Página 5 de 9« Primeira...34567...Última »

Servidoras do Ibram participam de eventos nas áreas de registro e memória

Neste mês de setembro, duas servidoras vinculadas ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) representarão o instituto fora do país. Ainda esta semana, Maria Helena Versiani, pesquisadora do Museu da República (RJ), viaja à cidade de Dresden (Alemanha) para participar da Conferência Anual do Comitê Internacional para Documentação, organizada pelo Conselho Internacional de Museus (ICOM), que acontece entre os dias 5 e 12. Ela irá apresentar o trabalho Memórias de uma coleção histórica.

Museu da República (RJ)

O Museu da República (RJ) guarda acervo que preserva a memória da constituinte de 1988

“O trabalho, resumidamente, discute o processo de formação de um conjunto documental preservado no Museu da República com o nome de Coleção Memória da Constituinte”, explica Maria Helena.

Esse acervo, segundo ela, possui a especificidade de ser uma documentação formada por instâncias da administração pública vinculadas ao Ministério da Cultura (MinC), criadas especificamente para atuar no processo constituinte, que resultou na promulgação da atual Constituição Federal em 1988.

A pesquisadora ressalta que alguns aspectos da formação desse acervo indicam, em grande medida, escolhas políticas dos agentes responsáveis por sua acumulação e organização como patrimônio histórico documental.

“Trata-se de uma coleção museológica que valoriza a redemocratização do Brasil, em contraposição ao regime autoritário imposto no país a partir do golpe de 1964,” conclui Maria Helena Versiani.

Espanha
Já a Coordenadora-Geral de Sistemas de Informação Museus do Ibram, Rose Miranda, que em 2013 apresentou a situação do registro de museus no Brasil no I Encontro do Comitê Assessor do Observatório Ibero-Americano de Museus (OIM) em Toledo (Espanha), se prepara para mais uma atividade no país. Entre 13 e 22 de setembro, ela volta à mesma cidade para participar do segundo encontro do OIM – projeto enquadrado dentro do Programa Ibermuseus.

Matéria relacionada
Observatório Ibero-Americano de Museus se reúne na Espanha

Aula inaugural de MBA no RJ trata sobre museus no século XXI

O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, ministra, no dia 27 de agosto, às 17h, aula inaugural na Pós-graduação lato sensu MBA em Gestão de Museus. A palestra com o tema Os museus no século XXI tem entrada franca e acontece no Museu de Arte do Rio (MAR), localizado à Praça Mauá, no centro do Rio de Janeiro (RJ).

Resultado da parceria entre a Associação Brasileira de Gestão Cultural (ABGC) e o MAR, o curso é direcionado para gestores públicos e privados, profissionais que atuam em museus, centros de cultura e patrimônio, além de áreas multidisciplinares, e visa capacitá-los para planejar, gerenciar, comunicar e garantir a sustentabilidade dos museus. Saiba mais.

Também estão abertas as inscrições para a Pós-graduação lato sensu em Educação Museal. Fruto da cooperação técnica estabelecida entre os Museus Castro Maya (Chácara do Céu) e Museu da República com a Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec), via Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), o curso visa especializar e qualificar graduados em qualquer área de conhecimento para desempenhar atribuições profissionais específicas do educador museal. As inscrições podem ser feitas até o dia 11 de setembro. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram

Cineclube do Museu da República celebra o cineasta Glauber Rocha

O Cineclube Cinema e História Silvio Tendler, do Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), faz uma homenagem ao cineasta baiano Glauber Rocha amanhã (1º de agosto). O motivo é a comemoração dos 50 anos de lançamento do filme Deus e o diabo na terra do sol, indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1964.

Glauber_LabirintoSerá exibido, às 18h30, o documentário Glauber, o Filme – Labirinto do Brasil, produzido em 2003, dirigido pelo cineasta Silvio Tendler. O filme faz uma radiografia do Cinema Novo, a partir das ideias de um de seus maiores ícones.

Antes, Silvio Tendler e o cineasta Sergio Santeiro falam sobre a vida e a obra de Glauber. O evento será mediado por Elizabeth Abel de Figueiredo, museóloga, historiadora e pesquisadora do Museu da República. A entrada é franca.

Conhecido como “o cineasta dos vencidos” ou “o cineasta dos sonhos interrompidos”, Tendler abordar em seus filmes personalidades como os ex-presidentes João Goulart e Juscelino Kubitschek,  ou o guerrilheiro Carlos Marighella. O cineasta já produziu cerca de 40 filmes, entre curtas, médias e longas-metragens.

O Museu da República localiza-se à Rua do Catete, 153 (estação de metrô Catete). Saiba mais.

Texto: Divulgação Museu da República
Imagem: Divulgação

Encontro de comitê do Icom contou com relatos de experiências de museus Ibram

O Museu Lasar Segall (SP) e o Museu da República (RJ), vinculados ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), estiveram representados, entre os dias 23 e 28 de junho, no IX Encontro Regional do Comitê de Educação e Ação do Conselho Internacional de Museus (Ceca-Icom), realizado em Lima, (Peru), onde foram apresentadas experiências de diversos museus da América Latina e do Caribe voltadas para o bem comum.

ceca_logoA diretora do Museu da República, Magaly Cabral, que é membro do comitê  há 37 anos, falou no encontro sobre as experiências da instituição com o projeto educativo Trabalho e Cidadania, desenvolvido a partir da exposição Trabalho, Luta e Cidadania – 70 anos da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

No projeto, os educadores do museu trabalharam com alunos jovens e adultos, com idade entre 15 e 70 anos. “Muitos eram trabalhadores domésticos. O museu abriu à noite para recebê-los, foi muito interessante”, explicou. Segundo a diretora, o Museu da República é frequentemente citado em eventos, como o Encontro Regional Ceca-Icom, como exemplo por suas ações educativas.

Magaly Cabral ressalta que a principal mensagem do encontro foi a de que os  museus devem estar cientes de sua responsabilidade frente ao público. “Nós devemos sempre ouvir o público e estar com ele. Sem público não existe museu, a instituição vira apenas um depósito”, afirmou.

O Museu Lasar Segall também compartilhou suas experiências por meio da palestra Educador em foco: autonomia e protagonismo no Museu Lasar Segall. Elaine Carvalho Fontana, educadora do museu, expôs a forma colaborativa de gestão da equipe na instituição. Nessa linha, o educador – que está em contato direto com o público – atua como protagonista, realiza pesquisas e compartilha experiências pessoais com a equipe do Lasar Segall.

O encontro
O tema do IX Encontro Ceca-Icom 2014, Museus e Bem Comum, teve o intuito de analisar a educação dentro dos museus como veículo para alcançar o desenvolvimento sociocultural, em relação aos assuntos de identidade e à mudança política.

Entre os objetivos estavam recuperar o imaginário coletivo e reforçar a identidade cultural através da educação nos museus, multiplicar esforços e experiências, conectar os museus a partir do vínculo educativo, desenvolver a cooperação entre profissionais para criar projetos internacionais.

A Comissão de Educação e Ação Cultural (Ceca) é um dos mais antigos comitês internacionais do Conselho Internacional de Museus. Com mais de mil membros provenientes de cerca de 85 países, uma de suas maiores comissões, é formada por profissionais que atuam em diferentes setores do campo museal ou em instituições ligadas a área. Saiba mais (em espanhol).

Texto: Ascom/Ibram

Filme sobre Tancredo Neves será exibido no Museu da República

O documentário Tancredo, a travessia, do diretor Silvio Tendler, será exibido no dia 17 de abril, às 19h, no Museu da República/Ibram (Rua do Catete, 153), no Rio de Janeiro (RJ). A entrada é franca.

Poster do filme de Tendler

Poster do filme de Tendler

A sessão será seguida de conversa com o diretor e a pesquisadora, museóloga e historiadora do museu Elizabeth Abel de Figueiredo, abordando a trajetória de Tancredo Neves e a campanha pelas Diretas Já!- que completa 30 anos em 2014.

O documentário, lançado em 2011, aborda os três principais momentos da vida política do mineiro Tancredo Neves: ministro da Justiça de Getúlio Vargas na crise política de agosto de 1954, cujos desdobramentos levaram o presidente ao suicídio; primeiro-ministro em razão da renúncia do presidente Jânio Quadros, em 1961; e como candidato a presidente da República e presidente eleito, em 1985, com a missão de restabelecer o governo civil e a democracia no Brasil.

Foram entrevistadas 28 personalidades – políticos, jornalistas, artistas e familiares – que conviveram com o presidente Tancredo Neves e foram, ao lado dele, protagonistas dos mais importantes fatos políticos ocorridos no Brasil desde a última metade do século 20. Assista ao trailer.

Tancredo, a Travessia complementa uma trilogia de Silvio Tendler, que começou com Os Anos JK e continuou com Jango, presidentes cujas biografias foram marcadas por um compromisso indissolúvel com a democracia e o futuro da nação e do povo brasileiro.

Texto: divulgação Museu da República
Imagem: divulgação

70 anos da CLT: Museu da República desenvolve ação educativa com CIEP

O Museu da República (MR/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), vem desenvolvendo, desde 12 de março, o projeto Educação e trabalho: uma ação de cidadania, com alunos do Programa de Educação de Jovens e Adultos (Peja) do Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) Tancredo Neves – vizinho ao museu no bairro do Catete.

Alunos do CIEP visitam Museu da República no Rio

O projeto é realizado a partir da exposição Trabalho, luta e cidadania: 70 anos da CLT, que está nas salas de exposição de curta duração do Museu da República  desde 15 de novembro de 2013 – e fica em cartaz até 18 de maio de 2014.

O objetivo da ação é desenvolver atividades de caráter educativo relacionados ao tema Trabalho, dirigidas a 240  homens e mulheres trabalhadores que chegam para as aulas noturnas após um dia de trabalho, ávidos por informações que possam contribuir para seu desenvolvimento pessoal. A maior parte deles são trabalhadores informais, camelôs, empregados domésticos e taxistas.

Etapas
Antecedendo a visita dos alunos, os professores do Peja/CIEP encontram com os educadores do MR, participam de palestra e fazem visita programada com o curador da exposição Trabalho, Luta e Cidadania: 70 anos da CLT, Marcus Vinicius Rodrigues.

Em um segundo momento, todos os alunos, no horário noturno, vistam todo o museu e suas exposições, e retornam, divididos em turmas, para conhecerem a exposição da CLT. A maioria não conhece o Museu da República nem nenhum outro museu.

Como resultado final de todas as ações, será montada no MR uma exposição sobre a memória do projeto, prevista para ser inaugurada no dia 5 de maio, chamada Trabalho e Cidadania.

O Museu da República define-se como um espaço de cidadania e tem como missão preservar, investigar e comunicar os testemunhos vinculados à História da República Brasileira. Mais informações pelo telefone (21) 2127.0324 ou pelo endereço eletrônico mr@museus.gov.br.

Texto e foto: Divulgação Museu da República
Edição: Ascom/Ibram

 

 

Cinema e História: Museu da República inicia projeto audiovisual no RJ

Silvio Tendler debate com o público após sessão

No dia 1º de Abril, às 20h, o Museu da República (MR/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ), inaugura seu novo espaço para cinema e debates com o lançamento do documentário Os militares que disseram não, de Sílvio Tendler, e mais quatro dias com exibição de títulos de diferentes diretores.

A sessão de abertura será em uma tenda montada no jardim do MR, com participação do diretor Sílvio Tendler e convidados. A entrada é franca.

Com apoio da Mostra de Cinema Marcas da Memória, da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, o Cineclube Cinema e História Sílvio Tendler será um espaço para exibição de documentários e debates.

As exibições, sempre gratuitas, acontecerão duas vezes por mês no Museu da República, quinzenalmente, com convidados especiais para conversarem sobre os temas dos filmes exibidos.

Cartaz do filme de Maria de Medeiros que integra a mostra do MR

Contra a ditadura
Realizado em 2013, o filme de Tendler que abre o projeto audiovisual é sobre os militares que lutaram pela constituição, pela legalidade e contra o golpe de 1964, e que até hoje buscam reconhecimento na história, pois a sociedade pouco ou nada sabe a respeito de militares perseguidos, cassados, torturados e mortos, por defenderem a ordem constitucional e uma sociedade livre e democrática. Confira o trailer do filme.

Já no dia 2 de abril será exibido outro título de Tendler. Advogados contra a ditadura trata do papel dos advogados na defesa dos direitos e garantias dos cidadãos durante a ditadura militar.

No dia 3, o público poderá assistir ao filme Repare bem, da atriz e cineasta portuguesa Maria de Medeiros. Vencedor do Kikito de Melhor Filme no festival de Gramado de 2013, conta a história de três gerações de mulheres envolvidas na luta contra a ditadura militar.

Eu me lembro, de Luiz Fernando Lobo, é documentário que tem exibição no dia 4. O tema são os cinco anos das Caravanas da Anistia  e reconstrói a luta dos perseguidos por reparação, memória, verdade e justiça.

A programação especial encerra-se no dia 5 com a exibição de Duas Histórias, com direção de Ângela Zoé. O filme mostra a trajetória de dois militantes socialistas, com experiências diferentes, na luta contra a ditadura militar brasileira.

As sessões entre os dias 2 e 5 de abril acontecem no auditório do Museu da República, sempre às 20h. Outras informações sobre o evento podem ser obtidas pelos telefones (21) 2127.0333/0328 ou pelo endereço eletrônico mr.imprensa@museus.gov.br.

Texto: Divulgação MR
Foto: Internet/Memória do Esporte

Trajetória do Museu da República no RJ contada pela voz de antigos diretores

Museu da República (RJ)

Museu da República (RJ)

De 1960 até hoje, foram dez diretores, em sua maioria mulheres, que marcaram presença à frente do Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ). A partir da necessidade de organizar e sistematizar a documentação resultante dos seus mais de 50 anos de atividades,  foi criado o Programa de Memória Institucional do Museu da República (PMI/MR).

Coordenado pelo Arquivo Histórico e Institucional do Museu da República, o programa vem sendo desenvolvido desde 2011. Em 2014, iniciou-se a etapa de entrevistas baseada nos métodos de história oral.

Além de recontar a trajetória histórica do museu, o objetivo dessa tomada de depoimentos é também incorporá-los ao acervo na forma de documentos históricos audiovisuais. E todo esse material, produzido a partir da documentação impressa e das memórias orais dos entrevistados, será disponibilizado para consulta de pesquisadores e estudantes, ampliando a visibilidade e o conhecimento da trajetória da instituição que preserva a memória do período republicano brasileiro.

Outros desdobramentos poderão resultar desse processo. Exemplo disso é a produção de um livro sobre a história do Museu da República. Exposições e outros eventos também já estão sendo pensados a partir da materialização desse programa de resgate da memória e da trajetória do Museu da República.

O museu, que está localizado à Rua do Catete, 153, funciona de terça a sexta, das 10h às 17h; e sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h. Outras informações pelo telefone (21) 2127.0324 e pelo endereço eletrônico mr@museus.gov.br.

Texto: Divulgação Museu da República
Edição: Ascom/Ibram

Museu da República no RJ celebra 70 anos do cartunista Henfil

O cartunista faleceu aos em 1988 aos 43 anos

O cartunista faleceu em 1988 aos 43 anos

Se estivesse vivo, o cartunista Henfil (1944-1988) completaria 70 anos nesta quarta (5). Para marcar a data, o Instituto Henfil e a ONG Henfil Educação e Sustentabilidade realizam na data um evento comemorativo no Museu da República/Ibram, no bairro carioca do Catete, às 19h, com entrada gratuita.

O ator e diretor Paulo Betti, o escritor Sérgio Cabral, o jornalista Tárik de Souza e o músico Nelsinho Rodrigues são convidados para uma mesa redonda com breves falas sobre a memória, a obra e a relevância do trabalho do Henfil.

Também serão lançados novos números da Coleção Fradim, que a ONG Henfil Educação e Sustentabilidade começou a relançar em 2013, com o selo comemorativo 25 Anos sem Henfil – “Morro, mas meu desenho fica”. 

A série, composta por 31 revistas lançadas pelo cartunista originalmente entre 1970 e 1980, ganhou uma adicional edição zero e já conta com 12 revistas relançadas na íntegra, com previsão de disponibilização dos demais números até o final do mês de fevereiro.

Uma história nacional
Além de ser criador de alguns dos personagens mais queridos das tirinhas brasileiras, como a Graúna e os fradins Cumprido e Baixim, ou mesmo os mascotes de grandes times de futebol, como o Urubu do Flamengo, Henfil influenciou a vida política e social do país, participando de movimentos políticos importantes, como o da Anistia, e lançando a campanha pelas eleições diretas, cujo bordão “Diretas Já!”, inclusive, é de sua autoria.

Traços simples e viés político

Traços simples e viés político marcam os personagens das tirinhas de Henfil

“O Henfil legou ao Brasil uma obra de uma criatividade ímpar, que se mantém atual até hoje e instiga à reflexão sem perder nenhuma piada e, nem por isso, cair no óbvio ou ser apelativo”, explica o educador Mateus Prado, presidente de honra da ONG Henfil Educação e Sustentabilidade e idealizador do relançamento da Coleção Fradim.

“Ele deixa para sua geração e para as futuras preciosas lições de como fazer crítica social sem ser chato, de como dizer muito em poucos traços e com o mínimo de palavras, de como rir de si mesmo – de sua cultura, de seus costumes, de seus preconceitos – é uma das melhores formas de repensar os caminhos seguidos e questionar os valores praticados pelo senso comum”.

Texto: Divulgação Museu da República/Ibram
Foto: Divulgação/Internet

Regulamentação do Estatuto de Museus foi tema de debate no RJ

Com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre o decreto nº 8.124/2013, que regulamenta o Estatuto de Museus, o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, reuniu-se na sexta-feira (13) com colecionadores, leiloeiros, artistas e donos de galerias de arte no Museu da República, zona sul do Rio de Janeiro (RJ).

Angelo Oswaldo falou para auditório lotado no Museu da República/Ibram

Angelo Oswaldo (centro) falou para auditório lotado no Museu da República/Ibram

Além do presidente do instituto, também esteve presente Eliana Sartori, integrante da Advocacia Geral da União (AGU) e procuradora federal do Ibram, que ajudou a esclarecer os pontos mais polêmicos do decreto.

Essa é a segunda vez que o órgão responsável pela gestão dos museus brasileiros reúne os interessados para discutir os pontos ainda pouco esclarecidos da nova legislação – a primeira aconteceu em São Paulo (SP) no dia 28 de novembro.

Proteção sem invasão
Desde a publicação do decreto, opiniões contrárias a alguns dos tópicos do decreto têm sido registradas nas redes sociais e na imprensa, dando conta que o decreto 8.124/2013 “acabaria” com o mercado de artes no Brasil.

Segundo Angelo Oswaldo, o principal ponto de conflito, e que tem gerado polêmica, está na Declaração de Interesse Público, na qual o governo exerce o direito de preferência na aquisição de obras de arte levadas a leilão.

Oswaldo assegurou que o novo decreto não prejudica o mercado de arte no Brasil, uma vez que o Conselho Consultivo de Patrimônio Museológico, órgão responsável pela Declaração de Interesse Público de um bem cultural, só o fará após a elaboração de um dossiê fundamentando a necessidade de proteção especial sobre determinada obra de arte.

“Alguns posicionamentos atacam de forma infundada o governo, pois a nova legislação trabalha apenas na linha do acautelamento, da proteção e preservação dos bens culturais, públicos e privados, musealizados ou não”, explicou Angelo Oswaldo. “A intenção é a de salvaguardar a memória de uma coleção, ao invés de congelá-la, monitorando-a, mas sem invadir a privacidade de seus proprietários, tão pouco o direito à sua comercialização”.

Outro aspecto positivo destacado pelo presidente do Ibram é que o decreto reconhece o caráter lícito do relacionamento entre os museus públicos e suas associações de amigos, que atuam como instrumento de fomento de parcerias em projetos culturais, licitações e promoção de eventos diversos.

Já Eliana Sartori enfatizou que na própria Constituição Brasileira há o Artigo 216, que dispõe sobre o patrimônio cultural, onde é dito que a intenção é sempre proteger o bem cultural, e não interferir no direito de propriedade.

Por conta disso, a procuradora assegurou que a Declaração de Interesse Público só será formalizada por decisão do Conselho Consultivo do Patrimônio Museológico, que deve examinar o grau de excepcionalidade e o valor histórico e artístico da peça em questão (musealizável ou não), arbitrando o direito de preferência do Estado brasileiro sobre sua aquisição.

Saiba mais sobre os principais aspectos do decreto nº 8.124/13.

Texto: Ricardo Portugal/Ascom Museu da República
Edição: Ascom/Ibram
Foto: Patrícia Fernandes/Museu da República

 

Página 5 de 9« Primeira...34567...Última »