Memórias e Sonhos do Sítio Cercado no novo Museu de Periferia (PR)

Moradores do Sítio Cercado, em Curitiba (PR), comemoraram na sexta-feira (16), a inauguração do Museu de Periferia (MUPE), com o a abertura da exposição Memórias e Sonhos do Sítio Cercado. A abertura contou com cerca de 70 participantes, dentre moradores, representantes de associações e entidades culturais e do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC).

A exposição narra, por meio de fotografias e objetos, a história da região – desde os desbravadores e proprietários do início do século XX à formação das 13 vilas que compõem atualmente o bairro.  A partir da mostra é possível conhecer como viveram os pioneiros no período da ocupação, por meio da reprodução das barracas, dos utensílios e ferramentas, como cordas, que demarcavam o território, o  megafone utilizado nos  protestos de luta pela moradia.  Faz ainda  uma homenagem às primeiras lideranças comunitárias locais.

Dona Maria Helena Barbosa, moradora do Xapinhal há 31 anos, se emociona ao se reconhecer em uma foto no acampamento. “Naquela época era tudo muito difícil. Fico feliz de ver todas as conquistas que temos  hoje no Sítio Cercado.”

A concepção e montagem da mostra, definida pelo conselho gestor do Ponto de Memória,   também contou com apoio do cenógrafo Marcelo Pinto Vieira, do Museu da Maré (RJ).

Inspirado no Museu da Maré e Museu de Favela (MUF), do Rio de Janeiro (RJ), o Museu de Periferia vinha sendo articulado por moradores do bairro Sítio Cercado, em Curitiba desde 2009, a partir da oficina Museu, Memória e Cidadania, oferecida pelo Ibram/MinC. A proposta também recebeu apoio de artistas, entidades, associação de moradores, Associação Cultural de Negritude e Ação Popular e de articuladores do Museu da Maré e MUF.

De acordo com o conselho gestor, o MUPE pretende fortalecer a cultura da periferia, valorizando artistas locais, reconhecendo e divulgando o patrimônio cultural material e imaterial do Sítio Cercado.

Texto e foto: Divulgação Pontos de Memória

Como você vê o seu bairro? MUPE convida estudantes a descrever o Sítio Cercado

Estudantes da Escola Guilherme Lacerda Braga Sobrinho e da Escola Municipal Madre Teresa de Calcutá, ambas no Sítio Cercado, em Curitiba, foram convidados a colocar no papel como eles veem seu bairro. O resultado foram cerca de 150 desenhos e redações, que revelam características locais presentes no imaginário dos alunos, dentre elas o grande adensamento habitacional, o trânsito de automóveis, a violência urbana e os equipamentos de lazer das escolas, como gangorras e escorregadores.

O material, que já foi exposto no primeiro encontro Teia da Memória, em dezembro de 2009, em Salvador, foi reproduzido fotograficamente e transcrito pela equipe do Museu de Periferia – MUPE seguindo critérios museolólgicos de documentação e arquivamento e agora pode ser acessado no portal do museu http://acervomupe.wordpress.com/

Através da exposição do material na internet, o MUPE pretende aprimorar os critérios de catalogação e publicação dos desenhos, em diálogo com Instituto Brasileiro de Museus – ibram, e reunir colaborações de historiadores, psicólogos, pedagogos, museólogos e demais profissionais que possam contribuir na implementação do projeto.

O projeto “ Como você vê o seu bairro” é uma iniciativa do Museu de Periferia – MUPE, que pretende estimular a discussão sobre a “memória viva” nas escolas do Sítio Cercado, incentivando os estudantes a perceber seu território, sua cultura e as características de seu ambiente. Para a composição da memória do bairro, também está prevista a realização de entrevistas com os moradores mais antigos do bairro.

MUPE – O Museu da Periferia vem sendo organizado por moradores do bairro Sítio Cercado, em Curitiba, desde abril de 2009. A ideia foi inspirada na experiência dos Pontos de Memória Museu da Maré (na Favela da Maré) e o MUF – Museu de Favela (no Cantagalo Pavão-Pavãozinho), ambos na cidade do Rio de Janeiro.

Em setembro de 2009, a pedido da comunidade, foi realizada a oficina Museu, Memória e Cidadania, ministrada pelo diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram, Mário Chagas, para a instalação do Ponto de Memória. A iniciativa também recebeu apoio de artistas, entidades, associação de moradores, Associação Cultural de Negritude e Ação Popular e de articuladores do Museu da Maré e MuF.

O MUPE integra o projeto Pontos de Memória, uma parceria entre os Programas Mais Cultura, do Ministério da Cultura, através do Ibram, e do Pronasci, do Ministério da Justiça, com apoio da Organização dos Estados Ibero-americanos – OEI.

Sítio Cercado – O bairro era praticamente uma área rural até o final da década de 70 e teve um crescimento gigantesco nos últimos 30 anos. Fica na zona sul da cidade e concentra cerca de 150 mil habitantes.