Ranking mundial de visitação em 2018 traz várias exposições brasileiras

A mostra FILE - Festival Internacional De Linguagem Eletrônica, no CCBB-RJ aparece na 11ª colocação mundial das exposições mais visitadas em 2018

A mostra FILE – Festival Internacional De Linguagem Eletrônica, no CCBB-RJ, aparece na 11ª colocação mundial das exposições mais visitadas em 2018

A revista britânica The Art Newspaper divulgou nesta segunda-feira (1º) o resultado de sua pesquisa anual sobre as exposições e museus mais visitados no ano de 2018 e o Brasil aparece na lista com 64 exposições. A mostra FILE – Festival Internacional De Linguagem Eletrônica, que aconteceu no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (CCBB-RJ), de 13 de abril a 4 de junho de 2018 e atraiu 264.922 visitantes, aparece na 11ª colocação mundial das exposições mais visitadas e em terceiro lugar no ranking TOP 10 Contemporary.

Desde a primeira vez que participou da pesquisa, ainda no ano de 2011 com as mostras realizadas em 2010, o país vem se destacando. Entre os 100 museus de arte mais visitados em 2018, cinco são brasileiros. São eles: o CCBB-RJ, que recebeu 1.388.664 visitantes em 2018, ocupando o 42º lugar; o CCBB-Brasília, com 1.146.995 visitantes, na 57ª colocação; o CCBB-SP, com um público de 931.980 pessoas (85º lugar); o Instituto Tomie Ohtake, com 898.147 visitantes e o CCBB-BH, com um público de 893.772 visitantes (92º e 93º lugares, respectivamente).

Outras instituições brasileiras estão presentes na lista de exposições mais vistas: além das citadas acima, estão ainda a Caixa Cultural Brasília, a Caixa Cultural São Paulo, a Casa Fiat de Cultura, o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP), o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (MASP), o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República Honestino Guimarães, o Museu Oscar Niemeyer e a Pinacoteca do Estado de São Paulo.

A publicação destaca que, a cada ano, o CCBB tem aparecido regularmente entre as 20 mais visitadas e que, entre outros fatores, a gratuidade nas exposições tem sido fator atrativo para o público. Nos rankings temáticos, o CCBB-RJ também se destaca com a mostra Ex África, realizada de 20 de janeiro a 26 de março de 2018, com 261.647 visitantes. Já a mostra Museu do Futebol na Área, realizada no CCBB-BH, de 15 de agosto a 15 de outubro, atraiu um público de 160.983 pessoas.

Na categoria Top 15 big ticket attractions, a 11ª Bienal do Mercosul: Triângulo do Atlântico, em Porto Alegre, atraiu um público de 626.357 pessoas.

Destaque para a Arte Brasileira

No ranking figuram também duas exposições que mostravam trabalhos de artistas brasileiros: a mostra Tarsila Do Amaral: Inventing Modern Art in Brazil, realizada no Museu de Arte Moderna de Nova York entre 11 de fevereiro e 3 de junho de 2018, e atraiu 258.313 visitantes; e a Works from Argentina and Brazil, no Getty Center de Los Angeles, de 16 de setembro de 2017 a 11 de setembro do 2018, com 255.004 visitantes.

Confira o encarte (PDF) especial da publicação britânica The Art Newspaper – Visitor Figures 2018, que apresenta e analisa os números de visitação a museus e exposições em todo o mundo.

Brasil segue na lista de exposições mais visitadas no mundo em 2017

Três exposições brasileiras aparecem no ranking das mais visitadas no mundo ano passado, de acordo com levantamento realizado anualmente pela publicação de arte em língua inglesa The Art Newspaper.

Los Carpinteiros (CCBB Rio) entrou na lista das exposições de arte contemporânea mais visitadas no mundo ano passado

Los Carpinteiros (CCBB Rio) entrou na lista das exposições de arte contemporânea mais visitadas no mundo ano passado

O Brasil ocupa a sexta posição geral da lista com as 20 mostras mais visitadas com Mondrian e o movimento De Stijl, que esteve em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro (RJ), entre outubro de 2016 e janeiro de 2017, com público total de 516 mil pessoas – média diária de 6,6 mil visitantes.

Com o recorte de exposições de arte Pós-Impressionista e Moderna, a mesma ocupa o segundo lugar entre as dez mais – perdendo apenas para uma exposição na Fundação Louis Vuitton em Paris (França).

O CCBB Rio, com o recorte mostra Temática, emplacou também um quarto lugar, entre as 10 mais vistas, com A figura humana na Coleção Masp, com mais de 217 mil visitantes – média superior a 4 mil por dia.

Los Carpinteros: objeto vital, outra exposição do mesmo centro cultural, aparece em oitavo lugar entre as 10 mais visitadas com o tema Arte Contemporânea. No total, foram mais de 351 mil visitantes, com média de 4,4 mil visitas diárias.

Segundo a publicação, houve uma ampliação geográfica na lista das 20 exposições mais visitadas em relação aos resultados do ano anterior (2016). “Brasil, Reino Unido e Taiwan têm tradicionalmente dominado a lista. Mas, em 2017, vemos Espanha, França e Austrália entrando na briga”.

Ano passado, lembra ainda, o Brasil ocupou os três primeiros lugares do Top 20. Confira a reportagem completa (em inglês).

Os dados do Brasil são fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para a publicação The Art Newspaper desde 2010. Como interlocutor do jornal com os museus brasileiros, o Ibram traduz e divulga a pesquisa, coleta e envia as informações dos museus participantes para a publicação.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: CCBB/Divulgação

Exposições brasileiras estão entre as 20 mais visitadas no mundo em 2014

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio

Detalhe da exposição de Yayoi Kusama no CCBB Rio ano passado

A edição de abril da publicação em língua inglesa The Art Newspaper traz o levantamento anual das exposições mais visitadas em todo o mundo em 2014 e, novamente, o Brasil é destaque: dentre as 20 exposições mais visitas pelo público, o país ocupa sete posições.

O quarto lugar geral em 2014 foi para a mostra Salvador Dalí, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, seguida por Cabeça: Milton Machado, em quinto lugar, no mesmo CCBB Rio.

A exposição Yayoi Kusama: obsessão infinita, ficou em sexto e sétimo lugares – no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, e CCBB Rio, respectivamente.

Os trabalhos em exposição da artista japonesa levaram ainda a 11ª colocação do ranking de visitantes quando em exibição no CCBB Brasília, enquanto outra exposição do CCBB Rio, Visões sobre a Coleção Ludwig, ficou em 10º lugar. Confira o encarte completo da publicação (em inglês).

Na lista geral das 100 exposições mais vistas pelo mundo, outras instituições brasileiras estão presentes, como o Museu Oscar Niemeyer (PR), o Museu de Arte Moderna de São Paulo e a Pinacoteca do Estado (SP), o Museu do Conjunto Cultural da República (DF) e unidades da Caixa Cultural.

O papel do Ibram
Os dados do Brasil são fornecidos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para a publicação The Art Newspaper desde 2010. A coleta de dados sobre as exposições do ano anterior é feita no início de cada ano. O objetivo é subsidiar tanto a publicação estrangeira quanto o banco de dados do Ibram.

O projeto Exposições no Brasil consiste na implantação de um sistema permanente de coleta, gerenciamento, tratamento e compartilhamento anual de dados sobre exposições de curta duração realizadas em todo o território nacional. Ainda em caráter piloto, a proposta é que o projeto fique disponível na plataforma institucional utilizada pelo Ibram.

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Uma das obras da Coleção Ludwig em exposição no CCBB São Paulo em 2014

Em 2013, o Brasil ocupou quatro das 20 exposições mais populares do ano anterior (2012), de acordo com o número diário de visitantes. Vale salientar ainda que todas elas foram gratuitas. Saiba mais.

Análise
Com o título “Fim do boom brasileiro?”, a publicação The Art Newspaper faz uma leitura dos dados brasileiros relativos ao ano passado.

“O CCBB continua a sediar as mostras gratuitas mais frequentadas: ‘Salvador Dalí’, na sua temporada no Rio de Janeiro, alcançou o ponto mais alto com 9.782 visitantes por dia”, contabiliza.

Já a retrospectiva de Yayoi Kusama, que também foi sucesso de público quando exibida no RJ e SP, atraiu, contudo, menos pessoas por dia do que a mostra do artista contemporâneo brasileiro Milton Machado no CCBB Rio.

“Não fica claro se exposições de alto custo e gratuitas são sustentáveis”, especula a publicação, fazendo um paralelo com um “enfraquecimento da economia brasileira” para falar que “2014 pode marcar o fim de um ‘boom’ da visitação a exposições no país” – deixando a entender, porém, que a exposição Picasso e a modernidade espanhola, que está em cartaz em São Paulo desde 25 de março, possa ser ainda reflexo do ‘boom” dos últimos anos.

Texto: Geyzon Dantas (Ascom/Ibram)
Fotos: Divulgação/Internet

Ranking: exposições no Brasil entre as mais populares do mundo em 2013

Na sua edição Primavera/Verão 2014, a publicação em língua inglesa The Art Newspaper lança, como faz anualmente, reportagem especial na qual apresenta e analisa números de visitação a museus e exposições em todo o mundo em 2013.

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

Da Vincis do povo: exposição chinesa no CCBB entre as mais visitadas em 2013

O Brasil ocupa quatro das 20 exposições mais populares do ano passado, de acordo com o número diário de visitantes: Impressionismo: Paris e a modernidade (3º lugar); Cao-Guo-Qiang: Da Vincis do povo (6º lugar); Movie-se: no tempo da animação (10º lugar) e Elas: mulheres artistas na coleção do Centro Pompidou (11º lugar).

Todas elas foram gratuitas e os números foram obtidos quando estavam em cartaz no Centro Cultural do Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro.

Mais museus
Em outras posições da lista mundial, que mapeou 650 exposições, aparecem mostras de outras unidades do CCBB (SP, MG e DF), o Museu Oscar Niemeyer (PR), a Pinacoteca de São Paulo, o Museu Nacional do Conjunto Cultural da República (DF), o Santander Cultural (RS), o Museu de Arte Contemporânea de Niterói (RJ), a Fundação Bienal e o Paço das Artes (SP).

A 9ª Bienal do Mercosul (RS) entrou na lista das mostras chamadas ‘big ticket’ em inglês – onde o visitante acessa várias exposições no mesmo lugar. Este é o terceiro ano consecutivo que o Brasil entra no ranking mundial de exposições mais populares. Confira o ranking completo de 2013 (em inglês).

Para o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, a presença expressiva do Brasil na lista internacional “traduz a efervescência do nosso setor museal”. “Nos últimos anos, ampliou-se consideravelmente o acesso a museus e centros culturais no país, que oferecem programações cada vez mais dinâmicas e variadas”, reforça, “e faz com que o público reconheça isso como cultura, educação, lazer e turismo”.

Desde 2010, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) realiza uma coleta de dados, no início de cada ano, das exposições do ano anterior no Brasil com o objetivo de subsidiar tanto a publicação The Art Newspaper quanto para seu próprio banco de dados.

Abertura da exposição no MNBA em julho de 2013 com a Ministra da Cultura

Museus Ibram
Em 2013, os 30 museus federais que compõem a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) receberam cerca de 1,1 milhão de visitantes, segundo dados fornecidos pela Coordenação Geral de Sistemas de Informação Museal do Ibram.

Os museus mais visitados foram no estado do Rio de Janeiro: Museu Imperial, com mais de 280 mil visitantes; o Museu Histórico Nacional (MHN), que alcançou 154 mil visitantes; e o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), com cerca de 152 mil.

O destaque entre os museus Ibram em 2013 foi a exposição A herança do sagrado: obras-primas do Vaticano e de museus italianos, que esteve em cartaz entre julho e outubro no MNBA, e levou, em média, 25 mil visitantes ao museu no período.

O Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), também é destaque com mais de 135 mil visitantes no ano passado. Conheça todos os museus Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil (foto 1) – MinC (foto 2)

Matérias relacionadas
Brasil ocupa 1º lugar no ranking mundial de exposições mais visitadas em 2011
Ibram começa a mapear público de exposições de curta duração no Brasil

Última atualização: 10.4.2014