Página 1 de 3123

Obra no Museu Regional de Caeté revela achados arqueológicos

Intervenção física é acompanhada por três arqueólogos; antes de iniciada, todos os funcionários envolvidos em sua execução passaram por treinamento educativo que mostrou a importância da arqueologia em prédios coloniais.

Obra é acompanhada por três arqueólogos; antes de iniciada, todos os funcionários envolvidos passaram por treinamento sobre importância da arqueologia em prédios coloniais.

Porcelanas, ferragens, frascos de remédio e perfume, bolinhas de gude, um tinteiro, um cachimbo, um projétil de fuzil. Misturadas, as peças e fragmentos, testemunhos da vida pública e doméstica daquela região nos séculos XVIII, XIX e XX, integravam o que era quase outro museu alguns palmos abaixo do Museu Regional de Caeté – conservado por várias décadas sob o solo da cidade histórica mineira.

O achado arqueológico veio à tona em meio às obras de restauro que a instituição vive há pouco mais de um ano, durante escavações para instalação de sistema de proteção contra descargas atmosféricas. E foi acompanhado pelos três arqueólogos que acompanham a intervenção física no museu, como determina a Lei do Patrimônio Arqueológico Brasileiro.

“Os arqueólogos estão fazendo todo o acompanhamento das retiradas de terra, catalogando, fotografando os fragmentos arqueológicos, para posteriormente as peças serem entregues ao Ibram”, explica a diretora do Museu Regional de Caeté, Sônia Maria Barbosa.

Antes mesmo de a obra ser iniciada, todos os quase 30 funcionários envolvidos em sua execução (pedreiros, carpinteiro, mestre de obra e outros) passaram por treinamento educativo que mostrou a importância da arqueologia em prédios coloniais. As peças encontradas passam agora por processo de limpeza e análise, que deve durar alguns meses. Concluído o trabalho, parte das peças poderá ser agregada ao circuito expositivo do museu, que planeja visitas educativas ao material recolhido.

O restauro integral do Museu Regional de Caeté inclui reforço das fundações e restauração da estrutura; adequação de instalações (elétricas, luminotécnicas, segurança, telecomunicações, sonorização, proteção contra descargas atmosféricas, prevenção e combate a incêndio e pânico, hidrossanitárias e drenagem); garantia de acessibilidade, com instalação de rampa, elevador, sanitários acessíveis; e construção de nova reserva técnica. A previsão é de que as obras sejam concluídas em abril.

Obras e projetos arquitetônicos focaram requalificação dos museus da rede Ibram

O restauro e requalificação de museus vinculados à rede Ibram teve ampla agenda em 2017, com obras já finalizadas, em andamento ou com projetos elaborados e execução prevista para o ano que vem.

Museu Casa Benjamin Constant está em obras

Museu Casa de Benjamin Constant está em obras no Rio

O Museu Casa de Benjamin Constant, no Rio de Janeiro, e o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais, deram início a processos de restauração integral.  Entre as obras de grande porte, também pode ser citado o restauro e ampliação do Museu Victor Meirelles, em Florianópolis (SC).

No Rio, outros museus que passaram por obras foram o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), que recebeu impermeabilização em sua cobertura e torre de arrefecimento, e o Museu da República, que teve varanda recuperada, restauração de claraboia e elevador finalizada, assim como reforma de banheiros.

O Palácio Rio Negro, em Petrópolis (RJ), passou por escoramento emergencial de sua varanda e o Museu Imperial, na mesma cidade, passou por obras emergenciais no telhado de sua biblioteca.

Projetos desenvolvidos
Foram ainda desenvolvidos projetos para a realização de novas intervenções físicas nos museus citados e também no Museu do Açude, Museu Villa-Lobos, Museu Histórico Nacional, Museu Arqueológico de Itaipu, Museu de Arte Religiosa e Tradicional, Museu Casa da Hera, Museu de Arte Sacra de Paraty, Museu Lasar Segall, Museu Casa da Princesa, Museu de Arte Sacra da Boa Morte, Museu do Diamante, Museu do Ouro, Museu Regional de São João del-Rei, Museu Casa dos Ottoni, Museu da Abolição e Museu Casa Histórica de Alcântara.

Além das obras em execução e com projetos em andamento, o Ibram deu início em 2017 à elaboração de um instrumento de apoio à gestão que tem como objetivo adequar as intervenções em seus edifícios, estabelecendo rotinas de verificação que indicarão a necessidade de reparos, manutenção e intervenções, evitando a necessidade de investimentos em obras de maior porte.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MCBC/Divulgação

Obras de restauro avançam no Museu Casa de Benjamin Constant

Realizado em várias frentes desde o início deste ano, restauro completo da casa histórica onde viveu Benjamin Constant e da sede administrativa do museu deve ser concluído no início de 2018.

Realizado em várias frentes desde o início deste ano, restauro completo da casa histórica onde viveu Benjamin Constant e da sede administrativa do museu deve ser concluído no início de 2018.

Fechado à visitação desde o início do ano para obras de restauro, o Museu Casa de Benjamin Constant (MCBC), no Rio de Janeiro (RJ), registra estágio avançado da ampla intervenção física programada, que abarca suas duas edificações históricas principais e parte da área verde onde a instituição está situada, no bairro carioca de Santa Teresa.

Passam por processo de restauração a casa histórica onde viveu Benjamin Constant (1836-1891), considerado um dos fundadores da república brasileira, e a chamada Casa de Bernardina, onde funciona a sede administrativa do museu.

Realizada em várias frentes, a obra prevê recuperação de coberturas das edificações que compõem o conjunto arquitetônico da antiga chácara, revisão de esquadrias e de pisos, além de nivelamento de seu pátio central e diagnósticos de caráter geológico e arqueológico sobre o terreno.

Avaliação, limpeza e recuperação

No primeiro trimestre de 2017, preparado o canteiro de obras, foi retirada da casa principal a maior parte de seu acervo, que foi realocada para espaços preparados na área administrativa. A partir de então, deu-se início a um trabalho de prospecção, realizado por equipe de museólogas restauradoras, com objetivo de descobrir materiais e cores originalmente utilizados em fachadas, janelas, portas, pisos e outros materiais constituintes de toda a casa.

Até 7 camadas diferentes foram encontradas em diferentes superfícies e catalogadas para estudo de composição química e tonalidades originais, ou o mais próximas possível, ao período em que Benjamin Constant viveu na antiga residência, construída em meados do século XIX.

Uma das intervenções mais fundamentais para o museu, a recuperação do telhado da casa histórica foi concluída no primeiro trimestre de 2017.

Recuperação de telhado da Casa de Bernardina, sede administrativa do MCBC.

Na sequência, foi iniciada a limpeza de mármores e ladrilhos, além de retirada, conserto e limpeza de esquadrias. O trabalho – que durou em torno de 5 meses e envolveu carpinteiros, marceneiros, serralheiros, pintores e vidraceiros – garantiu a recuperação detalhada de todas as portas e janelas do museu.

“Cada pequeno parafuso, maçaneta, dobradiça, aldrava, cremona, fechadura e trinco foi retirado da madeira e desmontado, limpo, polido, lubrificado, remontado e voltou a seu lugar de origem. Cada peça de madeira foi lixada, desempenada, descupinizada ou trocada, enxertada, recortada, montada, polida, pintada e remontada no seu lugar”, explica Maria Alice Miller, administradora do MCBC que atua na supervisão da obra.

Ainda no primeiro trimestre da intervenção, iniciou-se um dos trabalhos mais esperados e fundamentais para o museu: a recuperação do telhado da casa histórica. O processo incluiu a retirada de telhas, escovação e jateamento de cada uma delas. Durante o período, a área destelhada foi coberta por lona especial que garantiu sua preservação frente à ação climática.

Diagnóstico e novas instalações

Em abril, foi iniciada a execução de novas instalações elétricas para o museu, exigindo a retirada dos papéis de parede da casa principal. Também foi iniciada a análise, tratamento, imunização e substituição de peças que compõem o madeiramento do telhado, forro, piso e outras áreas do imóvel, e a sondagem do terreno do museu para conhecimento sobre sua composição geológica, incluindo a existência de eventuais lençóis freáticos.

Prospecção e reassentamento

O começo do segundo semestre foi marcado pelo início da pintura das fachadas do museu – para o qual optou-se pela manutenção da cor branca, com pintura à base de cal hidratada – e limpeza de todas as luminárias da casa, trabalho realizado por restauradoras que exigiu o desmonte total de partes em metal, vidro cristal, madeira, a identificação de fabricante original e utilização de técnicas especiais de limpeza e clareamento.

Pintura de fachadas, reassentamento de calçadas e restauro de itens do mobiliário foram algumas das intervenções realizadas no segundo semestre de 2017.

Pintura de fachadas, reassentamento de calçadas e restauro de itens do mobiliário foram algumas das intervenções realizadas no segundo semestre de 2017.

Em julho, foi iniciada prospecção arqueológica com o objetivo de encontrar vestígios de antigo lago e também de um tanque utilizado para banhos externos, ambos mantidos pela família à época de Benjamin Constant. Com este objetivo, estudos arqueológicos foram realizados em dois pontos próximos à casa histórica com uso de ultrassom.

Também foi iniciado serviço de retirada do calçamento de pedras do tipo “pé-de- moleque”, empregado desde o séc. XVIII, existente em área entre a casa principal e a Casa de Bernardina. Bastante irregular, o piso está sendo reassentado de modo a facilitar a circulação e a acessibilidade de todos os visitantes. Junto a este serviço, também estão sendo recuperadas calhas e grelhas de piso para águas pluviais, feitas em concreto.

Reabertura ao público

A previsão é de que o restauro integral do MCBC seja concluído até o início de 2018, quando o museu será reaberto à visitação pública.

Museu Casa de Benjamin Constant completa 35 anos

Museu Casa de Benjamin Constant passa por obras de melhoria

Museu Casa de Benjamin Constant passa por obras de melhoria

O Museu Casa de Benjamin Constant (Ibram/MinC), no Rio de Janeiro, comemorou 35 anos no último dia 18 de outubro. A casa, que que serviu de moradia a Benjamin Constant por pouco mais de um ano e foi ocupada pela família até 1960, atualmente passa por reformas.

Tombado pelo Patrimônio Histórico em 1958, o imóvel encontra-se fechado desde janeiro para uma restauração que recupera telhado, fachadas, paredes internas, pisos, portas e janelas. A primeira etapa da obra está prevista para terminar no começo de 2018.

O Museu tem como missão, preservar a memória de Benjamin Constant e os hábitos de vida de uma típica família do século XIX que habitava uma casa de chácara no bairro de Santa Teresa. Saiba mais sobre o museu.

Museus da rede Ibram em três estados iniciam obras de requalificação

Tiveram início nesta semana as obras de recuperação emergencial do Museu das Missões, que integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em São Miguel das Missões (RS), após tornado que atingiu o Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo no primeiro semestre deste ano – causando danos à estrutura e acervo do museu.

Operários cercam área do Museu das Missões onde haverá obras emergenciais

Operários cercam área do Museu das Missões para obras emergenciais

Na parte arquitetônica, a empresa responsável pela obra iniciou a montagem de tapumes para isolar o Pavilhão Lucio Costa e a Casa do Zelador durante as obras. A cobertura da Sacristia Velha também será restaurada.

Com recursos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na ordem de R$ 1,6 milhão, o prazo para a conclusão dos trabalhos das obras emergenciais é de aproximadamente três meses, com possibilidade de prorrogação, caso seja necessário, para a devolução do museu ao seu projeto original.

Projetado em 1940 pelo arquiteto Lucio Costa (1902-1998), o Museu das Missões é parte de sítio arqueológico considerado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

Reunindo representativa coleção pública de imagens sacras e fragmentos missioneiros do Mercosul, exibe ao público uma coleção da arte barroca elaborada pelos índios guarani nas reduções jesuíticas (séculos XVI e XVII).

Obras em MG e RJ
Outro museu da rede do Instituto Brasileiro de Museus que iniciou esta semana um processo de restauração integral foi o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais (MG).

A diretora do museu B.Constant com o presidente do Ibram em recente visita

A diretora do museu B.Constant, Eliane Carrilho, com Marcelo Araujo, presidente do Ibram, em recente visita ao museu antes do início das obras

A intervenção física será realizada com o intuito de preservar as características estruturais, formais e estéticas do museu, situado em antigo sobrado de fins do século XVIII, na cidade de Caeté, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1950.

O prazo previsto para a execução dos serviços será de 12 meses e o custo é de aproximadamente R$ 2,7 milhões. Saiba mais.

Já a primeira fase das obras de restauração no Museu Casa de Benjamin Constant, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), também já iniciadas, envolvem dois prédios históricos: a casa onde morou Benjamin Constant e a sede administrativa, a “casa amarela” – construídos nos séculos XIX e XX, respectivamente. Para esta primeira fase estão sendo investidos recursos de R$ 2,1 milhões por parte do Ibram.

O museu, que fica no bairro carioca de Santa Teresa, estará aberto ao público até o dia 30 de dezembro e sem data prevista para a reabertura.

Além desses museus, há atualmente obras em andamento no Museu Victor Meirelles, em Florianópolis (SC), e processos licitatórios para requalificação do Museu Regional de São João del-Rei (MG), Museu Casa Histórica de Alcântara (MA) e Museu Casa da Hera (RJ).

Atualmente, o Ibram conta com 29 museus federais sob sua gestão. Conheça os museus da rede Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Museu das Missões e Museu Casa de Benjamin Constant/Divulgação

Museu Casa Histórica de Alcântara reabre ao público

Museu Casa Histórica de Alcantara (MA)

Museu Casa Histórica de Alcantara (MA)

O Museu Casa Histórica de Alcântara/Ibram reabre ao público nessa segunda-feira, 12 de setembro, após um ano fechado. A Casa Histórica passou por uma obra de conservação e manutenção de emergência, que resultou na troca de um pilar de madeira de sustentação da balaustrada que dá acesso à Reserva Técnica; dois caibros comprometidos por cupins; pintura interna de paredes, portas e forro; pintura externa de paredes e portas dos dois sobrados e restauro e pintura dos gradis também dos dois sobrados.

Em julho, o Museu já havia sido aberto de forma simbólica, mostrando para a comunidade a nova proposta expositiva com foco prioritário na leitura do acervo. À época, o museu recebeu ações educativas do Festival de Musica Barroca de Alcântara e acolheu os artistas internacionais do festival em uma visita guiada.

O Museu fica na Praça Gomes de Castro, em Alcânatara (MA) e funciona de segunda a sexta-feira, das 9h30 às 16h30 e aos sábados e feriados, das 9h às 13h.

O Museu

O Museu Casa Histórica de Alcântara teve sua abertura ao público datada em novembro de 2004. Apesar de sua recente criação, o museu tem por missão remontar aos tempos do Brasil Imperial através de sua arquitetura colonial e de seu acervo, expondo a opulência dos hábitos e costumes do século XIX da aristocracia rural da cidade de Alcântara, Maranhão. As cerca de mil peças e obras do Museu pertenceram a famílias que residiram na casa. Mobiliário, indumentárias, acessórios, louças, iconografias, cerâmicas e azulejos do acervo têm o objetivo de retratar a história doméstica do Brasil Monárquico para os alunos da educação básica, a comunidade em geral e os visitantes externos.

 

 

Museu Casa da Princesa, em Pilar de Goiás, passa por restauro

museu casa da princesaComeçaram nesta quarta-feira (18), as obras de restauro no Museu Casa da Princesa/Ibram, em Pilar de Goiás. Executada pelo Iphan-GO, com recursos do Fundo Nacional de Cultura, a obra, orçada em 700 mil reais, tem previsão de duração de sete meses. O restauro contemplará áreas estruturais do prédio, como: telhado, forro, piso, instalações elétricas, drenagem e requalificação dos banheiros.

Durante o período de restauro, o museu funcionará na casa da Diocese situada na Rua da Matriz, Qd 10, Lt 16, Nº12; que é também conhecida como: “Casa Dona Otília”.

Inaugurado em 28 de junho de 1981, o Museu Casa da Princesa ou Museu da Casa da Setecentista ou ainda Museu Casa das Rótulas, como também é conhecido, funciona numa antiga moradia senhorial, um dos mais belos exemplares da arquitetura civil colonial brasileira, localizada no centro histórico da cidade de Pilar de Goiás-GO.

O seu acervo é formado por documentos históricos, fotografias e mais de mil objetos, confeccionados em materiais diversos, mostrando formas do viver goiano dos séculos XVIII ao XX, especialmente mobiliário e utensílios sacros e domésticos utilizados nos casarões de fazendas goianas, dos séculos XVIII, XIX e XX. Também fazem parte deste acervo, instrumentos de tortura da época colonial, palmatórias, carretilha de forca, tear, carros-de-boi, peças de monjolo, um conjunto completo de engenho, utensílios de mineração e objetos sacros, a exemplo de forma para fazer hóstias, oratórios, cruzes e crucifixos.

Museus Ibram guardam obras de Tomie Ohtake em seus acervos

Tomie Ohtake, artista plástica nascida no Japão e naturalizada brasileira, faleceu hoje (12), em São Paulo (SP), aos 101 anos de idade. Uma das principais representantes do Abstracionismo no Brasil, a obra da artista é ampla e abrange pintura, gravura e escultura.

Dois museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), possuem obras de Ohtake em seus acervos: o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) e o Museu Chácara do Céu.

Chegada da tela doada por Tomie Ohtake ao MNBA em 2013

Chegada ao MNBA da tela doada por Tomie Ohtake em 2013

Em 2013, a artista doou uma tela para a coleção do MNBA. A tela sem título – que tem dimensões de 1,40 de altura por 3,30 metros de largura – foi produzida em 2013 e doada por Ohtake ao museu como forma de agradecimento pelo empréstimo de obras para uma exposição, organizada pelo Instituto Tomie Ohtake, em comemoração ao seu centenário.

Desde então, o acervo do MNBA conta com três pinturas e uma gravura de Tomie Ohtake. Atualmente, uma tela produzida em 1991 pode ser vista na Galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea no 3º andar.

Em janeiro deste ano, quando do aniversário dos 78 anos de criação do museu, a artista foi homenageada com o Prêmio Quirino Campofiorito, por sua relevante contribuição para a arte e a cultura brasileiras.

Outra das técnicas desenvolvidas por Tomie Ohtake, a gravura está presente nos acervos do Museu Chácara do Céu: são três gravuras, em água-forte e sucre, e duas matrizes nas mesmas modalidades, produzidas em 1995 e doadas aos museus pela sua associação de amigos.

Nota de pesar
O ministro da Cultura, Juca Ferreira, divulgou nota sobre a morte de Tomie Ohtake, considerada “uma artista essencial para a cultura brasileira contemporânea, mundialmente reconhecida por sua linguagem única, independente e inovadora”.

“Tomie transitou entre a pintura, a gravura e a escultura, realizando um diálogo potente e extraordinário entre a forma e a cor. Ela transformou para sempre nosso olhar sobre as artes plásticas”, acrescenta.

Ferreira lembra ainda a relação intrínseca de sua obra com a cidade de São Paulo, “a partir de onde se tornou uma artista profundamente identificada com os espaços urbanos de grandes cidades brasileiras, onde suas cores e formas criam uma nova e supreendente paisagem”.

Em 2013, o Ministério da Cultura manifestou sua admiração e gratidão à artista oferecendo-lhe a Ordem do Mérito Cultural. Leia a nota na íntegra.

O velório de Tomie Ohtake será realizado amanhã (13), no Instituto Tomie Ohtake, de 8h às 14h, no bairro de Pinheiros (SP).

Texto: Ascom/Ibram (com informações do Museu Chácara do Céu e MNBA) – atualizado em 13/02/2015
Foto: Divulgação MNBA

Após reforma, Museu das Bandeiras reabre ao público em Goiás

Após ficar cerca de um ano fechado ao público por conta de obras de restauração, o Museu das Bandeiras, localizado no município de Goiás (antes Cidade de Goiás), será reaberto ao público neste sábado (20).

Fachada do Museu das Bandeiras após reforma: abertura ao público acontece amanhã (20)

O museu foi entregue ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no início de novembro, após obras de restauração realizadas em parceria com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)

Poucos dias depois, foi nomeada sua nova diretora, Stélia Braga Castro, selecionada através de chamada pública para ocupar a direção dos museus da rede Ibram situados no estado de Goiás – que inclui, além do Museu das Bandeiras, o Museu de Arte Sacra da Boa Morte, também no município de Goiás, e o Museu Casa da Princesa, em Pilar de Goiás.

As obras de restauração incluíram a execução de ações emergenciais (cobertura e drenagem), essenciais (estabilização e revisão estrutural, revisão das instalações, adequação das instalações de detecção e combate ao incêndio, substituição de reboco e repintura) e serviços estratégicos, como projetos executivos de restauração.

A intervenção, que proporcionou ao museu condições adequadas para a guarda do acervo e atendimento ao público, foi realizada pela empresa Marsou Engenharia e contratada pelo valor de R$ 798.750,92.

Antes de ser reaberto à visitação do público, o museu deu início a um processo de revisão expográfica sob orientação da museóloga Célia Corsino, que será implantado de forma gradual, de modo a valorizar a comunicação e o interesse dos visitantes.

Criado em 1954, o museu está instalado na antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Boa de Goiás, então sede do governo da capitania goiana, e narra a história do ciclo do ouro em Goiás. Abriga ainda coleção de documentos públicos dos séculos XVIII e XIX produzidos na região. Construído em 1766, o prédio foi tombado pelo Iphan em 1951 como exemplo da arquitetura civil portuguesa.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação/Iphan

Museu Nacional de Belas Artes lança livro sobre Coleção Portinari no Rio

Portinari_Estudo

Estudo para retrato de Thaís Mello Lima de Portinari

Detentor do maior acervo público de obras do artista Cândido Portinari (1903-1962), o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), lança nesta quinta-feira (18), o livro Coleção Portinari: Museu Nacional de Belas Artes, que apresenta uma seleção dos 243 itens que integram o conjunto preservado pela instituição.

A publicação traz reproduções de cerca de 140 obras, acompanhada de textos históricos e críticos de João Candido Portinari, Ferreira Gullar, Anna Letycia Quadros, Pedro Martins Caldas Xexéo, Amandio Miguel dos Santos, Daniela Matera Lins Gomes e Israel Pedrosa.

O livro traz ainda diversas fotografias sobre o artista, uma cronologia organizada por Cristal Proença e a relação das obras que compõem o acervo do museu.

A seleção contempla o lote de 222 itens doados ao MNBA, no ano passado, pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), além de obras como Café, A Primeira Missa no Brasil e Retrato de Yedda Ovalle Schmidt, que já integravam o acervo do museu.

Raridades
Entre as obras doadas pela Finep, que pertenciam ao acervo deixado pelo pintor para seu filho João Candido, há diversos retratos a óleo e sobre papel, preciosos estudos e esboços de obras renomadas, como os painéis para o Palácio Gustavo Capanema, no Rio de Janeiro, e pouco mais de 40 matrizes de gravuras, muitas das quais produzidas para serem ilustrações de livros – como os da Coleção Cem Bibliófilos, idealizada por Raymundo Castro Maya.

Com coordenação editorial da Artepadilla e do Museu Nacional de Belas Artes, e projeto gráfico da Contra Capa, o livro contou com patrocínio da Finep e da empresa Piraquê, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e com o apoio institucional do Consulado da Itália no Rio de Janeiro, da Embaixada da Itália no Brasil e do Instituto Italiano de Cultura.

O lançamento acontece a partir das 18h no MNBA, situado na Av. Rio Branco, 199. Na ocasião, serão postos à venda 200 exemplares do livro, que tem 256 páginas e poderá ser adquirido por R$ 80.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: Divulgação MNBA

Página 1 de 3123