10 instituições mineiras participarão juntas da 16ª Semana de Museus

Com o tema “Museus Hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”, 16ª Semana de Museus motiva participação conjunta do Museu Regional de São João del-Rei e outros nove museus mineiros na temporada de eventos.

Com o tema “Museus Hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”, 16ª Semana de Museus motiva participação conjunta do Museu Regional de São João del-Rei e outros nove museus mineiros na temporada de eventos.

O Museu Regional de São João del-Rei, vinculado ao Ibram, participará em parceria com outras nove instituições culturais mineiras da 16ª Semana de Museus. São 22 eventos programados entre os dias 14 e 26 de maio nas cidades de São João del-Rei e Tiradentes e ligados por um único tema: a presença, resistência e história da cultura afro-brasileira em Minas Gerais.

Promovida todos os anos pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) para celebrar o Dia Internacional de Museus (18 de maio), a Semana de Museus acontece este ano de 14 a 20 de maio com o tema “Museus Hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Seguindo esta temática, museus e outros estabelecimentos de cultura da região firmaram parceria e formaram os “Elos da Liberdade”: um evento de arte, cultura e história que busca mostrar à população a importância da cultura africana em nosso dia a dia, sua presença ao longo dos anos e sua forte influência na formação dos costumes e tradições do povo mineiro, além de dar espaço e voz aos povos negros que vivem em São João del-Rei e Tiradentes para apresentarem suas demandas e tradições.

A programação conta com exposições, seminários, palestras, mediações museológicas, exibições de filmes, debates, musicais, peças teatrais e um passeio especial de Maria Fumaça, com apresentações temáticas em cada um dos vagões. Saiba mais.

O museu

Aberto à visitação pública a partir de 1963, Museu Regional de São João del-Rei está localizado na antiga residência do comendador João Antônio da Silva Mourão (1806-1866), importante comerciante da cidade no período final da produção de ouro. Após a conclusão das obras, em 1859, o comendador instalou sua família na mansão, no segundo e terceiro pavimentos, e a loja de secos e molhados ficou no primeiro andar.

O Museu Regional de São João del-Rei apresenta uma exposição de aspectos do cotidiano no comportamento e nos costumes dos séculos XVII ao XX, retratados em móveis, utensílios, meios de transporte, imagens religiosas e pinturas. O objetivo do acervo montado é contar um pouco da intimidade e do modo de vida dos mineiros no período colonial.

A memória institucional de museus Ibram em MG na voz de seus colaboradores

Sede do MRSJDR/Ibram em Minas Gerais

“Depois que eu entrei no museu, toda vez que estou em outra cidade, eu quero visitar um museu”, confessa Cleberson Cunha, vigilante no Museu Regional de São João del-Rei (MRSJDR/Ibram), em Minas Gerais (MG). “O que antes não era comum – fazer visita a um museu – hoje faço com mais naturalidade e vontade”.

O depoimento acima faz parte da iniciativa em vídeo Gente que faz o museu, que coleta impressões, histórias e vivências de novos e antigos colaboradores do MRSJDR.

A partir de perspectivas pessoais, o museu resgata importante aspecto ligado a sua memória institucional – iniciativa que se relaciona ao tema da Primavera dos Museus deste ano, Museus e suas memórias.

Instalado em casarão do século XIX, o prédio foi tombado pelo Governo Federal em 1946 e aberto à visitação, já como museu, em 1963. “Foi difícil manter o prédio de pé”, conta Rui Mourão, diretor do Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto (MG), no documentário Símbolo de resistência – também realizado pela equipe do MRSJDR.

Casarão em São João del-Rei antes da criação do museu regional

Casarão em São João del-Rei antes da criação do museu regional

Com fotos antigas e depoimentos de pesquisadores, o vídeo conta a saga do casarão na cidade até se tornar sede do museu: das tentativas de demolição ao processo que levou ao seu reconhecimento com patrimônio histórico. Assista o documentário.

Mais informações sobre atividades do MRSJDR podem ser obtidas pelo telefone (32) 3371.7663 ou endereço eletrônico mrsjdr@museus.gov.br

Pesquisa e ações educativas
O Museu Regional Casa dos Ottoni (MRCO/Ibram), na cidade do Serro, também tem muitas histórias relacionadas à área que ocupa hoje: o prédio, do final do século XVIII, já foi casa, liceu, patronato agrícola e até maternidade antes da criação do museu em 1949.

“Trabalhamos hoje para que a instituição seja polo de discussão constante sobre o passado, presente e futuro. Nesse sentido, desenvolvemos ações para preservar a memória institucional e cumprir com a missão do museu”, aponta Carlos Xavier, diretor do MRCO.

Uma das frentes é a pesquisa e aquisição de acervo bibliográfico sobre o museu e a família Ottoni – cujos membros foram personagens da política brasileira no século XIX.

Museu Casa dos Ottoni

Museu Casa dos Ottoni no Serro (MG)

Após visitas a diversas instituições, conta o diretor, “foi possível reunir informações que, se não detalham claramente todo o passado do MRCO e do seu prédio, ajudam a elucidar pontos interessantes sobre sua história”.

Além das ações museológicas em torno da organização e preservação do acervo, o Museu Regional Casa dos Ottoni busca em suas ações educativas relacionar história e memória.

Para a 11ª Primavera dos Museus, por exemplo, o museu programou a exposição Minas em Postais, sobre cidades históricas mineiras, e a oficina Memórias do nosso lugar, que se propõe a valorizar a história da cidade a partir da história oral.

Mais informações sobre as atividades do museu pelo telefone (38) 3541.1440 ou endereço eletrônico mrco@museus.gov.br. Assista episódio sobre o MRCO na série Conhecendo Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Divulgação

Matérias relacionadas
Conheça as iniciativas de memória institucional do Museu Victor Meirelles
História oral resgata memória institucional do Museu das Missões
Livros e filmes abordam a memória institucional dos Museus Castro Maya
Conheça o projeto de memória institucional do Museu da República no RJ

‘Estações’ é a nova exposição do Museu Regional de São João del-Rei

MRSJRO Museu Regional de São João del-Rei/Ibram será a primeira parada da exposição Estações do artista são-joanense Diego Mendonça. A inauguração acontece nesta sexta, 4 de setembro às 19h30. A mostra apresenta como temas a expressão, momentos, afetos, flores e prazer.

A comunidade terá oportunidade de visitar a exposição que em outubro estará no Carrossel do Louvre, na França. Além disso, A mostra se apresentará também em São Paulo e Honduras.

Diego Mendonça é vencedor de vários prêmios da pintura nacional representou o Brasil na VII Bienal de Moita em Portugal, já expôs em diversos lugares importantes do Brasil e no exterior.

 

O Museu

Aberto à visitação pública a partir de 1963, o Museu Regional de São João del-Rei está localizado na antiga residência do comendador João Antônio da Silva Mourão (1806-1866), importante comerciante da cidade no período final da produção de ouro. Após a conclusão das obras, em 1859, o comendador instalou sua família na mansão, no segundo e terceiro pavimentos, e a loja de secos e molhados ficou no primeiro andar.

O Museu apresenta uma exposição de aspectos do cotidiano no comportamento e nos costumes dos séculos 18 e 19, retratados em móveis, utensílios, meios de transporte, imagens religiosas e pinturas. O objetivo do acervo montado é contar um pouco da intimidade e do modo de viver dos mineiros no período colonial.

Museu Regional de São João del-Rei participa do Inverno Cultural

Inverno Cultural, da UFSJ

Inverno Cultural, da UFSJ

O Museu Regional de São João del-Rei – MRSJDR/Ibram participa, pela primeira vez, da programação do Circuito de Exposições do Inverno Cultural. O Inverno Cultural é uma realização da Universidade Federal de São João del-Rei. Em sua 28ª edição, as atividades acontecem nas cidades de São João del-Rei, Divinópolis, Sete Lagoas, Ouro Branco, Santa Cruz de Minas, São Tiago e Conselheiro Lafaiete.

Quatro exposições, duas apresentações musicais e a IV Mostra Encontros de Arte e Cultura terão como sede o Museu Regional de São João del-Rei  e irão ocorrer entre os dias 19 e 26 de julho com entrada gratuita.

As exibições têm como foco a interação entre Museu e comunidade. As atividades incentivam à população a participar dos eventos culturais da cidade e valorizar as produções artísticas.

Toda a programação na página do Festival.

Biodiversidade do Campo das Vertentes em discussão

O Museu Regional de São João del-Rei/Ibram recebeu professores e alunos da Universidade Federal de Lavras para apresentar ao público a exposição “Biodiversidade do Campo das Vertentes: Libélulas, abelhas e outros insetos”. No mês em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente, os biólogos Marcos Magalhães de Souza e Brígida de Souza explicaram a importância dos resultados obtidos no projeto “Biodiversidade de grupos de insetos (Insecta) na Mata do Baú, Barroso, Minas Gerais”. O trabalho de fotografias e coleções de insetos faz parte do acervo do Departamento de Entomologia da UFLA e pode ser visto, até o dia 14 de agosto, na Sala de Exposições de Curta Duração do Museu Regional de S. João del-Rei.

Os professores discutiram sobre a diversidade biológica existente na Mata do Baú, incluindo plantas, microorganismos e animais, especialmente os insetos. Segundo Marcos, que deu início aos estudos do projeto em 2003 e fotografou alguns dos insetos, a preservação de áreas naturais é essencial para a manutenção dessas espécies e do ecossistema. “O resultado desse primeiro momento da pesquisa, também apresentado pelo Museu Regional de São João del-Rei, foi sobre a relação das vespas sociais com o estado de conservação das matas ribeirinhas. É preciso conservar os nossos ecossistemas”, explica o professor. Marcos salientou a importância da biodiversidade no Campo das Vertentes e acrescentou: “A Serra São José, em Tiradentes, é outro local que deve ser explorado pelas Ciências Biológicas, pois é o terceiro maior ecossistema do planeta”.

Coordenadora do projeto desde 2009, Brígida destacou a falta de estudos na área de Entomologia no Brasil como um dos fatores responsáveis pelo não conhecimento de várias espécies: “Aproximadamente 50 espécies de libélulas que ocorrem na Mata do Baú foram classificadas, três delas novas para a ciência”. A professora apontou, também, para a necessidade de desenvolver estas pesquisas para auxiliar outras áreas de estudo, como a agricultura, epidemiologia e medicina veterinária. “Os insetos têm hábitos e alimentações diversas e, contribuem para a aceleração de processos de decomposição da matéria vegetal e animal”, diz Brígida.

A exposição “Biodiversidade do Campo das Vertentes: Libélulas, abelhas e outros insetos” está aberta ao público diariamente, das 09:00 às 17:30 horas, à Rua Marechal Deodoro, nº 12, Centro.