Ministra da Cultura abre novas exposições no Museu Nacional de Belas Artes

Neste sábado (20), às 11h, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, participa da cerimônia de abertura das exposições Quando o Brasil Amanhecia – A Primeira Missa no Brasil vista por Victor Meirelles e Candido Portinari e Portinari e os painéis da Capela Mayrink, no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ). A cerimônia também contará com a presença da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

O painel de Portinari fica em exposição até 5 de junho no MNBA

Essa será a primeira vez que a obra A Primeira Missa no Brasil, executada por Portinari, será exibida ao público. Com dimensões de 271 cm X 501 cm, a tela foi produzida em 1948 para a sede do Banco Boa Vista e foi adquirida, no final de 2012, pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC). Saiba mais.

Na exposição, o público poderá ver também o quadro de Victor Meirelles (tela com 270 cm x 357 cm, realizada entre 1858 e 1860), que foi inspirado na carta de Pero Vaz de Caminha, e retrata o mesmo momento histórico. Também serão exibidos estudos, fotos, documentos e objetos que ajudam a contextualizar as criações das duas obras.

A mostra, em cartaz até 5 de junho, dará oportunidade ao público de comparar duas escolas de pintura: o Romantismo acadêmico de Victor Meirelles (1832-1903) em contraposição à liberdade modernista de Candido Portinari (1903-1962).

Capela Mayrink

Painel de Nossa Senhora do Carmo é uma das obras da Capela Mayrink

Em simultâneo a abertura da exposição Quando o Brasil Amanhecia, outras quatro obras de Cândido Portinari, doadas pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio/MMA) ao MNBA/Ibram, também serão exibidas ao público.

Portinari e os painéis da Capela Mayrink apresenta as obras Nossa Senhora do Carmo, São João da Cruz, São Simão Stock e Purgatório, realizadas pelo artista em 1944 para adornar o interior da Capela Mayrink – localizada no Parque Nacional da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, propriedade do ICMBio. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Imagens: Divulgação MNBA

 

Ibram adquire quadro de Candido Portinari A Primeira Missa no Brasil

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), vinculado ao Ministério da Cultura (MinC), adquiriu a obra A Primeira Missa no Brasil, de autoria de Candido Portinari (1903-1962). O quadro fará parte do acervo do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), que integra a rede de museus Ibram no Rio de Janeiro (RJ), que já conta com a obra A Primeira Missa no Brasil realizada por Victor Meirelles (1832-1903).

Realizado em 1948 por Portinari, quadro ficará exposto no MNBA

A obra de Portinari, um painel datado de 1948, com dimensões de 271cm X 501cm e realizado em têmpera sobre tela, foi encomendada a Portinari por Thomaz Oscar Pinto da Cunha Saavedra (Portugal, 1890–Brasil, 1956), terceiro Barão de Saavedra, para compor a então sede do Banco Boavista, no Rio de Janeiro – cujo prédio foi projetado por Oscar Niemeyer em 1946.

A tela encontra-se ainda hoje no mesmo prédio, onde atualmente funciona o Banco Bradesco, em bom estado de conservação, tendo sido tombada pelo Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (INEPAC), por meio da Resolução SEC N° 059, de 20/3/1992.

Acesso público
O Ibram utilizou o direito de preferência na aquisição de bens culturais móveis, disposto na lei nº 11.906/2009, Artigo 4º, inciso XVII. O processo de compra começou em setembro de 2012. Desde então foram realizadas vistorias técnicas de funcionários do Museu Nacional de Belas Artes, qualificados para a finalidade de elaboração de Notas Técnicas referente ao estado de conservação e valor artístico e importância da obra A Primeira Missa no Brasil. Também foram solicitados pareceres/avaliações de especialistas com larga experiência no mercado de arte, assim como do próprio INEPAC. O valor da compra foi de R$ 5 milhões.

Dessa forma, seguindo todas as orientações legais e procedimentos técnicos, foi concluído o processo de aquisição do quadro, tendo por objetivo integrá-lo a um acervo público, acessível à visitação.

Além de cumprir uma ação de formação de público para a arte em geral, onde os museus representam espaços de difusão e reflexão da memória nacional, o Ibram/MinC entende que a compra da obra vai ao encontro do Plano Nacional Setorial de Museus, que estabelece a preservação, aquisição e democratização de acervos como um dos seus temas transversais.

A previsão é que o público possa ver a tela a partir de março de 2013. Será feita uma exposição das obras A Primeira Missa no Brasil, de Portinari, e A Primeira Missa no Brasil, de Meirelles, junto com os estudos realizados pelos artistas na criação e execução das telas.

O quadro de Victor Meirelles encontra-se em exposição no MNBA. A obra, datada de 1860, é um óleo sobre tela de 268 X 356 cm.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Primeira missa no Brasil, de Victor Meirelles, chega a Brasília para exposição

O quadro foi exposto pela primeira vez no Salão de Paris em 1861

Primeira missa no Brasil, de Victor Meirelles, uma das obras de arte mais representativas do país, chegou a Brasília (DF) para uma exposição que será aberta no dia 3 de julho, às 19h, na Câmara dos Deputados.

A exposição fica em cartaz até 16 de setembro e poderá ser visitada todos os dias da semana, das 9h às 17h.  Também será exibida a coleção Cenas Brasileiras, formada por 12 obras de Candido Portinari, entre elas Descobrimento do Brasil. As duas exposições fazem parte da mostra Retratos da Brasilidade, organizada pela Câmara federal e que reunirá produções de artistas brasileiros. A entrada é franca.

Exposição inédita
Considerado um tesouro icônico brasileiro, o quadro Primeira Missa no Brasil, de Victor Meirelles, será exposto pela primeira vez na capital federal. Óleo sobre tela, que mede 270 x 357 cm, foi realizado pelo catarinense Meirelles em dois anos de trabalho – entre 1858 e 1860. Inspirada na carta de Pero Vaz de Caminha, a obra habita o imaginário dos brasileiros e já ilustrou livros didáticos, notas de dinheiro, selos e capas de cadernos de várias gerações.

Pintado no exterior, o quadro foi exibido pela primeira vez no Salão de Paris, em 1861, mas apenas no ano seguinte pode ser visto em solo pátrio na Exposição Geral da Academia Imperial. A obra, restaurada recentemente, deixou o MNBA pela primeira vez em 2007 para percorrer capitais no sul do país. No ano passado, representou a arte brasileira no festival Europália, na Bélgica.

Além da tela, outros nove trabalhos, entre desenhos e estudos preparatórios para a obra, todos pertencentes ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), fazem parte da exposição que irá ocupar o Salão Nobre da Câmara. Também será exibida uma rara foto do artista, de autoria desconhecida. Leia mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação MNBA
Última atulização: 2.7.2012