Página 1 de 212

MHN sedia Seminário Internacional sobre os 500 anos da Primeira Volta ao Mundo

seminário primeira volta ao mundoPara celebrar os 500 anos da passagem dessa expedição pela baía de Guanabara, primeiro porto visitado nas Américas, em 13 de dezembro de 1519, a diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM), o Museu Histórico Nacional (MHN), as embaixadas de Portugal e Espanha no Brasil, e seus consulados no Rio de Janeiro, e os institutos Camões e Cervantes promovem, nos dias 12 e 13 de dezembro de 2019, das 9h às 18h,o seminário internacional “5º Centenário da primeira volta ao mundo: a estadia da frota no Rio de Janeiro” – a ser realizado no auditório do MHN (Praça Marechal Âncora, s/n°, Centro, Rio de Janeiro, RJ).

Cruzando todos os oceanos, a viagem integrou povos, culturas e mercados, antecipando a globalização, – um dos principais legados de Espanha e Portugal para o mundo contemporâneo.

A  frota de cinco naus saiu da Espanha, em 1519, com cerca de 250 tripulantes, comandada por Magalhães, que morreria em terras do Oriente. O percurso se completou em 1522, retornando somente a nau Vitória, com apenas 18 tripulantes, sob o comando de Elcano.

Perspectiva sul-americana
O seminário reúne especialistas do Brasil, Espanha, Portugal, Argentina, Chile, Peru e Uruguai para comemorar a contribuição dos países sul-americanos visitados pela frota da primeira viagem de circum-navegação. Além disso, visa propor reflexões sobre a expedição liderada pelos navegadores Magalhães e Elcano e sua inserção no processo de globalização, estabelecendo pontes entre o passado e o presente, revisitando a história sob uma perspectiva contemporânea. Confira a programação completa.

As inscrições estão abertas até 10 de dezembro e podem ser feitas pelo sítio eletrônico da DPHDM no valor de R$ 50 (inteira) ou R$ 25 (meia-entrada para estudantes, professores, militares, idosos e pessoas com deficiência), pagos via depósito ou transferência bancária para a conta da Associação de Amigos do MHN: Banco do Brasil – Agência: 2861-4 / Conta corrente: 19600-2 / CNPJ: 32.268.617/0001-89.

A inscrição está condicionada ao envio do comprovante da transação bancária no referido sítio eletrônico. O comprovante de meia-entrada deverá ser apresentado no credenciamento, no primeiro dia do seminário. Haverá emissão de certificado digital para os participantes.

Texto e imagem: DPHDM/Divulgação
Edição: Ascom/MHN

Museólogos promovem encontro no MHN a fim de discutir os 35 anos da lei que regulamenta a profissão

CONVITE 35 anos 24-10 (002)Na próxima terça-feira (5), das 9h às 17h30, o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram) vai ser palco do encontro promovido pelo Conselho Federal de Museologia (Cofem) sobre os 35 anos de publicação da Lei 7.287, de 18 de dezembro de 1984, que regulamentou a profissão de museólogo.

A realização do encontro tem como objetivo discutir a maneira como a sociedade enxerga o trabalho do museólogo; analisar a sua importância estratégica na área do patrimônio, sua responsabilidade diante dos desafios profissionais, da defesa do exercício da profissão e do seu campo de conhecimento. Na área da formação, será debatido o equilíbrio entre os conteúdos consolidados característicos da atuação de museólogo frente às novas tecnologias, além das transformações nas relações de trabalho neste século, que impactam diretamente no mercado de trabalho.

O evento terá a participação do deputado federal e ex ministro da Cultura, Marcelo Calero, do diretor do MHN, Paulo Knauss, e dos museólogos Rita Maia, Celia Corsino, Márcio Rangel, Telma Lasmar, Heloísa Queiroz, Rita de Cássia de Mattos e Felipe Farias.

A inscrição para o evento deve ser direcionada ao e-mail cofem.eventos@gmail.com .

Museus do Ibram participam do 11° ciclo de palestras ‘Museu de Ideias – A educação em debate’

Museu de ideiaNa próxima terça-feira (29), às 14h, acontece, no museu Casa de Rui Barbosa,  a mesa redonda “A Educação Museal na (re)definição do conceito de museu”, do 11º ciclo de palestras “Museu de Ideias – A educação em debate”. A organização do evento é do Museu de Astronomia e Ciências Afins (Mast), do Museu Histórico Nacional/Ibram, do Museu  da Chácara do Céu/Ibram e do Museu da Vida (Fiocruz). A entrada é franca.

O evento terá a presença do professor de museologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro e presidente do Comitê Internacional de Museologia (Icofom) , Bruno Brulon, da Renata Motta, do Icom BR, da diretora do Departamento de Difusão, Fomento e Economia dos Museus do Ibram, Eneida Braga, dentre outros profissionais que atuam em diferentes espaços museológicos.

Museu de Ideias

O Museu de Ideias é um ciclo de palestras desenvolvido com o intuito de ampliar a visibilidade das pesquisas realizadas no âmbito da educação, promover a socialização dos conhecimentos produzidos por estas, bem como suscitar o debate e a reflexão acerca das múltiplas questões referentes às ações educativas em museus.

Mostra celebra 130 anos de Lasar Segall

Museu Lasar Segall - foto

No ano em que se comemoram os 130 anos de nascimento do pintor, escultor, gravurista e desenhista lituano naturalizado brasileiro Lasar Segall (1889-1957), o Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), inaugura exposição que vai abordar a relação entre o artista e sua terra natal: a cidade de Vilnius (Lituânia). A mostra Vilnius e eu, que será aberta neste sábado (26),  poderá ser visitada  até 3 de fevereiro de 2020.

A exposição apresentará 28 obras de Segall que retratam a cidade ou expressam memórias do artista sobre ela, além de 21 fotografias cedidas pelo Vilna Gaon State Jewish Museum (Museu Judaico de Vilnius), que se somam a uma seleção de fotografias e documentos pertencentes ao acervo do próprio Museu Lasar Segall.

Lasar Segall nasceu na atual capital lituana, então sob domínio da Rússia czarista, no dia 21 de julho de 1889. Nascido no seio de uma família judia, Segall vivenciou desde cedo as restrições e perseguições a que os judeus estavam submetidos naquele território, experiência que o marcaria por toda a vida e se refletiria em sua obra. Além de proibidos de possuir propriedades rurais, podendo dedicar-se a algumas poucas atividades urbanas, os judeus eram vítimas de surtos de violência conhecidos como pogroms, estimulados pelo governo russo.

Foi em sua cidade natal que Segall descobriu seu pendor artístico, influenciado pela observação do ofício de seu pai – que além de negociante era escriba da Torá, o texto sagrado judaico, atividade minuciosa e de grande prestígio social. Com apoio paterno, o artista deixaria a Lituânia em 1906 para viver na Alemanha, onde estudou arte em Berlim e Dresden antes de migrar em definitivo para o Brasil em 1923.

Gravuras, desenhos e pinturas como Vilna e eu (1910), Mendigos (1914) e Meu avô (1916), que integram a exposição, fixaram a visão de Segall sobre aquele cenário histórico, geográfico e familiar. As fotografias da época em que Lasar Segall viveu em Vilnius cedidas à exposição pelo Vilna Gaon State Jewish Museum ajudam a recompor o berço daquele que, anos mais tarde, viria a ser um dos principais artistas modernistas brasileiros.

Entre os documentos do Arquivo Lasar Segall exibidos, estão carteiras de identidade, passaportes e dois documentos que encerram uma dúvida histórica: uma cópia do registro de nascimento de Lasar Segall e bilhete que atesta o nascimento do artista, ambos datados de 1889. Até bem pouco tempo, acreditava-se que o artista teria nascido em 1891 – informação que o próprio Segall costumava divulgar como verdadeira.

Essa é a primeira exposição brasileira realizada em colaboração com uma instituição sediada na cidade de nascimento de Lasar Segall. Ainda em 2019, também em homenagem aos 130 anos de Segall, o Museu Judaico de Vilnius sediará a exposição Um modernista brasileiro de Vilnius: o retorno de Lasar Segall, que apresentará na Lituânia 57 obras pertencentes ao acervo do Museu Lasar Segall.

Texto: Ascom/Museu Lasar Segall
Editado: Ascom/Ibram

 

 

A arte de Clécio Penedo é exposta no Museu Nacional de Belas Artes

Obra " Ad miró Miró 1990" de Clécio Penedo

Obra ” Ad miró Miró 1990″ de Clécio Penedo

Na próxima quinta-feira (24), a arte do pintor, gravador e desenhista Clécio Penedo (1934-2004) volta a ser exposta no Museu Nacional de Belas Artes (MNBA)/Ibram durante a mostra “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil”. A exposição pode ser visitada até 15 de dezembro.

O mineiro Clécio Penedo frequentou de 1954 a 1956 a Escola Nacional de Belas Artes/ENBA, que funcionava no mesmo prédio do MNBA.  A partir da década de 70, desenvolve diversos trabalhos no Centro de Pesquisa de Arte, sob a orientação de Ivan Serpa e de Bruno Tausz, tendo sido aluno dos cursos de gravura em metal e desenho com Eduardo Sued e Aluízio Carvão, no MAM/RJ. Entre seus trabalhos de destaque, está o painel “Brasil Colonização e Independência” (1987), que se encontra no acervo do Museu Histórico Nacional/Ibram.

Em 1977, o artista recebe um material de propaganda política despertando um interesse pelas questões indígenas, então em voga nas discussões públicas da época. Penedo passa a pesquisar o tema e a fazer anotações em forma de desenhos que seriam a base para a primeira das séries, intitulada “És tupy do Brasil”, com a presença do índio brasileiro, que o singularizou. Nela, os índios se tornam suporte para uma campanha imaginária. A beleza dos desenhos contrasta com o misto de ironia e acidez com que o tema é tratado.

Depois, numa segunda fase de imagens com a presença do índio, Penedo promove um diálogo dos indígenas com grandes nomes da história da Arte, principalmente à europeia, evocando personagens dos quadros de Velasquez, Goya, Picasso, e Miró, dentre outros.

Com curadoria de Ayrton Costa, a exposição “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil” conta com um catálogo reunindo textos de Ana Letícia Penedo, André Couto, Ivan Doro, Ronaldo Auad e apresentação de Ayrton Costa, e ainda um site, todos produzidos exclusivamente para a mostra. Para os organizadores, a mostra é uma oportunidade para o público conhecer e/ou reencontrar a obra de Clécio Penedo.

O Museu Nacional de Belas Artes funciona das 10h às 18h; sábados, domingos e feriados das 13h às 18h.

 

MHN completa 97 anos com atividades gratuitas

Museu Historico Nacional (fachada)No último sábado (12), a entrada no Museu Histórico Nacional/Ibram em comemoração aos 97 anos da instituição foi gratuita.

No dia 12 de outubro de 1922, o MHN foi aberto ao público na cidade do Rio de Janeiro, como parte da exposição internacional que celebrou o Centenário da Independência do Brasil (1822). Um dos mais importantes museus de história do Brasil, o museu reúne um acervo com mais de 300 mil itens e este ano já recebeu cerca de 40 mil visitantes.

Na programação, às 14h, aconteceu o Bonde da História “10 objetos que contam nossa história”, no qual jovens e adultos puderam conhecer peças de destaque da exposição de longa duração do museu em um sobrevoo pela história do Brasil.

Já às 15h, o Dia das Crianças teve uma atividade especial no Bondinho da História. Na visita “Museu de brincadeiras”, a equipe educativa convidou crianças e jovens (7 a 14 anos), além de acompanhantes, a conhecer brincadeiras da época de seus avós e pais, além de conversas sobre temas relacionados aos direitos da criança e do adolescente em tempos atuais. Para quem não pôde comparecer, a atividade se repetiu no domingo (13) no mesmo horário.

Também no domingo, às 14h, dia de entrada gratuita para todos, o Bonde da História convidou os públicos jovem e adulto para participarem da nova visita mediada “Povos originários do Brasil”, onde conheceram parte do acervo e debateram sobre os povos originários e diversos momentos de resistência das culturas indígenas no Brasil.

Além das visitas mediadas, foi possível prestigiar a exposição “Nas asas da Panair”, que conta a trajetória da empresa de aviação Panair do Brasil.

Aos fins de semana e feriados, o MHN funciona das 13h às 17h. Não é preciso agendamento prévio para participar das visitas mediadas – que têm sessão única e, de acordo com o número de participantes, podem acabar um pouco antes ou depois do horário previsto.

Mais informações pelo e-mail mhn.educacao@museus.gov.br ou pelo telefone (21) 3299.0324. Confira todas as visitas mediadas do MHN no mês de outubro: http://bit.ly/30TSjyJ.

Texto: Ascom/MHN
Edição: Ascom/Ibram sede

Museu Regional de São João del-Rei promove a Semana da Criança

Museu São João del-ReiEntre os dias 7 e 11 de outubro, o Museu Regional de São João del-Rei (MRSJR/Ibram) irá promover a Semana da Criança. Serão quatro diferentes atividades ao longo de cinco dias: oficina de musicalização, teatro de mesa, intervenção de palhaçaria e uma visita mediada pelo centro histórico de São João del-Rei.

Na segunda-feira (07), às 10h, a atriz e educadora Milena Lopes irá oferecer a oficina de musicalização para crianças. Com instrumentos não convencionais e muita interação com o público, a oficina irá acontecer no museu e tem o objetivo de trabalhar a criatividade das crianças por meio de canções e melodias.

Lopes vai apresentar, na terça-feira (08), um teatro de mesa para alunos da Escola Caminho do Sol. A peça, que utiliza de objetos do dia a dia para desenvolver a narrativa, será apresentada no museu a partir das 10h.

Nos dias 9 e 10, a equipe do setor educativo do museu irá  promover uma visita mediada pelo centro histórico da cidade. A caminhada deve passar por quatro locais (Largo Tamandaré, Rua Santo Antônio, Pelourinho e Igreja do Carmo) e a mediação terá como foco a história de São João del-Rei e de seus monumentos.

Semana da Criança é um evento tradicional da unidade museológica, realizado próximo ao dia 12 de outubro. Nessas datas, todas as atividades do museu serão voltadas para o público infantil e a intenção será promover a educação patrimonial com linguagem acessível para os mais novos, por meio de brincadeiras, apresentações lúdicas e outras atividades do gênero.

Site institucional

Esta semana, o Museu Regional de São João del-Rei lançou seu novo site institucional: https://museuregionaldesaojoaodelrei.museus.gov.br/

Acesse e confira mais informações, notícias, História, curiosidades e muito mais sobre o MRSJR.

‘Estadia 3′ é a nova exposição do Museu da Inconfidência

Exposição

Exposição “Estadia 3″ no Museu da Inconfidência

Como parte da programação da 13ª Primavera dos Museus, o Museu da Inconfidência/Ibram inaugura no próximo dia 14 de setembro a exposição “Estadia 3”, na sala Manoel da Costa Athaide, anexo I, do Museu.

A exposição reúne professores da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e tem como objetivo abordar a representação dos espaços abertos em consonância com as diversas formas de expressão: a gravura, a fotografia, a cerâmica e as matizes naturais impressas pela natureza.

Segundo o grupo de professores “Grassar: ações continuadas em arte”, estadia é uma derivação da ideia de residência, distanciando-se da fixidez daquilo que reside e apontando para o estatuto de uma condição processual. O título dado a essas experiências, com os dois pontos (:) sem associação com uma sequência, afirma um convite ao aberto.

A exposição está aberta ao público até o dia 6 de outubro. O horário de funcionamento do Museu da Inconfidência é de terça a quinta-feira das 10h às 18h; sexta das 10h às 20h; sábado das 10h às 17h e domingo das 9h às 14h.

Museu Nacional de Belas Artes inaugura a mostra “Entre o acervo e o estúdio”

“Entre o acervo e o estúdio” – Marilice Corono

No sábado (31), o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram) irá inaugurar a mostra da artista gaúcha, Marilice Corono, “Entre o acervo e o estúdio”. De acordo com a artista, a seleção das 32 obras que integram a exposição foi determinada pelo estudo dos gêneros, pelo caráter autorreferencial da maior parte das imagens, pela qualidade que apresentam e por aspectos afetivos e pessoais.

Na exposição, algumas pinturas tornaram-se significativas, como a publicação “Iniciação a Pintura” (1976) de um dos pioneiros da restauração no país, Edson Motta, professor de teoria, técnica e conservação da pintura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) entre os anos de 1945 e 1980 e autor de livros essenciais para a formação da artista.

Com carreira iniciada na década de 1990, Corono já integrou mostras coletivas em vários estados do Brasil. Desde 2005, a artista realiza projetos de exposição que têm como tema o próprio espaço onde as obras são apresentadas. Além de artista visual, ela é professora de pintura do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

A mostra “Entre o acervo e o estúdio” está disponível no MNBA de 31 de agosto até 1° de dezembro de 2019. Mais informações sobre a exposição aqui.

Abertas as inscrições para o ‘Concurso de Desenhos’ do Museu Regional de São João del-Rei

Concurso-de-desenhosEstão abertas as inscrições para o “Concurso de Desenhos” do Museu Regional de São João del-Rei/Ibram. A competição faz parte da 5ª Semana do Folclore e é dividida em três categorias: de 6 a 10 anos, de 11 a 14 anos e de 15 a 18 anos.

Para participar, é necessário ser morador (a) de São João del-Rei e estar matriculado (a) em alguma das escolas do município. Os interessados devem enviar seus desenhos até o dia 14 de agosto para o e-mail casaraodocomendador@gmail.com

O objetivo do concurso é promover o folclore nacional e a sua importância na formação social e cultural das pessoas. Diante disso, os desenhos enviados devem ter como tema o folclore nacional. As artes devem ser feitas em folha de papel A4 e as técnicas utilizadas são livres (grafite, lápis de cor, aquarela, giz de cera, etc), desde que siga o tema proposto.

Serão escolhidos dois desenhos de cada uma das categorias de idade, totalizando seis desenhos. Cada contemplado receberá o certificado de participação e um livro publicado pelo Museu.

Museu São João del-Rei funciona de terça-feira a sexta-feira, das 9h30 às 17h30. Sábados e domingos das 9h às 13h. Feriados das 9h às 16h.

Página 1 de 212