Sete estados discutem o documento preliminar do PNEM no mês de maio

Durante o mês de maio, sete estados realizam debates e encontros sobre o documento preliminar do Programa Nacional de Educação Museal (PNEM) – disponível para download.

No dia 12, o Museu da Abolição/Ibram, no Recife, sedia a atividade em Pernambuco. Já no dia 13, é a vez de Minas Gerais sediar mais um encontro, desta vez no Museu do Ouro/Ibram, na cidade de Sabará.

Em João Pessoa (PB), o encontro, que vai abordar os desafios e perspectivas do PNEM no estado, organizado PNEM_logopela Rede de Educação em Museus da Paraíba (REM/PB), acontece nos dias 14 e 15 de maio no auditório da Empresa Paraibana de Turismo, integrando a 12ª Semana de Museus.

Na sexta-feira (16), será a vez do Rio Grande do Sul discutir as diretrizes para o programa. A atividade acontece na cidade de Santo Ângelo, no Centro Municipal de Cultura. No dia 19 de maio, o Rio de Janeiro  recebe a terceira rodada de discussões no Centro Cultural da Justiça Federal na capital fluminense.

Em São Paulo, a Universidade de Taubaté sedia o encontro das regiões do Vale do Paraíba e Litoral no dia 26, e o estado do Pará encerra as ações do mês de maio nos dias 27 e 28. O encontro acontece no Museu de Arte de Belém. Saiba os horários e informações sobre inscrições na página do PNEM.

Sobre o programa
Constituir diretrizes para as ações de educadores e profissionais dos museus na área educacional, fortalecer o campo profissional e garantir condições mínimas para a realização das práticas educacionais nos museus e processos museais são alguns dos objetivos do Programa Nacional de Educação Museal.

Por isso, é importante que o documento seja apreciado e pensado por museus, redes de educadores, cursos de Museologia, secretarias de cultura e demais entes interessados no desenvolvimento do programa.

Para realizar uma atividade em uma cidade/estado, basta entrar em contato com a equipe do PNEM pelo endereço eletrônico pnem@museus.gov.br para que sejam enviadas todas as informações necessárias para a realização de encontros.

Texto: Ascom/Ibram

Conexões Ibram: Niemeyer projetou futuro Museu de Arte Popular na PB

Niemeyer inspirou-se no pandeiro para o projeto do Museu de Arte Popular paraibano

A equipe do Conexões Ibram, que está em Campina Grande (PB) para a última edição do projeto em 2012, visitou ontem (5), o futuro Museu da Arte Popular (MAP) – cujo projeto arquitetônico é de Oscar Niemeyer, falecido nesse mesmo dia, aos 104 anos.

Ainda sem previsão para abertura ao público, a visita técnica foi guiada por Silvia Cunha Lima, assessora técnica do governo estadual, que também esteve envolvida com o novo Museu de Arte Assis Chateaubriand (MAC).

Ela explicou que Niemeyer buscou sua inspiração na forma do pandeiro e que o museu exporá um acervo que valoriza a cultura popular paraibana. Um dos eixos serão os cordéis e a xilogravura.

O acervo de cordéis pertence à Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), entidade responsável pela gestão do museu, e integra a Biblioteca de Obras Raras Átila Almeida – que conta hoje com cerca de 10 mil títulos e está disponível em formato digital.

Visão do MAP sobre o Açude Velho: ainda não há data para abertura ao público

Já a xilogravura será representada pela obra do paraibano José da Costa Leite, cujo trabalho ilustra cordéis há várias décadas e tem ganho atenção enquanto arte popular.

Uma curadoria em torno da produção artesanal do estado, já reconhecido por meio do programa Paraíba em suas mãos e a Casa do Artista Popular, ocupará um dos três ‘pandeiros’.

Por fim, uma homenagem ao cantor e compositor Jackson do Pandeiro (1919-1982), onde serão expostos instrumentos e outros objetos ligados ao artista – atualmente sob os cuidados do MAC-UEPB.

O projeto Conexões Ibram segue até amanhã (7) na Paraíba. Esta é a última edição do projeto este ano, que já percorreu 17 estados brasileiros desde março. Acompanhe pelo blogue

Texto e fotos: Ascom-Ibram

Paraíba recebe a última edição do projeto Conexões Ibram em 2012

Em sua última edição em 2012, o projeto Conexões Ibram chega à Paraíba (PB) para promover debates sobre as novas políticas e os instrumentos de gestão para os museus brasileiros.

Novo museu de arte em Campina Grande recebe Conexões Ibram

O evento acontece em Campina Grande, de 5 a 7 de dezembro, no Museu Assis Chateubriand (MAC). Ligado à Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), o museu foi inaugurado em junho deste ano e chama a atenção pelo projeto arquitetônico, construído numa uma área de 1.500 m².

Promovido pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), juntamente com a Secretaria de Estado da Cultura da Paraíba, o projeto tratará dos temas Sistemas e Redes de Informação – Programa iMuseus, Estatuto de Museus e novos instrumentos de gestão, Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, Programa Pontos de Memória e Estratégias de Fomento e Financiamento aos Museus.

Estudantes, profissionais e gestores da área de museus interessados em participar do evento podem fazer sua inscrição até hoje (30) pelo e-mail: conexoes.ibram.paraiba@gmail.com. Mais informações pelo telefone (83) 3218.4167.

De acordo com a publicação Museus em Números, o estado dispõe de 63 museus mapeados, sendo que 22 deles estão na capital do estado, João Pessoa, e as tipologias de acervo mais encontradas são Artes Visuais (71,4%), História (64,3%) e Imagem e Som (57,1%). Acesse a programação completa do evento e saiba mais sobre o projeto Conexões Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

Rede de Educadores em Museus da Paraíba promove encontro em Bananeiras

No próximo dia 24 de março, às 13h30, na cidade de Bananeiras-PB, a Rede de Educadores em Museus da Paraíba (REM-PB) vai realizar seu quinto encontro. Na ocasião, o grupo vai avaliar os resultados da II Conferência Nacional de Cultura e assistir ao filme: Museu da Maré: Memórias e (re)existências, para debater o texto “Museu e Educação: conceitos e métodos”, da museóloga Maria Célia T. M. Santos. Serão feitas ainda a articulação dos museus da Paraíba para a Semana Nacional de Museus a e programação da REM-PB para o mês de maio.

Conheça o blog da REM-PB

Mais informações: (83) 8670-1742 e no rem.paraiba@gmail.com.

Paraíba implantará centro cultural em homenagem à Sivuca

O subsecretário de Cultura da Paraíba, José David Campos Fernandes, esteve em Brasília na manhã desta quinta-feira, 21 de janeiro, para buscar junto ao Ministério da Cultura, recursos para implantação de um memorial em homenagem ao músico brasileiro, Sivuca. Ele apresentou o projeto inicial do espaço, e também pleiteou recursos para o desenvolvimento de diversas ações destinadas ao setor cultural do estado.

A proposta, orçada em R$ 6,5 milhões, ainda necessita de ajustes, como uma área para a reserva técnica do acervo e atividades ligadas à educação. “É importante, numa proposta de museu, que um projeto educativo esteja atrelado, pois, normalmente, quem leva a população mais carente a visitar um espaço como esse, são os filhos que estiveram lá com sua escola”, afirma Eneida Rocha, do Departamento de Difusão, Fomento e Economia dos Museus do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC).

Segundo José David, o memorial prevê, além do acervo físico, um conteúdo em meio digital, composto por músicas de Sivuca, dentre outras atrações interativas. Parte das memórias do artista estão guardadas com sua esposa, Glória Gadelha, que apoia a iniciativa. A forma de financiamento para a implantação do Memorial Sivuca será discutida pelo MinC após a indicação, por parte da Subsecretaria de Cultura da Paraíba, do local destinado à iniciativa.

Sivuca

Nascido na cidade de Itabaiana, na Paraíba, Severino de Oliveira – Sivuca – era conhecido nacional e internacionalmente como instrumentista, maestro, orquestrador, cantor, arranjador, compositor e produtor musical. Foi responsável por mostrar a elegância da sanfona nordestina ao cenário mundial da música.

Suas composições e trabalhos incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, baião, música clássica, blues, jazz, entre muitos outros. Contribuiu significativamente para o enriquecimento da música brasileira, ao revelar a universalidade da música nordestina e a nordestinidade da música universal. Sivuca morreu em 2006, deixando seu legado para a população de todo o país.