Museus Ibram e Igreja Positivista fecham parceria para conservação de acervo

A parceria com os museus Ibram prevê a remoção, higienização e catalogação das coleções, em boa parte inédita. Todo o acervo tridimensional e arquivístico da IPB será encaminhado ao Museu da República para tratamento em sua reserva técnica.

Parceria prevê a remoção, higienização e catalogação das coleções, em boa parte inédita. Todo o acervo tridimensional e arquivístico da IPB será encaminhado ao Museu da República para tratamento em sua reserva técnica.

O Museu da República e o Museu Casa de Benjamim Constant, vinculados ao Ibram, oficializaram nesta quarta-feira (21), com assinatura de Termo de Cooperação Técnica, parceria para oferecer tratamento técnico ao acervo museológico, arquivístico e bibliográfico da Igreja Positivista do Brasil (IPB).

Instituição formada por uma fração da elite intelectual do fim do século XIX, a Igreja Positivista tem sua sede no Rio de Janeiro (RJ) e atuou na então capital do Império e da República promovendo debates públicos e influenciando sobre as mais diversas questões da vida social brasileira. Um dos positivistas brasileiros mais conhecidos foi Benjamin Constant (1836-1891), considerado fundador de nossa república.

Tratamento e pesquisa histórica

Sediada no Templo da Humanidade, um dos poucos prédios no Brasil tombados nas três esferas de preservação do patrimônio (federal, estadual municipal), A IPB vem lutando para preservar seu rico acervo desde 2009, quando parte do telhado do prédio ruiu. A parceria com os museus Ibram prevê a remoção, higienização e catalogação das coleções, em boa parte inédita. Todo o acervo tridimensional e arquivístico da IPB será encaminhado ao Museu da República para tratamento em sua reserva técnica.

“Além ser um trabalho técnico de limpeza e catalogação, a parceria visa também produzir novo conhecimento sobre a história da república no Brasil”, afirma o historiador Marcos de Brum Lopes, do Museu Casa de Benjamim Constant, que é um dos coordenadores da ação. “Já estamos encontrando documentos que dialogam e preenchem lacunas da coleção do museu”, explica.

Para o museólogo André Angulo, do Museu da República, que também coordena o projeto, os documentos coletados na IPB podem lançar nova luz sobre algumas passagens da transição entre Império e República no Brasil.

Restauro e salvaguarda

A assinatura do Termo de Cooperação Técnica se dá no momento em que é iniciado o restauro do Templo da Humanidade, que contará com nova cobertura ainda em 2018. “Os museus Ibram são parceiros fundamentais para a salvaguarda de um acervo precioso para a história do Brasil. Estamos bastante confiantes no sucesso desse trabalho”, afirma o diretor da IPB, Alexandre Martins.

A Igreja Positivista do Brasil é um dos locais visitados durante o Circuito Sítios Históricos da República, projeto executado em conjunto pelo Museu Casa de Benjamin Constant e Museu da República que contará com edições especiais em 2018, como parte das comemorações dos 200 anos de museus no Brasil e do Bicentenário da Independência.

Texto: Bruno Aragão (Ascom/Ibram)
Foto: Divulgação IPB

Outubro das crianças: confira atividades de museus Ibram no Rio e Minas

Outubro é o mês em que se comemora o dia das crianças (12) e museus do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), no Rio de Janeiro e Minas Gerais, prepararam atividades especiais para os pequenos.

Atividade de leitura na Biblioteca Rocambole do Museu Imperial

Atividades na Biblioteca Rocambole do Museu Imperial atraem crianças de Petrópolis

Nos dias 15 e 29, de 10h às 13h, tem ensaio aberto da Orquestra Filarmônica e Orquestra Villa Lobos e as Crianças no Museu da República no Rio.

A Jaca e a Jaqueira, a árvore que virou vilã é uma peça teatral que conta de forma bem humorada a história da vinda da jaqueira para o Brasil e de como, ao longo do tempo, transformou-se em problema, e A Praça, apresentação teatral do Coletivo Sem Ribalta. A peça será encenada nos dias 16, 26 e 30, sempre às 11h.

Em Petrópolis, A Biblioteca Rocambole, do Museu Imperial, também tem programação especial.  No dia 11, das 14h às 15h,  acontece leitura do livro As crianças vão ficar doidas!, de Tino Freitas, seguida de interação com jogos e fantoches da Biblioteca.

Livros e filmes
No dia 13, a comemoração do Dia das Crianças continua das 14h às 15h. A leitura dessa vez será do livro Toda criança gosta…, de Bia Hetzel e Mariana Massarani. Posteriormente será proposta uma oficina criativa sobre o tema. As atividades continuam ao longo do mês: confira a programação completa.

Já em Ouro Preto (MG), o Museu da Inconfidência realiza, de 10 a 14 de outubro, a oficina Cinema, brincadeira do criança!, que tem como objetivo aproximar crianças, de 9 a 12 anos, do cinema, através de oficinas, atividades de arte, exibição de filmes e bate-papo.

E o Museu Regional de São João del-Rei abre, no dia 11, a exposição Memórias da Infância, com brinquedos feitos de materiais como barro e papel, uma coleção de pipas e fotografias. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Museu Imperial/divulgação

Eventos no Museu da República propõem novas perspectivas para o futebol

Até 20 de julho (domingo), o Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), sedia o Espaço Futebol para a Igualdade, evento que tem como objetivo principal mostrar que o futebol é um esporte capaz de transformar vidas e ajudar no desenvolvimento da sociedade, além de propiciar aos participantes e visitantes uma experiência única de vivenciar a prática esportiva.

A história do futebol no Brasil contada sob a ótica das mulheres está na exposição multimídia Mulheres em campo driblando preconceitos. São dezenas de fotos, vídeos e uma linha do tempo mostrando os contextos sociais e políticos, além das principais personagens que escreveram quase um século da história do futebol feminino no país.

Futebol_MuseudaRepublica_foto Adriano Facuri

Exposição e atividades sobre futebol seguem até dia 20 no Museu da República (RJ)

Jovens e crianças podem aprendem um novo jeito de jogar futebol, em grupos mistos e sem árbitro, em três mini-quadras montadas no jardim do museu, no espaço Futebol para um mundo melhor. O local também se destina a contar histórias de projetos sociais que utilizam o esporte como ferramenta para transformação social.

A ‘madrinha’ Marta
Debates, oficinas e exibições de filmes estão sendo realizados no espaço Trocando ideias, onde especialistas participam de discussões e oficinas para troca de experiências. Além da jogadora Marta, outros craques do futebol como Jorginho, Muralha, Petkovic e Raí já marcaram presença no evento.

O Espaço Futebol para a Igualdade, organizado e promovido pelas ONG’s streetfootballworld e Redeh (Rede de Desenvolvimento Humano), tem como madrinha a brasileira Marta, a maior jogadora de futebol de todos os tempos, escolhida cinco vezes consecutivas como a melhor do mundo.

Marta, que também atua como embaixadora da Boa Vontade do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, ressalta a importância dessa iniciativa, no resgate da história das mulheres no futebol, para que todos conheçam a trajetória de lutas e desafios que elas enfrentam no cotidiano do esporte no Brasil.

O Museu da República  localize-se à Rua do Catete, 153, e funciona diariamente, das 10h às 17h, para conhecer as exposições na parte interna do museu); das 9h às 18h para atividades educativas e acesso às quadras externas. As atividades de Futebol 3 são gratuitas, por ordem de chegada, das 9h às 18h, para crianças de seis a 18 anos. Visitas para grupos podem ser solicitadas pelo e-mail zorzanelli@streetfootballworld.org.

Texto: Divulgação Museu da República
Foto: Adriano Facuri/divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museus da República e Benjamin Constant celebram a pátria

Para celebrar o Dia da Bandeira, comemorado no dia 19 de novembro, e em diálogo com o data da Proclamação da República (15), o Museu Casa de Benjamin Constant e o Museu da República, ambos no Rio de Janeiro (RJ), promovem programação conjunta no dia 17 (domingo).

Batizada de Amor, a ação destaca a palavra que integrava o lema positivista inspirador da criação da República – “o amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim”, que acabou ficando de fora da bandeira nacional, que exibe apenas os conhecidos “Ordem e Progresso”.

Quadro A Pátria (1919), de Pedro Bruno, integra acervo do Museu da República

Quadro A Pátria (1919), de Pedro Bruno, integra acervo do Museu da República

A programação tem início às 14h, no Museu Casa de Benjamin Constant, com a abertura da exposição Amor, que traz intervenções artísticas de Jards Macalé, Adriana Eu, Anna Linnemann, Ana Miguel, Alberto Saraiva, Carlos Contente, Cláudia Elias, Cláudia Hersz, Coletivo Anônimo, Davi Ribeiro, Elisa Castro, Jozias Benedicto, Joana Cseko, Léo Aires e Xico Chaves, que vão interagir com o acervo do museu e tem curadoria de Isabel Portella.

Às 16h, no Museu da República, acontece a oficina Crianças e suas bandeiras, seguida de uma enquete: “Você colocaria a palavra ‘Amor’ na bandeira brasileira?”.

História
Adotada em 1889, ano em que a República do Brasil foi proclamada, a atual bandeira nacional foi concebida por Raimundo Teixeira Mendes, Miguel Lemos e Manuel Pereira Reis. Foi desenhada por Décio Vilares e inspirada na antiga bandeira do Império, esta desenhada pelo pintor francês Jean-Baptiste Debret. Foi apresentada e proposta por Benjamin Constant, um dos principais articuladores do levante republicano.

O quadro A Pátria (1919), de Pedro Bruno, que pertence ao acervo do Museu da República, e cuja réplica encontra-se na Casa de Benjamin Constant, retrata as filhas e esposa de Constant sentadas ao chão e tecendo aquele que seria o símbolo máximo da República do Brasil. Saiba mais sobre o quadro.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

 

‘Cápsula do tempo’ encerra programação do Roteiro Cultural Rio+20

A programação do Roteiro Cultural Museus Rio+20, que desde o último dia 13 mobiliza mais de cinquenta museus e instituições culturais do Rio de Janeiro, será encerrada de forma simbólica nesta sexta-feira (22), no Museu da República/Ibram, às 16h30.

Para celebrar o fim da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e trazer à tona o papel da memória na construção de uma cultura de sustentabilidade, uma “Cápsula do Tempo” será enterrada nos jardins do Museu da República. Ela será aberta daqui a vinte anos.

O objetivo é criar uma reflexão sobre mudanças no Brasil e no mundo nas próximas duas décadas, e as eventuais contribuições ao futuro trazidas pela Rio+20.

Dentro da cápsula, objetos que testemunham a época atual, aludem à própria Rio+20 e registram informações, exposições e projetos diversos realizados pelo Museu da República, além de conteúdos sobre o setor de museus brasileiro.

A lista inclui jornais com matérias sobre a Rio+20, uma moeda de 1 Real, uma fotografia da equipe do Museu da República, material sobre o Programa de Coleta Seletiva Solidária do Estado do Rio de janeiro, objetos confeccionados durante oficinas de reciclagem, um exemplar da Política Nacional de Museus e um folder do Circuito Verde de Museus.

Às 17h, a Orquestra Villa-Lobos encerra oficialmente a programação do Museu da República com apresentação musical de alunos provenientes de comunidades de baixa renda da cidade do Rio de Janeiro. Veja o roteiro aqui.

Texto: Divulgação Museu da República
Foto: Banco de imagens Ascom/Ibram