Leitura dramatizada celebrou Cláudio de Souza em Petrópolis (RJ)

No dia 20 de outubro, comemoraram-se os 135 anos de nascimento do escritor e dramaturgo Cláudio de Souza. Na data, o Teatro Experimental Petropolitano (TEP), em parceria com a Academia Petropolitana de Letras, realizou uma leitura dramatizada de peças do autor, na Casa de Cláudio de Souza – vinculada ao Museu Imperial/Ibram.

Foram encenados atos das obras Eu Arranjo Tudo (1915), A Matilha (1924) e Flores de Sombra (1916), com participação dos atores do TEP Janine Meirelles, Fernanda Mury, Silvio Rafael, Joaquim Eloy, Patrícia Ávila e Sylvio Adalberto.

Além disso, para ilustrar a época em que viveu Cláudio de Souza, foram apresentadas as cortinas poéticas: Bon Soir Mademoiselle la Lune!, ambientada na época da Belle Époque, e Os Amores de Colombina, recordando o teatro clássico italiano, ambos de J. Eloy Santos.

Fundado em 1956, o Teatro Experimental Petropolitano é um dos ícones do teatro da cidade. Desde sua fundação, encenou obras de diversos autores brasileiros, estrangeiros e petropolitanos.

O homenageado
Cláudio de Souza escreveu inúmeras peças teatrais, artigos e textos científicos. Eleito para a Academia Brasileira de Letras, em 1924, ocupou a cadeira de número 29 (cujo patrono é Martins Pena). Presidiu a ABL por duas vezes, em 1938 e 1946, tendo então dirigido as comemorações do cinquentenário daquela instituição.

Membro-fundador da Academia Paulista de Letras, em 1909, abandonou definitivamente a medicina em 1913, passando a dedicar-se às viagens pelo mundo e à literatura. Casado com a Sra. Luísa leite de Souza, filha do barão do Socorro, fixou residência no Rio de Janeiro.

Em 1956, a viúva de Cláudio de Souza, dona Luísa, doou sua casa em Petrópolis, junto com seu acervo, ao Museu Imperial. Hoje, o espaço funciona como um museu e centro cultural dedicado a seu antigo proprietário, com móveis e objetos originais da casa, além da biblioteca do escritor, com 660 obras. A casa pode ser visitada de terça a sexta-feira, das 11h às 18h, com entrada gratuita.

Em Ouro Preto, 9ª Semana é encerrada com música e teatro

 A 9ª Semana Nacional de Museus, que em 2011 teve a temática Museu e Memória, será encerrada neste domingo (22) com apresentações artísticas e musicais na Praça Tiradentes, em Ouro Preto (MG). Os espetáculos teatrais ficam por conta dos membros do Projeto Quaquaraquaquá, apoiados pela Prefeitura e pelo Museu da Inconfidência/Ibram, com patrocínio da Funarte. Já a música ficará a cargo da Sociedade Musical Senhor Bom Jesus de Matosinhos, regida por Odilon Villas Boas.

Programação

Até 24 de julho: Exposição Lasar Segall – Imagens do Brasil. De terça a domingo, das 12h às 18h. Visitação gratuita.

Dia 21 – Sábado
9h às 20h – Exposição Uma coleção de carros antigos de Ouro Preto. Mostra de carros antigos, miniaturas, painéis fotográficos e dioramas. Curadoria: Ricardo Trópia, Margareth Monteiro e Janine Ojeda. Local: Tenda na Praça Tiradentes.

Dia 22 –Domingo
9h às 18h – Exposição Uma coleção de carros antigos de Ouro Preto. Local: Tenda na Praça Tiradentes.
14h – Me dá um minuto. Espetáculo do projeto Quaquaraquaquá, dentro da Semana de Arte. Local: Praça Tiradentes.
15h30min – Apresentação da Sociedade Musical Senhor Bom Jesus de Matosinhos. Regência: Odilon Villas Boas. Grupo musical ouro-pretano fundado em 15 de agosto de 1932, que marca presença em festas religiosas e procissões na cidade. Repertório com marchas sinfônicas e MPB. Local: Praça Tiradentes.
16h – Espetáculo De Mudança, com a Cia. Circunstância. Local: Praça Tiradentes. Sinopse e mais informações no site www.quaquaraquaqua.com.br
16h50min – Espetáculo de improviso e interação com o público, apresentado por Xim Xim, do Circo Volante, organizador do Festival Internacional de Palhaços de Mariana – MG. Local: Praça Tiradentes.
17h – Espetáculo O Rio Conta Histórias, com a Trupe Fincapé. Local: Praça Tiradentes. Sinopse e mais informações no site www.quaquaraquaqua.com.br

Fonte: Assessoria de Imprensa do Museu da Inconfidência

Semana da República no MCBC/Ibram

Museu Casa de Benjamin Constant comemora os 121 anos Proclamação da República com atividades educativas e culturais
 
     
 

No dia 14 de novembro, o Museu Casa de Benjamin Constant (MCBC) dá início, a partir das 15h, às comemorações dos 121 anos da Proclamação da República com a peça O Diário de Bernardina, baseada no diário escrito pela filha de Benjamin Constant. São relatados episódios interessantes e curiosos ocorridos nos dias que antecederam o 15 de novembro de 1889, sob a ótica de uma adolescente.  Após a encenação teatral, o público poderá visitar o museu e conhecer a chácara, que serviu de residência ao fundador da República e sua família.

Já no dia da Proclamação da República, 15 de novembro, o MCBC participa da programação de comemoração dos 50 Anos do Museu da República com a entrega dos certificados aos participantes do Circuito dos Sítios Históricos da República, projeto concebido em parceria pelas duas instituições e implementado ao longo deste ano com recursos do Ministério do Turismo, a partir de convênio com o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Minc). 

Nos dias 17, 18 e 19 de novembro, em colaboração com os Museus Castro Maya, serão realizadas visitas orientadas junto a estudantes de escolas públicas. Haverá ônibus fretados para que possam visitar o Museu Casa de Benjamin Constant e o Museu da Chácara do Céu. As atividades terão como tema a Proclamação da República. As atividades encerram-se com uma cerimônia de hasteamento do pavilhão nacional no dia 19 de novembro, Dia da Bandeira.

O Museu Casa de Benjamin Constant está situado na Rua Monte Alegre, 255, Santa Teresa, Rio de Janeiro. Para mais informações: (21) 3970-1177.