Museu Solar Monjardim recebe presidente do Ibram

94d081be-4702-4f69-9c00-0a4dfe220d7fO Presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo, realizou nesta quinta-feira (29) visita técnica ao Museu Solar Monjardim em Vitória/ES, dando continuidade à série de visitas às unidades museológicas do Ibram espalhadas pelo Brasil.

Araujo foi recepcionado pelo Diretor do Museu Solar Monjardim, Rogério Magalhães Coutinho, que destacou a iniciativa como “uma excelente oportunidade de conhecer as potencialidades do Solar Monjardim, tanto em relação à sua equipe quanto à sua estrutura física”.

Também participou da visita a Superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Espírito Santo, Elisa Taveira. Na pauta estavam questões ligadas à preservação do patrimônio histórico-cultural e difusão do acervo museológico.

O museu

Situado em uma casa histórica do início do século XIX, o Museu Solar Monjardim recria a ambientação de uma residência rural de família abastada do período, abordando elementos marcantes da história regional e nacional através de um acervo eclético. Sucessor dos antigos Museu Capixaba e Museu de Arte Religiosa de Vitória, o Museu Solar Monjardim foi criado em 1980 e hoje integra a rede de museus do Ibram.

Texto e foto: Museu Solar Monjardim

Marcelo Araujo realiza visitas técnicas a museus Ibram no Rio de Janeiro

O Presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo está em viagem ao Rio de Janeiro, onde realiza visitas técnicas ao Museu Casa de Benjamin Constant, no Rio, e aos museus Imperial e Palácio Rio Negro, em Petrópolis, e se reúne com os diretores e equipes das instituições.

Marcelo Araujo em visita, hoje pela manhã, ao Museu Casa de Benjamin Constant, no bairro de Santa Teresa (Rio)

Para Araujo, é fundamental conhecer de perto a realidade dos museus que integram a rede Ibram e pensar o instituto como uma “equipe única e integrada”, capaz de desenvolver projetos transversais.

“Busco uma gestão mais próxima e forte entre as equipes. Essas visitas são importantes para conhecer de perto e conversar com os servidores de cada museu”, acredita o presidente do Ibram.

Esta é a segunda viagem de Marcelo Araujo aos museus federais da rede após assumir a presidência do Ibram.

No mês passado, ele esteve em Minas Gerais, onde conheceu e conversou com os servidores do Museu do Ouro, em Sabará, Museu Regional de Caeté e Museu da Inconfidência, em Ouro Preto.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Museu Casa de Benjamin Constant/Divulgação

Presidente do Ibram visita museus de Minas Gerais

O Presidente do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, Marcelo Araújo faz nesta semana, sua primeira viagem a Minas Gerais desde que assumiu a Autarquia. Marcelo Araújo visita três museus vinculados ao Instituto em no Estado: Museu do Ouro, Museu Regional de Caeté e Museu da Inconfidência, além do Museu de Congonhas.

O objetivo da viagem é, não só conhecer as instituições, como também conversar com os servidores e buscar uma gestão mais próxima às instituições. Para Araújo, que é servidor de carreira do Instituto, um desafio interno é fortalecer as relações entre Brasília e os museus. “Temos que pensar o Ibram como uma equipe única, integrada e que pode desenvolver projetos transversais”, destacou.

Na quarta-feira (21), ele se reuniu com a Superintendente do Iphan MG e com os servidores do Ibram. No dia 22, quinta-feira, passou a manhã em Sabará, no Museu do Ouro e à tarde, seguiu para o Museu Regional de Caeté.

Araújo visita, nesta sexta-feira (23), o Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, e acompanha algumas atividades que fazem parte da programação da 10ª Primavera dos Museus na Instituição. E, para encerrar esta primeira visita a Minas Gerais, ele conhecerá o Museu da Congonhas no sábado (24).

Representante do ICOM visita coleção de indumentária do Museu Casa da Hera

No dia 16 de maio, o Museu Casa da Hera/Ibram, em Vassouras (RJ), recebeu a visita técnica de Katia Johansen, Presidente do Comitê de Indumentária do Conselho Internacional de Museus (ICOM), Izabel Alvarado, curadora de vestuário do Museu Histórico Nacional de Santiago (Chile), e Rita Andrade, professora da Universidade Federal de Goiás e consultora de coleções de indumentária.

Peças de indumentária dos séculos XIX e XX são destaque na Casa da Hera

A visita teve por objetivo conhecer a Casa da Hera e, em especial, parte de sua coleção de indumentária, que conta com peças assinadas por grandes mestres do século XIX, como A. Felix Brevet, Rouff e Charles Worth – considerado o “pai da alta costura” e dos desfiles de moda com modelos.

A comitiva visitou o espaço de exposições de longa e curta duração e conheceu algumas peças da coleção de indumentária, selecionadas exclusivamente para a visita. Kátia Johansen deu sugestões sobre acondicionamento e dicas no auxílio da conservação das peças.

A visita vem ao encontro de atuais demandas do museu, como o estreitamento de laços com profissionais especializados nessa área de conhecimento, o incentivo à pesquisa, a maior divulgação e reconhecimento do acervo e o intercâmbio de técnicas e informações.

A coleção de indumentária da Casa da Hera é constituída por peças variadas, que vão desde trajes para passeio, montaria, festas e roupas para dormir a acessórios como sapatos, sombrinhas, chapéu e leques. Os trajes têm procedência francesa ou correspondem ao padrão de moda francês das últimas décadas do século XIX e primeiras do século XX. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação Casa da Hera

Estudantes de moda fazem visita técnica ao Museu Casa da Hera (RJ)

No dia 22 de outubro, o Museu Casa da Hera/Ibram recebeu cerca de 50 alunos e professores do Curso de Especialização em Moda, Cultura de Moda e Arte, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), e do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda, do Centro de Educação Superior de Juiz de Fora (CES/JF).

A visita técnica, organizada pela Coordenação do curso de Pós-Graduação da UFJF teve por objetivo conhecer o museu e, em especial, parte de sua coleção de indumentária, que conta com peças assinadas por grandes mestres do século XIX, como A. Felix Breveté e Charles Worth – considerado o “pai da alta costura” e dos desfiles de moda com modelos.

A coleção de indumentária da Casa da Hera é constituída por peças variadas, que vão desde trajes para passeio, montaria, festas e roupas para dormir, além de acessórios como sapatos, sombrinhas, chapéu e leques.

Segundo a diretora do Museu Casa da Hera, Daniele de Sá, essa abertura às instituições e grupos especializados faz parte do programa de incentivo à pesquisa sobre o repertório temático do museu. Para que outros grupos também possam ter acesso ao acervo é necessário o agendamento prévio. Leia mais sobre a visita.

O Museu Casa da Hera fica aberto ao público nos dias úteis, das 10h às 17h, e nos finais de semana e feriados, das 13h às 17h. A entrada é gratuita.

Fonte: Divulgação Museu Casa da Hera