Obra no Museu Regional de Caeté revela achados arqueológicos

Intervenção física é acompanhada por três arqueólogos; antes de iniciada, todos os funcionários envolvidos em sua execução passaram por treinamento educativo que mostrou a importância da arqueologia em prédios coloniais.

Obra é acompanhada por três arqueólogos; antes de iniciada, todos os funcionários envolvidos passaram por treinamento sobre importância da arqueologia em prédios coloniais.

Porcelanas, ferragens, frascos de remédio e perfume, bolinhas de gude, um tinteiro, um cachimbo, um projétil de fuzil. Misturadas, as peças e fragmentos, testemunhos da vida pública e doméstica daquela região nos séculos XVIII, XIX e XX, integravam o que era quase outro museu alguns palmos abaixo do Museu Regional de Caeté – conservado por várias décadas sob o solo da cidade histórica mineira.

O achado arqueológico veio à tona em meio às obras de restauro que a instituição vive há pouco mais de um ano, durante escavações para instalação de sistema de proteção contra descargas atmosféricas. E foi acompanhado pelos três arqueólogos que acompanham a intervenção física no museu, como determina a Lei do Patrimônio Arqueológico Brasileiro.

“Os arqueólogos estão fazendo todo o acompanhamento das retiradas de terra, catalogando, fotografando os fragmentos arqueológicos, para posteriormente as peças serem entregues ao Ibram”, explica a diretora do Museu Regional de Caeté, Sônia Maria Barbosa.

Antes mesmo de a obra ser iniciada, todos os quase 30 funcionários envolvidos em sua execução (pedreiros, carpinteiro, mestre de obra e outros) passaram por treinamento educativo que mostrou a importância da arqueologia em prédios coloniais. As peças encontradas passam agora por processo de limpeza e análise, que deve durar alguns meses. Concluído o trabalho, parte das peças poderá ser agregada ao circuito expositivo do museu, que planeja visitas educativas ao material recolhido.

O restauro integral do Museu Regional de Caeté inclui reforço das fundações e restauração da estrutura; adequação de instalações (elétricas, luminotécnicas, segurança, telecomunicações, sonorização, proteção contra descargas atmosféricas, prevenção e combate a incêndio e pânico, hidrossanitárias e drenagem); garantia de acessibilidade, com instalação de rampa, elevador, sanitários acessíveis; e construção de nova reserva técnica. A previsão é de que as obras sejam concluídas em abril.

Museus da rede Ibram em três estados iniciam obras de requalificação

Tiveram início nesta semana as obras de recuperação emergencial do Museu das Missões, que integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em São Miguel das Missões (RS), após tornado que atingiu o Sítio Arqueológico de São Miguel Arcanjo no primeiro semestre deste ano – causando danos à estrutura e acervo do museu.

Operários cercam área do Museu das Missões onde haverá obras emergenciais

Operários cercam área do Museu das Missões para obras emergenciais

Na parte arquitetônica, a empresa responsável pela obra iniciou a montagem de tapumes para isolar o Pavilhão Lucio Costa e a Casa do Zelador durante as obras. A cobertura da Sacristia Velha também será restaurada.

Com recursos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) na ordem de R$ 1,6 milhão, o prazo para a conclusão dos trabalhos das obras emergenciais é de aproximadamente três meses, com possibilidade de prorrogação, caso seja necessário, para a devolução do museu ao seu projeto original.

Projetado em 1940 pelo arquiteto Lucio Costa (1902-1998), o Museu das Missões é parte de sítio arqueológico considerado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

Reunindo representativa coleção pública de imagens sacras e fragmentos missioneiros do Mercosul, exibe ao público uma coleção da arte barroca elaborada pelos índios guarani nas reduções jesuíticas (séculos XVI e XVII).

Obras em MG e RJ
Outro museu da rede do Instituto Brasileiro de Museus que iniciou esta semana um processo de restauração integral foi o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais (MG).

A diretora do museu B.Constant com o presidente do Ibram em recente visita

A diretora do museu B.Constant, Eliane Carrilho, com Marcelo Araujo, presidente do Ibram, em recente visita ao museu antes do início das obras

A intervenção física será realizada com o intuito de preservar as características estruturais, formais e estéticas do museu, situado em antigo sobrado de fins do século XVIII, na cidade de Caeté, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde 1950.

O prazo previsto para a execução dos serviços será de 12 meses e o custo é de aproximadamente R$ 2,7 milhões. Saiba mais.

Já a primeira fase das obras de restauração no Museu Casa de Benjamin Constant, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), também já iniciadas, envolvem dois prédios históricos: a casa onde morou Benjamin Constant e a sede administrativa, a “casa amarela” – construídos nos séculos XIX e XX, respectivamente. Para esta primeira fase estão sendo investidos recursos de R$ 2,1 milhões por parte do Ibram.

O museu, que fica no bairro carioca de Santa Teresa, estará aberto ao público até o dia 30 de dezembro e sem data prevista para a reabertura.

Além desses museus, há atualmente obras em andamento no Museu Victor Meirelles, em Florianópolis (SC), e processos licitatórios para requalificação do Museu Regional de São João del-Rei (MG), Museu Casa Histórica de Alcântara (MA) e Museu Casa da Hera (RJ).

Atualmente, o Ibram conta com 29 museus federais sob sua gestão. Conheça os museus da rede Ibram.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Museu das Missões e Museu Casa de Benjamin Constant/Divulgação

Museu Regional de Caeté volta a expor parte do acervo ao público

31.05_caeteO Museu Regional de Caeté, fechado ao público em outubro de 2012, voltou a expor parte de seu acervo ao público. O prédio principal continua fechado, mas os visitantes poderão percorrer o pátio interno e duas salas do anexo.

Os visitantes irão conhecer parte do acervo composto por mobiliário e objetos de época, além de peças de arte popular e de arte sacra de cunho popular.

O espaço está aberto de terça à sexta, das 09 às 16 horas; e nos sábados, domingos e feriados, das 12 às 16 horas. A entrada é franca e feita pela rua de trás do Museu (Rua Monsenhor Domingos s/nº, próximo ao SAAE Caeté).

Requalificação: presidente do Ibram visita museus Ibram em obras

Museu Lasar Segall deve ser reaberto em outubro deste ano

Museu Lasar Segall deve ser reaberto em outubro deste ano

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, esteve na segunda-feira (17), em São Paulo (SP), em visita ao Museu Lasar Segall – único museu a integrar a rede Ibram no estado.

Acompanhado pelo diretor da instituição, Jorge Scwhartz, o presidente viu de perto o andamento das obras de requalificação do museu, um dos nove vinculados ao instituto que teve contratados serviços deste tipo no final do ano passado. Outros nove têm previsão de entrar em obras ainda este ano.

Para o Museu Lasar Segall, foi contratada empresa de engenharia especializada com o objetivo de recuperar as coberturas e anexos, além das instalações elétrica, telefônica, lógica e luminotécnica, do Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e do sistema de segurança. Os projetos serão concluídos com recursos do Fundo Nacional de Cultura (FNC) e Petrobras, no valor total de R$ 2,5 milhões.

Presidente do Ibram entrega ao prefeito de Caeté, Zezé Oliveira, correspondência da presidência

Presidente do Ibram entrega ao prefeito de Caeté, Zezé Oliveira, correspondência da presidenta

Por conta das obras, que já estão em andamento, o museu está fechado até outubro. Atividades como cursos, oficinas, ação educativa e exposições, continuarão a ser promovidas pelo Museu Lasar Segall externamente, em parceria com outras instituições culturais, como a Fundação Ema Klabin e Centro Cultural São Paulo (CCSP). A programação já foi iniciada.

Em Caeté
No sábado (22), o presidente do Ibram visitou o Museu Regional de Caeté, em Minas Gerais, outra instituição vinculada ao Ibram que passa por obras de requalificação. Na pauta estavam questões ligadas ao patrimônio histórico-cultural.

Angelo Oswaldo também levou ao município mineiro mensagem da presidenta da República, Dilma Rousseff, parabenizando pelos 300 anos da Vila Nova da Rainha (atual Caeté), comemorados neste mês.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação Prefeitura de Caeté

Presidente do Ibram participa de cerimônia pelos 300 anos de Serro (MG)

Museu Regional Casa dos Ottoni

Museu Regional Casa dos Ottoni

As cidades de Serro e Caeté, em Minas Gerais (MG), completam amanhã (29), 300 anos de criação. Importantes centros irradiadores da cultura e história mineiras, os municípios contam com dois emblemáticos museus da rede Ibram: o Museu Regional Casa dos Ottoni, no Serro, e o Museu Regional de Caeté.

Cidadão honorário de Serro, o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, participa neste dia 29 do encerramento das celebrações pelo 300 anos de Vila do Príncipe – fundada em 1714 em homenagem ao futuro rei D. José I, filho de D. João V.

Às 9h, acontece a entrega da comenda 300 anos de Vila do Príncipe pelo atual prefeito da cidade a 18 ex-prefeitos, e às 10h, no adro da Igreja do Carmo, será feita a abertura da urna com a memória da campanha de mobilização pela preservação do patrimônio de Serro. Angelo Oswaldo fará o discurso final como orador da cerimônia.

Museu Regional de Caeté (MG)

Museu Regional de Caeté

História
Serro foi a primeira cidade inscrita pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) na lista do patrimônio histórico brasileiro, em 1938.

Um de seus principais atrativos, o Museu Casa dos Ottoni foi criado em 1949 e ocupa uma construção do século XVIII. Seu acervo é formado principalmente por imagens de arte católica, e o museu começa a ser restaurado e revitalizado dentro do PAC das Cidades Históricas. Saiba mais.

Criada na mesma data como “Vila do Ouro”, a cidade de Caeté, que reúne igrejas barrocas com peças atribuídas a Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738–1814), também já está em festa pelos seus 300 anos. A cidade é a sede do Museu Regional de Caeté, instalado em uma casa construída em fins do século XVIII.

O museu guarda um acervo composto por mobiliário e objetos de época, além de peças de arte popular e de arte sacra de cunho popular. Também atua na preservação da riqueza cultural, dos saberes e fazeres do povo de Caeté e seus distritos, promovendo cursos e oficinas sobre técnicas artesanais tradicionais na região.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Divulgação Ibram

Museu Regional de Caeté (MG) participa da Festa de N. S. do Rosário

O Museu Regional de Caeté participa ativamente da Festa de Nossa Senhora do Rosário desde 2010.

Neste ano, o Museu realizará uma palestra com o tema De Reis a Tambores – O Congado das Minas Gerais, com o historiador e pesquisador Jorge Dikamba. Além disso, o Museu cede seu espaço para a realização do Terço dos Homens com o grupo “Filhos de Maria”.

Após o terço haverá o cortejo da Santa, saindo do Museu,  com a participação do Grupo de Congado local e Mucambas da terceira idade. A procissão culminará na Igreja de Nossa Senhora do Rosário, onde será realizada uma Missa Conga.

Programação
Dia 04/10 – 18hrs – Palestra “De Reis a Tambores – O Congado das Minas Gerais” com Jorge Dikamba, pátio interno do Museu Regional de Caeté.

Dia 07/10 – 18:30hrs – Reza do Terço dos Homens com o grupo “Filhos de Maria”, pátio interno do Museu Regional de Caeté.

Dia 07/10 – 19hrs – Procissão até a Igreja do Rosário, participação do Congado Santo Antônio e do grupo de Mucambas da terceira idade, concentração em frente ao Museu Regional de Caeté.

Dia 07/10 – 19:30hrs – Realização de Missa Conga, Igreja da Nossa Senhora do Rosário.

M. Regional de Caeté participa da festa da padroeira da cidade

O Museu Regional de Caeté, pelo terceiro ano consecutivo, participou da procissão realizada em homenagem a Nossa Senhora do Bom Sucesso, padroeira da cidade. As festividades iniciaram-se no início do mês de agosto e terminaram dia 15, dia da Assunção de Nossa Senhora.

A procissão, que encerra as festividades, sempre conta com a participação de milhares de fiéis e é a maior festa da cidade. O Museu, que se situa no trajeto da procissão, homenageia a passagem da imagem, com execução de “Ave Maria”.

 Neste ano, a homenagem contou com partipação de um quinteto de saxofones, que emocinou o público com sua interpretação. Essa iniciativa está inserida na proposta que o Museu Regional de Caeté possui de aproximação e participação direta com a comunidade.

 Fonte: Museu Regional de Caeté

Museu Regional de Caeté completa 32 anos

O Museu Regional de Caeté (MG) completa 32 anos no próximo dia 17 de fevereiro. As comemorações começam nesta sexta-feira (11/2) com a exposição Palmas Barrocas, da artista Neuza Chagas de Sabará, e se encerram no dia 17, com recital de violão comandado pelo músico Sidney do Vale, servidor do Museu.  A programação também faz parte das festividades de 297 anos da cidade de Caeté (MG).

O Museu está instalado em um prédio histórico de estilo colonial, datado de 1765, localizado no centro da cidade de Caeté, região metropolitana de Belo Horizonte (MG). O seu acervo é composto, principalmente, de mobiliário e peças sacras, com destaque para a Capela de São Manoel e a coleção de oratórios e imagens de santos em exposição.

Programação:
11 de fevereiro
15h – Abertura da exposição Palmas Barrocas – artista Neuza Chagas – aberta até 28/2
19h30min – Show musical com o saxofonista Fernando Nascimento, acompanhado pelos músicos Braulinho Santiago e Wilson (Cabecinha).

16 de fevereiro
Exibição de filme para estudantes do EJA (evento fechado).

17 de fevereiro
Recital de Violão com Sidney do Vale.