Página 1 de 812345...Última »

MNBA inicia restauro de 11 esculturas

As obras integram o acervo das Galerias de Moldagens, que estão entre os locais mais visitados do MNBA, e passarão por restauro pela primeira vez.

As obras integram o acervo das Galerias de Moldagens, que estão entre os locais mais visitados do MNBA, e passarão por restauro pela primeira vez.

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), no Rio de Janeiro (RJ), deu início ao restauro de 11 esculturas que integram o acervo de suas Galerias de Moldagens, que estão entre os locais mais visitados da instituição.

A coleção é constituída por peças moldadas em gesso sobre originais do período romano e do grego clássico, advindas principalmente de coleções italianas e francesas, a partir do início do século XIX.

As obras, que passarão por este processo pela primeira vez, serão objeto de restauração estrutural e estética. A equipe de restauração é composta por cinco técnicos. Financiado pelo Ministério da Cultura, o projeto está orçado em cerca de R$ 500 mil e tem supervisão da coordenadora de restauração do MNBA, Larissa Long.

Um conjunto inicial de quatro obras começou a ser restaurado na semana passada. São elas as esculturas Pequeno Ídolo; Apolo Matador de Lagarto/Sauróctono; Fauno e o Cabrito; e Centauro montado por Eros/Cupido.

Mais de 1,2 mil itens do acervo MNBA estão disponíveis online

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) é uma das 15 instituições brasileiras a participar do projeto O que é Arte Contemporânea? – lançado pelo Google Arts & Culture na última semana. O MNBA integra a rede do Instituto Brasileiro de Museus no Rio de Janeiro (RJ).

Café, 1935

O quadro Café (1935), de Portinari, está entre os itens mais populares na coleção MNBA no novo projeto Google Arts & Culture

O museu traz para o projeto 10 histórias, narrativas em torno de um personagem ou tema, e 1.251 itens de seu acervo, distribuídos em uma centena de coleções.

Entre os artistas brasileiros, a coleção Renina Katz é a que traz mais itens digitalizados (87). Já entre os artistas estrangeiros, destaque para o francês Eugène Boudin com 35 itens.

Também é possível encontrar coleções a partir de uma técnica específica, como Tinta Acrílica ou Água-Forte, ou movimento artístico – Barroco ou Art Nouveau, por exemplo.

É possível ainda agrupar os itens mais populares ou ver todas as coleções em uma linha do tempo. Confira a galeria com as coleções MNBA no Google Arts & Culture.

No total, participam do projeto O que é Arte Contemporânea? 51 instituições de todo o mundo. São mais de 500 obras capturadas pela Art Camera do Google, que gera imagens em ultra-resolução.

A Fundação Bienal de São Paulo, o Instituto Tomie Ohtake e unidades do Centro Cultural Banco do Brasil são algumas das outras instituições brasileiras no projeto. Todas as coleções são gratuitas tanto na web quanto no aplicativo Google Arts & Culture para Android e IOS. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: MNBA/Divulgação

MNBA completa 81 anos com homenagens e duas novas exposições

Edifício do MNBA no início do século XX: 81 anos de história em exposição

Edifício do MNBA no início do século XX: 81 anos de história em exposição

No sábado (13), o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), completa 81 anos de criação e celebra a data com a entrega de diplomas e a abertura de duas novas exposições.

A cerimônia, que tem início às 11h e é aberta ao público, contará com a presença do Ministro da Cultura, Sérgio de Sá Leitão, e do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Mattos Araujo.

O Diploma Quirino Campofiorito é entregue pelo museu desde 2011 para personalidades que contribuíram de forma relevante para a preservação da arte, do patrimônio e da cultura brasileira. Neste ano serão agraciados ex-diretores da instituição e funcionários do museu – como Lígia Martins, atualmente com 104 anos.

Após a apresentação do Coral Unati, da Universidade Candido Mendes, serão abertas duas novas exposições: A reinvenção do Rio de Janeiro e O espaço da arte.

Resgate da memória e arte brasileira
Cerca de 60 peças, entre pinturas, documentos, objetos, gravuras e fotografias, compõem a exposição A reinvenção do Rio de Janeiro: Avenida Central e a memória arquitetônica do MNBA, que se propõe a resgatar parte da história do museu criado em 1937 e aberto ao público a partir de 1938.

Obra de Portinari (Brodósqui, 1948) estará em exposição no MNBA

Obra de Portinari (Brodósqui, 1948) estará em exposição no MNBA

A curadoria dos técnicos do museu dividiu a exposição em três núcleos: as origens do museu, abordando o papel seminal da Academia Imperial de Belas Artes; a modernização da Avenida Central (atual Avenida Rio Branco), a partir de 1904; e, por último, o protagonismo do MNBA no cenário nacional e internacional.

O aspecto da preservação também integra a mostra, ao abordar a restauração do prédio que sedia o museu – inaugurado há 110 anos.

Em processo de reformulação, a Galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea fará uma prévia do que está por vir com a exposição O espaço da arte. Estarão à mostra 51 obras da coleção MNBA, reunindo trabalhos de artistas que impactaram as artes visuais brasileiras a partir do século XX.

Optando pela abordagem da espacialidade na obra de arte, os curadores da exposição lembram que suas transformações ao longo do século passado foram essenciais para se entender as mudanças visuais e conceituais que geram conseqüências no fazer de hoje.

As exposições ficam em cartaz até 27 de maio. Saiba os horários, preço de ingressos e como chegar ao MNBA.

Texto e imagens: MNBA/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museu Victor Meirelles celebra os 185 anos de nascimento do seu patrono

O Naufrágio da Medusa - Victor Meirelles (1857/1858) - óleo sobre papel colado em cartão - 35,9 x 52,5cm

O Naufrágio da Medusa: Victor Meirelles (1857/1858) – óleo sobre papel colado em cartão – 35,9 x 52,5cm / Divulgação: Museu Victor Meirelles/Ibram

O Museu Victor Meirelles (MVM/Ibram), em Florianópolis (SC), comemora os 185 de nascimento do seu patrono nesta sexta-feira (18), com a abertura da exposição Victor em 4D – Segundo Módulo: A Dimensão Histórica, a partir das 19h.

A programação inclui a realização de uma mesa-redonda, às 16h, com o professor Mário César Coelho, do curso de História da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e com o curador Pedro Xexéo.

Mário César é graduado em Arquitetura e Urbanismo, com mestrado e doutorado em História Cultural pela UFSC, e falará sobre as coleções de Estudos de Embarcações de Victor Meirelles.

Pedro Xexéo é museólogo e crítico de arte, tendo integrado o corpo técnico do Museu da Inconfidência de Ouro Preto, em Minas Gerais, e atuado como coordenador técnico do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro. O tema do seu painel será A Batalha dos Guararapes de Victor Meirelles na 25ª Exposição Geral de Belas Artes, no Rio de Janeiro, em 1879.

No mesmo dia, será realizada também a cerimônia da assinatura dos documentos de transferência definitiva de um conjunto de obras do Museu Nacional de Belas Artes, enviadas para o MVM em 1952, 1961 e 1983. As obras passarão a integrar o acervo permanente do Museu Victor Meirelles e farão parte da exposição em cartaz.

A exposição Victor em 4D – A Dimensão Histórica fica em cartaz até o dia 11 de novembro de 2017. O Museu Victor Meirelles está funcionando em sua sede provisória, na Rua Rafael Bandeira, nº 41 – Centro. A entrada é gratuita.

Texto: Ascom/Museu Victor Meirelles
Edição: Ascom Ibram

Exposição fotográfica homenageia o Cardeal do Rio de Janeiro

Fotos para exposição - Orani,O Pastor da UnidadeO Museu Nacional de Belas Artes/Ibram , em parceria com o Vicariato para Comunicação Social e Cultura da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro, abre nesta quinta-feira (6) a exposição fotográfica “Que todos sejam Um”.

A mostra reúne cerca de 130 imagens e alguns objetos que fazem parte da história do Arcebispo Metropolitano do Rio de Janeiro, Cardeal Orani João Tempesta, que completou 20 anos de ordenação episcopal e oito anos à frente da Arquidiocese do Rio de Janeiro. Para o co-curador da mostra e pesquisador do MNBA, Amândio Miguel, “a exposição é uma crônica fotográfica de Dom Orani Tempesta e a cidade do Rio de Janeiro”.

“A exposição será dividida em quatro módulos, que mostrarão o incansável trabalho deste paulista de São José do Rio Pardo(1950) nos mais diversos contrastes e realidades da cidade, segundo a ótica e pelas lentes do fotógrafo carioca Gustavo de Oliveira”, explica o cônego Marcos Willian Bernardo, assessor da Comunicação Social e Cultura da Arquidiocese do Rio.

Na mostra, o público vai poder apreciar imagens de Dom Orani no seu relacionamento com a comunidade, um outro segmento apresenta sua Ordenação de Bispo; o cardeal no seu cotidiano; e a temática específica da Jornada Mundial da Juventude, evento realizado no Rio de Janeiro em 2013.  A exposição fica em cartaz até setembro.

Museu Nacional de Belas Artes recebe vice-ministro da Cultura da China

O vice-ministro da Cultura da China, Yang Zhijin, esteve no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, no Rio de Janeiro, na última semana, para tratar de parcerias culturais.

A diretora do museu recebe a comitiva chinesa no MNBA

A diretora do museu recebe a comitiva chinesa no MNBA

A autoridade chinesa foi recebida pela diretora do museu, Monica Xexéo, e coordenadores das áreas de conservação, comunicação museológica, comunicação social e técnica.

Acompanhado da sua comitiva, o vice-ministro chinês conheceu a Galeria de Arte Brasileira do Século XIX e a Galeria de Arte Brasileira Moderna e Contemporânea.

Também visitou algumas das exposições temporárias em cartaz, como Alegoria às Artes – Leon Palliére, Escola de Belas Artes: 1816-2016 e Joaquim Lebreton e a Missão Francesa.

Na reunião com a direção do MNBA, Yang Zhijin, entre outros assuntos tratados, reforçou o desejo da China de incentivar o intercâmbio entre artistas e entre museus.

A visita ao MNBA foi uma das atividades oficiais do vice-ministro, que esteve com o ministro da Cultura Roberto Freire em Brasília. Saiba mais sobre a visita.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MNBA/Divulgação

Ibram e Google disponibilizarão online acervos de cinco museus

Imagens em alta definição de bens culturais pertencentes aos acervos de cinco museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) estarão disponíveis online nos próximos meses.

Museu Lasar Segall em SP é uma das instituições integradas ao projeto Ibram-Google

Museu Lasar Segall em SP é uma das instituições participantes da parceria entre Ibram e Google

Resultado de parceria entre o Ibram e a Google Inc, por meio do Projeto Google Art, a digitalização tem como objetivo promover os museus brasileiros e seus acervos, democratizando o acesso ao vasto patrimônio que essas instituições preservam.

Nesta primeira fase do projeto participam o Museu Imperial, em Petrópolis (RJ); o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), os Museus Castro Maya e o Museu Histórico Nacional (MHN), localizados no Rio; além do Museu Lasar Segall, em São Paulo (SP).

Inicialmente, estarão disponíveis online imagens do interior e edificação dos museus, por meio da tecnologia Street View, imagens de peças emblemáticas dos acervos de cada instituição, capturadas em alta definição (ArtCamera), além de conteúdos relacionados – como plantas baixas e dados de identificação (metadados) das obras.

Trabalho em processo
Com as imagens das galerias e edificações dos museus já capturadas, está em andamento a fotografia das obras: cerca de 100 imagens devem ser feitas em cada instituição. Com a inclusão dos metadados, a última fase será a construção das exposições virtuais que alinham as obras em torno de narrativas.

GoogleArt_Print

Projeto Google Art já possui cerca de 45 mil obras disponíveis online

O lançamento dos conteúdos digitais dos museus Ibram na plataforma Google deve acontecer durante o 7º Fórum Nacional de Museus, na cidade de Porto Alegre (RS), no mês de junho.

O Google Art é um projeto sem fins lucrativos desenvolvido pelo Instituto Cultural da Google. Com instituições parceiras em mais de 60 países, e cerca de 45 mil obras online, 26 instituições brasileiras já se encontram no projeto – como Pinacoteca de São Paulo, Museu do Amanhã (RJ), Fundação Athos Bulcão (DF) e Inhotim (MG).

A proposta é divulgar os acervos culturais, obras de arte e documentos históricos que estão fisicamente em museus e instituições de todo o mundo por meio da rede mundial de computadores, ampliando sua acessibilidade para pessoas no mundo inteiro. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Ibram/Divulgação

Presidente do Ibram realiza segunda visita técnica a museus do RJ

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araujo, realiza, desde a sexta-feira (13), visitas técnicas a unidades da rede de museus Ibram no estado do Rio de Janeiro (RJ), além de outras instituições museológicas no Rio.

Esta é a segunda série de visitas a museus do Ibram no RJ desde que Marcelo Araujo assumiu o cargo – a primeira foi em outubro do ano passado. No total, o Ibram possui 14 museus no estado.

Agenda
No dia 13, na capital fluminense, Araujo visitou o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA), onde participou das celebrações pelos 80 anos de criação do museu. Saiba mais.

80 anos do MNBA: Marcelo Araujo acompanhou a programação no Rio

80 anos do MNBA na sexta (13): Marcelo Araujo acompanhou a programação no Rio

Nesta segunda-feira (16), o presidente conhece a futura sede da Representação Regional do Ibram no centro do Rio. Também visita o Museu Villa-Lobos/Ibram, localizado no bairro de Botafogo, atualmente fechado para obras de modernização.

A agenda, que inclui reuniões com as equipes de cada museu da rede Ibram, prossegue na terça-feira (17), com visita ao Museu de Arqueologia de Itaipu (MAI), em Niterói (RJ); e segue na quinta-feira (19) com ida ao Museu Casa da Hera, na cidade de Vassouras (RJ).

“Busco uma gestão mais próxima e forte entre equipes. As visitas técnicas são importantes para conhecer e conversar com os servidores de cada museu”, explica o presidente do Ibram. “É fundamental pensar o instituto como uma equipe única e integrada, capaz de desenvolver projetos transversais”.

Ao longo da semana, ele participa ainda de compromissos públicos e visitas técnicas a outros museus cariocas – como Museu do Samba, Sítio Burle Max, Museu da Maré e Instituto Casa Roberto Marinho.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: MNBA/Divulgação

Exposição Joaquim Lebreton e a Missão Francesa está em cartaz no MNBA

Apoteose de São Nicola

Apoteose de São Nicola: obra está em exposição no MNBA

O Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro, inaugurou ontem (14), a exposição Joaquim Lebreton – do cenário artístico em 1816 à Missão Francesa no Rio de Janeiro.

A mostra comemorativa dos 200 anos da chegada da Missão Artística Francesa ao Brasil reúne cerca de 50 obras, entre pinturas, esculturas, desenhos e documentos.

O MNBA responde pela maioria das obras expostas, porém trabalhos relevantes da coleção do Museu Histórico Nacional/Ibram, da Fundação Biblioteca Nacional e do Museu D. João VI(EBA/UFRJ), completam a exposição.

Dividida em quatro módulos, a exposição congrega alguns importantíssimos acervos públicos, destacando a presença de obras de Taunay, Leandro Joaquim, Marc Ferrez, Pradier, Marc Ferrez, Grandjean de Montigny e Corrado Giaquinto, entre outros e poderá ser vista até 12 março de 2017. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Imagem: MNBA/Divulgação

“Do asilo ao museu”: tese premiada será apresentada ao público em Brasília

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em Brasília (DF), recebe na terça-feira (13), o museólogo Eurípedes Gomes da Cruz Jr., reconhecido com a outorga de Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese 2016 na área de Ciências Sociais Aplicadas.

O convidado, que é responsável pelo setor de esculturas do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), vai apresentar sua premiada tese Do asilo ao museu: ciência e arte nas coleções da loucura, resultado de nove anos de trabalho, entre mestrado e doutorado, do pesquisador, sob orientação da professora Lena Vania Ribeiro Pinheiro.

Tese de Eurípedes trata de tema inovador na museologia

Tese de Eurípedes trata de tema inovador na Museologia

A apresentação é aberta ao público, basta confirmar a presença no e-mail eventos@museus.gov.br, e acontece no auditório do Ibram (Setor Bancário Norte, Quadra 2 Bloco N – Edifício CNC III – sobreloja).

Trabalho pioneiro
Realizado junto ao Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), o trabalho, considerado pioneiro nesta seara, destaca o papel da Museologia para integrar à História da Arte parcela significativa de criadores dela excluídos, em âmbito brasileiro, por conta de marginalização social causada por diversos motivos.

“Meu foco situa-se mais nas coleções que abrigam obras de pessoas rotuladas como loucas, mas também abre indagações sobre as questões éticas trazidas pela exposição desses trabalhos e seus autores que são estendidas a outras categorias de artistas que não pertencem aos círculos estabelecidos pelo campo tradicional da arte”, explica o pesquisador.

Com extensa revisão bibliográfica – fruto de oito meses de pesquisa em bibliotecas e museus no exterior – sobre o que foi produzido acerca do assunto nos campos da Ciência e da Arte, o trabalho, que também abarca a história das primeiras exposições com esta temática realizadas no Brasil, tenciona servir de referência na indicação de pistas e fontes para os pesquisadores do campo.

No dia seguinte a palestra (14), acontece a entrega do prêmio em cerimônia na sede da Capes, também em Brasília (DF). Durante o evento, os outorgados com menção honrosa serão destacados. A tese de Eurípedes Gomes da Cruz Jr. pode ser baixada e lida, na integra, na página do Programa de Pós-Graduação em Museologia da Unirio/MAST.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Acervo pessoal/Divulgação

Página 1 de 812345...Última »