“Do asilo ao museu”: tese premiada será apresentada ao público em Brasília

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em Brasília (DF), recebe na terça-feira (13), o museólogo Eurípedes Gomes da Cruz Jr., reconhecido com a outorga de Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese 2016 na área de Ciências Sociais Aplicadas.

O convidado, que é responsável pelo setor de esculturas do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), vai apresentar sua premiada tese Do asilo ao museu: ciência e arte nas coleções da loucura, resultado de nove anos de trabalho, entre mestrado e doutorado, do pesquisador, sob orientação da professora Lena Vania Ribeiro Pinheiro.

Tese de Eurípedes trata de tema inovador na museologia

Tese de Eurípedes trata de tema inovador na Museologia

A apresentação é aberta ao público, basta confirmar a presença no e-mail eventos@museus.gov.br, e acontece no auditório do Ibram (Setor Bancário Norte, Quadra 2 Bloco N – Edifício CNC III – sobreloja).

Trabalho pioneiro
Realizado junto ao Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), o trabalho, considerado pioneiro nesta seara, destaca o papel da Museologia para integrar à História da Arte parcela significativa de criadores dela excluídos, em âmbito brasileiro, por conta de marginalização social causada por diversos motivos.

“Meu foco situa-se mais nas coleções que abrigam obras de pessoas rotuladas como loucas, mas também abre indagações sobre as questões éticas trazidas pela exposição desses trabalhos e seus autores que são estendidas a outras categorias de artistas que não pertencem aos círculos estabelecidos pelo campo tradicional da arte”, explica o pesquisador.

Com extensa revisão bibliográfica – fruto de oito meses de pesquisa em bibliotecas e museus no exterior – sobre o que foi produzido acerca do assunto nos campos da Ciência e da Arte, o trabalho, que também abarca a história das primeiras exposições com esta temática realizadas no Brasil, tenciona servir de referência na indicação de pistas e fontes para os pesquisadores do campo.

No dia seguinte a palestra (14), acontece a entrega do prêmio em cerimônia na sede da Capes, também em Brasília (DF). Durante o evento, os outorgados com menção honrosa serão destacados. A tese de Eurípedes Gomes da Cruz Jr. pode ser baixada e lida, na integra, na página do Programa de Pós-Graduação em Museologia da Unirio/MAST.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Acervo pessoal/Divulgação

Tese de pesquisador do Ibram sobre arte e loucura é premiada pela CAPES

euripedes

Tese é resultado de nove anos de pesquisa do museólogo, que é responsável pelo setor de esculturas do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA).

Berço de Arthur Bispo do Rosário (1909-1989) – interno durante mais de 50 anos na Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro (RJ), cuja obra vanguardista desperta amplo interesse internacional – e Nise da Silveira (1905-1999), psiquiatra pioneira na utilização da arte como recurso terapêutico, o Brasil detém o maior acervo mundial de obras produzidas por pacientes internados em hospitais psiquiátricos.

O assunto é tema central da tese “Do asilo ao museu: ciência e arte nas coleções da loucura”, defendida em 2015 pelo museólogo Eurípedes Gomes da Cruz Jr., que acaba de ser reconhecida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) com a outorga de Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese 2016, na área de Ciências Sociais Aplicadas.

A tese é resultado de nove anos de pesquisa, entre mestrado e doutorado, do também compositor, arranjador e maestro, que é responsável pelo setor de esculturas do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Antes disso, o autor trabalhou durante 30 anos no Museu de Imagens do Inconsciente, criado por iniciativa de Nise da Silveira, onde foi vice-diretor por 10 anos.

Pioneirismo
Realizado junto ao Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), o trabalho, considerado pioneiro nesta seara, destaca o papel da Museologia para integrar à História da Arte parcela significativa de criadores dela excluídos, em âmbito brasileiro, por conta de marginalização social causada por diversos motivos.

“Meu foco situa-se mais nas coleções que abrigam obras de pessoas rotuladas como loucas, mas também abre indagações sobre as questões éticas trazidas pela exposição desses trabalhos e seus autores que são estendidas a outras categorias de artistas que não pertencem aos círculos estabelecidos pelo campo tradicional da arte”, explica o pesquisador.

Com extensa revisão bibliográfica – fruto de oito meses de pesquisa em bibliotecas e museus no exterior – sobre o que foi produzido acerca do assunto nos campos da Ciência e da Arte, o trabalho, que também abarca a história das primeiras exposições com esta temática realizadas no Brasil, tenciona servir de referência na indicação de pistas e fontes para os pesquisadores do campo.

A entrega do prêmio acontecerá em cerimônia na sede da CAPES, em Brasília (DF), no dia 14 de dezembro. Durante o evento, os outorgados com menção honrosa serão destacados. A tese de Eurípedes Gomes da Cruz Jr. pode ser baixada e lida, na integra, na página do Programa de Pós-Graduação em Museologia da Unirio/MAST.

Ibram comemora 4º aniversário com atividades abertas ao público em Brasília

No dia 20 de janeiro, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao Ministério da Cultura (MinC), completa quatro anos de criação. Para marcar a data, uma série de atividades está programada para acontecer nos dias 23 e 24 de janeiro no Auditório do Ibram em Brasília (Setor Bancário Norte, Quadra 2 Bloco N – edifício CNC III – sobreloja).

No dia 23 (quarta-feira), às 15h, a mesa-redonda Museu, memória e cidadania vai tratar de um tema essencial ao exercício pleno da cidadania.

O desejo de memória e a reivindicação pelo direito à memória se ampliam em todo o mundo, em especial nos países que passaram por períodos ditatoriais.

A recente criação da Comissão Nacional da Verdade representa um dos mais significativos atos que visam garantir o Direito à Memória em nossa história, com repercussões sobre a sociedade brasileira e seus museus. Que papel a memória social desempenha na ressignificação de nosso passado? Qual a importância dos museus neste contexto? A memória é um tipo de justiça? São as questões norteadoras propostas para o diálogo entre convidados e público.

São convidados Cláudio Fonteles, coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Carolina Dellamore, autora do livro Marcas da clandestinidade: memórias da ditadura militar brasileira – publicado pelo Ibram – e Monique Batista Magaldi, professora do curso de Museologia da Universidade de Brasília (UnB). A mediação será de Cícero Almeida – diretor do Departamento de Processos Museais (DPMUS/Ibram). As inscrições gratuitas já estão abertas. Clique para se inscrever nessa atividade.

Quadro de Picasso inspirou curta-metragem de Resnais

Cinema e economia
No dia 24 de janeiro (quinta-feira), às 14h, o Ibram exibe dois filmes que dialogam com o tema Museus e Memória. Guernica (Alain Resnais, documentário, França, p&b, 13min, 1951) faz uma leitura visual do bombardeamento da cidade de Guernica pela aviação nazista, em 1937, evocada através do afresco de Pablo Picasso e de outras de suas obras.

Já o média-metragem Elegia de uma viagem (Alexsander Sukorov, experimental, França, Países Baixos, Rússia, cor, 48min, 2001) propõe uma reflexão ‘espiritual’ sobre algumas pinturas do acervo do Museu Boijmans, em Roterdã (Holanda) – uma celebração em torno de belas paisagens pintadas por artistas românticos.

Como última atividade programada para a semana de aniversário, Diomira Pinto Faria, professora de Economia do Turismo do Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), apresenta, às 15h30, a tese Um museu: o que é desde a perspectiva econômica e do desenvolvimento regional? Uma aproximação a partir do museu-parque Inhotim. O trabalho concentra-se na relação entre Inhotim e os impactos na cidade de Brumadinho e na região metropolitana de Belo Horizonte.

A apresentação de abertura será feita por Álvaro Marins, coordenador de Pesquisa e Inovação Museal (CPIM/Ibram), e a mediação ficará por conta de Marcos Estevão, coordenador da de Estudos Sócio-Econômicos e Sustentabilidade (Ceses/Ibram). Saiba mais sobre o Instituto Brasileiro de Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Imagens: Divulgação