Página 1 de 212

Museu de Arqueologia de Itaipu comemora 40 anos com festival

museu_arq_itaipu_8-200x300O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), em Niterói (RJ), comemora 40 anos no dia 23 de março. E para celebrar a data, o museu preparou, em parceria com o Núcleo Interdisciplinar para o Desenvolvimento Social da UFRJ, o I Festival UFRJMar Itaipu.

O MAI tem buscado o desenvolvimento local através de atividades de educação, cultura e lazer. Também suas ações são voltadas para a preservação da memória dos povos tradicionais da região e do desenvolvimento da Região Oceânica de Niterói e o festival envolverá toda a comunidade da vila de pescadores e da Praia de Itaipu.

O evento acontece entre os dias 23 e 26 de março e nos dias 1 e 2 de abril. A programação vai de oficinas a atividades culturais e esportivas.

São 9 oficinas ministradas por alunos da UFRJ voltadas para crianças – que acontecem nos dias 23 e 24, das 8h30 às 11h30 e das 14h às 17h. Há oficina de amarelinha, carretel, informática educativa, malabares, fontes alternativas de energia, surimi, waterball, futebol de prancha e animação.

Nos dias 25 de março e 1º de abril, o MAI recebe a Feira de Economia Solidária, atividades culturais e cineclube. As atividades são gratuitas e acontecem ao logo do dia.

O Festival também conta com atividades esportivas, nos dias 26 de março e 2 de abril. Haverá competição de natação, futevôlei e futebol, canoagem, dança e relaxamento. A programação acontece na Praia de Itaipu, com início às 8h e termino às 17h. Todas as atividades são gratuitas e abertas ao público. Mais informações pelo telefone (21) 3701.2994 ou pelo endereço eletrônico mai@museus.gov.br.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Ibram abre licitação para inspeção predial em museus de MG e RJ

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em parceria com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), publicou na última sexta-feira (27) Aviso de Licitação destinado à contratação de serviços de engenharia voltados à inspeção predial em três unidades museológicas que integram a sua rede.

Instalado em antigo convento que começou a ser edificado no século XVII, o Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (MART), será uma das unidades a passar por inspeção predial.

Instalado em antigo convento que começou a ser edificado no século XVII, o Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (MART) será uma das unidades a passar por inspeção predial.

A consultoria especializada a ser contratada abarca a realização de inspeções prediais no Museu de Arqueologia/Socioambiental de Itaipu (MAI), em Niterói (RJ); no Museu de Arte Tradicional de Cabo Frio (Mart), também no Rio de Janeiro; e na Casa Borba Gato (vinculada ao Museu do Ouro), em Sabará (MG).

O objetivo da contratação é realizar análise técnica de estruturas e instalações das três unidades, a qual permitirá a identificação de possíveis riscos a usuários, meio ambiente e patrimônio cultural envolvido, definindo prioridades para a posterior execução de reparos e manutenção.

Os três museus estão instalados em imóveis históricos tombados e não projetados originalmente para esta finalidade – o que impõe a adoção de princípios rigorosos de preservação dos elementos e materiais originais, assim como de intervenção física mínima, quando necessária.

A licitação será realizada na modalidade pregão presencial com data de abertura programada para o próximo dia 9 de fevereiro, às 10h, na sede da OEI (Setor Hoteleiro Sul, Quadra 06, Bloco C, Sala 919, Ed. Brasil 21) em Brasília (DF).

O edital e seus anexos encontram-se disponíveis na página da OEI. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (61) 3321.9955 ou pelo endereço eletrônico compras@oei.org.br.

Diretoria Ibram faz caravana a museus no Rio

Visita técnica ao Museu Chácara do Céu

Visita técnica ao Museu Chácara do Céu

Durante essa semana, o presidente do Ibram, Carlos Roberto Brandão; o chefe de Gabinete, Marcos Mantoan; e as diretoras do Departamento de Difusão, Fomento e Economia dos Museus, Eneida Braga; do Departamento de Processos Museais, Manuelina Duarte; e do Departamento de Planejamento e Gestão Interna, Valeria Grilanda  percorreram alguns museus do Ibram no Rio de Janeiro.

Foram realizadas reuniões e visitas às instalações, para análise das ações prioritárias para 2015 nos museus: Museu Nacional de Belas Artes, Museu do Açude, Museu Chácara do Céu, Museu da República, Museu Villa-Lobos, Museu de Arqueologia de Itaipu, em Niterói, e Museu de Arte Religiosa e Tradicional, em Cabo Frio. O deslocamento fez parte da série de visitas programadas esse ano para todos os museus Ibram, com o objetivo de alcançar melhorias de gestão e aproximar a direção do Instituto de suas unidades.

Além dos museus Ibram, a Caravana participou do lançamento da Programação Cultural dos Jogos Olímpicos. Na oportunidade, Brandão assinou um convênio com a Prefeitura do Rio para o Passaporte Cultural Cidade Olímpica. Além da gratuidade em museus e exposições, o passaporte olímpico também vai oferecer descontos de 65% para teatros e shows. Saiba mais na página da Prefeitura.

Também visitaram, junto com o Ministro Juca Ferreira, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, que passa por reformas para melhorar a infraestrutura. Continue lendo.

Em Niterói, a caravana também conheceu os museus Janete Costa e Museu do Ingá. As próximas missões estão programadas para as regiões Sul (Museu das Missões, RS e Museu Victor Meirelles, SC); Centro-Oeste (Museu de Arte Sacra da Boa Morte, Museu das Bandeiras e Museu Casa da Princesa, GO), Nordeste (Museu da Abolição, PE) e Sudeste (Museu Solar Monjardim, ES).

Marejada Cultural no MAI resgata tradições de pescadores em Niterói (RJ)

O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), que fica em Niterói (RJ), promove neste fim de semana (dias 27 e 28), a 1ª Marejada Cultural dos Pescadores Tradicionais de Itaipu.

Na programação, exposição de documentários e fotografias que mostram atividades da pesca e a vida dos moradores da Vila de Pescadores Tradicionais de Itaipu, uma Roda de Conversa sobre a história da pesca sob a ótica dos pescadores artesanais da região, shows musicais e um festival gastronômico de frutos do mar.

Museu de Arqueologia de Itaipu (RJ)

Museu de Arqueologia de Itaipu: apoio à identidade cultural local

A última marejada aconteceu há quase duas décadas e o evento visa resgatar as tradições dos fundadores da aldeia que deu origem ao bairro, além de incentivar a proteção dos recursos naturais e sua conservação potencializando o desenvolvimento ecológico, aspectos históricos e socioculturais da Região de Itaipu.

Na Praça de Itaipu, em frente ao museu, haverá barracas onde serão vendidos pratos da culinária típica da região, produzidos por moradores.

Para a diretora do MAI, Eunice Batista Laroque, a Marejada pode ajudar no resgate da identidade cultural da atividade pesqueira em Itaipu e contribuir para reforçar a principal atividade econômica do local. “O Museu tem o dever de reforçar a memória das comunidades de pesca artesanal” declarou.

A Marejada Cultural é organizada pela Associação Livre dos Pescadores e Amigos da Praia de Itaipu (Alpapi), com o apoio do Museu de Arqueologia de Itaipu, do Núcleo de Solidariedade da UFRJ, da Prefeitura de Niterói, da Universidade Federal Fluminense e do Sindipetro RJ.

O museu
O Museu de Arqueologia de Itaipu está sediado nos remanescentes do Recolhimento de Santa Teresa, instituição fundada no começo do século XVIII.

Seu acervo é composto por artefatos produzidos pelos povos que viveram no litoral fluminense antes de 1500. São artefatos líticos e ósseos, concreções, matéria corante, ocre, restos ósseos humanos e remanescentes de fauna (aves, peixes e mamíferos), além de blocos testemunhos do Sambaqui de Camboinhas.

Texto: Ivy Fermon (Ascom/Ibram)
Foto: Banco de Imagens Ibram

Acesso: primeiro volume da coleção Museus do Ibram está disponível

Museu de Arqueologia de Itaipu (RJ)

MAI é tema do primeiro volume da coleção Museus do Ibram

O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI), também chamado Museu Socioambiental de Itaipu, é tema do primeiro volume da coleção Museus do Ibram. A instituição integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus e localiza-se em Niterói (RJ).

Disponível online para consulta ou download, em versão de menor resolução, o livreto apresenta a história do museu e a sua temática, contextualiza-o em relação à localidade e à comunidade em que está inserido.

A coleção, que prevê a publicação de 19 volumes no total, é destinada a um público diverso. Por isso, seus livros utilizam linguagem simples, trazem fotos, plantas dos museus e áreas que ocupam. Possíveis percursos de visita e lugares relacionados com as instituições também estão incluídos.

A ideia é que o grande público se familiarize com as unidades museológicas do Ibram e que tal conhecimento contribua para ações que promovam o estudo, a preservação, a valorização e a divulgação do patrimônio cultural sob a guarda dessas instituições.

O MAI é um museu que documenta vestígios da ocupação humana pré-histórica da região, e está instalado nas ruínas de um dos primeiros conventos erguidos no litoral fluminense, o antigo Recolhimento de Santa Teresa.

Criado em 1977, o museu tem a missão ainda de comunicar aos seus visitantes o valor do patrimônio cultural e ambiental da região, os costumes e tradições das comunidades pesqueiras que vivem em seu entorno. Conheça outros museus do Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Banco de Imagens Ibram

Nomeada a nova diretora do Museu Socioambiental de Itaipu em Niterói

A nova diretora do museu Ibram em Niterói foi escolhida via chamada pública

A nova diretora do museu Ibram em Niterói foi escolhida via chamada pública

O Museu Socioambiental de Itaipu, localizado em Niterói (RJ) e parte da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), já tem nova diretora.

Eunice Batista Laroque foi nomeada na terça-feira (16), pelo presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, em portaria publicada no Diário Oficial da União.

Laroque tem um currículo vasto: é licenciada em Pedagogia pela Universidade Católica de Pelotas (RS), e em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidade de Salamanca (Espanha), onde também fez mestrado em Tecnologia da Educação.

Possui graduação em Museologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde também se especializou em Patrimônio Cultural em Centros Urbanos. É ainda tecnóloga em Design de Interiores e especialista em Educação de Jovens e Adultos.

Transparência
Com 25 anos de experiências no Rio Grande do Sul, tendo integrado o quadro efetivo da Prefeitura de Porto Alegre, como professora, e trabalhado no Museu Joaquim Felizardo, Eunice Laroque diz-se “privilegiada” por integrar agora o quadro do Ibram.

“Este é um um momento histórico, pois estão sendo feitas chamadas públicas para ocupação dos cargos, de forma democrática, e as políticas públicas estão sendo implementadas: venho para somar”, comemora.

Ruínas de antigo convento que fazem parte do Museu Socioambiental de Itaipu

Museu Socioambiental de Itaipu ocupa área de antiga instituição religiosa

A nova diretora do Museu Socioambiental de Itaipu foi selecionada entre cinco candidatos inscritos, conforme definido na Chamada Pública nº1, aberta em março deste ano. Saiba mais.

Para a seleção foram considerados os critérios de formação acadêmica em nível superior; experiência comprovada em gestão, envolvendo atividades de relacionamento com organizações do governo ou entidades da sociedade em geral; e conhecimento das políticas públicas do setor museológico e da área de atuação do museu.

Os critérios foram aferidos através de apresentação de currículo, Declaração de Interesse e Plano de Trabalho. Além da apresentação da documentação, também foi realizada ainda entrevista oral entre a candidata e a comissão de seleção designada.

Arqueologia
O Museu Socioambiental de Itaipu, antes chamado Museu de Arqueologia de Itaipu, existe desde 1977 e está sediado nos remanescentes do Recolhimento de Santa Teresa, instituição de caráter religioso fundada no começo do século XVIII. Seu acervo é composto por artefatos produzidos pelos povos que viveram no litoral fluminense antes de 1500.

Exemplos são artefatos líticos e ósseos, matéria corante, ocre, restos ósseos humanos e remanescentes de fauna (aves, peixes e mamíferos), além de blocos testemunhos do Sambaqui de Camboinhas.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Banco de Imagens Ibram

MAI e sistema de museus foram tema de reunião em Niterói esta semana

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, esteve na quarta-feira (2), em Niterói (RJ), onde se reuniu com o prefeito da cidade, Rodrigo Neves, para discutir a necessidade de melhorias no entorno do Museu de Arqueologia/Socioambiental de Itaipu (MAI/Ibram),  além da criação de um sistema integrado de museus no município.

Oswaldo (esq.) e o prefeito de Niterói durante encontro

Oswaldo (esq.) e o prefeito de Niterói durante encontro

A reunião contou ainda com a participação do presidente da Fundação de Arte de Niterói (FAN), André Diniz, das coordenadoras do Sistema Estadual de Museus do Rio de Janeiro, Lucienne dos Santos, e do Patrimônio Museológico do Ibram, Vera Mangas, além do diretor do museu, Pedro Heringer.

O presidente do Ibram destacou a necessidade de readequação urbanística no entorno do MAI, que considera fundamental para a visibilidade e acesso à instituição.

Instalado no antigo Recolhimento de Santa Teresa, fundada em 1764, o local, que reúne testemunhos da ocupação humana pré-cabralina na região, é considerado um dos sítios arqueológicos pré-históricos mais importantes do país.

“A requalificação urbana da área do entorno do museu irá organizar e valorizar o espaço público, como também o patrimônio histórico-cultural e as comunidades que o cercam”, declarou Pedro Heringer.

Entorno e valorização
Ficou definido no encontro que o Sistema Municipal de Museus, cuja criação será oficializada por decreto, será lançado no dia 15 de maio em cerimônia no Museu de Arte Contemporânea (MAC) de Niterói, quando também será apresentado um folder com o roteiro dos museus locais.

A expectativa, a partir da criação do sistema, é aperfeiçoar a sinalização dos museus locais, organizar seus horários de funcionamentos e agendas, facilitar o diálogo entre museus e instituições afins, promover o compartilhamento dos acervos, mostras conjuntas e atividades museológicas, além de melhorar o entorno dos museus através da valorização paisagística e ordenamento urbano.

Além do MAC e do Museu de Arqueologia de Itaipu, Niterói reúne instituições importantes como o Museu Antônio Parreiras, o Museu do Ingá, o Solar do Jambeiro, a Casa de Oliveira Vianna e o Museu Janete Costa de Arte Popular, reaberto no ano passado, além de vários espaços expositivos, como o recém-inaugurado Espaço Cultural dos Correios.

De acordo com o prefeito, a cidade vai ganhar em breve mais três museus: o do Cinema Brasileiro, em São Domingos; o da Ciência e Criatividade, no Caminho Niemeyer; e o do Samba e Choro, em Jurujuba.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Prefeitura de Niterói/divulgação

MAI homenageia etnia Guarani Mbya em Niterói (RJ)

O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), em Niterói (RJ), está com a exposição Tekoa Mboy-Ty: Uma Semente Guarani em cartaz desde 20 de abril. A visitação poderá ser feita até 5 de agosto de 2013.

Uma oca tradicional Guarani, acompanhada de três painéis educativos, abordam diversos aspectos da Cultura Guarani Mbya, que é um subgrupo do povo Guarani. Os Mbya se fixam geralmente em regiões próximas ao mar, pois creem que o paraíso, ao qual chamam de “Terra Sem Mal”, pode ser alcançado após a travessia marítima.

A exposição tem o objetivo de preservar e divulgar a memória das comunidades do entorno da região de Niterói e trazer uma perspectiva contemporânea para conservar os valores culturais de tempos passados.

O MAI/Ibram funciona de terça a sexta, das 10h às 17h. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h. Outras informações pelo telefone (21) 3701.2966 ou pelo endereço eletrônico mai@museus.gov.br. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação MAI

MAI faz homenagem à etnia Guarani Mbya em nova exposição em Niterói

O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), em Niterói (RJ),  inaugura hoje (19), Dia do Índio, a exposição Tekoa Mboy-Ty: Uma Semente Guarani. A abertura será às 18h e é aberta ao público.

Reprodução de oca Guarany no MAI/Ibram

Uma oca tradicional Guarani, acompanhada de três painéis educativos, abordam diversos aspectos da Cultura Guarani Mbya, que é um subgrupo do povo Guarani.

Os Mbya se fixam geralmente em regiões próximas ao mar, pois creem que o paraíso, ao qual chamam de “Terra Sem Mal”, pode ser alcançado após a travessia marítima.

A exposição tem o objetivo de preservar e divulgar a memória das comunidades do entorno da região de Niterói e trazer uma perspectiva contemporânea para conservar os valores culturais de tempos passados.

A visitação poderá ser feita de 20 de abril a 5 de agosto de 2013. O MAI/Ibram funciona de terça a sexta, das 10h às 17h. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h. Outras informações pelo telefone (21) 3701.2966 ou pelo endereço eletrônico mai@museus.gov.br. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação MAI

 

 

 


Museu de Arqueologia de Itaipu vai abrigar oca Guarani a partir de abril

O Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI/Ibram), localizado em Niterói (RJ), vai abrigar, a partir de abril, uma oca Guarani em seu espaço expositivo.

Oca também servirá como espaço para projetos eductativos desenvolvidos pelo MAI/Ibram

O projeto, em parceria com a aldeia Tekoa Mboy-Ty, trata da construção de uma edificação tradicional Guarani Mbyá que simbolizará a relação da instituição museológica com a aldeia, bem como o esforço da equipe para com a divulgação e a preservação da memória das comunidades em seu entorno.

A oca será acompanhada de painéis expositivos que tratam de diversos aspectos do cotidiano dos Guarani Mbyá. Os visitantes poderão acompanhar o processo de construção a partir do dia 25 de fevereiro. A inauguração está marcada para o dia 19 de abril.

Pedro Colares Heringuer, diretor interino do MAI, explica que a proposta do novo espaço é que também seja utilizado como sala para os trabalhos educativos desenvolvidos pelos programas Caniço e Samburá e Educação Ambiental – voltado para estudantes que visitam o museu.

O museu
O MAI está sediado nos remanescentes do Recolhimento de Santa Teresa, instituição fundada no começo do século XVIII. O acervo do museu é composto por artefatos produzidos pelos povos que viveram no litoral fluminense antes de 1500.

São artefatos líticos e ósseos, concreções, matéria corante, ocre, restos ósseos humanos e remanescentes de fauna (aves, peixes e mamíferos), além de blocos testemunhos do Sambaqui de Camboinhas. Outras informações pelo telefone (21) 3701.2994 ou pelo e-mail mai@museus.gov.br.

Texto e foto: Divulgação MAI

 

 

Página 1 de 212