Museu Imperial e IHGB celebram aniversário de d. Pedro II em Petrópolis

Na sexta-feira (5), o Museu Imperial/Ibram, em Petrópolis (RJ), comemora o 189º aniversário de d. Pedro II.

Com objetivo de reviver uma tradição iniciada em 1839, quando as reuniões do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) ocorriam na residência oficial do imperador, o Paço de São Cristóvão no Rio, uma comitiva formada por pesquisadores do instituto subirá a serra para a 6ª sessão do Centro de Estudos e Pesquisas Históricas no Palácio Imperial de Petrópolis – que abriga o Museu Imperial desde 1940.O evento, que tem início às 14h30, contará com membros da Comissão de Estudos e Pesquisas Históricas do IHGB, do Instituto Histórico de Petrópolis, da família imperial, autoridades, convidados e público em geral.

Na ocasião, Luiz Felipe de Seixas Corrêa,  sócio do IHGB, escritor e diplomata, profere a palestra O marquês de Paraná: seu papel na política interna e na política externa do Império.

O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro foi criado em 1838, a partir da intenção da monarquia em criar uma entidade que refletisse a “nação brasileira”, que, não muito antes, conquistara a independência (1822).

O patrono da instituição foi d. Pedro II, a quem foi dado o título de “Protetor”. O imperador incentivou e financiou pesquisas, fez doações valiosas, cedeu uma sala no Paço Imperial para sede do IHGB e presidiu mais de 500 sessões. Conheça o Museu Imperial.

Texto e foto: Divulgação Museu Imperial
Edição: Ascom/Ibram

Filme marca o 11/9 no M. da Comunicação Hipólito José da Costa (RS)

O Museu da Comunicação Hipólito José da Costa exibe neste domingo, 11 de setembro, às 19 horas, o filme Fahrenheit 11 de setembro, de Michael Moore, na programação do ciclo Cinema e História: Problemas Contemporâneos. Após a sessão, Leandro Balejos, professor de História, comanda o debate com o público presente. A entrada é franca.
O documentário – dirigido, escrito e estrelado pelo estadunidense Michael Moore – investiga as relações entre o presidente George W. Bush e Osama Bin Laden e as prováveis motivações que tornaram os Estados Unidos alvo de terroristas, com referências também à posterior invasão ao Iraque. O título faz alusão à “temperatura que arde a liberdade”. O filme levou a Palma de Ouro no Festival de Cannes em 2004.
O ciclo de cinema transcorre em 13 sessões de filmes, com encontros quinzenais, sempre aos domingos, às 19 horas, seguido de debates sobre questões contemporâneas retratadas nas produções, com a participação de alunos de graduação e pós-graduação, além de convidados especiais.
Inscrições e informações: hipólito-secretaria@sedac.rs.gov.br.

Fonte: Museu Hipólito José da Costa