Entrega do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade celebra 80 anos do Iphan

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) comemora seus 80 anos com uma série de eventos, que acontecem de 24 a 27 de outubro no Rio de Janeiro. O destaque da programação é a cerimônia de entrega do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, a mais importante premiação do país voltada para ações de valorização, promoção e preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro.

Em sua 30ª edição, o Prêmio contemplou oito projetos dos estados do Amapá, Ceará, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Sul e São Paulo. Durante a cerimônia, que acontece no dia 24 de outubro, às 19h, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, o Iphan também vai homenagear parceiros, entre instituições e personalidades, que se destacaram nos últimos 80 anos na gestão do Patrimônio Cultural, com a Medalha Mário de Andrade, instituída para celebrar os 80 anos do Instituto.

Serão homenageados, entre outros, o presidente do Ibram, Marcelo Araújo, enquanto membro do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, o Museu Histórico Nacional e o Museu Nacional de Belas Artes.

E nos dias 26 e 27 de outubro, no auditório do Museu do Amanhã, ainda em comemoração ao aniversário, o Iphan promove o Seminário Internacional O Futuro do Patrimônio, cujo objetivo é refletir sobre a evolução da política de preservação e a gestão do Patrimônio Cultural. O evento vai reunir especialistas de todo o mundo para trocar experiências e debater um modelo sustentável para a gestão patrimonial. Saiba mais sobre a programação aqui.

MNBA celebra 80 anos de criação com uma série de atividades

Divulgação MNBA

Desenho de Grandjean de Montigny que integra a nova exposição do MNBA

O Museu Nacional de Belas Artes/ Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), comemora, nesta sexta-feira (13), 80 anos de sua criação e preparou uma série de eventos para celebrar a data.

Abrindo a agenda de exposições de 2017, será inaugurada a mostra Grandjean de Montigny e Rio de Janeiro no século XIX – Planos e projetos de um arquiteto francês para uma metrópole em construção.  A data marca os 80 anos de criação do MNBA, em 1937, por Getúlio Vargas.

Grandjean de Montigny (1776-1850) desembarcou no Brasil em 1816, integrando a Missão Artística Frances, chefiada por Joaquim Lebreton.

Os traços do arquiteto Montigny desempenharam um papel relevante pelas transformações e adaptações produzidas na paisagem da cidade do Rio, visando se adaptar ao novo status adquirido.

Para as curadoras da exposição, Laura Abreu e Claudia Ribeiro, a ideia é fazer com que o visitante percorra um Rio de Janeiro do início do século XIX, numa perspectiva de visão do mar para o verde das montanhas que emolduram a sua paisagem. A mostra exibe originais do acervo do MNBA e reprodução de obras da Biblioteca Nacional,  do Museu D. João VI(da EBA/UFRJ), e do Arquivo Nacional.

Também no dia 13, haverá diplomação dos agraciados com o Prêmio Quirino Campofiorito, posse da diretoria da Associação de Amigos do MNBA, recital de violino e piano com Priscila Ratto e Katia Balloussier, lançamento dos livros Alegoria às Artes – Léon Pallière e trezena de São Sebastião, com a presença do Cardeal Dom Orani Tempesta. As atividades começam ao meio-dia e têm entrada franca. Saiba mais.

Texto e imagem: MNBA/Divulgação