Página 1 de 3123

Política Nacional de Educação Museal: Ibram lança publicação orientadora

Publicação traz os princípios e diretrizes da mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro, breve histórico da educação museal no Brasil e conceitos-chave que devem guiar o trabalho nesta área.

Publicação traz os princípios e diretrizes da mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro e conceitos-chave que devem guiar o trabalho na área.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) lançou na manhã desta quarta-feira (20), em Brasília (DF), o Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

A publicação reúne os princípios e diretrizes da mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro, instituída no ano passado, trazendo ainda um breve histórico da educação museal no Brasil, um resumo do processo de construção participativa da PNEM e conceitos-chave que devem guiar o trabalho nesta área.

A Carta de Petrópolis, a Carta de Belém e a Carta de Porto Alegre – documentos que sintetizam as discussões para construção da Política Nacional de Educação Museal realizadas no âmbito do Fórum Nacional de Museus em suas edições de 2012, 2014 e 2017 – integram o Caderno da PNEM, que também traz, na íntegra, o texto da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017, que oficializou sua criação.

Já disponível para download gratuito, a publicação destaca o protagonismo das Redes de Educadores em Museus espalhadas por todo o Brasil e traz ainda textos de especialistas convidados sobre temas relacionados ao trabalho em museus, como acessibilidade, comunidade, mediação, públicos e sustentabilidade, entre outros. Baixe aqui o Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

“O Caderno da PNEM não pretende ser um manual normatizador, mas compartilhar o vocabulário já construído neste processo para que os interessados se apropriem dele, e oferecer um referencial a partir de experiências já realizadas”, explica Cinthia Oliveira, do Departamento de Processos Museais do Ibram. “O material traz exemplos que abordam todas as dimensões desta política pública construída de forma participativa e integradora”, completa.

A PNEM - A Política Nacional de Educação Museal é fundamentada em princípios e diretrizes que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na 7ª edição do fórum, realizada no ano passado em Porto Alegre (RS).

O trabalho contou com a participação de servidores do Ibram, educadores e outros profissionais do setor museológico, Redes de Educadores em Museus, professores, estudantes e usuários de museus interessados na organização, desenvolvimento e fortalecimento da educação museal em território brasileiro.

Políticas públicas em museologia social e educação museal foram institucionalizadas

O ano de 2017 marcou a oficialização de políticas públicas desenvolvidas pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em dois importantes campos de atuação: a educação museal e a museologia social. Foram instituídos no âmbito do órgão o Programa Pontos de Memória e a Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

O Programa Pontos de Memória foi instituído pela Portaria Nº 315, de 6 de setembro de 2017 – que detalha seus princípios, objetivos e estabelece a formação de um Comitê Consultivo, responsável por promover debates e propor ações, estratégias e diretrizes com vistas ao fortalecimento de políticas públicas no campo da museologia social. O comitê teve sua primeira reunião no final de novembro.

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Encontro de Pontos de Memória no 7º FNM este ano

Tornado política perene após reivindicação do setor e pactuação no 7º Fórum Nacional de Museus, o programa apoia, fomenta e capacita iniciativas de memória social e comunitária desenvolvidas Brasil afora.

Já são mais de 300 experiências identificadas nas várias regiões brasileiras, em centros urbanos e no campo, territórios indígenas, quilombos, periferias e outros territórios.

Educação Museal
Já a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM) foi tornada oficial com a publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

Texto e foto: Ascom/Ibram

Ibram oficializa criação da Política Nacional de Educação Museal

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

Texto legal estabelece conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) tornou oficial nesta quarta-feira (13) a criação da Política Nacional de Educação Museal (PNEM). A mais nova política pública voltada ao setor de museus brasileiro foi oficializada através da publicação da Portaria Nº 422, de 30 de novembro de 2017.

Destinado ao campo museal brasileiro como um todo, o texto legal estabelece um conjunto de princípios e diretrizes que tem o objetivo de nortear a realização das práticas educacionais em instituições museológicas, fortalecer a dimensão educativa em todos os setores do museu e subsidiar a atuação dos educadores. Define também compromissos do Ibram para sua implementação.

Construção participativa

A portaria é fundamentada em princípios e diretrizes orientadores que foram definidos de forma colaborativa após amplo processo de participação que incluiu consulta pública através de plataforma online, a realização de 23 encontros presenciais regionais e a aprovação da Carta de Petrópolis (2012) e Carta de Belém (2014) nas respectivas edições do Fórum Nacional de Museus. O documento final foi aprovado na sétima edição do fórum, realizada este ano em Porto Alegre (RS).

O trabalho contou com a participação de servidores do Ibram, educadores e outros profissionais do setor museológico, Redes de Educadores em Museus, professores, estudantes e usuários de museus interessados na organização, desenvolvimento e fortalecimento da educação museal em território brasileiro.

“O maior valor da Política Nacional de Educação Museal é o caráter participativo de sua constituição”, considera a diretora do Departamento de Processos Museais, responsável pela PNEM, Renata Bittencourt. “O documento traz diretrizes para o campo museal geradas a partir de uma multiplicidade de vozes. Profissionais de museus de diferentes perfis contribuíram para o desenho destes parâmetros, que acreditamos, têm grande potencial para impulsionar a área museológica”, avalia.

Presidente do Ibram faz visita técnica ao Museu Casa Histórica de Alcântara

Marcelo Araujo discutiu com equipe do MCHA o projeto de restauro e reconfiguração previsto para o museu, além de estratégias locais para a área da educação museal.

Marcelo Araujo discutiu com equipe do MCHA o projeto de restauro e reconfiguração previsto para o museu, além de estratégias locais para a área da educação museal.

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo, fez na última segunda-feira (31) visita técnica ao Museu Casa Histórica de Alcântara (MCHA), no Maranhão.

Acompanhado na visita pela diretora do Departamento de Processos Museais (DPMUS), Renata Bittencourt, o presidente do Ibram participou de encontros com a equipe do museu, com ênfase em sua estratégia para ação educativa, e com a Rede de Educadores em Museus do Maranhão – nos quais foi abordada a recém-aprovada Política Nacional de Educação Museal (PNEM).

Na oportunidade, o presidente do Ibram também esteve reunido, em São Luís (MA), com o superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no Maranhão, Maurício Itapary, e equipes técnicas daquele órgão e do Ibram, para discutir o projeto de restauro e reconfiguração previsto para o MCHA. Um dos pontos em destaque foi a questão da acessibilidade.

“A visita foi uma oportunidade de o presidente conhecer o museu, os servidores e as atividades desenvolvidas pela equipe”, explica a diretora do MCHA, Karina Waleska Scanavino. Durante a passagem pelo Maranhão, Marcelo Araujo também visitou o Convento das Mercês e o Museu Histórico de Alcântara.

7º FNM aprova Política Nacional de Educação Museal

230584_530845170264227_1452698893_nO documento que oficializa os princípios e diretrizes orientadores para a Política Nacional de Educação Museal, demanda histórica do setor, foi finalizado e aprovado durante o 7º Fórum Nacional de Museus (FNM), realizado entre os dias 30 de maio e 4 de junho em Porto Alegre (RS).

Após dois dias de trabalho no âmbito dos Grupos de Trabalho do 7º FNM, representantes da área deram conclusão ao texto norteador da nova política pública voltada ao campo museal brasileiro – construído de forma colaborativa num processo que incluiu consulta pública através de plataforma virtual, aberta em 2012, e a realização de 23 encontros regionais.

O documento, disponível em nossa seção de publicações, traz cinco princípios aprovados no 6º FNM (2014), além de um conjunto de diretrizes em três eixos temáticos: Gestão; Profissionais, Formação e Pesquisa; e Museus e Sociedade.

“O processo que culminou com esta conquista mostra a capacidade de trabalho articulado entre servidores do Ibram e profissionais que atuam com educação em museus”, avalia a coordenadora de Museologia Social e Educação do Ibram, Cinthya Oliveira. “Houve continuidade e crescimento da mobilização em torno deste tema, com a criação de diversas redes, o que será essencial para pôr esta política em prática”, completa.

Carta de Porto Alegre – Também como resultado do encontro, os educadores museais e demais participantes elaboraram a Carta de Porto Alegre, lida na plenária final do 7º FNM, que aponta passos subsequentes necessários ao desenvolvimento da Política Nacional de Educação Museal e foi agregada ao Documento Final.

Fortaleza (CE) sediará o 8º Fórum Nacional de Museus em 2019

7FNM_Encerramento1-300x200

Apresentação de resultados do encontro do PNEM e dos GTs durante a Plenária Final do 7º FNM

Em Plenária Final, na tarde de sábado (3), a cidade de Fortaleza (CE) foi escolhida, com 72 votos, para sediar a próxima edição do Fórum Nacional de Museus (FNM) em 2019. As cidades de Cuiabá (MT) e Belo Horizonte (MG) também apresentaram candidaturas.

O encerramento contou com a leitura de proposições alcançadas durante os dois dias de reuniões de oito grupos de trabalho. Houve ainda a apresentação, discussão, votação e aprovação de 10 moções apresentadas pelos participantes do 7º FNM.

Por fim, houve uma breve apresentação dos resultados do primeiro encontro do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) e das reuniões paralelas de entidades e grupos ligados ao campo museal.

Coordenada pelo presidente do Ibram, Marcelo Araujo, a mesa de encerramento foi composta por Luciene Figueiredo, coordenadora dos Sistemas Estaduais de Museus; Eneida Braga, diretora do Departamento de Difusão, Fomento e Economia de Museus do Ibram; e Simone Flores, representante da Comissão Organizadora local do 7º FNM.

Marcelo Araujo comemorou os resultados alcançados nesta edição do FNM e os avanços na discussão das políticas públicas para o setor de museus no Brasil.

O representante do setor de museus no Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC), eleito para o biênio 2018-2020 pelos participantes, foi o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus( Icom), com 97 votos. A suplência fica com o Conselho Federal de Museologia (Cofem), que obteve 94 votos.

Texto e fotos: Ascom/Ibram
Última atualização: 6.6.2017

Ibram convoca para entrevista candidatos a consultoria junto ao PNEM

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) convocou nesta quarta-feira (22), para a fase de entrevista, três candidatos ao cargo de consultor na modalidade produto para atuação junto ao Programa Nacional de Educação Museal (PNEM), oportunidade aberta pelo Edital Nº 22/2017.

Lançado em parceria com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), o edital objetiva selecionar profissional para realizar a sistematização analítica dos documentos produzidos no âmbito do PNEM por meio de consulta pública presencial e virtual.

Os candidatos convocados para entrevista (2ª fase), que tem caráter classificatório e eliminatório, foram selecionados após a 1ª fase, que consistiu na avaliação curricular realizada por Comissão de Seleção, com base nos requisitos estabelecidos no edital.

A seleção, conforme Termo de Referência, exigiu experiência mínima de 3 anos em softwares que possibilitam a sistematização analítica de informações qualitativas, além de formação em Ciências Humanas ou Sociais. Confira a lista:

Nome do Candidato

Data da entrevista

Início

Final

Diego Araujo Reis

28/03/2017

10:30

10:55

Mayra Resende Costa Almeida

11:00

11:25

Luciana Conrado Martins

11:30

11:55

Rio Grande do Sul sediará a sétima edição do FNM em 2016

Simone Flores (RS) e David Kasseker (SP) apresentam as candidaturas de seus estados para o FNM 2016

Simone Flores (RS) e Davidson Kaseker (SP) apresentam as candidaturas de seus estados para o FNM 2016

Nesta sexta-feira (28), o 6º Fórum Nacional de Museus (FNM) chegou ao fim em Belém (PA). Na conclusão dos trabalhos, os participantes escolheram o próximo estado a sediar o evento em 2016: Rio Grande do Sul.

Com votação simbólica apertada, o estado ganhou sobre São Paulo na preferência do público. Será a segunda vez que o fórum acontecerá no Sul do Brasil – o 3º FNM aconteceu em Florianópolis (SC) em 2008.

Mais de 700 pessoas se inscreveram para participar do evento que, pela primeira vez, foi realizado na região norte do país. Segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, o evento foi muito positivo.

“O Fórum Nacional de Museus se concluiu com clima de vibração. Foi um momento muito rico, com painéis, conferências, encontros, minicursos, Teia da Memória: os participantes voltam energizados para sua missão nos museus e nos pontos de memória em todo o Brasil,” exultou Angelo Oswaldo.

Na cerimônia de encerramento, também foi anunciado o resultado da votação – que se deu entre os dias 25 e 27 de novembro – para definir quais as entidades que indicarão membros para representar os setores de museus e memória no Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC).

PNEM: Rafaela Gueiros, da equipe do Ibram, fez a leitura da Carta de Belém

PNEM: Rafaela Gueiros, da equipe do Ibram, fez a leitura da Carta de Belém

O Conselho Federal de Museologia (Cofem) recebeu 126 votos; já o Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Museus (Icom-BR) obteve 117 votos. Quatro pessoas votaram em branco. Agora o resultado será encaminhado ao Ministério da Cultura (MinC) para que a atual ministra indique o representante no prazo de sete dias corridos.

PNSM e PNEM
Ainda durante o FNM 2014, o Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM) passou por sua primeira revisão. Os participantes do Fórum se reuniram, na última quinta-feira (27), em oito grupos para elaborar indicadores para as diretrizes do Plano. Os resultados desse trabalho foram apresentados e aprovados por todos no encerramento do Fórum.

“As discussões foram muito produtivas, e nós conseguimos sair com um material de alta qualidade em pouco tempo,” avaliou o consultor Alexandre Borges, contratado pelo Ibram para esse trabalho de revisão do PNSM.

Por fim, foi lida no auditório a Carta de Belém, escrita pelos participantes do Encontro Nacional do Programa Nacional de Educação Museal – que passaria a ser chamado de Política Nacional de Educação Museal, após discussões com o Ibram. Essa carta estabelece os princípios norteadores dessa política e solicita um novo encontro nacional para o segundo semestre de 2015.

Texto e fotos: Ascom/Ibram
Última edição: 1º.12.2014

6º Fórum Nacional de Museus começa dia 24 em Belém: confira os destaques

Peça gráfica para o Fórum Nacional de Museus 2014

Peça gráfica para o Fórum Nacional de Museus 2014

Entre os dias 24 e 28 de novembro, o Hangar – Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, na cidade de Belém (PA), recebe centenas de participantes de todo o país para a 6ª edição do Fórum Nacional de Museus (FNM), que tem como tema Museus Criativos.

O FNM é realizado a cada dois anos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram). Nesta sexta edição conta com a parceria na realização da Secretaria de Economia Criativa (SEC) do Ministério da Cultura (MinC).

Conferências, painéis, minicursos, grupos de trabalho, apresentação de pesquisas, estudos de caso, reuniões paralelas, além de atividades culturais compõem a grade de atividades do 6º FNM. Confira a programação completa.

A edição 2014 traz ainda três destaques em sua programação: a realização da IV Teia da Memória, encontro nacional de Pontos de Memória e iniciativas de memória e museologia social, o Encontro do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) e a revisão do Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM).

Nos dois primeiros dias (24 e 25) acontecem seis minicursos, todos tratando de temas relevantes para o setor de museus e ministrados por servidores do Ibram. Conheça quais são e quem ministra.

Conferências
De 24 a 26 estão programadas três conferências no 6º FNM. A primeira, na noite de abertura (24), chama-se Museus Criativos: experiências e práticas inovadoras nos museus, tendo como conferencistas Marcos André Rodrigues de Carvalho, secretário de Economia Criativa do MinC, e Angelo Oswaldo, presidente do Ibram. Convidados internacionais compõem as demais mesas.

A austríaca Ulrike Fallmann é uma das conferencistas

A austríaca Ulrike Fallmann é uma das conferencistas

Entre os dias 25 e 27, seis painéis sobre assuntos que dialogam com o tema Museus Criativos estão programados. Inovação, sustentabilidade e gestão de museus são alguns dos temas propostos: Saiba quais são os painéis.

Experiências regionais
A cada abertura de conferência ou de painel do FNM, haverá também, durante 15 a 30 minutos, a apresentação de casos da região Norte do país, que evidenciem boas práticas e experiências regionais envolvendo temas de interesse do setor. A iniciativa visa valorizar diversidade de ações da região que, pela primeira vez, recebe o Fórum Nacional de Museus.

Reuniões temáticas
Incorporadas à programação, entre os dias 24 e 26, acontecem dez reuniões temáticas voltadas para áreas específicas do setor de museus: Rede de Educadores em Museus, Comitê Gestor do Sistema Brasileiro de Museus, Sistemas de Museus, Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico do Ibram, museus da Região Norte, Rede de Museus e Acervos de Arqueologia e Etnologia, Conselho Federal de Museologia, Conselho Internacional de Museus (Icom) Brasil, Comitê de Gestão do Ibram e diretores de museus Ibram.

Comunicações Coordenadas
49 trabalhos foram selecionados para apresentação durante o 6º Fórum Nacional de Museus. Resumos de pesquisas, relatos de experiência, em desenvolvimento ou já finalizadas, acadêmicos ou não, foram inscritos nas modalidades Apresentação Oral e Pôsteres. Veja os selecionados.

Encontros
Este ano será a primeira vez que a Teia da Memória integrará oficialmente a programação do Fórum Nacional de Museus. Em sua quarta edição, o encontro, dedicado às discussões relativas ao Programa Pontos de Memória, às iniciativas de memória e à museologia social, tem como objetivo proporcionar o intercâmbio, a reflexão e o debate acerca dos processos comunitários de memória que vêm se desenvolvendo no país. A programação está disponível para consulta.

Um dos manuais do Ibram que serão lançados em Belém

Um dos manuais produzidos pelo Ibram que será lançado em Belém

Já o Encontro do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM), no dia 24 e 25, promoverá a síntese dos encontros regionais ocorridos ao longo de 2014 e a discussão dos encaminhamentos futuros do programa.

Será uma oportunidade de reunir os coordenadores dos Eixos Temáticos do PNEM, os representantes das Redes de Educadores de Museus, articuladores do programa e demais interessados em colaborar com as diretrizes que nortearão o campo de educação em museus no Brasil.

Revisão PNSM
O Plano Nacional Setorial de Museus (PNSM), conjunto de diretrizes que orientam o setor museal brasileiro, sendo resultado de ampla discussão durante o 4º FNM (2010), será revisado durante o Fórum 2014. Para tanto, foi elaborada uma metodologia de revisão e criados oito Grupos de Trabalho (GTs) que serão responsáveis pela sua aplicação. O resultado será apresentado na Plenária Final no dia 27 de novembro.

Eleição CNPC
Durante o 6º FNM haverá eleição para a formação de lista tríplice para escolha de titular e membro do setor de museus e memória para compor o plenário do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC).

Programação cultural
A 6ª edição do FNM contará com o lançamento de campanhas, projetos e diversas publicações de interesse para o setor de museus: saiba quais serão as novidades apresentadas pelo Ibram.

Salomão Habib apresenta-se na abertura oficial do 6º FNM

Salomão Habib apresenta-se na abertura oficial do 6º FNM

Na noite de abertura do evento (24), o violonista Salomão Habib faz uma apresentação especial. Nos outros dias, as culturas populares terão destaque com a apresentação da dança indígena Toré, os tambores do Coletivo Casa Preta e o tradicional ritmo do Pará – o carimbó, recentemente reconhecido pelo Ministério da Cultura como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

Também haverá a performance do artista Rafael Bandeira e a apresentação Lítero-Musical Memórias do Pompéu do grupo Abrapalavra.

No último dia do evento (28), após a Plenária Final do FNM, os participantes  visitam museus e instituições de memória de Belém. Há ainda uma mostra de artesanato local, com curadoria de Emanuel Franco, exposições e exibições de vídeos, e a presença de estandes institucionais e comerciais.

Detalhes da programação do Fórum Nacional de Museus 2014 está disponível no blogue fnm.museus.gov.br.

Texto: Ascom/Ibram
Imagens: Divulgação

Museus de Belém vão integrar programação do 6º FNM em novembro

Desde o dia 24, uma equipe do Ibram está em Belém (PA) ajustando a realização do 6º Fórum Nacional de Museus (FNM), que acontece entre os dias 24 e 28 de novembro com o tema Museus Criativos.

Encontros com o Sistema Integrado de Museus (SIM) do Pará, a coordenação do Curso de Museologia da Universidade Federal do estado (UFPA), a Companhia Paraense de Turismo (Paratur), o Memorial do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, entre outros parceiros institucionais e privados, tiveram como foco a infraestrutura do evento, a recepção de participantes e a montagem de atividades de programação.

Reunião ontem (25) no Museu de Arte Sacra de Belém. Na foto, a coordenadora do SIM, Camem Cal

Reunião ontem (25) no Museu de Arte Sacra de Belém. Ao fundo, a coordenadora do SIM Pará, Carmem Cal

A equipe também está realizando visitas técnicas a museus da cidade: Museu Goeldi, Museu de Arte de Belém, Museu de Arte Sacra do Pará e Museu do Estado do Pará.

A proposta é que os espaços possam sediam atividades da programação do Fórum Nacional de Museus, como minicursos e exposições. Existe a ainda a expectativa de outras adesões, como o do Museu do Tribunal de Justiça do Estado.

Artesanato e Teia da Memória
“Há um grande interesse local na realização de um encontro de museus da região Norte durante o FNM”, conta Ana Lourdes Costa, que integra a equipe do Ibram que está na capital paraense. “A razão principal é dar início à formação de redes que possibilitem uma maior articulação entre os estados”.

Lourdes lembra ainda que a realização do Encontro Regional do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) em Belém, durante o mês de outubro, servirá para mobilizar museus e educadores antes do fórum nacional. Saiba mais sobre o PNEM.

Hoje (26), última dia da equipe do Ibram no Pará, as reuniões giram em torno da organização de uma feira de artesanato com artistas locais, como forma de promover o trabalho dos artesãos para um público vindo de todas as regiões do Brasil. Ainda se encontram com a equipe do Ponto de Memória Terra Firme, tendo em vista que a Teia da Memória também acontecerá durante o 6º Fórum Nacional de Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: CPGII/Ibram

Matérias relacionadas
6º FNM: tema dá sequência a debate sobre museus e comunidades
6º Fórum Nacional de Museus vai acontecer em novembro no Pará

Página 1 de 3123