Página 21 de 38« Primeira...10...1920212223...30...Última »

Museus Ibram com ampla programação durante a Semana de Museus 2013

Os 30 museus federais que integram a estrutura do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) estão com uma programação variada durante a 11ª Semana de Museus – que acontece de 13 a 19 de maio em todo o país.

Confira a seguir destaques de atividades em cada um dos museus e acesse a programação completa no guia online ou nos canais dos museus na internet – basta clicar no nome do museu.

Espírito Santo (ES)

Museu Solar Monjardim
- Exposição Meio Ambiente, pinturas da artista plástica capixaba Denise Moraes, seguida de atividades educativas relacionadas às questões da preservação, voltada ao público escolar. De 14 de maio a 16 de agosto.

Museu de Biologia Prof. Mello Leitão
- Oficina de Desenho Caderno de Viagem. O desenho como forma de registro, comunicação e manifestação artística. Atividades teóricas e práticas. Saída artística pelo museu. Dias 16 e 18 de maio às 8h.
- Visita orientada ao parque, abordando questões de conservação da Mata Atlântica. De 14 a 19 de maio.

Goiás (GO)

Museu das Bandeiras/ Museu de Arte Sacra da Boa Morte/ Museu Casa da Princesa
- Exposições itinerantes:  A cadeia que virou museu. Museu das Bandeiras. De 13 de maio a 4 de agosto. A igreja que virou museu. Museu de Arte Sacra da Boa Morte. De 15 de maio a 31 de agosto. A casa que virou museu. Museu Casa da Princesa. De 15 de maio a 4 de agosto.

Maranhão (MA)

Museu Casa Histórica de Alcântara
- Cortejo O Museu vai à Rua, saindo da Praça Deodoro até a Praça João Lisboa com os Museus de São Luis e Alcântara. Exposições e atividades na Praça João Lisboa. Dia 14 de maio.

Minas Gerais (MG)

Museu da Inconfidência
- Exposição Natureza de Burle Marx: esculturas, pinturas e gravuras. Até 26 de maio. Saiba mais.
- Exposição Arte, cor e fé apresenta aspectos culturais da religiosidade dos mineiros. De 13 de maio a 18 de setembro.
- Apresentação musical Um quinteto de cordas, com participação especial do músico argentino Rufo Herrera. Entrada Franca. Dia 18 de maio às 18h .
- Entrada gratuita na exposição de longa duração do museu com horário estendido até às 20h, para comemorar o Dia Internacional de Museus. Dia 18 de maio.

Museu do Diamante
- Apresentação de abertura com o Grupo Cais da Bahia de Diamantina, resultado da Oficina de Capoeira permanente do museu. Dia 13 de maio às 19h.
- Exposição Livro de Artista, coleção especial da Universidade Federal de MG, que trata de um conceito expandido de obras literárias. Livros criados por artistas plásticos com matérias diversos e linguagem poética. De 13 a 19 de maio.
- Oficina Museu numa caixa de sapato: memória e patrimônio da comunidade. Visita a Palha, onde serão identificadas memórias, objetos, iconografia e relatos, desmistificando museu como lugar de “coisas velhas”. De 14 a 16 de maio.

Museu do Ouro
- Ação educativa com estudantes e grupos culturais de Sabará em noite de sarau no museu, em homenagem aos 60 anos do livro Romanceiros da Inconfidência, de Cecília Meireles. Entrada Gratuita. Dia 17 de maio às 18h.
- Visitação gratuita ao museu no dia 17 de maio.

Museu Regional de São João Del-Rei
- Exposição 300 anos de História e Mudança Social do Museu. Mostra organizada em comemoração ao tricentenário de criação do município. De 16 a 31 de maio.

Museu Regional Casa dos Ottoni
- Exibição de filmes para a comunidade (Cine-Museu). De 13 a 17 de maio às 9h.
- Visita Guiada no horário noturno. De 13 a 16 de maio das 19h30 às 21h.
- Espetáculo Teatro de Sacada, que retrata momentos históricos importantes da cidade de Serro. Dia 16 de maio às 19h30.

Museu Regional de Caeté
- Exposição itinerante de imagens de peças do acervo do museu. De 13 a 17 de maio.

Pernambuco (PE)

Museu da Abolição
- Exposição As Águas da Memória, a Rota do Ex-Cravizado, da artista plástica Inêz Oludé. De 13 a 31 de julho. Entrada franca.

Rio de Janeiro (RJ)

Museu da República
- Abertura dos espaços expositivos Gerador da Usina do Catete e Bistrô do Museu. Dia 14 de maio às 17h.
- Seminário VIII Jornada Republicana: museu (memória criatividade) = transformação social. Dia 17 de maio às 14h.

Museu Palácio Rio Negro
- Espetáculo Teatral sobre a memória dos tipos populares e seus costumes em releitura criativa para estimular a mudança dos costumes, a mobilização e a justiça social. Dia 18 de maio, às 17h.

Museu Histórico Nacional
- Visita guiada Circuito Histórico-Cultural De Fortaleza a Museu: observando as transformações ao seu entorno. Partindo do conjunto arquitetônico do MHN, a visita passará por alguns pontos históricos do centro do Rio de Janeiro. Dia 18 de maio às 14h.

Museu Imperial
- Curso de Capacitação para Guias de Turismo com registro na Embratur. Evento gratuito De 13 a 15 de maio.
- Mesa redonda Abolição em revista e abertura da exposição A simbologia da camélia na história e na arte. Dia 13 de maio às 14h. Entrada franca.
- Exposição Paisagem petropolitana. Mostra comemorativa aos 170 anos da cidade de Petrópolis e aos 70 anos de inauguração do Museu Imperial. Entrada franca dias 18 e 19 de maio. Saiba mais.
- Concerto com o Coral Dó Ré Mi. Dia 18 de maio, às 15h. Entrada franca.
- Visitação ao Palácio Imperial. Dias 18 a 19 de maio. Entrada Franca.

Museu Nacional de Belas Artes
- Palestra A Primeira Missa na visão de Victor Meirelles e Candido Portinari, com o crítico de arte Israel Pedrosa. Dia 14 de maio às 15h. Entrada franca.
- Visita guiada Itinerário da Memória. Caminhada cultural. Dia 16 de maio às 14h.
- Visita mediada para o público infanto-juvenil à exposição Quando o Brasil amanhecia. Dia 17 de maio às 10h30.
- Visita mediada Projeto Todo mundo no museu. Galeria de Arte Brasileira do Século XIX. Dia 18 de maio às 15h.

Museus Castro Maya
- Visita mediada à exposição Amigos da Gravura 2013 e lançamento do livreto Museus Castro Maya para professores – volume 2, com palestra dos autores e distribuição do material aos participantes. No Museu da Chácara do Céu. Dia 14 de maio às 14h. Entrada franca.

Museu Villa-Lobos
- Mesa redonda Villa-Lobos na Era Vargas (1930-1945): educação musical e identidade nacional. Dia 15 de maio às 19h.
- Mini-concerto didático Família Henriques. Música de Villa-Lobos e outros compositores. Dia 16 de maio às 14h.
- Espetáculo musical interativo Brinquedos Cantados. Músicas, danças e brincadeiras extraídas da cultura popular brasileira com o Grupo Céu na Terra. Dia 17 de maio às 14h. Entrada franca.

Museu Casa de Benjamin Constant
- Reunião com instituições culturais do bairro de Santa Teresa com o objetivo de se criar uma Rede de Cultura local. Dia 16 de maio às 10h.
- Visita mediada à exposição de longa duração e ao parque dentro dos circuitos Família, República e Meio Ambiente. De 13 a 19 de maio.

Forte Defensor Perpétuo de Paraty
- Evento relacionado ao dia da abolição da escravidão no Brasil. Exibição de filmes e oficina de maracatu. De 13 a 19 de maio.
- Abertura da exposição de máscaras do mestre paratiense Natalino de Jesus Silva, debate sobre a tradição de máscaras e bonecos de Carnaval na cidade e encerramento da oficina de máscaras dos alunos da Escola Municipal Maria Jácome de Melo, do Corisco. Dia 15 de maio a partir das 10h.
- Roda de conversa com o tema A escravidão em Paraty em debate. Presença de Cássio Ramiro Mohallem Cotrim, autor do livro Villa de Paraty e convidados. Dia 17 de maio às 15h.

Museu de Arte Religiosa e Tradicional
- Visita orientada ao Mart, com distribuição de jogos educativos sobre a 11ª Semana de Museus. De 14 a 17 de maio.
- Mini oficina de capoeira, composta por uma parte teórica. dias 15 e 17 de maio às 14h30.

Museu de Arqueologia de Itaipu
- Exibição do vídeo Rede de Memória: Tradição Pesqueira em Itaipu, que retrata a história da atividade da pesca tradicional na região. De 13 a 19 de maio às 10h.
- Roda de capoeira realizada por profissionais da Associação da Comunidade Tradicional de Engenho do Mato. Dia 18 de maio às 10h.

Museu Casa da Hera
- Encontro com artesãos para a 2ª mostra Inspiração e Expressão, que visa estimular o artesanato de identidade regional. Dia 14 de maio às 9h.
- Visita mediada ao museu, com peças especialmente expostas para o evento. De 14 a 19 de maio.
- Show musical com Quarteto de Flautas do PIM – Programa de Integração pela Música. Dia 17 de maio às 16h.

Rio Grande do Sul (RS)

Museu das Missões
- Minicurso Introdução à Conservação Preventiva com Micheli Martins Afonso – estudante do Bacharelado em Conservação e Restauro da Universidade Federal de Pelotas. Dia 16 de maio às 9h.
- Cerimônia de Reconhecimento e Mérito Comunitário aos participantes do Projeto Sabores e Saberes Missioneiros: experiências femininas e patrimônio imaterial em São Miguel das Missões/RS. Ponto de Memória Missioneira. Dia 19 de maio às 9h.

Santa Catarina (SC)

Museu Victor Meirelles
- Projeto Encontro com o Artista e abertura da exposição Palavras Fluidas de Érica Kaminishi. Dia 15 de maio às 18h.
- Projeção de vídeos ao ar livre no Largo Victor Meirelles. Dia 16 de maio às 19h.
- Oficina sobre Educação Patrimonial e Educação Ambiental. Dia 17 de maio às 14h.

São Paulo (SP)

Museu Lasar Segall
- Encontro Educação em museu pelos educadores: transformação social existe? com educadores de instituições culturais de São Paulo para refletir sobre a condição do museu e da prática educativa. Dia 13 de maio às 14h.
- Encontro de Arte Moderna e Contemporânea. O Museu Lasar Segall, a Bienal de São Paulo e instituições culturais da cidade são convidados para um debate. Dia 18 de maio às 10h.
- Teatro para bebês de zero a 3 anos (acompanhados de pais ou responsáveis). Tem o objetivo de ampliar o acesso da primeira infância aos espaços públicos culturais. Dia 19 de maio às 15h.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Banco de imagens Ibram
Última atualização: 14.5.2013

Ministras da Cultura e Meio Ambiente abriram exposições no Rio de Janeiro

No último sábado (20), as ministras da Cultura, Marta Suplicy, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, inauguraram as exposições Quando o Brasil Amanhecia – A Primeira Missa no Brasil vista por Victor Meirelles e Candido Portinari e Portinari e os painéis da Capela Mayrink, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ). As duas exposições permanecem abertas para visitação até o dia 9 de junho.

Marta Suplicy e o painel de Portinari ao fundo: relevância do pintor modernista

Na cerimônia as duas ministras, a presidente interina do Instituto Brasileiro de Museus, Eneida Braga, e a diretora do MNBA, Mônica Xexéo, assinaram um ato simbólico da doação das obras da Capela Mayrink pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio/MMA) ao MNBA, oficializada no Diário Oficial da União (DOU) do dia 15 de abril. Saiba mais.

“Este é um dia esplendoroso para a cultura e para o Museu Nacional de Belas Artes”, afirmou a ministra Marta Suplicy ao ressaltar a relevância da incorporação das obras ao acervo do museu, principalmente pela importância de Candido Portinari para a pintura modernista no país.

A ministra agradeceu ao ministério do Meio Ambiente (MMA) pela doação e declarou ainda que é preciso estimular a exposição ao público de coleções particulares, seja por meio de doações ou de empréstimos a museus.

Levantamento e doação

Ministra do Meio Ambiente prometeu novas doações para museus brasileiros

A ministra Izabella Teixeira se disse emocionada com a formalização da doação dos painéis da Capela Mayrink para o MNBA, afirmando que a cooperação do MMA com o MinC não se limitará a esta doação.

A ministra pediu que o Ibram faça um levantamento de todo o patrimônio artístico do MMA: “aqui começa uma nova travessia e esse patrimônio todo será doado ao Ibram para que os museus possam ampliar seus acervos”, concluiu.

Já a presidente interina do Ibram, Eneida Braga, afirmou que “tais doações simbolizam o esforço do governo brasileiro, inclusive com ações interinstitucionais, em cumprir uma das premissas da Política Nacional de Museus: a preservação e aquisição de acervos a fim de garantir acesso da população à produção artística nacional.

Também estiveram presentes na cerimônia o Deputado Federal Alessandro Molón; o Presidente do Instituto Chico Mendes, Roberto Ricardo Vizentin; o diretor do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural do Rio de Janeiro (Inepac), Paulo Vidal; a Diretora do Projeto Portinari, Maria Duarte, os diretores dos museus Imperial, Maurício Ferreira Jr., e Vera Tostes, do Histórico Nacional, entre outros convidados.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Alexandre Arruda/MinC

Duas exposições em cartaz no Museu Histórico Nacional (RJ)

O Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a estrutura do Ibram/MinC, exibe ao público, desde 9 de abril, duas exposições: A Arte Entre Quatro Olhares e A Arte à Serviço da Fé – Tesouros do Museu Histórico Nacional.

Em A Arte Entre Quatro Olhares, a busca constante por respostas aos desafios da modernidade é colocada a partir das particularidades do olhar feminino, retratadas nas esculturas das artistas Alice Pitaluga, Dirce Cavalcanti (Darja), Maria Isabel Fragoso (Mabel) e Teresa Oliveira Santos. A exposição pode ser vista até 26 de maio.

Já a mostra A Arte à Serviço da Fé – Tesouros do Museu Histórico Nacional, em cartaz até 28 de julho, reúne 390 peças da vasta coleção de arte sacra do MHN, entre as quais estão pinturas, esculturas em madeira e marfim, oratórios e objetos da Capela Imperial.

A coleção de marfins religiosos, hoje pertencente ao acervo do Museu Histórico Nacional,  foi formada entre os anos de 1919 e 1930 por José Luiz de Souza Lima, que a penhorou à Caixa Econômica em 1933, sem nunca tê-la resgatado.

Em 1940, em decisão histórica, o então Presidente Getúlio Vargas abriu crédito especial e autorizou o pagamento à Caixa Econômica Federal, resgatou a coleção e fez a doação ao MHN. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação MHN

Museu Histórico Nacional inaugura duas exposições nesta terça-feira (9)

Nesta terça-feira (9), às 12h30, o Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a estrutura do Ibram/MinC, abre ao público duas exposições: A Arte Entre Quatro Olhares e A Arte à Serviço da Fé – Tesouros do Museu Histórico Nacional.

Em A Arte Entre Quatro Olhares, a busca constante por respostas aos desafios da modernidade é colocada a partir das particularidades do olhar feminino, retratadas em cada peça exposta a partir do talento das artistas Alice Pittaluga, DAJA, Mabel e Teresa Oliveira. A arte é enfocada por essas quatro visões, todas elas com interpretações que misturam linhas, curvas, formas, cores, luzes e sombras, gerando um conjunto harmônico que eterniza o movimento em singulares esculturas e pinturas. 

 Já a mostra A Arte à Serviço da Fé – Tesouros do Museu Histórico Nacional reúne 390 peças da vasta coleção de arte sacra do MHN, entre as quais estão pinturas, esculturas em madeira e marfim, oratórios  e objetos da Capela Imperial.

Coleção de marfins religiosos

Abrem a exposição três esculturas em marfim – duas imagens de São Francisco de Assis (1182-1226) e uma de São Francisco Xavier (1506-1552), em uma homenagem ao Papa Francisco. Essas três esculturas fazem parte de uma coleção única no gênero no mundo, não apenas pela quantidade de peças (572 exemplares) como pela qualidade das mesmas, da qual o público terá a oportunidade de conhecer inúmeros exemplares na exposição.

Da Capela Imperial do Paço de São Cristóvão, os visitantes poderão apreciar o frontão do altar em madeira policromada, um conjunto de  toucheiros, cálice, custódia e sacras em prata.

 A coleção de marfins religiosos hoje pertencente ao acervo do Museu Histórico Nacional  foi formada entre os anos de 1919 e 1930 por José Luiz de Souza Lima, que a penhorou à Caixa Econômica em 1933 sem nunca tê-la resgatado.

Em 1940, em decisão histórica, o Presidente Getúlio Vargas abriu crédito especial e autorizou o pagamento à Caixa Econômica Federal, resgatou a coleção e a doou ao Museu Histórico Nacional.

Visitação

O MHN fica na Praça Marechal Âncora s/nº (próximo à Praça XV), no Rio de Janeiro. A visitação às duas exposições está aberta de terça a sexta-feira, das 10h às 17h30. Sábados, domingos e feriados, das 14h às 18h.

Mais informações podem ser conseguidas na página do Museu, pelo telefone (21) 2550.9220 ou pelo e-mail mhn.comunicacao@museus.gov.br.

Texto: Divulgação Museu Histórico Nacional (Ibram/MinC)

Caneta que pertenceu a Afonso Pena é furtada do Museu da República

Uma caneta de ouro que pertenceu ao ex-presidente Afonso Pena foi furtada do Museu da República, no bairro do Catete, no Rio de Janeiro, na terça-feira, 2 de abril. O furto foi comunicado ao Ibram/MinC nesta quarta-feira e os dados do objeto foram inseridos no Cadastro de Bens Musealizados Desaparecidos do Ibram/MinC, mas a caneta ainda não foi recuperada.

A Polícia Federal está cuidando do caso e recolheu impressões digitais do armário vitrine onde a caneta ficava. Também já foram solicitadas à Companhia de Engenharia de Trânsito do Rio de Janeiro (CET-RJ) as imagens da movimentação da rua onde fica o Museu.

A caneta, em forma de pena de ave, é ornamentado com um ramo e possui uma pequena placa e um trevo com três folhas, três brilhantes. A haste é lisa e tem a inscrição “DR. A P. – LEI DO SORTEIO/HOMENAGEM DO EXÉRCITO AO DR. A.PENA”. A ponta da caneta, a pena de escrever, é de metal. 

Segundo a diretora do museu, Magaly Cabral, não há valor financeiro estimado. Apenas o valor histórico, “que é incalculável”. O objeto é datado de 1908.

O Ibram lamenta o ocorrido e informa que está trabalhando junto ao Museu, que integra sua estrutura, colaborando com a Polícia Federal para solucionar o caso com rapidez.

Gestão de Riscos – Em consonância com os dispositivos presentes na Política Nacional de Museus, no Plano Nacional Setorial de Museus, no Estatuto de Museus e na Lei nº 11.906/2009, o Ibram vem realizando uma série de reflexões e ações visando estabelecer parâmetros necessários à gestão de riscos ao patrimônio musealizado brasileiro como um todo.

As ações mais recentes nesse sentido foram o Seminário-Oficina Introdução à Gestão de Riscos para Acervos Musealizados, realizado entre 13 e 15 de março, em parceria com o Ibermuseus e a OEI, que reuniu profissionais dos museus vinculados ao Instituto e representantes das secretarias estaduais, municipais e demais instituições de cultura, em uma ação de discussão e capacitação na área de gestão de riscos.

Em continuidade a essas ações, o Ibram está desenvolvendo o projeto Gerenciamento de Riscos – Metodologia para implantação do Plano para a Gestão de Risco ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, que em breve será lançado, e contemplará o aprofundamento e a implantação da metodologia a ser adotada na elaboração dos Planos de Gestão de Riscos das suas unidades museológicas. O objetivo é otimizar o uso dos recursos disponíveis para a preservação, segurança e fruição de seus acervos, maximizando assim a utilidade e os benefícios sociais dos mesmos.

Texto: Divulgação Ibram

Museu Imperial oferece atividade educativa para escolas de Petrópolis (RJ)

Teve início a edição 2013 do Projeto Petrópolis, desenvolvido pelo Setor de Educação do Museu Imperial (Ibram/MinC) e voltado a estudantes das escolas de Petrópolis (RJ) – onde fica o Museu – que estejam  cursando desde o terceiro ano do ensino fundamental até o último ano do ensino médio.

O Projeto Petrópolis teve início em 2001 e a cada edição é explorado um tema, com o objetivo de apresentar aos participantes diferentes aspectos da história da cidade. Este ano, a temática são as representações de Petrópolis feitas por artistas do século XIX e disponíveis na exposição temporária Paisagem petropolitana, inaugurada no dia 16 de março.

Ao analisar os diferentes ângulos da paisagem petropolitana no século XIX, retratados pelo olhar de importantes pintores, fotógrafos, desenhistas, litógrafos e escritores daquele período, o trabalho pretende levar estudantes e professores a perceberem, sob uma perspectiva estética e reflexiva, as transformações que a cidade sofreu ao longo dos anos.

Entre os artistas expostos estão os pintores Augusto Rodrigues Duarte, João Batista da Costa, Benjamin Mary, Caroline F. Leveson Gower e Friedrich Hagedorn; os fotógrafos Jorge Henrique Papf, Marc Ferrez, Revert Henry Klumb e George Leuzinger; o desenhista Otto Reimarus; o litógrafo Eugène Cicéri; e o escritor Carlos Augusto Taunay.

A edição 2013 do Projeto Petrópolis está disponível até 12 de julho e a participação é gratuita, tanto para escolas públicas quanto particulares. As escolas interessadas podem fazer o agendamento pelo telefone (24) 2245.7735, de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e das 12h30 às 17h30. O projeto acontece de terça a sexta-feira, com horários a partir das 11h. Mais informações na página do Museu Imperial.

Texto e foto: Divulgação Museu Imperial

Rubem Grilo ganha retrospectiva de quatro décadas de gravura no MNBA

Será inaugurada hoje (19), às 12h, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), a exposição Rubem Grilo – a trajetória do artista – aquisição de 500 obras – Prêmio de Artes Plásticas Marcoantonio Vilaça.

123 xilogravuras, de diferentes datas e formatos, serão exibidas na sala Clarival Valadares até 5 de maio. O conjunto representa um resumo da produção do artista, abrangendo 43 anos de atividade profissional (1971 a 2012).

Em 2011, Grilo recebeu o Prêmio Procultura de Estímulo às Artes Visuais – 2010 (Fundação Nacional de Artes – MinC).  A mostra se insere na etapa conclusiva do projeto premiado, cujo compromisso consiste na transferência de 500 obras para o Gabinete de Gravura do MNBA.

A aquisição atual, decorrente da premiação, soma-se à doação ao MNBA, feita anteriormente pelo artista, de aproximadamente 900 obras. Com este conjunto pode-se percorrer várias etapas de sua produção, permitindo uma visão ampla do percurso do artista.

Debate
Em paalelo à mostra, no dia 14 de abril,  às 15h, no auditório do museu, será realizado um debate  gratuito sobre A importância dos acervos públicos  e a obra de Rubem Grilo.

Mineiro de Pouso Alegre, MG, nascido em 1946, mas há muito radicado no Rio de Janeiro, Rubem Grilo realizou as primeiras xilogravuras em 1971. Ilustrou diversos jornais de 1973 a 1985, como Opinião, Movimento, Folhetim (Folha de São Paulo, Pasquim , Retrato do Brasil) entre outros. Criou as vinhetas do Segundo Caderno na reforma gráfica do jornal O Globo, em 1995. Atualmente, é colaborador semanal da Ilustrada (Folha de São Paulo). Saiba mais.

Texto: Divulgação MNBA

Grupo Cantada faz apresentação musical no Museu Histórico Nacional

O Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), recebe o projeto Música no Museu nessa sexta-feira, 22 de março. O evento começa às 12h30 e tem entrada franca. Nesta edição, o grupo Cantada apresenta seu repertório composto por bossa nova e MPB..

O Cantada formou-se em outubro de 2009, quando um grupo de amigos resolveu colocar em prática a crença de que cantar é uma forma de “expressar a amizade”. A proposta inicial era criar uma rotina para que esses cantadores pudessem se encontrar, bater papo, aproveitar umas comidinhas e praticar o canto de que tanto gostam.

O grupo, com regência e arranjos de Bianca Malafaia, é composto por Gorete de Sousa (1º Soprano), Cláudia Furtado (1º Soprano), Lulu Domenech (2º Soprano), Rita Andrade (2º Soprano), Wanda Saavedra (1º Contralto), Mônica Castro (1º Contralto), Elisa Castro (2º Contralto), Dininha Morgado (2º Contralto). Saiba mais sobre o MHN.

Texto: Divulgação MHN

Museu Histórico Nacional recebe coleção portuguesa de moedas brasileiras

Peças da coleção portuguesa que será exibida no MHN

No âmbito das comemorações do Ano de Portugal no Brasil, o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram), recebe, entre 21 de março e 20 de junho, a exposição BES Numismática e o Brasil.

A mostra reúne 150 moedas e barras de ouro do Brasil, raras e de alta qualidade, selecionadas entre as 2 mil peças integrantes da coleção portuguesa do Banco do Espírito Santo (BES),  que é uma das mais completas e significativas coleções do gênero no mundo. Esta é primeira vez que esta coleção particular será apresentada ao público.

Esta é uma oportunidade para conhecer parte da história da moeda do Brasil colonial. No país, a cunhagem de moeda começou em Recife (PE), com os holandeses, e se intensificou com os portugueses, que fundaram quatro casas da moeda: na Bahia, em Pernambuco, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais.

Além da exposição, serão exibidos vídeos e apresentadas peças relacionadas à numismática, tais como balanças de precisão e sacos para o transporte de moedas, que remontam ao século XVII.  A visita monitorada para grupos e escolares pode ser agendada no setor Educativo pelos telefones  (21) 2550.9261/9262.  Saiba mais.

Texto e imagem: Divulgação MHN/Ibram

Instituto Chico Mendes doa quatro obras de Candido Portinari para MNBA

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) recebeu a doação de quatro obras de Cândido Portinari (1903-1962) que pertenciam ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio/MMA).

Pintura de Nossa Senhora do Carmo, de Candido Portinari, é uma das obras doadas

As obras Nossa Senhora do Carmo, São João da Cruz, São Simão Stock e Purgatório foram realizadas em 1944 para adornar o interior da Capela Mayrink, localizada no Parque Nacional da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, por encomenda de Raymundo Ottoni de Castro Maya para atender a projeto de reforma realizado na Floresta da Tijuca – propriedade do ICMBio.

Agora cabe ao Ibram, como donatário, confeccionar reproduções fotográficas das obras de arte, em tamanho natural, para que fiquem expostas na Capela Mayrink, no lugar das obras de arte originais. Caberá ao ICMBio a instalação das reproduções no espaço expositivo da Capela.

Ainda não há data para a exposição dos quadros. As quatro peças se somam a outras mais de 7.600 incorporadas pelo MNBA nos últimos 10 anos.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação MNBA

Página 21 de 38« Primeira...10...1920212223...30...Última »