Ibermuseus lança Fundo de Emergência para apoio ao patrimônio em risco

Iniciativa de cooperação e integração dos países ibero-americanos para o fomento e a articulação de políticas públicas para a área de museus e museologia, o Programa Ibermuseus lançou esta semana o Fundo de Emergência do Programa de Apoio ao Patrimônio Museológico em Situação de Risco.

A ação pretende incrementar a assistência, socorro e proteção ao patrimônio cultural da comunidade ibero-americana e oferecer respostas rápidas e eficientes frente aos desastres de origem natural ou humano, especialmente em regiões afetadas por inundações, terremotos, incêndios, conflitos bélicos, ameaças humanas e outras situações calamitosas.

Até 31 de dezembro, as instituições ibero-americanas que possuam coleções e acervos museológicos sob sua responsabilidade poderão solicitar a utilização do fundo por meio do Portal Ibermuseus.

Como funciona
Os documentos enviados sobre a entidade e o sinistro, além dos seus respectivos cronogramas e orçamentos, serão analisados pelos pontos focais de cada país e pelo Comitê Intergovernamental do Programa. Em seguida, os interessados serão comunicados sobre a aprovação ou não do benefício solicitado.

As ações de emergência englobam cooperação técnica (passagens e diárias para visitas de especialistas e funcionários das administrações públicas ibero-americanas); auxílio à contratação de consultoria técnica especializada para avaliação de danos; e intervenções pontuais (projetos de reorganização, conservação ou restauração de acervos). Os valores destinados a cada uma das solicitações serão determinados pelo Comitê Intergovernamental do Programa.

Confira o regulamento completo do Fundo de Emergência do Programa de Apoio ao Patrimônio Museológico em Situação de Risco.

Texto: Divulgação Ibermuseus

 

Ibram e Ibermuseus discutem Gestão de Risco e Patrimônio Cultural no RJ

Gestão de Risco e Patrimônio Cultural é o tema da mesa de debate promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) e pelo Programa Ibermuseus.

A mesa acontece no dia 12 de março, das 9h às 13h, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ). A entrada é franca e não é necessário fazer inscrição. Lotação sujeita ao número de assentos disponíveis.

Os convidados especialistas para o evento são Cristina Menegazzi, especialista em Gestão de Risco ao Patrimônio Cultural; Fábio Scliar e Márcio Moreira, ambos da Delegacia de Repressão a Crimes contra o Meio Ambiente e ao Patrimônio Histórico – Delemaph/PF; Major Polito, diretor-geral do Serviço Técnico do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro (CBMERJ); e Moacyr Duarte de Souza, especialista em Gerenciamento de Riscos e Planejamento de Emergências do Grupo de Análise de Risco Tecnológico e Ambiental (Garta – COPPE/UFRJ).

Mais informações pelos telefones (21) 2215.5226 | 5163.

Texto: Ascom/Ibram

Palestra sobre Patrimônio em Risco abre 2º dia de Conexões Ibram Rio

Com fala do diretor do Departamento de Processos Museais do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) Cícero de Almeida, o segundo dia de Conexões Ibram no Rio de Janeiro começou com debate sobre um tema caro ao estado, que possui 254 museus e abriga uma dos mais significativos conjuntos de bens culturais musealizados do país.

Ao falar sobre a “Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro”, o museólogo e diretor do Ibram destacou a necessidade de uma política indutora de segurança para o setor museal, que vem sendo amadurecida desde a criação da Política Nacional de Museus, em 2003.

A palestra suscitou discussão entre o público que compareceu ao Museu Histórico do Corpo de Bombeiros Militar do Rio de Janeiro, composto por profissionais da área museal das esferas municipal, estadual e federal, além de estudantes, professores e representantes de Pontos de Memória.

“Antes de toda a dificuldade técnica para o estabelecimento de políticas de segurança nos museus, há uma dificuldade comportamental”, explicou o diretor do Departamento de Processos Museais do Ibram. “Nossa proposta é trabalhar com uma noção mais ampla de segurança, lidando com planejamento para antever riscos. Ao mesmo tempo, o ideal é que a segurança seja um tema invisivel para quem visita o museu, que não interfira no acesso e fruição do acervo“.

A programação do segundo dia de Conexões Ibram no Rio de Janeiro prossegue com mesa sobre o programa Pontos de Memória. Acompanhe.