Ibermuseus lança 8ª edição do Prêmio Ibero-americano de Educação e Museus

O Programa Ibermuseus lançou nesta terça-feira (25)  a 8ª edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus. Promovido anualmente desde 2010, o prêmio tem o objetivo de identificar, destacar e fortalecer a capacidade educativa dos museus, levando em conta a pluralidade das práticas museológicas ibero-americanas.

Logo_IbermuseusDesde sua primeira edição, o prêmio contribui para promover o trabalho educativo das instituições da região. Ao longo de sete edições, foram reconhecidos 53 projetos de 12 países, que se caracterizaram pelo comprometimento social com as comunidades, por promover a diversidade e o encontro intercultural, assim como o desenvolvimento sustentável. Além desses, outros 92 projetos receberam menção honrosa.

“O Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus é uma iniciativa que reconhece e reafirma o enorme potencial educativo dos museus e do patrimônio cultural como espaços de reflexão crítica e questionadora”, explica a presidente do Conselho Intergovernamental do Programa Ibermuseus, Magdalena Zavala Bonachea.

O prazo para a apresentação das propostas é de 25 de abril a 25 de maio de 2017, por meio da página do Ibermuseus. Podem participar do edital museus, instituições culturais ou educativas dos 22 países que compõem a Comunidade Ibero-americana, vinculados à administração pública, ou instituições particulares sem fins lucrativos que atuem nas áreas de educação e museus.

Categorias
O prêmio se divide em duas categorias: Reconhecimento a projetos realizados ou em curso, no qual se premiarão práticas de ação educativa iniciadas no máximo um ano antes da publicação do edital ou concluídas não mais de um ano antes da mesma publicação; e Fomento a novos projetos.

Serão premiados três projetos na categoria I e cinco na categoria II. O investimento total será de US$ 75 mil (dólares americanos). Na categoria I, o primeiro lugar receberá US$ 15 mil; o segundo, US$ 7 mil, e o terceiro, US$ 3 mil. Na categoria II, os cinco contemplados receberão US$ 10 mil cada um.

Os projetos selecionados farão parte do Banco de Boas Práticas, como referência e modelo de ação para todas as instituições da Ibero-América.

Texto: Ibermuseus

VI Prêmio Ibero-Americano de Museus: museus brasileiros entre os vencedores

O Programa Ibermuseus apresenta o resultado da VI edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus. Conforme estabelecido no edital publicado no dia 18 de maio de 2015, o Comitê de Avaliação selecionou três projetos na Categoria I (realizados ou em andamento) e cinco projetos na Categoria II (em fase de elaboração e/ou planejamento), que receberão ao todo, US$ 75 mil. Além da premiação financeira, serão concedidas Menções Honrosas aos primeiros 20 colocados. Conheça mais sobre os vencedores ao final do texto.

O resultado é fruto da análise realizada pelo Comitê Técnico Avaliador, formado por especialistas da Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Espanha, México e Uruguai.

A sexta edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus encerrou suas inscrições no dia 30/6, quando foi contabilizado o recebimento de 147 projetos provenientes de 12 países da Comunidade Ibero-Americana: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Espanha, México, Peru, Portugal e Uruguai.

Ao desenvolver esta ação, o Programa Ibermuseus busca reafirmar e ampliar a capacidade educativa dos museus e do patrimônio cultural como estratégias de transformação da realidade social. Nas últimas cinco edições do Prêmio, o Programa premiou 37 projetos educativos na Ibero-América, com um total de US$ 215 mil.

Resultado final:

Vencedores do VI Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus

Categoria 1:

1º lugar: “Jovem Explorador” / Organização Pingo d’Água (Brasil).

O projeto, que está em andamento, objetiva criar um ecomuseu na cidade de Pacoti, no sertão do Ceará – constituída como área de proteção ambiental. Para tanto, a etapa atual de planejamento museográfico ocorre a partir do trabalho de uma comissão científica formada por jovens estudantes, que participam de cursos de formação e realizam pesquisas para composição do acervo museológico. Por eles é elaborado um inventário dos bens do patrimônio cultural e natural da comunidade em que habitam.

2º lugar: “O Museu Móvel nas Sete Cidades – Um Projeto em Andamento” / Museu Carlos Machado (Portugal).

O projeto tem como objetivos levar o museu à Ilha de São Miguel, onde a população tem difícil acesso à instituição, e simultaneamente, enriquecer o museu com a cultura local, valorizando e promovendo a salvaguarda deste patrimônio. A iniciativa caracteriza-se pela sua transversalidade e pelo seu potencial pedagógico, ao envolver a população nos projetos culturais e, assim, contribuir para a construção de uma democracia participativa – condição essencial ao desenvolvimento social e econômico da região. Em sua fase atual, o projeto busca criar uma rede de parcerias locais, com um levantamento aprofundado da comunidade das Sete Cidades, localizada na Ilha de São Miguel.

3º lugar: “FAZERMUSEU” / Museu Brasileiro da Escultura – MuBE (Brasil). 

Trata-se de um Programa de Visitação Agendada e a mais recente ação educativa da instituição, desenvolvida especialmente para acolher os grupos sociais “Parceiros do Museu”. Seu principal estímulo é o contexto de vida de cada participante – presenciais e virtuais – e não apenas o acervo ou a programação expositiva da instituição. O projeto transforma o espaço em plataforma de intercâmbio cultural capaz de aproximar universos diferentes em constante criação. Para tanto, foi desenvolvida uma nova dinâmica de trabalho que fez emergir, na prática, o conceito de “encontros integrativos”, reunindo diversos estímulos para a criação pedagógica, com base na realidade de vida de cada grupo participante, que é sempre convidado a inaugurar/fazer um novo Museu.

Categoria 2:

1º lugar: “Memorial Itinerante – Africanidades” / Associação Memorial Minas Gerais Vale (Brasil).

Com o intuito de expandir suas ações de âmbito educacional e fomentar a reflexão sobre questões étnico-raciais e a apropriação das matrizes africanas presentes na sociedade brasileira, a instituição propôs o “Memorial Itinerante: Africanidades”. O projeto inclui exposições em painéis eletrônicos, equipamento audiovisual e peças de acervo, além de um programa de formação em relações étnico-raciais para 136 profissionais da área de educação para a comunidade. A itinerância será realizada em quatro cidades de Minas Gerais: Itabira, Rio Piracicaba, Barão de Cocais e São Gonçalo do Rio Abaixo.

2º lugar: “Olhares do patrimônio: a valorização e preservação do patrimônio cultural através da fotografia” / Museu de Artes e Ofícios (Brasil).

O Projeto visa oportunizar a alunos da rede pública e privada de Belo Horizonte e região metropolitana a descoberta, por meio da fotografia, do patrimônio cultural, estimulando a valorização e a proteção de bens materiais e imateriais. A proposta é que os estudantes visitem o acervo fotográfico do Museu – que conta a história do trabalho no Brasil do século XVIII ao XX – e depois registrem imagens relacionadas ao assunto dentro de seus lares ou comunidades. Assim, poderão ser reunidos múltiplos olhares sobre o tema “trabalho e seus saberes”, entendido como meio de valorização do patrimônio cultural, da história e da memória.

3º lugar: “Bonecos das Maltezas; Títeres de Ciência” / Centro Ciência Viva de Estremoz (Portugal).

A ação utiliza uma técnica multidisciplinar que une arte popular e tecnologia para transmitir conhecimentos científicos a professores e estudantes. A proposta é que eles aprendam com personalidades como Aristóteles, Ptolomeu, Newton e Galileu, representados por marionetes de madeira. O conteúdo é dividido em três diferentes (porém complementares) eixos: “Autos de Ciência”, “Auto do Universo” e “Auto da Evolução”, o que potencializa os resultados de aprendizado. Além das apresentações, o projeto prevê a utilização de curtas-metragens, livros, e equipamentos tecnológicos para apostar na inovação e descentralização da oferta cultural.

4º lugar: “Travesuras en la Patagonia” / Asociación Civil Identidad Pro Museo Regional (Argentina)

O projeto pretende realizar a produção e a montagem dos elementos necessários para a concretização da Área Lúdico-Educativa da instituição (recursos gráficos, mobiliários e outros materiais). A ideia é criar um ambiente para o conhecimento, difusão e valorização da historia das pessoas que viveram na Cova das Mãos, situada no vale do Rio Pinturas (Patagônia), há nove mil anos. À época, a subsistência das pessoas girava em torno da criação do guanaco (camelídeo nativo da América do Sul), muito presente, também, na arte rupestre durante milênios. Portanto, o “Travesuras en la Patagonia” tem como protagonista um filhote guanaco chamado Chulito, que conta sobre a relação de sua espécie e o homem.

5º lugar: “El paisaje sonoro como herramienta para la educación Patrimonial” / Museo de Arte Moderno de Medellín (Colômbia).

Até o final de 2015, o MAMM vai inaugurar, em suas instalações, a Sala de Experimentação Sonora – Lab3, um espaço dedicado à produção e promoção de práticas artísticas que incorporem o som como elemento primordial, visando levar ao público de Medellín o trabalho de artistas colombianos e ibero-americanos. Para isto, serão utilizados laboratórios, sessões de áudio, montagens, conferências e projetos especiais que combinem estratégias de educação patrimonial, cartografia e arte contemporânea. O objetivo do Museu é colocar em prática uma estratégia educativa em torno da paisagem sonora e sua dimensão patrimonial.

Texto: Programa Ibermuseus

Ibermuseus: Prêmio Educação e Museus 2013 recebe inscrições

Estão abertas as inscrições para a IV edição do Prêmio Ibero-Americano de Educação e Museus, do Programa Ibermuseus. Até o dia 31 de outubro de 2013, instituições das áreas de educação e museus poderão submeter suas candidaturas em duas categorias: projetos já realizados ou em andamento e projetos em fase de planejamento.

O lançamento oficial do Prêmio foi feito pelo presidente do Ibram e do Programa Ibermuseus, Angelo Oswaldo, na última sexta-feira (27), em Belo Horizonte, em reunião com articuladores do Programa Nacional de Educação Museal.

O prêmio tem como objetivo reconhecer, premiar e dar visibilidade às boas práticas em ação educativa promovidas pelos museus e instituições afins. Será dada especial atenção aos projetos que promovam o desenvolvimento e a coesão social com a utilização do patrimônio museológico como recurso educativo, reafirmando a responsabilidade dos museus como agentes essenciais para o desenvolvimento humano e social.

Para a avaliação do prêmio será formado um Comitê Técnico com especialistas dos 10 países que compõem o Comitê Intergovernamental do Ibermuseus, e serão considerados critérios como o impacto sócio-cultural, a valorização da diversidade cultural, o caráter participativo e descentralizador, a sustentabilidade das ações e a existência de indicadores e meios de avaliação dos resultados. O edital e os formulários estão disponíveis na página do Ibermuseus.