Projeto de restauração da obra Alegoria às Artes pode ser visto pelo público

Foto: Oscar Liberal, IPHAN

Foto: Oscar Liberal, IPHAN

A partir desta quinta-feira, 8 de outubro, o público interessado em ver de perto o processo de restauração de uma obra e conversar com especialistas, terá a oportunidade de fazer visitas guiadas ao projeto de restauração da obra Alegoria às Artes, de Léon Palliére, no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, no Rio de Janeiro.

As visitas irão acontecer nos dias 8, 15, 22 e 29 de outubro, sempre às 14h30. As vagas são limitadas e os interessados devem fazer o agendamento através da Seção de Educação do Museu, pelo telefone (21) 3299-0636.

A obra Alegoria às Artes, criada em 1855 para a colocação no teto (marruflagem) da Biblioteca da Academia Imperial de Belas Artes, foi salva da demolição do prédio e agora está sendo restaurada, com recursos do PACCH2 – Programa de Aceleração do Crescimento das Cidades Históricas.  Seu autor, Léon Pallière (1823-1887) é filho do pintor Arnaud Julian Pallière e neto do arquiteto Grandjean de Montigny, e obteve formação artística em Paris e na Academia Imperial de Belas Artes no Rio de Janeiro.

MNBA oferece visita guiada especial na sexta-feira, 27 de maio

O Museu Nacional de Belas Artes terá programação diferenciada nesta sexta-feira, 27/5. O museu estenderá seu horário de funcionamento para realização de visita guiada especial (das 18h às 19h30min) à Galeria de Arte Brasileira do Século XIX. Será cobrado preço único de R$ 2.

A maior galeria do MNBA tem atrações como telas de Almeida Junior (autor de Descanso do modelo, no detalhe), Belmiro de Almeida, Taunay, Debret e Eliseu Visconti, entre muitos outros. Informações: www.mnba.gov.br

Estudantes do Mato Grosso visitam o Museu Imperial

Nesta terça-feira, 7 de dezembro, o Museu Imperial realizou uma edição especial do projeto O Museu que não se vê. Ao longo do dia, alunos do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) conheceram os setores técnicos da instituição e, ao final, realizaram uma visita guiada pelo Palácio.

O tour teve início no setor de Educação. A coordenadora, Regina Resende, apresentou os projetos educativos desenvolvidos pela equipe, voltados para diferentes faixas etárias. Segundo ela, há oito monitoras que executam os projetos junto aos estudantes. O objetivo é levá-los a conhecer um pouco mais sobre a história de Petrópolis e do Brasil, principalmente a do período imperial, comparando a realidade da época com a atual.

Os visitantes conheceram, então, a Biblioteca do Museu Imperial. A historiadora Cláudia Costa explicou os processos de registro, armazenamento, conservação e consulta dos cerca de 60 mil títulos, sendo oito mil de obras raras. Ela ressaltou que o acervo reúne, principalmente, obras de história, em especial do século XIX. Por ser uma biblioteca especializada, realiza um amplo atendimento a pesquisadores, em grande parte pela internet.

Os setores visitados em seguida foram o Arquivo Histórico e a Museologia. No primeiro, a equipe mostrou parte do acervo, formado por aproximadamente 200 mil documentos, e explicou os processos de armazenamento e conservação. A coordenadora, Neibe Cristina Machado, afirmou que o Arquivo recebe consulentes de todo o país e realiza atendimento online, inclusive para pesquisadores estrangeiros, enviando digitalizações do acervo.

No setor de Museologia, a coordenadora Ana Luísa Alonso Camargo apresentou a reserva técnica do Museu e as formas de guarda e preservação das peças. Ela explicou que 90% do acervo não está exposto e, por isso, são realizadas exposições temporárias, visitas técnicas e o projeto O Museu que não se vê, permitindo que o público conheça um pouco mais as coleções.

O Museu que não se vê, uma visita aos “bastidores” do Museu Imperial, ocorre toda última quarta-feira do mês. Os interessados devem agendar a participação por meio dos telefones (24) 2245-8962 ou (24) 2245-4668.

O Museu Imperial localiza-se na Rua da Imperatriz, 220 – Centro – Petrópolis (RJ). Mais informações: www.museuimperial.gov.br