Indígenas divulgam pintura corporal no Museu da Inconfidência

Neste Dia do Índio, 19 de abril, o Museu da Inconfidência, em parceria com o Museu do Índio (Funai/RJ), ofereceu à comunidade oficinas de pintura corporal promovidas por dois casais indígenas Asurini, vindos do Pará. Os participantes puderam conferir de perto o trabalho feito com extrato de urucum e jenipapo, além de terem a oportunidade de receber, no corpo, as ilustrações com grafismos características da tribo.

O grupo, acompanhado de um técnico da Funai, Fábio Ribeiro, exibiu vídeos de sua cultura e, em bate-papo, ressaltou a importância da luta contra o preconceito e respeito à diversidade. “Todos sabem que nesta terra que hoje é o Brasil, um dia, só viviam índios. Hoje a maioria da população não se lembra disso”, observou Ribeiro. 

As mesmas atrações serão realizadas nesta quarta-feira, dia 20, das 13h às 17h, no espaço em frente à Sala Manoel da Costa Athaide, anexo do Museu da Inconfidência. Na sala, está em cartaz a mostra Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu, a ser encerrada no dia 24 de abril. Os indígenas permanecem em Ouro Preto até sexta-feira e, no período, comercializarão arte em cerâmica, artefatos em madeira e adornos corporais.

O quê: atividades ligadas à exposição Ritual da Imagem: Arte Asurini do Xingu

Quando: oficinas e bate-papo nos dias 19 e 20/04, das 13h às 17h. Venda de artesanato até sexta-feira, 22/04, e encerramento da mostra no dia 24 de abril. Visitação das 12h às 18h

Onde: Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I do Museu da Inconfidência. Rua Vereador Antônio Pereira, 33, Centro Histórico, Ouro Preto (MG)

Informações: (31) 3551-6023; 9258-8407 e 3551-4977.

Museu da Inconfidência expõe arte indígena

Ritual da Imagem – Arte Asurini do Xingu. Esse é o nome da exposição que o Museu da Inconfidência, em parceria com o Museu do Índio (Funai/RJ), traz a Ouro Preto (MG). A inauguração coincidirá com o Dia Nacional da Cultura, 5 de novembro, a partir das 20h30, na Sala Manoel da Costa Athaide (Anexo I do museu). No auditório, será exibido making of das peças confeccionadas este ano pelas índias do médio rio Xingu. A curadoria da exposição é da professora e antropóloga Regina Polo Müller.

O objetivo da mostra é apresentar a arte indígena como bem cultural, que traz o modo de viver de um povo – um patrimônio a ser preservado. Serão valorizados os modos de fazer tradicionais da cerâmica e do grafismo Asurini, promovendo a transmissão dos saberes entre as gerações. O público poderá conferir arte cerâmica, grafismo, pintura corporal e peças do acervo do Museu do Índio do Rio.

Hoje, o grupo Asurini soma cerca de 150 pessoas, falantes da língua Asurini, da família linguística Tupi-guarani. A aldeia localiza-se a poucas horas da cidade de Altamira (PA). Na sua economia atual, comercializam a produção de objetos da cultura material, dentre eles, as peças da arte cerâmica que os distinguem fortemente dos outros povos indígenas brasileiros por sua elaborada decoração com desenhos geométricos e acabamento em verniz vegetal.

Museu do Índio – O Museu do Índio, órgão científico-cultural da Fundação Nacional do Índio (Funai), foi criado por Darcy Ribeiro, no bairro do Maracanã, no Rio de Janeiro, em 1953. É a única instituição oficial no País dedicada às culturas indígenas. Hoje, possui rico acervo relativo à maioria das sociedades indígenas contemporâneas: 16 mil publicações nacionais e estrangeiras especializadas em Etnologia e áreas afins na Biblioteca Marechal Rondon, uma das mais completas e especializadas da América do Sul em temática indígena; mais de 70 mil documentos audiovisuais em diversos tipos de suporte, parte já digitalizada e armazenada em CD-Roms; 126 mil documentos textuais de valor histórico sobre os diversos grupos indígenas e cerca de 200 filmes, vídeos e gravações sonoras. (Fonte: www.museudoindio.gov.br)