Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos lança campanha de financiamento

Instituição se volta às memórias narradas pelos moradores de favelas e quilombos urbanos, promovendo exposições, debates e oficinas.

Instituição se dedica às memórias narradas por moradores de favelas e quilombos urbanos, promovendo exposições, debates e oficinas.

O Muquifu – Museu dos Quilombos e Favelas Urbanos, iniciativa pioneira de museologia social em Belo Horizonte (MG), abriu a campanha “Seja amigo e parceiro do Muquifu!”, voltada ao recebimento de contribuições para a manutenção da instituição.

Criado em 2012 no Morro do Papagaio, o Muquifu tem como vocação garantir o reconhecimento e a salvaguarda das favelas, enquanto “verdadeiros quilombos urbanos do Brasil”: lugares não apenas de sofrimento e de privações, mas, também, de memória coletiva digna de ser cuidada. A instituição reúne como acervo fotografias, objetos, imagens de festas, danças, celebrações, tradições e histórias que representam a tradição e a vida cultural dos moradores das diversas favelas e quilombos urbanos.

Museu de território e comunitário, o Muquifu atua como instrumento de resistência diante do risco iminente de expulsão dos favelados dos centros urbanos; e pelo reconhecimento e preservação do patrimônio, histórias, memórias e bens culturais dos moradores dos quilombos urbanos e favelas de Belo Horizonte.
Tocada basicamente por voluntários, a instituição se volta às memórias narradas pelos moradores dessas comunidades, habitadas predominantemente por pessoas negras, promovendo exposições, debates e oficinas. Conheça melhor o trabalho realizado pelo Muquifu.

Interessados em ser amigos do museu podem colaborar mensalmente por meio da plataforma Padrim com valores iniciados em R$ 1. Todo o dinheiro arrecadado será usado para a manutenção do espaço. Colabore aqui.

Experiências de museus do RS serão apresentadas no 7º FNM

Os museus gaúchos têm lugar garantido no 7º Fórum Nacional de Museus (FNM). Diferentes experiências regionais (cases) de instituições e profissionais da área de museus no Rio Grande do Sul (RS) serão apresentadas durante o FNM 2017.

Museu de Território em Caxias do Sul (RS)

Museu de Território em Caxias do Sul (RS)

O Museu do Pão, localizado na cidade de Ilópolis (189 km de Porto Alegre), foi inaugurado em 2008 e tem foco na memória da cultura do pão trazida por imigrantes italianos. Além do museu, com projeto arquitetônico contemporâneo, há uma oficina de panificação e um moinho. A apresentação será feita por Ismael Rosset, diretor do museu.

O Museu do Sport Club Internacional, o “Museu do Inter”, será apresentado pela sua gerente geral, Mariana Rutenberg. Com 1,2 mil metros quadrados de exposição, o museu apresenta documentos históricos da trajetória do time porto-alegrense de 1909 até hoje.

De Caxias do Sul (128 km da capital), a museóloga e curadora Tânia Tonet traz a experiência do Museu de Território. Mantido pelo Instituto Hercules Galló, o museu ocupa duas edificações, além de jardim, e traz conceitos de exposição e ambiência com o objetivo de valorizar o patrimônio cultural da região e envolver a comunidade.

O Museu do Doce, ligado à Universidade Federal de Pelotas (261 km de Porto Alegre), tem como missão salvaguardar os suportes de memória da tradição doceira de Pelotas e região. Criado em 2011, o case será apresentado por Carla Gastaud, diretora Pró-tempore do museu.

Atividade no Museu das Ilhas em Porto Alegre (RS)

Atividade no Museu das Ilhas em Porto Alegre (RS)

Meio ambiente e cultura afro-brasileira
O projeto Territórios Negros: afro-brasileiros em Porto Alegre será o tema de Leonardo Rosa, coordenador da iniciativa da Companhia Carris. O projeto busca valorizar a história da população afro-brasileira na capital gaúcha por meio de um circuito urbano.

Em 2012, uma parceria entre a Universidade Federal do RS e uma associação cultural da Ilha da Pintada gerou o projeto Museu das Ilhas em Porto Alegre. Localizado em área de preservação ambiental, o ecomuseu se propõe a registrar o patrimônio cultural da comunidade. A apresentação será feita pela diretora do museu, Terezinha Carvalho.

Outra experiência de museu comunitário, desta vez em Santa Maria (290 km da capital), é o mote da apresentação de João Heitor da Silva Macedo, coordenador do Núcleo de Acervos e Exposições do Museu Comunitário Treze de Maio. A iniciativa busca integrar ações em prol da memória e da cultura negras na cidade.

O Roteiro Caminhos de Pedra, desenvolvido pela Associação Caminhos de Pedra em Bento Gonçalves (109 km de Porto Alegre), tem como foco resgatar, preservar e dinamizar a cultura trazida pelos imigrantes italianos à serra gaúcha a partir de 1875. Maristela Pastorello Lerin, que integra a diretoria da associação, apresenta o case.

Arquitetura europeia no Caminho das Pedras

Arquitetura europeia no Caminho das Pedras em Bento Gonçalves (RS)

Já o Coletivo Afetivo de Mulheres do Campo da Museologia (C.A.MU.CA.MU.) será apresentado por Marcelle Pereira, integrante do grupo.

A proposta, surgida no ano passado, reúne mulheres do campo da museologia no Brasil e tem, entre seus objetivos, “estimular o protagonismo feminino e a visibilidade das mulheres na sociedade e no campo da museologia” – como indica o manifesto do coletivo.

Os cases serão apresentados na sessão Painéis do 7º FNM entre os dias 31 de maio e 2 de junho, a partir das 10h. Confira a programação completa.

O 7º Fórum Nacional de Museus, organizado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), acontece no Centro de Eventos da PUC-RS, em Porto Alegre, entre os dias 30 de maio e 4 de junho de 2017. As inscrições online estão abertas até o dia 26 de maio.

Texto: Ascom/Ibram
fotos: Divulgação