisagem, flores e animais” de 1881, estudos de nuvens de Victor Meirelles e pequenas paisagens de Rodolpho Amoêdo.

Fazem parte da mostra obras de sete artistas que foram professores na Academia entre 1816 e 1890: Nicolas Antoine Taunay, Manuel de Araujo Porto-Alegre, Agostinho da Motta, Victor Meirelles, Leôncio Vieira, Rodolpho Amoêdo e Antonio Parreiras.

A exposição fica em cartaz até 9 de junho. O MNBA funciona de terça a sexta, das 10h às 18h e aos sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h. Saiba mais.

 

Texto e imagem: MNBA/divulgação
Edição: Ascom/Ibram

CNIC de outubro autoriza captação de mais de R$ 4,6 milhões para museus

A 249ª reunião da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) aprovou, entre os dias 4 e 6 de outubro, que museus e instituições de memória possam captar R$ 4.674.341,00 via Lei Rouanet – mecanismo federal de incentivo fiscal à cultura.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), e outras vinculadas do Ministério da Cultura (MinC), analisaram 22 projetos nesta edição da CNIC, sendo que 17 foram aprovados.

Foi aprovado, por exemplo, projeto para a execução de ações para a reabertura do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo (SP), que sofreu um incêndio no final do ano passado. Além de implantação de projeto museográfico, há a reformulação do conteúdo museológico do museu e a implantação de projeto de acessibilidade para pessoas com deficiência.

A aprovação de planos anuais de atividades de diversas instituições também foi destaque. Dentre as exposições que poderão captar recursos está o projeto do Museu da Imagem e do Som (MIS) de SP, que homenageará o cantor e compositor Renato Russo (1960-1996). A mostra acontecerá entre os meses de julho e setembro de 2017.

Outro projeto aprovado foi Alma Negra: o Brasil misturado, exposição fotográfica sobre os saberes de matriz africana presentes na cultura brasileira, que acontecerá no Museu Nacional da República, em Brasília (DF).

A Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC) é um colegiado de assessoramento formado por representantes dos setores artísticos, culturais e empresariais, em paridade da sociedade civil e do poder público. Os membros da sociedade civil são oriundos das cinco regiões brasileiras. Saiba mais sobre a edição de outubro da CNIC.

Texto: Ascom/Ibram

 

Museu Regional de São João del-Rei recebe propostas para exposições

museu-regional-sao-jose-del-rei-300x197O Museu Regional de São João del-Rei, vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), recebe até o dia 15 de março inscrições de propostas para a realização de eventos em seu espaço dedicado a exposições de curta duração.

A oportunidade se destina a artistas interessados em apresentar projetos para exposições individuais ou coletivas de artes plásticas – pinturas, gravuras, fotografias, esculturas, desenhos, obras tridimensionais, instalações e outras técnicas.

Também poderão se inscrever interessados em desempenhar outras atividades, tais como palestras, lançamentos de livros, oficinas, performances musicais e teatrais.

As propostas selecionadas serão realizadas no decorrer do primeiro semestre de 2016 ao primeiro semestre de 2017. Todas as ações propostas deverão oferecer entrada gratuita ao público.

Confira na íntegra documento com as Recomendações para o proponente de Exposição de Curta Duração no Museu Regional de São João del-Rei e baixe o Formulário de Inscrição.

Exposições brasileiras estão entre as 20 mais visitadas no mundo em 2014

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio ano passado

A edição de abril da publicação em língua inglesa The Art Newspaper traz o levantamento anual das exposições mais visitadas em todo o mundo em 2014 e, novamente, o Brasil é destaque: dentre as 20 exposições mais visitas pelo público, o país ocupa sete posições.

O quarto lugar geral em 2014 foi para a mostra Salvador Dalí, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, seguida por Cabeça: Milton Machado, em quinto lugar, no mesmo CCBB Rio.

A exposição Yayoi Kusama: obsessão infinita, ficou em sexto e sétimo lugares – no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e CCBB Rio, respectivamente.

Os trabalhos em exposição da artista japonesa levaram ainda a 11ª colocação do ranking de visitantes quando em exibição no CCBB Brasília, enquanto outra exposição do CCBB Rio, Visões sobre a Coleção Ludwig, ficou em 10º lugar. Confira o encarte completo da publicação (em inglês).

Na lista geral das 100 exposições mais vistas pelo mundo, outras instituições brasileiras estão presentes, como o Museu Oscar Niemeyer (PR), o Museu de Arte Moderna de São Paulo e a Pinacoteca do Estado (SP), o Museu do Conjunto Cultural da República (DF) e unidades da Caixa Cultural.

O papel do Ibram
Os dados do Brasil são fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para a publicação The Art Newspaper desde 2010. A coleta de dados sobre as exposições do ano anterior é feita no início de cada ano. O objetivo é subsidiar tanto a publicação estrangeira quanto o banco de dados do Ibram.

O projeto Exposições no Brasil consiste na implantação de um sistema permanente de coleta, gerenciamento, tratamento e compartilhamento anual de dados sobre exposições de curta duração realizadas em todo o território nacional. Ainda em caráter piloto, a proposta é que o projeto fique disponível na plataforma institucional utilizada pelo Ibram.

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Em 2013, o Brasil ocupou quatro das 20 exposições mais populares do ano anterior (2012), de acordo com o número diário de visitantes. Vale salientar ainda que todas elas foram gratuitas. Saiba mais.

Análise
Com o título “Fim do boom brasileiro?”, a publicação The Art Newspaper faz uma leitura dos dados brasileiros relativos ao ano passado.

“O CCBB continua a sediar as mostras gratuitas mais frequentadas: ‘Salvador Dalí’, na sua temporada no Rio de Janeiro, alcançou o ponto mais alto com 9.782 visitantes por dia”, contabiliza.

Já a retrospectiva de Yayoi Kusama, que também foi sucesso de público quando exibida no RJ e SP, atraiu, contudo, menos pessoas por dia do que a mostra do artista contemporâneo brasileiro Milton Machado no CCBB Rio.

“Não fica claro se exposições de alto custo e gratuitas são sustentáveis”, especula a publicação, fazendo um paralelo com um “enfraquecimento da economia brasileira” para falar que “2014 pode marcar o fim de um ‘boom’ da visitação a exposições no país” – deixando a entender, porém, que a exposição Picasso e a modernidade espanhola, que está em cartaz em São Paulo desde 25 de março, possa ser ainda reflexo do ‘boom” dos últimos anos.

Texto: Geyzon Dantas (Ascom/Ibram)
Fotos: Divulgação/Internet

Museu Nacional de Belas Artes tem entrada gratuita até 31 de janeiro

No mês em que o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), situado no Rio de Janeiro (RJ), comemora 78 anos de criação, quem ganha presente é mesmo o público. Até 31 de janeiro, a entrada no museu é gratuita, bem como a participação em atividades culturais.

A gratuidade dá a moradores do Rio de Janeiro e visitantes da cidade uma oportunidade única para conferir a mostra Apreensões e Objetos do Desejo: obras doadas pela Receita Federal ao MNBA, que apresenta ao público vinte obras de arte doadas recentemente ao museu.

MNBA: Visitação gratuita durante a semana e fins de semana até 31 de janeiro

A exposição, que fica em cartaz até 29 de março, inclui trabalhos de artistas estrangeiros, como Michelangelo Pistoleto, Anish Kapoor e Antony Gormley, e brasileiros, como Sérgio Camargo, Daniel Senise e Cildo Meireles.

O público também poderá conferir a exposição Ver e Sentir Através do Toque, que oferece a pessoas cegas, ou com baixa visão, a oportunidade de entrar em contato com obras de José Borges da Costa, Tarsila do Amaral, Manabu Mabe e Francisco Rebolo, entre outros. A exposição fica em cartaz até 2 de maio.

Longa duração
Também estão disponíveis para visitação exposições permanentes ou de longa duração, como a Galeria de Arte Brasileira do Século XIX e a Galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea, sempre muito procuradas pelos visitantes.

Ali, é possível conferir obras de artistas como Victor Meirelles, Pedro Américo, Beatriz Milhazes, Tomie Ohtake, entre outros considerados ícones do patrimônio cultural brasileiro. Desde o início do mês, o museu já contabilizou mais de 8 mil visitantes.

Vale lembrar que o Museu Nacional de Belas Artes já tem entrada gratuita todos os domingos, das 12h às 17h. O MNBA fica na Av. Rio Branco, 199 – Centro (Cinelândia). Para mais informações: (21) 3299 0600.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Banco de imagens Ibram

Parceria: Museu do Louvre quer realizar exposições no Brasil

A relação entre França e Brasil deve ser ampliada no campo das artes após a visita ao país, na última semana, de uma delegação do Museu do Louvre com o propósito de estabelecer parcerias e detectar espaços capazes de receber exposições. O Louvre foi o museu de arte mais frequentado do mundo em 2013, com mais de 9,3 milhões de visitantes, segundo a publicação The Art Newspaper.

Delegação Louvre

Delegação do Louvre esteve no Brasil na última semana e reuniu-se com o presidente do Ibram (ao fundo)

Formada por Alberto Vial, Conselheiro Diplomático, o curador Pascal Torres, Sophie Kammerer, Chefe de Serviço de Consultoria, e a diretora de Programação Cultural,  Aline François, a equipe fez visitas técnicas a todas as unidades do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), localizadas em Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.

Na sexta (10), o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, recebeu a delegação em Brasília. “Vamos organizar em 2015 um seminário para discutir temas importantes da museologia contemporânea, como gestão de riscos, arquitetura e museografia, por exemplo”, citou Oswaldo.

“O museu tem uma expertise reconhecida em todo o mundo e, certamente, este conhecimento será importante para os museus brasileiros”. Além disso, Angelo Oswaldo destaca ainda essa aproximação com o Brasil como uma ponte do museu francês com o espaço ibero-americano por meio do Programa Ibermuseus – cuja presidência é do Brasil até 2015.

Escola do Louvre
Em 2012, o Ibram estabeleceu com a Escola do Louvre um convênio voltado ao aperfeiçoamento de profissionais por meio de intercâmbio. Ano passado, as três primeiras brasileiras selecionadas em chamada pública participaram do Seminário Internacional de Verão de Museologia da Escola do Louvre (Siem) e fizeram ainda estágio em museus franceses.

Museu Nacional de Belas Artes integra a rede Ibram no Rio

O Museu Nacional de Belas Artes integra a rede Ibram no Rio

Agora chegou a vez das francesas no Brasil. Nos últimos três meses, Caroline Giecold, Maxime Porto e Sophie Hermann acompanharam, respectivamente, o dia a dia nos Museu Histórico Nacional (MHN), Museu de Arte do Rio (MAR) e Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), todos no Rio.

As duas primeiras já retornaram à França e Sophie Hermann permanece até domingo (19). Segundo ela, a experiência brasileira foi muito interessante em vários aspectos.

“Na Europa, é tudo linear [no campo das artes]; aqui, há núcleos de pensamento, pontos de vista. O que mais me chamou a atenção foi a grande diversidade na maneira de pensar a história da arte,” conta a estudante que, com esta experiência, conclui o seu curso na Escola do Louvre.

Para a coordenadora-técnica do Ibram no MNBA, Daniela Matera, a estudante se empenhou em entender a arte brasileira contemporânea, “que chama bastante atenção lá fora”, e se encantou com a história da arte brasileira. “Eu daria nota 10 para a sua atuação e acredito ainda que conseguimos contribuir para a formação dela”, finaliza Matera.

Texto e fotos: Ascom/Ibram

Dona Leopoldina e Playmobil: MHN abre duas novas exposições no RJ

Dona Leopoldina por Debret

Dona Leopoldina em uma litogravura de Debret

Há quase 200 anos, Carolina Josefa Leopoldina Francisca Fernanda de Habsburgo-Lorena, também conhecida como Dona Leopoldina ou Maria Leopoldina, desembarcou no Brasil para se tornar a Imperatriz do Brasil. Quando chegou ao país, a então arquiduquesa da Áustria já estava casada com Dom Pedro I.

Na ocasião, eles se casaram a distância e por procuração, e Dona Leopoldina desempenhou importante papel nas negociações de seu matrimônio. Tudo foi registrado em cartas – hábito cultivado pela arquiduquesa desde sua infância.

Essas cartas, que somam mais de mil, compõem a exposição Com a palavra, D. Leopoldina, Imperatriz do Brasil, em cartaz no Museu Histórico Nacional (MHN), no Rio de Janeiro (RJ), entre 14 de outubro de 2014 e 1º de março de 2015.

A exposição traz ainda 200 peças do acervo do próprio MHN que abordam várias fases da vida de D. Leopoldina: seu papel político, as relações familiares e a sua morte prematura aos 29 anos.

O legado da primeira imperatriz-consorte do Brasil também será tema do seminário internacional D.Leopoldina e seu tempo: sociedade, política, ciência e arte no século XIX, que o MHN promove entre os dias 14 e 16 e contará com a participação de pesquisadores renomados.

Playmobil
Também na próxima semana, o MHN inaugura exposição 40 Anos Playmobil – O sorriso mais famoso de todos os tempos. Em cartaz entre 17 de outubro e 23 de novembro, a mostra retrata a evolução do brinquedo, criado na Alemanha  em 1974, no Brasil e no mundo

Playmobil: diorama recria a chegada da arquiduquesa ao Brasil

Playmobil: diorama recria a chegada da arquiduquesa ao Brasil

Os colecionadores do PlayBrasilmobil, organizadores desta exposição, participam ainda da mostra Com a palavra, D. Leopoldina, Imperatriz do Brasil: com base em uma gravura do francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848).

No museu foi montado um diorama com bonecos Playmobil originais e customizados que recria o momento do desembarque de Dona Leopoldina no Rio de Janeiro, em 1817. A Família Real e sua corte, soldados, escravos e o povo do Rio foram recriados em detalhes.

Em quase 300 metros quadrados dedicados à história do Playmobil, o destaque deste ano fica por conta do 4° Salão de PlaymoArte – onde fotógrafos e artistas plásticos de todo o país mostram suas criações tendo como inspiração o sorridente bonequinho. Saiba mais.

Texto e fotos: Divulgação MHN
Edição: Ascom/Ibram

Ranking: exposições no Brasil entre as mais populares do mundo em 2013

Na sua edição Primavera/Verão 2014, a publicação em língua inglesa The Art Newspaper lança, como faz anualmente, reportagem especial na qual apresenta e analisa números de visitação a museus e exposições em todo o mundo em 2013.

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

O Brasil ocupa quatro das 20 exposições mais populares do ano passado, de acordo com o número diário de visitantes: Impressionismo: Paris e a modernidade (3º lugar); Cao-Guo-Qiang: Da Vincis do povo (6º lugar); Movie-se: no tempo da animação (10º lugar) e Elas: mulheres artistas na coleção do Centro Pompidou (11º lugar).

Todas elas foram gratuitas e os números foram obtidos quando estavam em cartaz no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro.

Mais museus
Em outras posições da lista mundial, que mapeou 650 exposições, aparecem mostras de outras unidades do CCBB (SP, MG e DF), o Museu Oscar Niemeyer (PR), a Pinacoteca de São Paulo, o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República (DF), o Santander Cultural (RS), o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), a Fundação Bienal e o Paço das Artes (SP).

A 9ª Bienal do Mercosul (RS) entrou na lista das mostras chamadas ‘big ticket’ em inglês – onde o visitante acessa várias exposições no mesmo lugar. Este é o terceiro ano consecutivo que o Brasil entra no ranking mundial de exposições mais populares. Confira o ranking completo de 2013 (em inglês).

Para o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, a presença expressiva do Brasil na lista internacional “traduz a efervescência do nosso setor museal”. “Nos últimos anos, ampliou-se consideravelmente o acesso a museus e centros culturais no país, que oferecem programações cada vez mais dinâmicas e variadas”, reforça, “e faz com que o público reconheça isso como cultura, educação, lazer e turismo”.

Desde 2010, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) realiza uma coleta de dados, no início de cada ano, das exposições do ano anterior no Brasil com o objetivo de subsidiar tanto a publicação The Art Newspaper quanto para seu próprio banco de dados.

Abertura da exposição no MNBA em julho de 2013 com a Ministra da Cultura

Museus Ibram
Em 2013, os 30 museus federais que compõem a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) receberam cerca de 1,1 milhão de visitantes, segundo dados fornecidos pela Coordenação Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram.

Os museus mais visitados foram no estado do Rio de Janeiro: Museu Imperial, com mais de 280 mil visitantes; o Museu Histórico Nacional (MHN), que alcançou 154 mil visitantes; e o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), com cerca de 152 mil.

O destaque entre os museus Ibram em 2013 foi a exposição A herança do sagrado: obras-primas do Vaticano e de museus italianos, que esteve em cartaz entre julho e outubro no MNBA, e levou, em média, 25 mil visitantes ao museu no período.

O Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), também é destaque com mais de 135 mil visitantes no ano passado. Conheça todos os museus Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil (foto 1) – MinC (foto 2)

Matérias relacionadas
Brasil ocupa 1º lugar no ranking mundial de exposições mais visitadas em 2011
Ibram começa a mapear público de exposições de curta duração no Brasil

Última atualização: 10.4.2014

Página 1 de 41234