Página 4 de 9« Primeira...23456...Última »

Presidente do Ibram visita centro cultural e museus comunitários em BH

A partir deste fim de semana, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, estará em Belo Horizonte (MG) para cumprir agenda oficial. Amanhã (14), ele visita o Centro Cultural Minas Tênis Clube.

Inaugurado este ano, o local possui teatro, Centro de Memória, que abriga o acervo histórico do clube com 78 anos de atividade, e Galeria de Arte. Está prevista para o próximo ano, a incorporação ao Centro de dois cinemas, duas salas multiusos e uma biblioteca.

Na viagem a BH, presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na viagem a BH, o presidente do Ibram conhecerá o Muquifu

Na segunda (16), Oswaldo visita o Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos (Muquifu) e o Ponto de Memória Museu do Taquaril, acompanhado do vereador Arnaldo Godoy (PT). As visitas têm como objetivo conhecer espaços museais comunitários e experiências de museologia social bem sucedidas na capital mineira.

Memória comunitária
O Muquifu, localizado na comunidade da Barragem Santa Lúcia, tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas. A curadoria da exposição permanente é do Padre Mauro Luiz da Silva, pároco da favela.

Já o Museu do Taquaril é uma das doze iniciativas pioneiras do Programa Pontos de Memória do Ibram, que visa apoiar a criação de museus comunitários em regiões metropolitanas do país, orientando e mobilizando as comunidades no sentido de apoia-las na proteção e potencialização da memória social e coletiva a partir de seus moradores, suas origens, histórias e valores.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Muquifu/Jorge Quintão

Região Serrana do Rio recebe oficina sobre museu, memória e cidadania

O Centro Cultural Viva, de Duas Barras, e o Ponto de Cultura e Ecomuseu Rural, em Santo Antônio (Bom Jardim), no Rio de Janeiro, reconhecidos como Pontos de Memória nos últimos editais do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), sediarão nos dias 21 e 22, a oficina Museu, Memória e Cidadania na Diversidade Cultural.

Ministrada por Inês Gouveia, consultora do Programa Pontos de Memória, e com participação especial de uma das sociofundadoras do Museu da Maré, Cláudia Rose Ribeiro, a oficina deve reunir agentes e gestores culturais da região serrana do estado para debater temas-base voltados para o fortalecimento e a qualificação de ações de memória social desenvolvidas por grupos locais.

Além da oficina, o objetivo ainda é convidar as iniciativas a participarem da rede de museologia social que está sendo impulsionada por várias organizações no estado do Rio de Janeiro.

A oficina propõe uma reflexão sobre o poder da memória na promoção da cidadania cultural e do fortalecimento das ações desenvolvidas por grupos, povos, comunidades e movimentos sociais. Também aborda as discussões acerca do museu como espaço vivo dinâmico, que deve estar a serviço da sociedade e ser pensado coletivamente como meio de transformação social, valorização e representação das diversas identidades e memórias que se configuram no país.

No dia 21, a oficina acontece no Centro Cultural Viva (R. Everaldo do Vale Moreira 83, Centro – Duas Barras), e no dia 22 acontece na sede do Ponto de Cultura Rural (Estrada entre São Pedro da Serra  e Santo Antonio), sempre das 9h às 18h. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (21) 98058.7203 ou pelo endereço eletrônico pontosdememoria@museus.gov.br.

Texto: Programa Pontos de Memória

Rede de memória e museologia social inicia articulação no DF

A equipe do Programa Pontos de Memória/Ibram visitou em Sobradinho II (DF), no dia 8 de novembro, o Centro Espírita Caboclo Boiadeiro João Chapéu de Couro, o primeiro terreiro do Distrito Federal, criado em 1969, além de um acampamento de ciganos das etnias calóns.

Visita da equipe Pontos de Memória ao acampamento cigano em Sobradinho II

Visita da equipe Pontos de Memória ao acampamento cigano em Sobradinho II

A equipe dialogou sobre a construção da política pública de direito à memória, que vem sendo encampada junto ao programa, e de uma rede de iniciativas de memória e museologia social, desenvolvida por grupos, povos e comunidades de todo o país. A proposta também foi mobilizar essas iniciativas a participarem do movimento para a formação de uma rede de memória e museologia social no Distrito Federal.

A ideia é que, até o final do ano, sejam realizadas visitas técnicas a outras comunidades populares e iniciativas culturais das regiões administrativas do DF que tenham interesse e desejo de trabalhar suas memórias e histórias como valorização da identidade, ferramenta de luta e transformação social. A partir de então, será proposto um encontro para se pensar coletivamente na concepção e ações dessa rede no DF.

Memória da cultura afro-descendente também está presente no DF

Memória da cultura afro-descendente também está presente no DF

Movimento em redes

Diante da ampliação do Programa Pontos de Memória, a partir do trabalho junto as 12 iniciativas em comunidades urbanas e por meio dos editais de premiação Pontos de Memória, o Ibram vem trabalhando na perspectiva de articulação, qualificação, intercâmbio e comunicação por meio de redes regionais, estaduais e temáticas de pontos de memória e iniciativas de memória e museologia social, que se desenvolvam de forma autônoma e horizontal.

Até o momento estão em processo de formação e consolidação a Rede Cearense de Museus Comunitários, a Rede de Pontos de Memória e Iniciativas de Memória e Museologia Social do Rio Grande do Sul (REPIM-RS), a Rede de Pontos de Memória do Rio Grande do Norte (RN), a Rede de Pontos de Memória de Belém (PA), a Rede de Museologia Social do Rio de Janeiro (RJ), a Rede LGBT de Museologia Social e a Rede de memória Indígena de Pernambuco (PE).

Texto e fotos: Programa Pontos de Memória

Comissão da Teia da Memória reúne-se em Brasília na próxima semana

Representantes da Comissão da Teia da Memória, formada por 11 iniciativas durante o V Fórum Nacional de Museus (2012), vão se reunir nos dias 4 e 5 de novembro, na sede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em Brasília, para discutir estratégias para a realização do encontro em 2014.

Reunião da Comissão Provisória aconteceu em setembro em Brasília

Reunião da Comissão Provisória aconteceu em setembro em Brasília

Participam da reunião de trabalho representantes da Rede de Pontos de Memória e Iniciativas de Memória e Museologia Social (REPIM-RS), Rede Cearense de Museus Comunitários (RCMC), Museu de Favela (RJ), Ponto de Memória de Terra Firme (PA), Ponto de Memória da Grande São Pedro (ES), Museu do Taquaril e Ponto de Memória de Pompéu (MG).

A Teia da Memória é o encontro nacional dos pontos de memória e iniciativas de museologia social, que tem como objetivo promover o intercâmbio e ser um espaço de debates para a consolidação de uma política pública de direito à memória.

A próxima teia já tem como pauta eleger o Conselho Gestor do Programa Pontos de Memória e suas atribuições, que vêm sendo discutido pela Comissão Provisória de Gestão Participativa e Compartilhada dos Pontos de Memória (Cogepaco), e a Carta da Rede de Pontos de Memória e Iniciativas de Memória e Museologia Social, que apresenta um conjunto de propostas para o desenvolvimento das iniciativas em rede.

Saiba as últimas notícias dos Pontos de Memória no boletim informativo de novembro e conheça mais sobre o programa no âmbito do Ibram.

Texto: Divulgação Pontos de Memória
Foto: Ascom/Ibram

Rio de Janeiro articula rede de memória e museologia social

Pontos de Memória, museus comunitários e ecomuseus do Rio de Janeiro vão se reunir na próxima quarta-feira, 23 de outubro, às 16h, no auditório do Museu da República/Ibram (Rua do Catete, 153 – Centro ), para discutir a formação e movimentação de uma rede,  como meio de fortalecer, de forma autônoma e horizontal, o conjunto de experiências de museologia social  que se encontram em diferentes estágios de desenvolvimento.

A ideia da rede também surge para potencializar a conexão e  a troca de experiências entre as cerca de 30 iniciativas identificadas no estado, desenvolvidas por comunidades, grupos e movimentos sociais que trabalham com a memória como ferramenta de luta, resistência e transformação social.

Além da estruturação da rede,  estará em pauta a participação de seus representantes na Teia Rural, encontro dos pontos de cultura do Rio de Janeiro, que acontecerá de 5 a 8 de dezembro, nas redondezas do Ponto de Cultura Rural, em Bom Jardim, região serrana do estado.

Também participam da reunião representantes do Programa Pontos de Memória do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/ MinC), o professor e museólogo  Mário Chagas, e  a coordenadora do Sistema de Museus do estado do Rio de Janeiro, Lucienne Figueiredo. Mais informações pelo telefone (21) 8103.1315.

Texto: Pontos de Memória Ibram

Pontos de Memória também participam da 7ª Primavera dos Museus

Com o tema Museus, Memória e Cultura Afro-brasileira, a edição 2013 da Primavera dos Museus, que acontece no período de 23 a 29 de setembro, conta também com a participação de cerca de 30 pontos de memória e iniciativas de museologia social em todo o país. Acesse o Guia da Programação nacional.

Em Alagoas (AL), o Ponto de Memória Pedro Teixeira, no município de Chã Preta, realiza palestras a apresentações culturais; em Maceió, o Museu Cultura Periférica lança o documentário Memórias que o vento não levou… e o Ponto de Memória LGBT faz palestra sobre o tema A religiosidade africana nos tempos de hoje.

No Ceará (CE), em Aratuba, o Museu Indígena Kanindé promove um seminário para trocas de experiências culturais e educacionais entre indígenas e quilombolas.

Em Pernambuco (PE), o Museu Mangue do Coque apresenta a exposição Instantâneas da África, de Diego Di Niglio, composta por 50 imagens de diferentes países africanos, e realiza também uma ação educativa em parceria com o Museu da Abolição/Ibram.

Já em Minas Gerais (MG), o Ponto de Memória Museu do Taquaril em Belo Horizonte apresenta a exposição Taquaril: um sorriso negro, um abraço negro, composta por coletânea de fotos de moradores da comunidade.

No Rio de Janeiro (RJ), o Museu Vivo de São Bento em Duque de Caxias lança a exposição sobre a diáspora africana na Baixada Fluminense. Nas comunidades Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, o Museu de Favela realiza um percurso Griô, com capoeira, percussão e mesa-redonda sobre o tema Olhares de fé sobre a cultura afro, com representantes de diversas religiões existentes na comunidade. Confira um recorte das atividades dos Pontos de Memória durante a 7ª Primavera dos Museus.

Texto: Divulgação Programa Pontos de Memória
Última atualização: 17.9.2013

 

 

Pontos de Memória – Conheça o programa

O Programa Pontos de Memória tem como objetivo apoiar ações e iniciativas de reconhecimento e valorização da memória social. Com metodologia participativa e dialógica, os Pontos trabalham a memória de forma viva e dinâmica, como resultado de interações sociais e processos comunicacionais, os quais elegem aspectos do passado de acordo com as identidades e interesses dos componentes do grupo.

Os Pontos de Memória valorizam o protagonismo comunitário e concebem o museu como instrumento de mudança social e desenvolvimento sustentável. Em estágio pleno de desenvolvimento, são capazes de promover a melhoria da qualidade de vida da população e fortalecer as tradições locais e os laços de pertencimento, além de impulsionar o turismo e a economia local, contribuindo positivamente na redução da pobreza e violência.

Pontos de Memória atuantes:

São 12 Pontos de Memória, situados em comunidades populares nas seguintes cidades: Belém/PA (Comunidade de Terra Firme);
Belo Horizonte/MG (Comunidade do Taquaril);
Brasília/DF (Comunidade da Estrutural);
Curitiba/PR (Comunidade do Sítio Cercado);
Fortaleza/CE (Comunidade Grande Bom Jardim);
Maceió (Comunidade do Jacintinho);
Porto Alegre/RS (Comunidade da Lomba do Pinheiro);
Recife/PE (Comunidade do Coque);
Rio de Janeiro/RJ (Comunidades do Pavão-Pavãozinho-Cantagalo);
São Paulo/SP (Comunidade da Brasilândia);
Salvador/BA (Comunidade do Beiru)
Vitória/ES (Comunidade do São Pedro)

Ampliação e Articulação em rede

A partir do Edital Prêmio Pontos de Memória 2011 e da articulação do Ibram, o Programa ganhou novo panorama: foi possível identificar mais de 150 iniciativas e propostas de Memória e Museologia Social no Brasil de diversas tipologias e dezoito delas de comunidades de brasileiros no exterior.

Diante desse universo, o Instituto vem trabalhando na consolidação de uma política pública de direito à memória, pautada no diálogo e participação com diferentes grupos e movimentos sociais, governos locais e militantes, com o intuito de garantir que esse direito seja exercido por indígenas, quilombolas, povos de terreiro, mestres, praticantes, brincantes e grupos das culturas populares, urbanas, rurais, de fronteira, artistas e grupos artísticos independentes, como também segmentos populacionais etários específicos, de gênero, e/ou que requerem maior reconhecimento de seus direitos humanos, sociais e culturais.

Em linhas gerais, as ações de ampliação do Programa estão pautadas na qualificação e articulação em rede; difusão da metodologia e das iniciativas, por meio de publicações, e na realização encontros de intercâmbio.

Ações necessárias para o desenvolvimento dos Pontos de Memória:
Visitas de sensibilização e mobilização comunitária, por meio da oficina Museu, Memória e Cidadania;
Seminários ampliados de mobilização nas comunidades, para apresentação do programa e eleição de instâncias deliberativas;
Oficinas de qualificação;
Fortalecimento da Rede – Encontros nacionais de integração e articulação dos pontos; Plano de ação – Cada ponto de memória desenvolve um planejamento para execução do projeto na comunidade, delineando o perfil de museu que pretende constituir;
Ações museais – Eventos e atividades que visam ampliar para toda a comunidade a discussão a respeito da memória local;
Inventário Participativo – Desenvolvimento processual e participativo do inventário, relacionando os bens que deverão compor o acervo do Ponto de Memória;
Ato Inaugural – Lançamento de uma exposição, publicação, documentário, dentre outros produtos de difusão, que marcarão a abertura dos Museus Comunitários.
O Programa Pontos de Memória é resultado de parceria entre o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Programa Mais Cultura e Cultura Viva, do Ministério da Cultura, e a Organização dos Estados Ibero–americanos (OEI).

Contato: pontosdememoria@museus.gov.br/Telefones: (61) 3521.4433 | 4421 | 4413

Correção: Ibram republica resultado do Prêmio Pontos de Memória 2012

O resultado do Edital de Concurso Prêmio Pontos de Memória 2012, desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), foi republicado no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira (2), contento tanto iniciativas premiadas quanto classificadas no certame.

No total, foram classificadas 64 iniciativas na categoria Brasil, das quais as 50 primeiras serão premiadas. Na categoria Exterior, 20 iniciativas foram classificadas, sendo 10 premiadas.

Foram recebidas um total de 123 propostas. A lista das propostas desclassificadas está disponível na página do Ibram.

Com a nova publicação, voltam a contar os prazos do edital. As 50 instituições selecionadas na categoria Brasil e as 10 da categoria Exterior devem encaminhar documentação complementar, conforme disposto no item 9 do edital, com vistas a premiação em espécie, no prazo de dez dias. O resultado da seleção será comunicado por meio eletrônico aos selecionados, sem prejuízo do início da contagem dos prazos, a partir da publicação no DOU.

Aos que não foram selecionados, cabe recurso da decisão da comissão de seleção, no prazo de cinco dias úteis contados a partir da publicação do resultado final, conforme Formulário de Recurso (Anexo V do Edital).

O recurso deve ser enviado, exclusivamente via e-mail, para o endereço eletrônico recurso.selecao@museus.gov.br, identificado com o Assunto Recurso de Seleção Prêmio Pontos de Memória 2012. Saiba mais sobre a edição 2012 do Prêmio Pontos de Memória.

Texto: Ascom/Ibram

Fomento: Ibram divulga selecionados para o Prêmio Pontos de Memória 2012

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) divulgou hoje (24), no Diário Oficial da União (DOU), o resultado final do Edital de Concurso Prêmio Pontos de Memória 2012.

Foram premiados 50 Pontos de Memória na categoria Brasil, contemplando as cinco regiões do país, e dez na categoria Exterior, com destaque para Portugal e Espanha.

No total, foram recebidas 123 propostas. Após a primeira fase, 92 delas estiveram aptas a serem analisadas pela comissão de seleção. Confira a portaria com o resultado final.

As instituições selecionadas devem encaminhar documentação complementar, conforme disposto no item 9 do edital, com vistas a premiação em espécie. O resultado da seleção será comunicado por meio eletrônico aos selecionados, sem prejuízo do início da contagem dos prazos, a partir da publicação no DOU.

Aos que não foram selecionados, cabe recurso da decisão da comissão de seleção, no prazo de cinco dias úteis contados a partir da publicação do resultado final, conforme Formulário de Recurso (Anexo V).

O recurso deve ser enviado, exclusivamente via e-mail, para o endereço eletrônico recurso.selecao@museus.gov.br, identificado com o Assunto Recurso de Seleção Prêmio Pontos de Memória 2012. Saiba mais sobre a edição 2012 do Prêmio Pontos de Memória.

Texto: Ascom/Ibram

 

Pontos de Memória participam de Simpósio Nacional de História em Natal

Representantes de Pontos de Memória, além de redes de iniciativas de memória e museologia social, apresentam trabalhos durante o XXVII Simpósio Nacional de História, organizado pela Associação Nacional de História(Anpuh), que acontece em Natal (RN), até sexta-feira (26), na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

com o tema geral Conhecimento histórico e diálogo social, as apresentações dos Pontos de Memória serão realizadas no simpósio História, historiadores e memória das comunidades: diálogos possíveis, coordenado pelos pesquisadores e doutores Jean Baptista e Wani Pereira.

A proposta é problematizar a atuação pesquisadores de populações periféricas, indígenas, quilombolas, ciganas, rurais, dentre outras, no campo da história e memória, elencando a inovação de práticas em defesa dos patrimônios histórico-culturais e naturais. Os trabalhos também tratam da valorização e divulgação de diferentes tipos de memórias, saberes e fazeres não acadêmicos, que refletem na pluralidade de expressões socioculturais e no desenvolvimento de museus comunitários e iniciativas e iniciativas de museologia social.

Pontos de Memória do Rio Grande do Sul, Alagoas, Minas Gerais e Ceará terão suas ações tratadas nas apresentações durante o simpósio. Leia o resumo dos trabalhos e saiba mais sobre o simpósio Anpuh.

Texto: Divulgação Pontos de Memória

Página 4 de 9« Primeira...23456...Última »