Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus

publicado: 09/07/2013 09h33,
última modificação: 27/09/2013 17h04
Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus

Angelo Oswaldo é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC).  Sua nomeação foi publicada hoje (9), no Diário Oficial da União (DOU).

Desde a sua indicação, no mês de abril, Angelo Oswaldo vinha participando de algumas reuniões de trabalho com o intuito de se inteirar das atividades desenvolvidas pelo Ibram.

Hoje, o novo presidente participa, ao lado da ministra da Cultura, Marta Suplicy, de cerimônia de abertura da exposição A Herança do Sagrado, no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, no Rio de Janeiro, que integra a programação oficial da Jornada Mundial da Juventude (JMJ 2013). Saiba mais.

Quem é o novo presidente
Nascido em Belo Horizonte (MG), em 1947, Angelo Oswaldo de Araújo Santos é escritor, curador de arte, jornalista profissional, advogado e gestor público. Formou-se em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1971, e cursou o Instituto Francês de Imprensa, em Paris (1973-1975). Foi crítico literário do Diário de Minas e editor do Suplemento Literário de Minas Gerais.

Redator e editor da cultura do jornal Estado de Minas, colaborou com a Folha de São Paulo, na condição de editorialista. Foi crítico de cultura da Rede Globo Minas e colaborador do Jornal do Brasil. Colaborou ainda com o jornal francês Le Monde e foi consultor literário das Edições Gallimard em Paris.

Como gestor público, foi secretário de Turismo e Cultura da Prefeitura Municipal de Ouro Preto (1977-83), prefeito de Ouro Preto por três mandatos (1993-1996; 2005-2008; 2009-2012), secretário de Estado da Cultura de Minas Gerais (1999-2002), presidente do Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Cultura (2002) e ministro interino de Estado da Cultura do Brasil (1986 e 1987), na gestão do ministro Celso Furtado.

Foi ainda chefe de Gabinete do Ministério da Cultura (1986-88), presidente do Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC), entre 1985 e 1987, e membro dos conselhos do Iphan (1994-2002), Fundação de Arte de Ouro Preto (1971-1981) e Patrimônio Cultural da Prefeitura de Belo Horizonte (1989-1992).

Em 2009, tornou-se presidente da Associação Brasileira de Cidades Históricas. Membro fundador da Rede de Cidades Barrocas da América Latina foi eleito vice-presidente para o biênio 2011-2012, em Puebla, México.

Curadorias
Na França e Itália, foi curador brasileiro da exposição Brasil Barroco: Entre o Céu e a Terra, no Museu do Petit-Palais (Paris, 1999-2000) e das mostras Brasil Barroco, no Carrousel do Museu do Louvre (Paris, 1998); Oratórios Brasileiros, no Palazzo Bricherasio (Turim, 2001); Sant’Ana na Coleção Ângela Gutierrez, no Museu Lascaris (Nice, 2005) e Pinacoteca do Estado de São Paulo (2003); Três Séculos de Arte Brasileira/Coleção Beatriz e Mário Pimenta Camargo, no Museu Palazzo Reale (Milão, 2004) e Museu de Belas Artes de Rouen (França, 2005).

Exerce também a crítica de arte como curador, ensaísta, conferencista e membro de comissões julgadoras. Organizou e apresentou mostras de diversos artistas em Belo Horizonte (MG). Publica artigos em livros, jornais e revistas, no Brasil e no exterior. Participou de missões culturais na França, Alemanha, Israel, Noruega, Portugal, Bolívia, Cuba, Estados Unidos, Inglaterra, Chile, México, Itália, Chile, Argentina, Equador e Laos.

Foi condecorado pelos governos do Brasil (Ordem de Rio Branco), França (Legião de Honra e Ordem das Artes e Letras), Portugal (Ordem do Infante Dom Henrique) e Espanha (Ordem de Isabel, a Católica). É membro da Academia Mineira de Letras, sendo sócio dos Institutos Histórico e Geográfico do Brasil e de Minas Gerais.

Texto e foto: Ascom/Ibram