Página 5 de 8« Primeira...34567...Última »

70 anos da CLT: Museu da República desenvolve ação educativa com CIEP

O Museu da República (MR/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), vem desenvolvendo, desde 12 de março, o projeto Educação e trabalho: uma ação de cidadania, com alunos do Programa de Educação de Jovens e Adultos (Peja) do Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) Tancredo Neves – vizinho ao museu no bairro do Catete.

Alunos do CIEP visitam Museu da República no Rio

O projeto é realizado a partir da exposição Trabalho, luta e cidadania: 70 anos da CLT, que está nas salas de exposição de curta duração do Museu da República  desde 15 de novembro de 2013 – e fica em cartaz até 18 de maio de 2014.

O objetivo da ação é desenvolver atividades de caráter educativo relacionados ao tema Trabalho, dirigidas a 240  homens e mulheres trabalhadores que chegam para as aulas noturnas após um dia de trabalho, ávidos por informações que possam contribuir para seu desenvolvimento pessoal. A maior parte deles são trabalhadores informais, camelôs, empregados domésticos e taxistas.

Etapas
Antecedendo a visita dos alunos, os professores do Peja/CIEP encontram com os educadores do MR, participam de palestra e fazem visita programada com o curador da exposição Trabalho, Luta e Cidadania: 70 anos da CLT, Marcus Vinicius Rodrigues.

Em um segundo momento, todos os alunos, no horário noturno, vistam todo o museu e suas exposições, e retornam, divididos em turmas, para conhecerem a exposição da CLT. A maioria não conhece o Museu da República nem nenhum outro museu.

Como resultado final de todas as ações, será montada no MR uma exposição sobre a memória do projeto, prevista para ser inaugurada no dia 5 de maio, chamada Trabalho e Cidadania.

O Museu da República define-se como um espaço de cidadania e tem como missão preservar, investigar e comunicar os testemunhos vinculados à História da República Brasileira. Mais informações pelo telefone (21) 2127.0324 ou pelo endereço eletrônico mr@museus.gov.br.

Texto e foto: Divulgação Museu da República
Edição: Ascom/Ibram

 

 

Cinema e História: Museu da República inicia projeto audiovisual no RJ

Silvio Tendler debate com o público após sessão

No dia 1º de Abril, às 20h, o Museu da República (MR/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), inaugura seu novo espaço para cinema e debates com o lançamento do documentário Os militares que disseram não, de Sílvio Tendler, e mais quatro dias com exibição de títulos de diferentes diretores.

A sessão de abertura será em uma tenda montada no jardim do MR, com participação do diretor Sílvio Tendler e convidados. A entrada é franca.

Com apoio da Mostra de Cinema Marcas da Memória, da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, o Cineclube Cinema e História Sílvio Tendler será um espaço para exibição de documentários e debates.

As exibições, sempre gratuitas, acontecerão duas vezes por mês no Museu da República, quinzenalmente, com convidados especiais para conversarem sobre os temas dos filmes exibidos.

Cartaz do filme de Maria de Medeiros que integra a mostra do MR

Contra a ditadura
Realizado em 2013, o filme de Tendler que abre o projeto audiovisual é sobre os militares que lutaram pela constituição, pela legalidade e contra o golpe de 1964, e que até hoje buscam reconhecimento na história, pois a sociedade pouco ou nada sabe a respeito de militares perseguidos, cassados, torturados e mortos, por defenderem a ordem constitucional e uma sociedade livre e democrática. Confira o trailer do filme.

Já no dia 2 de abril será exibido outro título de Tendler. Advogados contra a ditadura trata do papel dos advogados na defesa dos direitos e garantias dos cidadãos durante a ditadura militar.

No dia 3, o público poderá assistir ao filme Repare bem, da atriz e cineasta portuguesa Maria de Medeiros. Vencedor do Kikito de Melhor Filme no festival de Gramado de 2013, conta a história de três gerações de mulheres envolvidas na luta contra a ditadura militar.

Eu me lembro, de Luiz Fernando Lobo, é documentário que tem exibição no dia 4. O tema são os cinco anos das Caravanas da Anistia  e reconstrói a luta dos perseguidos por reparação, memória, verdade e justiça.

A programação especial encerra-se no dia 5 com a exibição de Duas Histórias, com direção de Ângela Zoé. O filme mostra a trajetória de dois militantes socialistas, com experiências diferentes, na luta contra a ditadura militar brasileira.

As sessões entre os dias 2 e 5 de abril acontecem no auditório do Museu da República, sempre às 20h. Outras informações sobre o evento podem ser obtidas pelos telefones (21) 2127.0333/0328 ou pelo endereço eletrônico mr.imprensa@museus.gov.br.

Texto: Divulgação MR
Foto: Internet/Memória do Esporte

Trajetória do Museu da República no RJ contada pela voz de antigos diretores

Museu da República (RJ)

Museu da República (RJ)

De 1960 até hoje, foram dez diretores, em sua maioria mulheres, que marcaram presença à frente do Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ). A partir da necessidade de organizar e sistematizar a documentação resultante dos seus mais de 50 anos de atividades,  foi criado o Programa de Memória Institucional do Museu da República (PMI/MR).

Coordenado pelo Arquivo Histórico e Institucional do Museu da República, o programa vem sendo desenvolvido desde 2011. Em 2014, iniciou-se a etapa de entrevistas baseada nos métodos de história oral.

Além de recontar a trajetória histórica do museu, o objetivo dessa tomada de depoimentos é também incorporá-los ao acervo na forma de documentos históricos audiovisuais. E todo esse material, produzido a partir da documentação impressa e das memórias orais dos entrevistados, será disponibilizado para consulta de pesquisadores e estudantes, ampliando a visibilidade e o conhecimento da trajetória da instituição que preserva a memória do período republicano brasileiro.

Outros desdobramentos poderão resultar desse processo. Exemplo disso é a produção de um livro sobre a história do Museu da República. Exposições e outros eventos também já estão sendo pensados a partir da materialização desse programa de resgate da memória e da trajetória do Museu da República.

O museu, que está localizado à Rua do Catete, 153, funciona de terça a sexta, das 10h às 17h; e sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h. Outras informações pelo telefone (21) 2127.0324 e pelo endereço eletrônico mr@museus.gov.br.

Texto: Divulgação Museu da República
Edição: Ascom/Ibram

Museu da República no RJ celebra 70 anos do cartunista Henfil

O cartunista faleceu aos em 1988 aos 43 anos

O cartunista faleceu em 1988 aos 43 anos

Se estivesse vivo, o cartunista Henfil (1944-1988) completaria 70 anos nesta quarta (5). Para marcar a data, o Instituto Henfil e a ONG Henfil Educação e Sustentabilidade realizam na data um evento comemorativo no Museu da República/Ibram, no bairro carioca do Catete, às 19h, com entrada gratuita.

O ator e diretor Paulo Betti, o escritor Sérgio Cabral, o jornalista Tárik de Souza e o músico Nelsinho Rodrigues são convidados para uma mesa redonda com breves falas sobre a memória, a obra e a relevância do trabalho do Henfil.

Também serão lançados novos números da Coleção Fradim, que a ONG Henfil Educação e Sustentabilidade começou a relançar em 2013, com o selo comemorativo 25 Anos sem Henfil – “Morro, mas meu desenho fica”. 

A série, composta por 31 revistas lançadas pelo cartunista originalmente entre 1970 e 1980, ganhou uma adicional edição zero e já conta com 12 revistas relançadas na íntegra, com previsão de disponibilização dos demais números até o final do mês de fevereiro.

Uma história nacional
Além de ser criador de alguns dos personagens mais queridos das tirinhas brasileiras, como a Graúna e os fradins Cumprido e Baixim, ou mesmo os mascotes de grandes times de futebol, como o Urubu do Flamengo, Henfil influenciou a vida política e social do país, participando de movimentos políticos importantes, como o da Anistia, e lançando a campanha pelas eleições diretas, cujo bordão “Diretas Já!”, inclusive, é de sua autoria.

Traços simples e viés político

Traços simples e viés político marcam os personagens das tirinhas de Henfil

“O Henfil legou ao Brasil uma obra de uma criatividade ímpar, que se mantém atual até hoje e instiga à reflexão sem perder nenhuma piada e, nem por isso, cair no óbvio ou ser apelativo”, explica o educador Mateus Prado, presidente de honra da ONG Henfil Educação e Sustentabilidade e idealizador do relançamento da Coleção Fradim.

“Ele deixa para sua geração e para as futuras preciosas lições de como fazer crítica social sem ser chato, de como dizer muito em poucos traços e com o mínimo de palavras, de como rir de si mesmo – de sua cultura, de seus costumes, de seus preconceitos – é uma das melhores formas de repensar os caminhos seguidos e questionar os valores praticados pelo senso comum”.

Texto: Divulgação Museu da República/Ibram
Foto: Divulgação/Internet

Regulamentação do Estatuto de Museus foi tema de debate no RJ

Com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre o decreto nº 8.124/2013, que regulamenta o Estatuto de Museus, o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, reuniu-se na sexta-feira (13) com colecionadores, leiloeiros, artistas e donos de galerias de arte no Museu da República, zona sul do Rio de Janeiro (RJ).

Angelo Oswaldo falou para auditório lotado no Museu da República/Ibram

Angelo Oswaldo (centro) falou para auditório lotado no Museu da República/Ibram

Além do presidente do instituto, também esteve presente Eliana Sartori, integrante da Advocacia Geral da União (AGU) e procuradora federal do Ibram, que ajudou a esclarecer os pontos mais polêmicos do decreto.

Essa é a segunda vez que o órgão responsável pela gestão dos museus brasileiros reúne os interessados para discutir os pontos ainda pouco esclarecidos da nova legislação – a primeira aconteceu em São Paulo (SP) no dia 28 de novembro.

Proteção sem invasão
Desde a publicação do decreto, opiniões contrárias a alguns dos tópicos do decreto têm sido registradas nas redes sociais e na imprensa, dando conta que o decreto 8.124/2013 “acabaria” com o mercado de artes no Brasil.

Segundo Angelo Oswaldo, o principal ponto de conflito, e que tem gerado polêmica, está na Declaração de Interesse Público, na qual o governo exerce o direito de preferência na aquisição de obras de arte levadas a leilão.

Oswaldo assegurou que o novo decreto não prejudica o mercado de arte no Brasil, uma vez que o Conselho Consultivo de Patrimônio Museológico, órgão responsável pela Declaração de Interesse Público de um bem cultural, só o fará após a elaboração de um dossiê fundamentando a necessidade de proteção especial sobre determinada obra de arte.

“Alguns posicionamentos atacam de forma infundada o governo, pois a nova legislação trabalha apenas na linha do acautelamento, da proteção e preservação dos bens culturais, públicos e privados, musealizados ou não”, explicou Angelo Oswaldo. “A intenção é a de salvaguardar a memória de uma coleção, ao invés de congelá-la, monitorando-a, mas sem invadir a privacidade de seus proprietários, tão pouco o direito à sua comercialização”.

Outro aspecto positivo destacado pelo presidente do Ibram é que o decreto reconhece o caráter lícito do relacionamento entre os museus públicos e suas associações de amigos, que atuam como instrumento de fomento de parcerias em projetos culturais, licitações e promoção de eventos diversos.

Já Eliana Sartori enfatizou que na própria Constituição Brasileira há o Artigo 216, que dispõe sobre o patrimônio cultural, onde é dito que a intenção é sempre proteger o bem cultural, e não interferir no direito de propriedade.

Por conta disso, a procuradora assegurou que a Declaração de Interesse Público só será formalizada por decisão do Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico, que deve examinar o grau de excepcionalidade e o valor histórico e artístico da peça em questão (musealizável ou não), arbitrando o direito de preferência do Estado brasileiro sobre sua aquisição.

Saiba mais sobre os principais aspectos do decreto nº 8.124/13.

Texto: Ricardo Portugal/Ascom Museu da República
Edição: Ascom/Ibram
Foto: Patrícia Fernandes/Museu da República

 

Presidente do Ibram vai debater no Rio decreto que protege coleções

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, estará nesta sexta-feira (13), às 14h30, no Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), com o objetivo de discutir e esclarecer dúvidas sobre o recém aprovado Decreto 8.124/2013, que regulamenta o Estatuto de Museus.

O encontro que vai acontecer no auditório do museu, no bairro do Catete, é o segundo que o órgão promove para tratar do assunto e deve reunir especialmente colecionadores, diretores de museus e outros representantes do setor.

Museu da República (RJ)

Encontro acontece no Museu da República (RJ)

No dia 29 de novembro, Angelo Oswaldo esteve em São Paulo (SP) com um grupo de artistas, galeristas e colecionadores para esclarecer sobre pontos do decreto que têm despertado dúvidas, especialmente o que trata da Declaração de Interesse Público.

“A declaração de interesse público visa preservar a memória de acervos e de bens, sem afetar sua comercialização e localização. O objetivo é proteger o patrimônio cultural, integrado ou não aos museus”, explica o presidente do Ibram, que solicitou ao grupo a construção de um documento com as principais dúvidas em relação ao decreto. Saiba mais.

Para o diretor do instituto Itaú Cultural, Eduardo Saron, que participou do encontro e será responsável por formatar o documento, a reunião foi muito produtiva. “Conseguimos nos entender e abrir um importante canal de diálogo com o governo”, disse. Para outras informações escreva para faleconosco@museus.gov.br.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Museu da República e MNBA participam da 1ª Bienal Internacional da Caricatura

Cavalcante retrata personagens emblemáticos do país…

Teve início  no dia 27 de novembro, a 1ª Bienal Internacional da Caricatura. Idealizada pelo caricaturista e historiador Luciano Magno, o evento, que segue até 30 de março de 2014, traz 30 mostras históricas e contemporâneas em vários estados brasileiros. Os museus da República e Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro (RJ), vinculados ao Ibram/MinC, participam desta edição.

…como a presidenta da República, além de personagens da cultura nacional

No Museu da Republica, a exposição Te vi Guidacc, em cartaz até 20 de fevereiro de 2014, acontece na galeria principal do Jardim Histórico do antigo Palácio do Catete, e apresenta caricaturas do artista gráfico de Manaus (AM), Jorge Guidacci, que notabilizou-se como um dos mais combativos desenhistas de humor dos anos 70.

Além da exposição, o museu receberá neste fim de semana (dias 7 e 8), às 18h, diversos artistas do desenho e pesquisadores. Durante os encontros, eles vão trocar impressões sobre seus trabalhos e refletir sobre as múltiplas questões que envolvem a profissão.

Cavalcante no MNBA
Os traços inconfundíveis de Cavalcante inauguram um capítulo importante da Bienal de Caricatura, a partir de sexta- feira (6), no MNBA/Ibram. Com 25 anos de carreira e uma longa trajetória na imprensa, Paulo Cavalcante, nesta sua primeira exposição retrospectiva, reunindo 114 trabalhos, vai mostrar caricaturas, charges, pinturas, desenhos, e esboços artísticos inéditos. A exposição segue até 9 de março de 2014.

A programação da 1ª Bienal Internacional da Caricatura, que conta também com o apoio do Centro Cultural Justiça Federal e outras instituições culturais brasileiras, inclui ainda mostras com obras de artistas como Manoel de Araújo Porto-Alegre (patrono da caricatura brasileira), Calixto Cordeiro, Hermé, Zé Andrade, Glen Batoca, e outros. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Imagens: Divulgação MNBA

Exposição sobre CLT abre dia 15 no Museu da República no RJ

Em 2013, completam-se 70 anos da promulgação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), marco na luta dos trabalhadores pela conquista e reconhecimento de direitos trabalhistas e sociais no Brasil. Para celebrar a data, o Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), abre na sexta-feira (15), data também de seu aniversário de criação, a mostra Trabalho, Luta e Cidadania: 70 anos da CLT.

O trabalho das mulheres também é tema da exposição

O trabalho das mulheres também é tema da exposição

Espalhada por três salas expositivas, a exposição aborda a questão do trabalho desde meados do século XIX até os dias de hoje, descrevendo as conquistas e dificuldades dos trabalhadores e debatendo questões a partir de objetos e documentos que pertenceram a ex-presidentes e trabalhadores e integram o acervo da instituição – alguns deles nunca expostos.

Entre os itens inéditos apresentados, que fica em cartaz até 18 de maio de 2014, estão a primeira Carteira de Trabalho emitida no Brasil, cujo titular era o presidente Getúlio Vargas; o primeiro exemplar impresso da CLT e o capacete e óculos que foram presenteados ao ex-presidente Lula em visita oficial a um poço petrolífero na bacia de Campos, em 2007.

A exposição mostra o início das lutas dos trabalhadores, as reivindicações acerca do trabalho feminino e infantil e as primeiras leis conquistadas no contexto da Revolução de 1930. Questões atuais também são colocadas, como a exploração da mão de obra infantil e o trabalho escravo, os trabalhadores domésticos e suas recentes conquistas, o novo papel da mulher nas relações produtivas, as consequências da desregulamentação trabalhista, os trabalhadores informais, as mudanças na CLT e o efeito da Internet e da globalização no mundo formal do trabalho.

Texto e foto: divulgação Museu da República

13ª Primavera dos Livros começa hoje (24) no Museu da República no RJ

O Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ),  apresenta, de 24 a 27 de outubro, a 13ª Primavera dos Livros, maior feira editorial independente do país. O evento tem entrada franca e acontece nos jardins do museu das 10h às 22h.  O Museu da República localiza-se à Rua do Catete, 153 (metrô Catete).

Evento ocupa o jardim do antigo Palácio do Catete

Evento ocupa o jardim do antigo Palácio do Catete

Reunindo uma produção editorial diversificada, a feira conta com cerca de 100 editoras de todo o país e mais de 15 mil títulos à venda com descontos de até 50%. Também estão programados oficinas, bate-papos, apresentações artísticas e lançamento de novos autores. Veja a programação completa.

Este ano, a Primavera dos Livros homenageia o poeta Vinícius de Moraes e o cronista Rubem Braga, celebrando o centenário de nascimento dos dois expoentes da literatura brasileira.

Garrincha, “o anjo das pernas tortas” (como foi chamado por Vinicius de Moraes), também será homenageado. Se estivesse vivo, o antigo craque do Botafogo e da Seleção Brasileira estaria completando 80 anos.

Texto: Divulgação Museu da República
Foto: Divulgação

Rio de Janeiro articula rede de memória e museologia social

Pontos de Memória, museus comunitários e ecomuseus do Rio de Janeiro vão se reunir na próxima quarta-feira, 23 de outubro, às 16h, no auditório do Museu da República/Ibram (Rua do Catete, 153 – Centro ), para discutir a formação e movimentação de uma rede,  como meio de fortalecer, de forma autônoma e horizontal, o conjunto de experiências de museologia social  que se encontram em diferentes estágios de desenvolvimento.

A ideia da rede também surge para potencializar a conexão e  a troca de experiências entre as cerca de 30 iniciativas identificadas no estado, desenvolvidas por comunidades, grupos e movimentos sociais que trabalham com a memória como ferramenta de luta, resistência e transformação social.

Além da estruturação da rede,  estará em pauta a participação de seus representantes na Teia Rural, encontro dos pontos de cultura do Rio de Janeiro, que acontecerá de 5 a 8 de dezembro, nas redondezas do Ponto de Cultura Rural, em Bom Jardim, região serrana do estado.

Também participam da reunião representantes do Programa Pontos de Memória do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/ MinC), o professor e museólogo  Mário Chagas, e  a coordenadora do Sistema de Museus do estado do Rio de Janeiro, Lucienne Figueiredo. Mais informações pelo telefone (21) 8103.1315.

Texto: Pontos de Memória Ibram

Página 5 de 8« Primeira...34567...Última »