Página 1 de 812345...Última »

Palácio Rio Negro reabre ao público em Petrópolis com nova exposição

Palacio Rio Negro_fachada

Fachada do Palácio Rio Negro em Petrópolis (RJ)

O Palácio Rio Negro/Ibram, em Petrópolis (RJ), recebeu obras de requalificação e reabre ao público nesta sexta-feira (12), com a exposição Histórias do Palácio Rio Negro.

A mostra reúne painéis com fotos e textos sobre as diversas fases do palácio, acontecimentos e personagens que transitaram pelas suas salas e corredores. Histórias vivenciadas antes da construção pertencer ao Governo Federal e se tornar a residência de verão oficial dos presidentes do Brasil até os dias de hoje.

Outro destaque é a abertura, pela primeira vez, do quarto que foi ocupado por Getúlio Vargas (1882-1954). Os móveis originais, que estavam na reserva técnica do Museu da República, unidade do Ibram que administra o palácio, estão agora à vista do público.

A obra de requalificação da infraestrutura elétrica foi realizada no interior e no exterior do palácio e incluiu, entre outras melhorias, instalação de eletrocalhas, equipamentos para a antiga casa de geradores, para-raios e iluminação da fachada – destacando os detalhes da arquitetura.

O projeto foi realizado pelo Instituto Cultural Cidade Viva (ICCV) em parceria com o Palácio Rio Negro e Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) – com o patrocínio da Petrobras.

O Palácio Rio Negro
O palácio foi construído em estilo eclético em 1889 por encomenda do produtor de café Manoel Gomes de Carvalho, o Barão de Rio Negro,  que ocupou a propriedade até 1894. Em 1896, por causa da Revolta da Armada, o governo fluminense é transferido para Petrópolis e ocupa o palácio até 1903, ano em que passa a pertencer ao Governo Federal, transformando-se em residência oficial de veraneio dos presidentes da República.

O palácio, localizado na Av. Koeller, 255 – Centro, pode ser visitado de terça-feira a domingo, incluindo feriados, das 10h às 17h. Mais informações pelo telefone (24) 2246.2423.

Texto e foto: Divulgação Palácio Rio Negro
Edição: Ascom/Ibram

Jornada Republicana de março aborda movimentos feminista e LGBTTT

Jornada Republicana em março destaca a luta pela igualdade de direitos

Jornada Republicana em março destaca a luta pela igualdade de direitos

O Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), realiza na terça (28), a 39ª Jornada Republicana. O evento é aberto ao público e começa às 18h.

Em comemoração ao centenário da manifestação das mulheres russas que lutaram contra o sistema patriarcal, esta edição tem como tema Luzes fora da caverna: o movimento feminista e a questão LGBTTT nos dias atuais.

O debate será em torno dos avanços do movimento feminista e LGBTTT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros) nos dias atuais e a busca pela igualdade de direitos.

Participam desta edição Carolina Pires, Ana Muza Cipriano, Ana Cristina Audebert Ramos de Oliveira e Roberta Olivato Canheo. A medição será feita pelo museóloga Alejandra Saladino.

Sobre as participantes
Mestranda em Sociologia e Direito na Universidade Federal Fluminense (UFF), Carolina Pires é membro do Grupo de Pesquisa Sexualidade, Direito e Democracia (SDD) e Coordenadora do Projeto de Pesquisa Anastácia Bantu.

Ana Muza Cipriano é jornalista e idealizadora do primeiro jornal virtual do complexo Pavão, Pavãozinho e Cantagalo: PPG informativo. É negra, lésbica, mãe e militante social comunitária. Ana Cristina Ramos é museóloga e sua atuação tem ênfase em história da Museologia, documentação museológica e análise de coleções.

Já Roberta Canheo também integra o grupo SDD-UFF e é membro do grupo Elas existem-mulheres encarceradas. A mediadora, Alejandra Saladino, é museóloga do Museu da República e também professora colaboradora da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

O Museu da República fica na Rua do Catete 153. Mais informações pelo telefone (21) 2127.0324. Visite a página do museu na internet.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Museu da República inaugura exposição em homenagem a Clarice Lispector

Imagem: Obra de Pedro Gandra para a exposição ‘Somos todos Clarice’, no Museu da República/Ibram.

Obra de Pedro Gandra para a exposição Somos Todos Clarice

Em comemoração à data de nascimento da escritora Clarice Lispector (1920-1977), o Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ),  inaugura neste sábado (10), a exposição Somos Todos Clarice, na Galeria do Lago.

Com curadoria de Isabel Portella, a exposição reúne o trabalho de mais de 20 artistas do cenário carioca inspirados nos textos da escritora.

São pinturas acrílicas, aquarelas, fotografias e fotomontagens, além de performances e leituras de textos. Na área externa, uma grande instalação montada pelo grupo Aluga-se, composto por dez artistas, vai ocupar o coreto, com móveis e objetos que fazem referência aos poemas de Clarice.

A mostra ficará aberta ao público até o dia 10 de março de 2017. A classificação indicativa é livre e a entrada é franca. O Museu da República fica na Rua do Catete, 153 – Catete. Confira os horários de visitação e saiba como chegar ao Museu da República.

Antiga Vizinha
Clarice Lispector já foi vizinha do Palácio do Catete, que abriga o Museu da República desde 1970. Em 1940, após a morte de seu pai Pedro Lispector, Clarice e sua irmã Elisa se mudam para a residência da irmã Tania, que se casara em 1938 com William Kaufmann, situada à Rua Silveira Martins, na vila chamada de Condomínio Bairro Saavedra, vizinha ao hoje museu. Neste período a escritora, que já havia tido um conto seu publicado em um jornal semanário, estava se dedicando fortemente à escrita.

Texto e foto: Museu da República/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museu da República inaugura mostra temporária O Olimpo é Aqui

O Museu da República/Ibram recebe, a partir do dia 4 de outubro, a exposição temporária O Olimpo é Aqui, com imagens reproduzidas de espaços da sua própria arquitetura.

O Palácio do Catete, nome pelo qual o Museu é conhecido, guarda em sua história resquícios de tempos mais antigos. O visitante com olhar atento percebe a grande influência da mitologia greco-romana na decoração do palácio. Essa foi a impressão de muitos cronistas do século XIX, que chamaram o palácio de “quase romano”.

No Brasil do século XIX, dominado pelo neoclassicismo na arquitetura e nas artes, o Império buscava construir uma identidade nacional com olhos na Europa, não na diversidade de seu povo e nas tradições da época da Colônia. O Palácio do Catete não foi exceção: os deuses que ornam os salões tinham como objetivo passar mensagens para todos aqueles que pudessem compreender esses símbolos.

A mostra fica em cartaz até 30 de janeiro de 2017. O Museu da República funciona de terça a sexta das 10h às 17h e aos sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h.

ArtRio 2016: jardim do Museu da República recebe arte contemporânea

A edição 2016 da ArtRio, feira que reúne galerias nacionais e internacionais desde 2011 na capital fluminense, terá, pelo segundo ano consecutivo, o projeto Intervenções Bradesco ArtRio ocupando, com arte contemporânea, os jardins históricos do Museu da República/Ibram, no bairro do Catete.

Jose Bechara_MiniOxy

José Bechara expõe MiniOxy, da série Esculturas Gráficas (2007-2016)

Com curadoria da museóloga Isabel Portella, 14 artistas irão propor, entre os dias 27 de setembro e 2 de outubro, um diálogo entre as obras e a natureza local. A abertura acontece neste dia 27 (terça-feira), às 14h, e tem entrada franca.

“A ‘arte sem paredes’ como suporte, sem limites, sem portas de entrada, ganhando jardins e parques, proporciona diferentes e incontáveis leituras”, explica a curadora, “traduzindo o pensamento artístico do nosso tempo”.

Tombado em 1938, o jardim do antigo Palácio do Catete, que se espalha por uma área de 12 mil m², já passou por reformas, mas mantém o projeto original criado pelo paisagista francês Paul Villon (1841-1905), responsável por outros projetos na cidade do Rio de Janeiro, quando o palácio tornou-se sede da Presidência da República (1896).

Aproveitando o momento da ArtRio, no dia 27, a Galeria do Lago do Museu da República, dedicada a divulgar arte contemporânea, abre a exposição “Objetos Notáveis”, onde a artista visual Carla Chaim apresenta o resultado de um ano de pesquisa no museu, como parte do prêmio Foco Bradesco ArtRio 2015.

No dia 29, às 11h, acontece um encontro com a curadora Isabel Portella e a artista. A exposição pode ser visitada gratuitamente até o dia 27 de novembro. Saiba mais sobre o museu e como chegar.

Outros circuitos
Além do Museu da República, outros museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus integram os Circuitos Artísticos da ArtRio, que levam o público a conhecer roteiros de arte que estão em locais de visitação pública.

Intervenção de Adrianna Eu, Barco de cada um, no jardim do MR

Intervenção de Adrianna Eu, Barco de cada um, no jardim do Museu da República

O Museu da Chácara do Céu, em Santa Teresa, integra o circuito Museus e Espaços Culturais, com foco em arte moderna, popular e contemporânea.

O Museu do Açude, no Alto da Boa Vista, faz parte de dois roteiros: Circuito Tim Blue Man Group, com a azulejaria portuguesa presente no museu, e Circuito de Arquitetura – museus tombados, locais considerados “fundamentais na história da cidade e dos cariocas”. Neste circuito, inclui-se ainda o Museu Villa-Lobos/Ibram em Botafogo.

Já o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), na Cinelândia, integra o Circuito Artístico O Meu Rio. Para o curador Marcos Veloso o Rio é “repleto de lugares, de pequenas ‘quebradas’, de pontos quase imperceptíveis no mapa e de intensos e mutantes fluxos e trechos”.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Flávio Leão/Museu da República
Foto destaque: Trabalho de Flávio Cerqueira (Casa Triângulo) na intervenção 2015/Divulgação ArtRio

Museu Histórico Nacional tem visitação extraordinária durante Olimpíadas

Sede da Casa México durante os Jogos Olímpicos, o Museu Histórico Nacional (MHN/Ibram) recebeu entre os entre os dias 5 e 21 de agosto de 2016 mais de 17 mil visitantes, número maior que o dobro da média mensal de visitação em 2015 que foi de cerca de 7.500 visitantes/mês. De acordo com o diretor do museu, Paulo Knauss, o número é ainda maior se considerarmos a quantidade não contabilizada de crianças com menos de 5 anos, que visitou a exposição Frida e Eu, dirigida ao público infantil e criada em colaboração com Ministério da Cultura do Estado de Guerrero (México) e do Centro George Pompidou. Diogo Tubbs_MHN_Casa Mexico

Localizado no chamado Corredor Cultural dos Jogos Olímpicos, parte revitalizada do centro da cidade do Rio de Janeiro, o Museu Histórico Nacional abriga outras duas exposições com a temática da cultura mexicana: Jogos Olímpicos México 68-Rio 2016 e A Magia do Sorriso – composta por um acervo de 114 itens de objetos provenientes de sítios arqueológicos na região de Remojadas, atual estado de Veracruz, no México –, além das exposições O Brasil na Arte Popular- 40 Anos Casa do Pontal e Guerra do Contestado, Arte e Histórica por Hassis. Todas elas continuam abertas à visitação até o início do mês de outubro. Confira aqui a programação dos museus Ibram durante Olimpíadas.

Museu Casa de Benjamin Constant

Localizado no bairro de Santa Tereza, o Museu Casa de Benjamin Constant – que teve em sua programação a Caminhada Olímpica Republicana, realizada em parceria com o Museu da República -, também apresentou um aumento no número de visitantes durante as Olimpíadas, registrando um crescimento de 46% se comparado ao mesmo período no ano anterior. Além do elevado número de turistas na cidade do Rio de Janeiro na ocasião dos Jogos Olímpicos, este ano o mês de agosto coincidiu com o período de recesso escolar, alterado exatamente em função dos Jogos.

Foto: Diogo Tubbs/MHN

Caminhada Republicana ganha edição especial para as Olimpíadas

caminhadaolO Museu Casa de Benjamin Constant/Ibram, em parceria com o Museu da República/Ibram preparou duas edições da Caminhada Republicana para o período dos Jogos Olímpicos Rio 2016.  A atividade acontece nos dias 9 e 16 de agosto e os participantes passarão por diversos locais que marcam o Circuito Sítios Históricos da República, na cidade do Rio de Janeiro.

A atividade tem início da Estação do Bonde de Santa Teresa, com um passeio pelo bairro, seguido de visita ao Museu Casa de Benjamin Constant, Templo da Humanidade e Museu da República.

Serão distribuídas 30 senhas por dia, a partir das 7h30 na Estação do Bonde de Santa Teresa. Os telefones para informação são (21) 3970-1177 / 3970-1168.

Museu da República comemora Dia Mundial do Meio Ambiente

O Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro, vai comemorar a Semana Mundial do Meio Ambiente com várias atividades para crianças e adultos. No dia o6 de junho, segunda-feira, o Museu recebe mais de 100 alunos da escola Vital Brasil que irão participar, junto com os visitantes do Museu, de atividades ligadas à preservação do meio ambiente.

Na programação os alunos e os visitantes do Museu vão conhecer o processo de compostagem, o controle de vetores (dengue, ratos e pombos), participar de uma oficina de reciclagem com garrafas pet e assistir a apresentação do grupo de teatro Chegando de Surpresa, da COMLURB.

Além disso, serão distribuídas mudas aos presentes, que farão também uma visita mediada pelo Jardim Histórico do Museu da República. As atividades começam às 9:30 da manhã no pátio interno do Palácio do Catete.

Projeto Vidas Refugiadas ocupa os jardins do Museu da República

Os jardins do Museu da República (Ibram/MinC) recebem, a partir do próximo domingo, 01 de maio, o Projeto Vidas Refugiadas, que tem como foco mostrar o cotidiano de oito mulheres de diferentes nacionalidades no Brasil. A exposição é composta por 16 imagens, registradas pelo fotógrafo Victor Moriyama.

No lançamento, que acontece a partir das 16 horas, haverá um debate mediado pela realizadora do projeto, Gabriela Cunha Ferraz, contando com a presença de representantes da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil e da Caritas Arquidiocesana do Rio de Janeiro, além da nigeriana Nkechinyere Jonathan.

Representando aproximadamente 30% das pessoas refugiadas no Brasil, a mulher refugiada acaba herdando a invisibilidade já habitualmente experimentada pelas mulheres, fazendo com que suas dificuldades sejam menos ouvidas, suas particularidades desrespeitadas e sua feminilidade ignorada. O resultado desse processo de anulação limita seu acesso a direitos, impede sua plena integração e provoca uma perigosa repetição das violações já vivenciadas em seus países de origem.

A exposição ficará aberta ao público durante todo o mês de maio, com entrada gratuita e funcionamento das 09h às 18h.

Curso de Especialização em Educação Museal forma primeira turma

cursoespecializacaoChegou ao final, no Rio de Janeiro (RJ), a primeira edição do Curso de Pós Graduação Especialização em Educação Museal, realizado por meio de parceria técnica entre os Museus Castro Maya e o Museu da República, vinculados ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), e o Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro (ISERJ), via Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC).

Pioneiro neste nível de ensino no país, o curso, que forma agora sua primeira turma, tem como objetivo preencher uma lacuna na formação dos profissionais educadores em museus e centros culturais do país. A proposta é que instituições de cultura e de ensino atuem em conjunto na construção de uma ideia de educação que leve em conta a Formação Integral, tendo por base referências teóricas como o educador brasileiro Anísio Teixeira.

A partir deste sábado (19), cerca de 30 alunos defenderão seus Artigos de Conclusão, com temas de grande expressividade para o campo da Educação Museal. Serão apresentadas pesquisas que perpassam temas como Educação Infantil, Teatro, Artes, Acessibilidade, Público com Transtorno Mental, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Vandalismo e Patrimônio, Relações Étnico-Raciais e Historiografia da Educação de Museus e Centros Culturais.

Além dos temas citados, os trabalhos abordam debates políticos e conceituais do campo científico, em especial sobre a Política Nacional de Educação Museal (PNEM), preconizada pelo Instituto Brasileiro de Museus.

Página 1 de 812345...Última »