Movimento Clube da Esquina ganha exposição no Museu da Inconfidência

A exposição Os sonhos não envelhecem: Clube da Esquina será aberta hoje (9), às 20h, na Sala Manoel da Costa Athaíde, Anexo I do Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), em Ouro Preto (MG).

Capa do álbum Clube da Esquina (1972)

Capa do álbum Clube da Esquina (1972)

Vídeos e fotos históricas, manuscritos, partituras, o prêmio Grammy Latino, entre outros objetos, resgatam os 40 anos de trajetória do grupo formado em Belo Horizonte (MG), e que foi um marco na música popular brasileira – consagrando artistas como Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes e Toninho Horta.

A curadoria é de Cláudia Brandão e Márcio Borges, do Museu Clube da Esquina, e de Margareth Monteiro e Janine Ojeda, do Museu da Inconfidência. A entrada para a exposição é gratuita, com visitação de terça a domingo, das 12 às 18h, até 30 de junho.

Durante o evento hoje, será lançado o livro Clube da Esquina 40 Anos, do letrista Márcio Borges, que conta a história do disco Clube da Esquina. O público também será contemplado com um Pocket Show Clube da Esquina, com participação de Márcio e Telo Borges.

The Beatles e sucessos
O Clube da Esquina consistia em um grupo de amigos da capital mineira que, em 1971, passou seis meses em uma casa alugada na praia de Piratininga (RJ), compondo e compartilhando seu amor pelos The Beatles. No estúdio, a música adquiriu texturas com orquestrações de Eumir Deodato e Wagner Tiso.

O primeiro disco, lançado em 1972, produziu uma série de sucessos, entre eles Cravo e Canela e Nada Será como Antes. A influência dos Beatles é particularmente forte nas canções estilo “rock mineiro”, compostas por Lô Borges, como O Trem Azul e Nuvem Cigana. Saiba mais.

Texto e imagem: Divulgação Museu da Inconfidência