Receita doa uma série de obras apreendidas ao Ibram

Pintura Rio de Janeiro, de Luis Ribeiro, sendo recebida no Museu da República

Pintura Rio de Janeiro, de Luis Ribeiro, sendo recebida no Museu da República

Cinco museus Ibram receberam, nesta semana, obras apreendidas pela Receita Federal na Alfândega do Aeroporto de Guarulhos e na Alfândega do Porto de Santos, em São Paulo.  As obras, que foram destinadas ao Ibram, como previsto pela Lei 12.840/2013,  já estão sob a guarda e administração dos museus e passarão agora por procedimentos museológicos de documentação, conservação e pesquisa, através do qual as equipes técnicas dos museus poderão identificar ou confirmar sua origem, material utilizado, estilo e autoria, entre outros aspectos.

O Museu Nacional de Belas Artes (RJ) recebeu a pintura Mangueïrengruppe (grupo de mangueiras ) do artista austríaco naturalista Joseph Selleny, que veio ao país no século XIX com o objetivo de retratar a paisagem brasileira. Duas esculturas intituladas Negros Venezianos suportando resposteiros, representação artística de escravos do séc. XIX, foram para o Museu da Abolição (PE).

O Museu da República (RJ) recebeu a obra de Luís Ribeiro, Rio de Janeiro – Baia de Guanabara, de 1899, apresenta uma cena marítima da então capital federal, nos primeiros momentos da República recém instaurada. Le Corcovade, de Henri Langerock, de cerca de 1880, foi destinada ao Museu Imperial (RJ), e fará parte da coleção que retrata o Rio de Janeiro real e imperial.

A tela O Martírio das onze mil virgens, Escola Flamenca do século XVII, foi destinada ao Museu Histórico Nacional (RJ), que também recebeu as tapeçarias Noblemen in the Garden e uma tapeçaria em fio de lã, com a seguinte inscrição na borda inferior: Manufacture Royale Aubusson 1739. De acordo com a diretora do MHN, Ruth Beatriz, com essas peças, o museu forma um conjunto de tapeçarias jamais visto no Brasil.

A destinação das obras levou em conta critérios como a política de aquisição dos museus, disponibilidade para receber os bens, condições favoráveis de preservação e segurança, além das disposições de preferência previstas pela lei que dispõe sobre a destinação de bens culturais aos museus.

Museu Nacional de Belas Artes celebra 78 anos com exposição inédita

Um dos principais depositários de bens culturais apreendidos pela Receita Federal, o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), recebe oficialmente nesta terça-feira (13), um lote de vinte obras de arte doados pelo órgão na data em que celebra 78 anos de criação.

Museu Nacional de Belas Artes integra a rede Ibram no Rio

Museu Nacional de Belas Artes integra a rede Ibram no Rio

As obras serão exibidas na exposição Apreensões e Objetos do desejo: obras doadas pela Receita Federal ao MNBA, que será aberta às 12h30 e tem entrada gratuita.

A exposição, que fica em cartaz até 29 de março, representa ainda um “presente” a ser compartilhado com o público no ano em que também se celebram os 450 anos de fundação da cidade do Rio de Janeiro.

A incorporação das novas peças vai reforçar significativamente o acervo do museu, com obras de autores de renome internacional e nacional. Algumas das obras doadas foram adquiridas, segundo apuração, em leilões das prestigiadas casas Sotheby’s e Christie’s.

A exposição inclui trabalhos do italiano Michelangelo Pistoleto, do indiano Anish Kapoor, do inglês Antony Gormley, da francesa Niki de Saint-Phalle, do argentino Miguel Ángel Ríos, entre outros artistas.

Pelo lado brasileiro, o público vai poder contemplar, por exemplo, obras de artistas como Sérgio Camargo, Jorge Guinle Filho, Daniel Senise, Cildo Meireles, Beatriz Milhazes e OSGEMEOS.

De acordo com a diretora do MNBA, Monica Xexéo, as obras completam lacunas relativas ao período moderno e contemporâneo do acervo do museu. “A repatriação deste importante conjunto demonstra, por outro lado, a força da arte brasileira no mercado internacional”, explica.

Conservação e pesquisa
As obras, que entram em exposição temporária praticamente no estado em que foram recebidas, posteriormente passarão por conservação e pesquisa para figurarem no circuito permanente do MNBA. A doação do conjunto é resultado do acordo de cooperação firmado entre o Ministério da Cultura, o Ibram e a Receita Federal. Saiba mais.

O MNBA também inaugura na data a exposição Ver e Sentir Através do Toque, que permitirá a pessoas com deficiência visual entrarem em contato com obras de artistas como José Borges da Costa, Tarsila do Amaral, Manabu Mabe e Francisco Rebolo.

Durante a cerimônia no Rio, também será entregue o Prêmio Quirino Campofiorito, que homenageia o artista plástico brasileiro (1902-1993) e é concedido a personalidade que apoiam o Museu Nacional de Belas Artes.

Texto e foto: Ascom/Ibram