Fomento 2011: Ibram divulga listas de habilitados em quatro editais

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) publicou no Diário Oficial da União do dia 6 de dezembro listas de habilitados para quatro concursos do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011: prêmios Mário Pedrosa, Pontos de Memória, Roteiros Audiovisuais e Modernização de Museus – Microprojetos.

Os proponentes interessados têm cinco dias úteis para entrar com recursos de inabilitação. Todas as informações necessárias para o procedimento estão disponíveis nos respectivos editais. Saiba mais sobre o Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011.

Texto: Ascom/Ibram

Programa de Fomento aos Museus 2011 está com nove editais abertos

Nove dos dez editais que fazem parte do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011 estão com inscrições abertas. São mais de 16 milhões de reais em recursos financeiros destinados a prêmios e projetos relacionados à construção e modernização de museus, ao incentivo a artistas contemporâneos, à divulgação do tema museu em diversas mídias e ao apoio a iniciativas e experiências de memória social desenvolvidas por comunidades e grupos populares.

Esses recursos são resultado de emendas parlamentares apresentadas pelo Congresso e do orçamento do Fundo Nacional de Cultura/MinC. Do total de editais, seis foram lançados em 2011. São eles (clique no nome para ver o Edital):

Prêmio Ibram de Arte Contemporânea – busca ampliar, estimular, viabilizar práticas artísticas contemporâneas e fomentar o processo artístico nacional. Cinco (5) artistas emergentes e cinco (5) artistas estabelecidos serão contemplados por esse prêmio, que tem como objetivo selecionar projetos para produção de obra inédita. Os prêmios são de R$ 60 mil e R$ 100 mil e as inscrições vão até 30 de novembro.

Edital Modernização de Museus – Microprojetos  - tem por objetivo selecionar 50 (cinquenta) iniciativas voltadas à cultura, memória e patrimônio a fim de fomentar o processo sócio cultural nacional. Os prêmios variam de R$ 10 mil a R$ 50 mil e as inscrições seguem até 27 de novembro.

Prêmio Pontos de Memória 2011 - busca reconhecer iniciativas de práticas museais e de processos dedicados à memória social que se identifiquem com a perspectiva da museologia social, da diversidade sociocultural e da sustentabilidade. É voltado para grupos étnicos-culturais tais como indígenas, afro-descedentes, ciganos, ribeirinhos, quilombolas, rurais, urbanos, de periferia, cultura litorânea, comunidades brasileiras no exterior, entres outros. Os prêmios são de R$ 30 mil e R$ 50 mil. Inscrições até 27 de novembro.

Prêmio Ibram de Roteiros Audiovisuais 2011 visa premiar 18 roteiros inéditos para produção audiovisual, com 60% de ambientação em museus brasileiros e vinte (20) produções de mídias digitais com argumentação museológica. Serão premiados: Roteiro de Longa Metragem; Roteiro de Curta Metragem; Roteiro de Documentário; Roteiro de Cine-TV  e Produção de Mídias Digitais. Os prêmios variam de R$ 5 mil a R$ 100 mil e as inscrições vão até 26 de novembro.

Edital para Criação e Fortalecimento de Sistemas de Museus - voltado para entidades públicas que atuam no âmbito museal, o Edital para a Criação e Fortalecimento de Sistemas de Museus visa ao apoio à estruturação, modernização e fortalecimento do Sistema Brasileiro de Museus. Podem participar entidades públicas, nos âmbitos municipal, estadual e distrital. Serão atendidos projetos com valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais). Inscrições até 18 de novembro.

Prêmio Ibram de Enredos que consiste em selecionar e premiar até 34 (trinta e quatro) enredos carnavalescos com o tema: Museus, Memória e Criatividade. Cada prêmio é de R$ 15 mil e as inscrições seguem até 26 de novembro.

Os outros quatro editais, que já fazem parte da agenda do Ibram, são:

Edital Mais Museus – visa o conveniamento de projetos para a implantação de museus em municípios com menos de 50 mil habitantes e que ainda não possuam instituição museológica instituída. Podem participar pessoas jurídicas de direito público e de direito privado sem fins lucrativos, com finalidade cultural. No caso de pessoas jurídicas de direito privado deverão ser instituídas há no mínimo três anos. Os projetos atendidos terão valores entre R$100.000,00 e R$150.000,00. Inscrições até 18 de novembro.

Edital Modernização de Museus - seleciona projetos para conveniamento voltados à cultura, memória e patrimônio, para modernização dos espaços museais. Tem por objetivo ampliar, estimular e viabilizar a continuidade e a sustentabilidade das atividades das instituições selecionadas, a fim de fomentar o processo sócio cultural nacional. Os projetos atendidos terão valores entre R$ 100.000,00 e R$ 300.000,00. As inscrições se encerraram no dia 13 de novembro.

Prêmio Darcy Ribeiro 2011 -  está em sua 4ª edição e é voltado para práticas de educação não formal que objetivam a convergência entre cultura, arte e educação de modo a contribuir na ampliação do acesso às manifestações culturais e ao patrimônio cultural brasileiro. Podem participar instituições museais públicas não vinculadas à estrutura do Ministério da Cultura, órgãos ou entidades públicas que possuam em sua estrutura unidades museais, e instituições museais de direito privado sem fins lucrativos. Os projetos devem ter sido realizados nos últimos dois (2) anos e já concluídos. Os prêmios são de R$ 15 mil, R$ 10 mil e R$ 8 mil para o primeiro, segundo e terceiro colocados, respectivamente. As inscrições estão abertas até 30 de novembro.

Prêmio Mario Pedrosa - é voltado para trabalhos jornalísticos veiculados na mídia impressa nacional e que tiveram como tema “Mulheres, Museus e Memórias”. São três prêmios de R$ 10 mil; R$ 7 mil e R$ 5 mil para os 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente. As inscrições seguem até 26 de novembro.

As inscrições podem ser feitas por meio do Sistema SalicWeb, disponível na página do Ibram (www.museus.gov.br). Os proponentes devem, após fazer a incrição, acompanhar, regularmente, o ambiente do Sistema. As diligências serão informadas através do item “Mensagens enviadas pelo MinC”.

Dúvidas e informações pelo email: fomento@museus.gov.br.

Fonte: Ascom Ibram/MinC

Prorrogada a exposição Rio no Museu Nacional de Belas Artes (RJ)

Devido ao grande sucesso de público, o Museu Nacional de Belas Artes/Ibram prorrogou a exposição Rio: a arte da animação até o dia 6 de novembro.

Está em exibição na Sala Bernradelli um acervo relativo à produção do longa-metragem de animação Rio, dirigido pelo carioca Carlos Saldanha, incluindo desde as primeiras páginas do roteiro até o resultado final. Storyboards, esboços dos personagens e cenários, além de todo processo de montagem computadorizada do filme estão à mostra.

A visitação pode ser feita de terça a sexta, das 10h às 18h. Aos sabados, domingos e feriados, das 12h às 17h. No domingo a entrada é franca e nos outros dias custa 8 reiais. A bilheteria funciona até 30 minutos antes do fechamento. Saiba mais.

Fonte: Divulgação MNBA/Ibram

Museus mostram trajetória da mulher na arte brasileira

Durante muito tempo, a mulher esteve presente na arte apenas como inspiradora e musa, à margem do processo criativo. Mas esse papel não lhe cabe mais, e os museus brasileiros são prova disso: as coleções estão repletas de obras feitas por mulheres, que expressam o olhar de sua época e a insistência feminina em participar do mundo e do período em que vivem por meio da criação artística.

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, 8 de março, um roteiro pelos museus do Ibram/MinC no Rio de Janeiro oferece um panorama da trajetória feminina na arte brasileira.

No Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Museu Histórico Nacional e no Museu da República, por exemplo, estão obras da pintora Georgina de Albuquerque (1885-1962), uma das precursoras da participação das mulheres nas artes plásticas no país. Georgina rompeu com o academicismo após uma viagem à França, em 1906, e em 1952 torna-se a primeira mulher a dirigir a Escola Nacional de Belas Artes, onde mulheres só puderam entrar a partir de 1879. A artista obteve menção honrosa no Salão Nacional de Belas Artes de 1909 por seu quadro Supremo Amor e a partir daí, seu talento foi reconhecido no cenário artístico nacional.

Primeira caricaturista a despontar no Brasil, Nair de Teffé (1886-1981) foi outra dessas pioneiras. Nair retratou todos os presidentes de Deodoro da Fonseca a JK, além de figuras da sociedade do século XX, por meio de portrait-charges ou retratos caricaturais. A artista começou sua carreira na revista Fon-Fon! (1907) e teve caricaturas divulgadas em publicações francesas (Le rire, Excelsior, Fémina e Fantasio. Seu trabalho pode ser visto no Museu Histórico Nacional e no Museu Imperial, entre outros.

As mulheres também participaram ativamente do estopim do movimento modernista. Anita Malfatti (1889-1964) e Tarsila do Amaral (1890-1973) ajudaram a renovar a arte brasileira inspiradas na brasilidade.

Em 1917, Anita chocou São Paulo ao apresentar uma mostra com 53 de seus mais arrojados trabalhos e recebeu de Monteiro Lobato uma crítica tão violenta que levou Oswald de Andrade, Menotti Del Picchia e Mário de Andrade a publicar artigos em sua defesa. Juntou-se ao movimento modernista Tarsila do Amaral, que estruturou sua personalidade artística a partir de influências cubistas, durante seus estudos em Paris, na Académie Julien. Depois de uma viagem às cidades históricas mineiras, o contato com o barroco brasileiro associado às teorias e práticas cubistas, ela criou uma pintura denominada Pau Brasil. Em 1926, Tarsila inicia sua fase antropofágica, de retorno ao primitivo, que tem como referência o quadro Abaporu.

O MNBA guarda algumas de suas obras. No mesmo museu, pode-se conhecer ainda o talento de Djanira (1914-1979) que, inspirada em trabalhos de mulheres modernistas, tornou-se uma das grandes intérpretes do movimento no Brasil. Ela apareceu no panorama cultural brasileiro em 1942, participando do Salão Nacional de Belas Artes e teve como temas o retrato, o futebol, a música popular, as atividades circenses, o teatro, além de suas pinturas sobre trabalhadores. Djanira fez várias viagens pelo interior, conhecendo os costumes e movimentos folclóricos do povo, enriquecendo sua temática e exploração de cores, composição e formas.

Um novo redirecionamento da arte brasileira acontece a partir de 1951, tendo como marco a 1ª Bienal de Artes de São Paulo. A bienal – cuja organização teve participação decisiva de uma mulher, a escultora Maria Martins – inspirou a criação do Manifesto Neoconcreto no Brasil.

Falar em neoconcretismo é falar em Lygia Pape (1927-2004) e também em Lygia Clark (1920-1988), que, dentre outras experiências inovadoras, consolida a performance na história da arte ao utilizar o corpo como parte da obra. O legado das duas artistas integra, por exemplo, o acervo dos Museus Castro Maya (Museu da Chácara do Céu e Museu do Açude), ao lado de obras de Fayga Ostrower. Outras artistas contemporâneas como Mônica Barki, Ana Bella Geiger, Marta Niklaus, Malu Fatorelli e Iole de Freitas também estão presentes nos acervos dos museus Ibram/MinC.