Página 1 de 512345

MHN realiza seminário para celebrar o aniversário da Instituição

21616418_705168113014016_141172771027784064_nO Museu Histórico Nacional (Ibram/MinC) realiza, nos dias 10 e 11 de outubro, o Seminário “Games e Museus: a história em jogo” em comemoração ao aniversário do Museu, celebrado este mês.

O seminário objetiva reunir pesquisadores para apresentar suas experiências, metodologias e pesquisas acerca do tema, assim como refletir sobre o modo pelo qual o espaço da memória histórica e dos museus e seus acervos são incorporados, ressignificados e trabalhados pelos recursos das audiovisualidades, como o cinema, televisão, games, vídeos, aplicativos, smartphones, dentre outros.”

As inscrições podem ser feitas pela internet e no dia da abertura, a partir das 9h da manhã. No dia 10, a programação conta com uma palestra de abertura e mesas-redondas. E no dia 11, acontece o curso de curta duração: Jogos e ensino de história, ministrado pelo Professor Dr. Christiano Britto, da Universidade Federal Fluminense. O curso propõe reflexões em torno do uso da história em jogos de videogames, como as franquias de Medal of Honor e Call of Duty e os títulos Valiants Hearts e Uncharted, dentre outros. Serão objetos de análise categorias e questões em torno de eventos históricos, biografias, documentos e monumentos que são utilizados em narrativas de videogames.

Mais informações aqui.

Museu da Inconfidência comemora 73 anos em Ouro Preto (MG)

Museu da Inconfidência (MG)

Museu da Inconfidência (MG)

O Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), em Ouro Preto (MG). completa 73 anos de inauguração no dia 11 de agosto.

Para comemorar a data, haverá programação especial de aniversário, com lançamento de livros e o seminário Hospitalidade e Patrimônio: do acolher ao preservar – ambos com entrada gratuita.

As atividades ocorrerão nos dias 10 e 11 de agosto, a partir das 18h, no Auditório, Anexo I (Rua Vereador Antônio Pereira, 33, Centro Histórico).

Os participantes receberão certificado. Visite a página do Museu da Inconfidência para mais informações.

Confira a programação:

Seminário Hospitalidade de patrimônio: do acolhedor ao preservar

Mesa 1 – 10 de agosto, a partir das 18h
Mediação: Professora Ma. Lia Sipaúba P.Brusadin, Universidade Federal de Ouro Preto.

História, arte e preservação do patrimônio cultural
Profa. Dra. Maria Regina E. Quites
Graduada em bacharelado e licenciatura em Artes Plásticas, Especialista em Conservação Restauração de Bens Culturais e Mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais, Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Departamento de Artes Plásticas e do Programa de Pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG. É vice-presidente do Centro de Estudos da Imaginária Brasileira.

Potencialidades da documentação oficial da hospitalidade e refúgio
Profa. Dra. Sênia Regina Bastos

Bacharel, mestre e doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Bolsista de Produtividade em Pesquisa (nível 2 – CNPq), atualmente é professora do Mestrado e Doutorado em Hospitalidade da Universidade Anhembi Morumbi. É membro do Grupo de Pesquisa Hospitalidade: Processos e Práticas.

Museus hostis, turistas hostilis; controvérsias e caminhos da hospitalidade em instituições museológicas sob uma uma abordagem derrdariana
Profa. Dra. Karla Estelita Godoy
Professora Adjunta IV do Departamento de Turismo da Universidade Federal Fluminense. Vice-coordenadora e docente do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Turismo e professora do curso de Bacharelado em Turismo da UFF. Possui Bacharelado em Museologia, Mestrado em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Doutorado em Políticas Públicas e Formação Humana pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense.

O trabalho do profissional de museus para o fomento do turismo cultural e a preservação da memória social
Margareth Monteiro
historiadora e chefe da Divisão Técnica do Museu da Inconfidência/Ibram.
Janine Ojeda
Museóloga, Museu da Inconfidência/Ibram.

Lançamento de livros

livro1_Inconfidencia Hospitalidade e Dádiva: a alma dos lugares e a cultura do acolhimento
Leandro Benedini Brusadin (Org.)
Graduado em Turismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Mestre em Hospitalidade pela Universidade Anhembi Morumbi e Doutor em História pela Universidade Estadual Paulista de Franca. Pós-doutorado pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo – USP. Professor Adjunto do Departamento de Turismo da Escola de Direito, Turismo e Museologia da Universidade Federal de Ouro Preto. Professor do Mestrado em Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável da Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais.

História, Arte e Preservação do Patrimônio Cultural: a imaginária da Paixão de Cristo da Ordem Terceira do Carmo de Ouro Preto (MG)
Lia Sipaúba P. Brusadin
Graduada em bacharelado e licenciatura em História pela Universidade Estadual Paulista, Técnica em Conservação e Restauro de Bens Culturais pela Fundação de Arte de Ouro Preto, Especialista em Cultura e Arte Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto, Mestre e Doutoranda em Artes pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Departamento de Museologia da Universidade Federal de Ouro Preto.

Livro2_InconfidenciaMaria Regina E. Quites
Graduada em bacharelado e licenciatura em Artes Plásticas, Especialista em Conservação Restauração de Bens Culturais e Mestre pela Universidade Federal de Minas Gerais, Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas. Professora do Departamento de Artes Plásticas e do Programa de Pós-graduação em Artes da Escola de Belas Artes da UFMG. É vice-presidente do Centro de Estudos da Imaginária Brasileira.

Mesa 2 – 11 de agosto, sexta-feira, 18h30
Mediação: Prof. Dr. Leandro B. Brusadin, Universidade Federal de Ouro Preto

Acolhendo Saint-Hilaire: a “polidez simples e afetuosa” do minierio
Prof. Dr. José Newton Coelho Meneses
Professor Associado do Departamento de História da Universidade Federal de Minas Gerais e orientador pleno no Programa de Pós-Graduação em História/FAFICH/UFMG, linha de pesquisa História Social da Cultura. Graduado em Medicina Veterinária pela EV-UFMG e em História pela FAFICH/UFMG, possui mestrado em História pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense. Realizou estágio pós-doutoral com Bolsa de Estágio Sênior da CAPES, na École des Hautes Étudesen Sciences Sociales – EHESS (Enseignant Chercheur Invité), em Paris, França, sob a supervisão do Prof. Roger Chartier.

Dimensões teóricas da noção de hospitalidade
Profa. Ma. Grace Kelly Marcelino
Doutoranda e Mestre em Hospitalidade e Pós-graduada em Gestão de Empresas pela Universidade Anhembi Morumbi – Laureate International Universities, cursando especialização em Planejamento, Implementação e Gestão de EAD pela Universidade Federal Fluminense e graduada em Turismo pela Universidade Nove de Julho. Atualmente é professora no EAD Laureate.

O ofício de acolher na hospitalidade: trabalhadores do turismo entre o prescrito e o real
Profa. Dra. Kerley dos Santos Alves
Doutora em Psicologia pela PUC-MG. Graduada em Administração pela Universidade Federal de Ouro Preto, graduada em Psicologia e em Turismo pelo Centro Universitário Newton Paiva. Especialização em Administração Pública, Especialização em Educação/ Interpretação Ambiental e especialização em Gerenciamento de Empresas. Mestre em Turismo e Meio Ambiente pelo Centro Universitário de Ciências gerenciais UMA. Professora adjunta do quadro efetivo do Departamento de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto.

A casa e o acolhimento como ação descolonial
Prof. Dra. Ana Flávia Andrade de Figueiredo
Doutora e Mestre em Antropologia pela UFPE, tendo como linhas de estudo centrais as Teorias da Complexidade, Teorias Decoloniais, Simbolismo, Cibercultura e Hospitalidade na perspectiva maussiana. Especialista no Ensino de História das Artes e Tradições Religiosas pela UFRPE. Atualmente Professora Adjunta na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.

Texto e foto: Museu da Inconfidência/Divulgação

Seminário em Brasília discutiu o papel das comunidades e patrimônios

unb edijpgAconteceu na última semana, o Seminário Comunidades e Patrimônios: dos ecomuseus ao patrimônio cultural imaterial, ministrado pela professora francesa Claudie Voisenat. O evento, que reuniu cera de 100 estudantes e profissionais do setor, faz parte do acordo de cooperação entre o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e a Escola do Louvre (França).

Claudie Voisenat é professora de antropologia do patrimônio na Escola do Louvre e dá formação aos estudantes do bacharelato de Etnologia do Patrimônio Imaterial da Universidade de Toulouse. Para ela, essa iniciativa “é muito importante, por que nos dias de hoje eu vejo que, na França, por exemplo, não podemos mais pensar em conceitos como patrimônio ou cultura fora de um contexto global. Hoje, o relacionamento entre profissionais de diferentes países é mais importante que nunca”.

O seminário tratou do aspecto da inversão do processo de fabricação do patrimônio, quando a atribuição de valor cultural, e não mais estritamente histórico ou artístico, deixou de depender somente do Estado, assentando cada vez mais nos saberes das próprias comunidades.

Para Voisenat “já existem instituições importantes, como a Unesco por exemplo, mas se não queremos apenas depender delas precisamos trabalhar juntos e encontrar nossas próprias formas de agir e pensar conjuntamente, dentro da Unesco inclusive, mas de uma forma autônoma. Nesse contexto, os contatos entre profissionais são muito importantes, e o intercâmbio entre estudantes também. Aprender e refletir com eles também é uma forma de prepará-los (para os desafios profissionais), finalizou.

 Cooperação

A parceria entre Ibram e Escola do Louvre existe desde 2013 e já levou nove estudantes brasileiros para participar do Seminário Internacional de Verão de Museologia e estagiar em museus franceses, e três profissionais para realizar seminários, além de promover a vinda ao Brasil de estudantes para estágios e profissionais franceses para ministrar cursos no Brasil. Saiba mais.

Brasília recebe seminário sobre Comunidades e Patrimônios

Acontece entre os dias 22 e 26 de maio, na Universidade de Brasília (UnB), o Seminário Comunidades e Patrimônios: dos ecomuseus ao patrimônio cultural imaterial. A programação está disponível aqui.

Ministrado pela professora francesa Claudie Voisenat, o evento faz parte do acordo de cooperação entre o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e a Escola do Louvre (França), e é aberto ao público. As atividades acontecem no período da tarde, no Auditório do Centro de Informática (CPD – Campus Darcy Ribeiro).

Antropóloga francesa

Antropóloga da Escola do Louvre ministra seminário na UnB

Claudie Voisenat é professora de antropologia do patrimônio na Escola do Louvre e dá formação aos estudantes do bacharelato de Etnologia do Patrimônio Imaterial da Universidade de Toulouse.

Após sua participação, na década de 1980, no desenvolvimento de dois ecomuseus em Fresnes (arredores de Paris) e em Fougerolles (Haute-Saône no leste da França), ela foi responsável, nos anos 90, pela Missão do Patrimônio Etnológico (Ministério da Cultura francês).

O seminário é uma oportunidade de conhecer a experiência de Claudie Voisenat ao longo de mais de 30 anos de prática patrimonial. A série de palestras pretende examinar aspectos da exibição e comunicação – como os objetos podem ser ‘feitos para falar’ – fazendo referência a exemplos do passado e presente.

O seminário toca o aspecto da inversão do processo de fabricação do patrimônio, quando a atribuição de valor cultural, e não mais estritamente histórico ou artístico, deixou de depender somente do Estado, assentando cada vez mais nos saberes das próprias comunidades.

Cooperação
A parceria entre Ibram e Escola do Louvre existe desde 2013 e já levou nove estudantes brasileiros para participar do Seminário Internacional de Verão de Museologia e estagiar em museus franceses, e três profissionais para realizar seminários, além de promover a vinda ao Brasil de estudantes para estágios e profissionais franceses para ministrar cursos no Brasil. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: JD-L’Independant/Internet

Escola do Louvre recebe seminário sobre Museologia Social no Brasil

Acontece ao longo desta semana, na cidade de Paris (França), o Seminário Aberto aos Estudantes de Mestrado e Doutorado da Escola do Louvre.

Nesta edição, o museólogo Dr. Mario Chagas, servidor do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), ministra o curso Museologia Social no Brasil: Poéticas e Políticas no trabalho baseado na experiência prática.

Curso segue na Escola do Louvre até a sexta (27)

Curso com Mario Chagas segue na Escola do Louvre até a sexta (27)

A atividade é parte do projeto de cooperação destinado ao intercâmbio de profissionais e estudantes da área de museus entre o Ibram e a Escola do Louvre.

Com base em um experimento de campo realizado ao longo dos últimos anos, o seminário explora as tendências atuais em museologia social no Brasil.

Experiências comunitárias
São apresentados e discutidos exemplos de museus e ecomuseus que, cada um a sua maneira, estão fortemente ligados às comunidades em vários locais do Brasil: Museu da Maré, Museu Vivo de São Bento, Museu de Favela, Museu da Rocinha-Sankofa, Ecomuseu Nega Vilma, Museu do Horto, Ecomuseu Amigos do Rio Joana, Ecomuseu de Manguinhos e Museu das Remoções.

Poeta e museólogo, Mario Chagas, doutor em Ciências Sociais, é especialista em Museologia e Museografia, especificamente na Museologia Social, Educação Museal e práticas sociais relacionadas com a memória ao patrimônio.

Ele leciona na Escola de Sociologia e Pós-Graduação de Museologia e Patrimônio na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), é coordenador técnico no Museu da República/Ibram e também é presidente do Minon (Movimento Internacional para uma Nova Museologia), organização afiliada ao Icom (Conselho Internacional de Museus).

Texto; Ascom/Ibram
Fotos: Escola do Louvre/Divulgação

Indumentária e moda são temas de seminário internacional no MHN

Sophia Jobim (1904-1968), uma das referências nacionais do ensino e estudo das relações entre indumentária e moda, é a homenageada no Seminário Internacional Estudos de Indumentária e Moda no Brasil: tributo a Sophia Jobim, que acontece entre os dias 27 e 29 de setembro na capital fluminense.

Sophia Jobim em seu ateliê no Rio (sem data)

Sophia Jobim em seu ateliê no Rio (sem data)

Organizado pela  Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e  Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) no Rio, o evento internacional se propõe a ampliar as discussões da presença da indumentária e da moda no âmbito das ciências humanas – que teve na professora, pesquisadora, artista e museóloga brasileira Sophia Jobim figura-chave no cruzamento entre as duas áreas.

Programação
Na abertura (27), a conferência principal traz o pesquisador e escritor Frederico Pernambucano de Mello para falar sobre a estética dos cangaceiros, personagens que fizeram história até meados do século XX na região Nordeste e integram o imaginário cultural brasileiro.

As três mesas de diálogo programadas para o primeiro dia trazem pesquisadores de universidades do Rio, São Paulo, Minas Gerais, Pará e Bahia – além de Alessandro Bucci, da Universidade de Edimburgo (Escócia). No fim do dia, o MHN abre exposição com obras da Coleção Sophia Jobim presentes no seu acervo.

Os dias 28 e 29 estão voltados para minicursos e oficinas. Podem se inscrever tanto professores do ensino fundamental e médio quanto o publico em geral. Os minicursos têm vagas limitadas e o valor da inscrição é R$30 por atividade. As demais atividades são gratuitas e haverá certificado para os participantes. Saiba como se inscrever.

O Museu Histórico Nacional está localizado na Praça Marechal Âncora, S/N (próximo à Praça XV), no centro do Rio. Saiba mais.

Texto: Divulgação MHN/Ibram
Edição: Ascom/Ibram
Foto: Cadernos de Sophia/Divulgação

Diretor do Museu Lasar Segall concede conferência no MoMA, em Nova York

O diretor do Museu Lasar Segall, Jorge Schwartz, será um dos conferencistas de simpósio que será promovido pelo Museu de Arte Moderna (MoMA), em Nova York (EUA), na próxima quinta-feira (28).

Organizado por ocasião da exposiçãoJoaquín Torres-García: The Arcadian Modern, em cartaz a partir de 15 de fevereiro, o simpósio reunirá artistas e acadêmicos para debater as principais obras e os temas-chave da mostra, como a busca do pintor uruguaio (1874–1949) por uma forma latino-americana de modernidade e sua influência na produção de artistas de seu tempo.

Contemporâneo do pintor, escultor e gravurista brasileiro nascido na Lituânia Lasar Segall (1891-1957), Joaquín Torres-García (foto) é considerado um dos mais importantes e complexos artistas da primeira metade do Séc. XX. Seu trabalho, conforme definido pela curadoria da exposição realizada pelo MoMA, “abriu caminhos transformadores para a arte moderna nos dois lados do Atlântico”.

A maior já realizada sobre o artista uruguaio, a exposição do MoMA traz obras produzidas entre o final do Séc. XIX aos anos 1940, incluindo desenhos, pinturas, objetos e esculturas, além de cadernos originais do artista e publicações raras.

Durante sua participação no simpósio, que será transmitido via internet, o diretor do Museu Lasar Segall, vinculado ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), debaterá o tema A Modernidade do Sul com Estrella De Diego, professor de Arte Contemporânea da Universidad Complutense de Madrid (Espanha), e o pesquisador Niko Vicario, do Getty Research Institute (EUA). Saiba mais.

Começa hoje no Museu Imperial Seminário sobre D. Pedro II

Em comemoração aos 190 anos do nascimento de d. Pedro II, começa hoje, dia 2 de dezembro, no Museu Imperial o seminário D. Pedro II: História e Memória. Com o objetivo de divulgar estudos pautados em novos recortes temáticos e abordagens historiográficas, o evento terá temas pautados no Segundo Reinado e, especialmente, na trajetória do imperador.

SITE Imperial Seminario 02 DEZ

O seminário que acontecerá entre os dias 2 e 4 de dezembro de 2015 terá sua abertura oficial na Sessão da Comissão de Estudos e Pesquisas Históricas – CEPHAS – do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – IHGB. A conferência de abertura será ministrada no dia 2 de dezembro, às 15h pela professora Lucia Maria Paschoal Guimarães que falará sobre o tema D. Pedro II em Portugal (1871-1872): memória e história.

Foram oferecidas 80 vagas, mas devido à grande procura nas inscrições, ampliou-se para 120, ou seja, mais 50% do previsto inicialmente.

O evento é gratuito e acontecerá no cineteatro do Museu Imperial. Saiba mais sobre o Seminário no site do Museu Imperial.

Sobre a palestrante Lucia Maria Paschoal Guimarães – Doutora em História Social (USP). Pós-doutorado na Cátedra Jaime Cortesão da FFLCH/USP e pesquisa sabática na Universidade Nova de Lisboa. Professora Titular de Teoria da História e Historiografia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sócia Titular do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e Diretora da Revista do IHGB.

 CURADORIA:

Maria de Fátima Moraes Argon é graduada em História (1982) e Arquivologia (1986) e pós-graduada em História do Brasil (2009). Foi autora de diversos artigos, publicações e CDs sobre temas como: a Família Imperial, História de Petrópolis, História da Fotografia e Arquivos Pessoais. É Pesquisadora do Museu Imperial /Ibram/MinC, instituição na qual trabalha desde 1980. Coordenou projetos como: organização de publicações técnicas, seminários, exposições, dentre eles, o catálogo Família Imperial – Álbum de retratos (2002), que contou com o apoio do Programa ADAI (Espanha); o seminário As Muitas Faces de D. Pedro (2005) comemorativo dos 180 anos de d. Pedro II; o seminário A Princesa das Camélias (2006) comemorativo dos 160 anos da princesa Isabel e a exposição O Brasil Imperial nos Ateliês Franceses (co-curadoria, 2009) É Associada Titular do Instituto Histórico de Petrópolis e Sócia Correspondente da Academia Valenciana de Letras

Alessandra Bettencourt Figueiredo Fraguas é graduada em Licenciatura em História pela Universidade Católica de Petrópolis (2008) e em Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994). Possui experiência em pesquisa em acervo histórico e artístico. Participou de projetos relacionados ao acervo histórico do Museu Imperial, como a elaboração do dossiê que rendeu aos Documentos relativos às viagens do Imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo a nominação no Programa Memória do Mundo Internacional da UNESCO. Trabalhou no Museu Imperial como Técnica em Acervo do Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial – DAMI. É Associada Titular do Instituto Histórico de Petrópolis.

Texto e Imagem: Assessoria de Comunicação do Museu Imperial

Museu Imperial abre inscrições para seminário sobre D. Pedro II

Para comemorar os 190 anos do nascimento de d. Pedro II, o Museu Imperial/Ibram promoverá em Petrópolis (RJ), entre os dias 2 e 4 de dezembro, o seminário D. Pedro II: História e Memória, que contará com a presença de historiadores e especialistas ministrando palestras que visam difundir entre o público trabalhos em torno do pensamento e da memória do imperador.

Com curadoria de Maria de Fátima Moraes Argon e Alessandra Fraguas, o seminário contemplará dois eixos temáticos: História: d. Pedro II e o desenvolvimento das ciências no Brasil e Memória: a construção e a reabilitação da memória do imperador. O objetivo é divulgar estudos pautados em novos recortes temáticos e novas abordagens historiográficas, que permitam a reflexão crítica sobre o Segundo Reinado e, especialmente, sobre a trajetória de d. Pedro II.

Serão oferecidas 80 vagas. Os interessados em participar do seminário podem fazer as inscrições on-line até o dia 20 de novembro, gratuitamente, no site do Museu Imperial.

Sobre as curadoras

Maria de Fátima Moraes Argon é graduada em História (1982) e Arquivologia (1986) e pós-graduada em História do Brasil (2009), além de ser autora de diversos artigos e publicações sobre a Família Imperial e História de Petrópolis. É pesquisadora do Museu Imperial, tendo coordenado projetos como a organização de publicações técnicas, seminários e exposições. É Associada Titular do Instituto Histórico de Petrópolis e Sócia Correspondente da Academia Valenciana de Letras.

Alessandra Bettencourt Figueiredo Fraguas é graduada em Licenciatura em História pela Universidade Católica de Petrópolis (2008) e em Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994). Possui experiência em pesquisa em acervo histórico e artístico. Participou de projetos relacionados ao acervo histórico do Museu Imperial, onde também trabalhou como Técnica em Acervo do Projeto de Digitalização do Acervo do Museu Imperial – DAMI. É Associada Titular do Instituto Histórico de Petrópolis.

Ibram e Escola do Louvre realizam seminário na Bahia

cartaz-final bahiaSalvador recebe entre os dias 7 e 9 de outubro, o curso Fazendo nossas coleções falarem: o passado e o presente das exposições dos museus, ministrado pela professora Cecília Hurley Griener, da Escola do Louvre na França.

O apoio ao evento é do Programa de Pós Graduação em Museologia da Universidade Federal da Bahia e do Museu de Arte da Bahia, da diretoria de Museus do Estado.

O seminário possibilitará que estudantes da área, profissionais de museus e público interessado, possam refletir sobre  coleções e os discursos possíveis de apreender e produzir através das mesmas.

É o segundo ano que o Ibram traz um seminário em parceria com a Escola do Louvre. No ano de 2014, o curso aconteceu no Rio de Janeiro, com o apoio da Unirio.

A professora convidada de 2015 é Cecília Griener, PHD em História da Arte e está na Escola do Louvre desde 2014. O curso é dividido em três módulos. As atividades acontecem entre 14h e 20h30, no Museu de Arte da Bahia. Haverá tradução simultânea. As inscrições são gratuitas, com vagas limitadas e devem ser feitas pelo seminariooutubro@gmail.com.

Página 1 de 512345