Página 1 de 212

Curso de Estudos Avançados em Museologia inscreve até 20 de julho

Em sua 4ª edição, curso objetiva capacitar profissionais para o desenvolvimento de pesquisas e para a atuação em museus, universidades e instituições de pesquisa.

Em sua 4ª edição, curso objetiva capacitar profissionais para o desenvolvimento de pesquisas e para a atuação em museus, universidades e instituições de pesquisa, com ênfase na Museologia Social.

Estão abertas as inscrições para o IV Curso de Estudos Avançados em Museologia – CEAM, que acontecerá no período de 1º a 30 de agosto no Rio de Janeiro (RJ). Interessados podem fazer matrícula até 20 de julho.

O candidato deve possuir título de mestre ou estar matriculado em um curso de mestrado e deve, neste caso, apresentar carta de recomendação da instituição em que está matriculado, assinada pelo coordenador do programa de pós-graduação e do orientador.

Voltado para profissionais de museus e de instituições de memória, patrimônio e cultura, gestores culturais, professores, pesquisadores e profissionais das áreas das ciências, das artes e das tecnologias, o CEAM visa capacitar profissionais para o desenvolvimento de pesquisas e para a atuação em museus, universidades e instituições de pesquisa; desenvolver estudos e pesquisas no campo dos museus e das inter-relações entre memória, patrimônio e cultura, com atenção especial para o diálogo com a denominada Museologia Social ou Sociomuseologia. O curso terá aulas intensivas no horário das 9 às 18 horas, totalizando 180 horas/aula.

Parceria

A primeira turma do curso em nível de doutorado foi realizada no Museu Histórico Nacional (2008), seguida pela Universidade Federal da Bahia (2011) e pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2015).

Este ano, o curso será realizado pelo Museu da República/Ibram em parceria com o Museu da Maré e a Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias de Lisboa (ULHT), com o apoio da Cátedra Unesco “Educação, cidadania e diversidade cultural” da Museologia/ULHT, da Rede de Museologia Social do Rio de Janeiro (REMUS-RJ), da Associação Brasileira de Museologia (ABM), do Movimento Internacional para uma Nova Museologia (MINOM), do Museu Vivo de São Bento (MVSB), do Museu de Favela (MUF), do Museu das Remoções (MR) e do Museu Histórico Nacional (MHN).

Encaminhamento para o doutorado

Os certificados de conclusão do IV CEAM permitirão o aproveitamento integral de disciplinas para os estudantes portadores do grau de mestre prosseguirem seus estudos no Programa de Doutoramento em Museologia na ULHT, em Portugal.

O prosseguimento de estudos de doutoramento será efetuado nos termos do Regulamento Pedagógico da ULHT – Despacho Conjunto nº 5/2018, com pedido de dispensa de unidades curriculares correspondentes ao 1º ano do Doutoramento e inscrição no 2º e 3º ano do Ciclo de Estudos (Artigo 57º).

Para mais informações, acesse a página do curso.

Museu da Maré recebe título de Destino Turístico Prioritário do Rio

Neste sábado (20), o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC), Angelo Oswaldo, e o Secretário de Estado de Turismo do Rio de Janeiro (Setur-RJ), Cláudio Magnavita, estarão no Museu da Maré, na Zona Norte da capital fluminense, para participar da entrega do título de Destino Turístico Prioritário aos representantes do museu comunitário.

“Esse reconhecimento pelo Conselho Estadual de Turismo, como destino prioritário do Estado do Rio de Janeiro, valoriza a importância do equipamento e promove sua inserção no setor no turismo”, aposta Claúdio Magnavita. “O museu da Maré é um equipamento importante para a percepção mundial da vida e do aspecto cotidiano da comunidade”, acredita

Título de destino turístico para o Museu da Maré (RJ)

Para o presidente do Ibram, o museu “sintetiza muito bem aquilo que entendemos por museologia social, por ser um museu concebido com inteira participação dos moradores das comunidades, que cuidaram para que todas as narrativas ali apresentadas fossem muito bem alinhavadas”, explica.

Programação
A partir do meio-dia será servida uma feijoada no Museu da Maré para os representantes do trade turístico nacional – como a Agência Brasileira de Agências de Viagem (Abav), Associação Brasileira da Indústria e de Hotéis (ABIH), Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo (Abrajet), além de agentes e operadoras locais. Na ocasião será apresentado o folder turístico desenvolvido para o museu.

Na programação consta ainda o lançamento da publicação do Ibram Museus e Turismo – estratégias de cooperação, que se debruça nas relações entre museus e turismo, com o objetivo de orientar os setores para o gerenciamento dos espaços museológicos com foco na recepção do turista, além do estabelecimento de estratégias conjuntas de promoção dos museus e do turismo cultural.

Integrando umas das últimas atividades do ano do projeto Música no Museu, um concerto da Orquestra de Cellos das Comunidades Pacificadas, às 14h, acontece nas dependências do Museu da Maré.

Permanência
O encontro deste sábado, resultado da inclusão do museu do Complexo da Maré como destino turístico fluminense, marca ainda a resolução temporária de impasse relacionado ao pedido de desapropriação dos galpões ocupados pela instituição, cuja data final seria 9 de dezembro.

Com a intervenção da Setur, os proprietários aceitaram o pedido de prorrogação do prazo, até 10 de março de 2015, dando assim tempo hábil para que sejam estudadas medidas jurídicas para a manutenção do museu onde se encontra.

Considerado referência internacional para a museologia social, por lidar com o registro, preservação e divulgação da história das comunidades da Maré, o museu mantém uma exposição permanente, além de desenvolver atividades lúdico-educativas, oficinas e outras ações em torno da memória social.

O Museu da Maré fica na Rua Guilherme Maxwell, nº 26, próximo à Avenida Brasil, e funciona de terça a sábado, das 9h às 18h, por meio de agendamento. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Museu da Maré/divulgação
Última atualização: 22.12.2014

Ministra da Cultura abre 6º Fórum Nacional de Museus hoje (24) em Belém

A movimentação do primeiro dia: credenciamento, minicursos e abertura oficial

A movimentação do primeiro dia: credenciamento, minicursos e abertura oficial

Na noite de hoje (24) a ministra interina da Cultura, Ana Cristina Wanzeler, participa da abertura oficial da sexta edição do Fórum Nacional de Museus (FNM), em Belém (PA), ao lado do presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, do secretário de Economia Criativa do Ministério da Cultura, Marcos Andre Rodrigues, e de autoridades locais.

A cerimônia começa às 19h, no Hangar, e conta ainda com a entrega da Medalha do Mérito Museológico do Conselho Federal de Museologia (Cofem), a personalidades e instituições, a apresentação do violonista Salomão Habib e a primeira conferência do evento, ministrada por Angelo Oswaldo e Marcos Andre, com o tema Museus criativos: experiências e práticas inovadoras nos museus.

Ao longo do primeiro dia do FNM acontecem seis minicursos, a sequência da IV Teia da Memória, o encontro nacional do Programa Nacional de Educação Museal, o início do processo da votação para representantes de museus e memória no Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC), além de reuniões paralelas. Confira a programação completa.

Na mesa de abertura, presidente do Ibram anunciou solução do Governo do Rio ao Museu da Maré

Na mesa de abertura da Teia da Memória 2014, o presidente do Ibram anunciou solução do Governo do Rio para o Museu da Maré

O evento bianual que congrega os setores de museus e memória teve sua primeira edição em 2004 e chega a 10 anos de existência neste ano, acontecendo pela primeira vez na região Norte. Saiba mais.

Teia da Memória 2014
Foi aberta neste domingo (23), no Museu Paraense Emílio Goeldi,  a IV Teia da Memória – atividade integra ao 6º Fórum Nacional de Museus.

O pontapé inicial do encontro, que durante três dias reúne representantes de Pontos de Memória e outras iniciativas de memória e museologia social de todo o Brasil, se deu com a mesa-redonda Reflexões sobre conceitos-chave da museologia social no contexto internacional. Leia mais.

O presidente do Ibram aproveitou a oportunidade para anunciar o resultado das conversas com o Governo do Estado do Rio de Janeiro para a continuidade do Museu da Maré.

A iniciativa pioneira de museologia social no Brasil vem resistindo a uma ameaça de despejo por conta do fim do contrato de cessão do terreno em que está localizado. O governo estadual deverá pedir a desapropriação da área em favor do museu.

O público que lotou o auditório do Museu Goeldi – um dos mais antigos do país, fundado em 1866 – assistiu ainda a apresentação lítero-musical do Grupo Abrapalavra, do Ponto de Memória Pompéu (MG).  Ao final, pode ainda acompanhar a atividade Trilha da MemóriaLeia mais sobre a abertura da IV Teia da Memória.

Textos e fotos: Ascom/Ibram

Governos buscam saída para pedido de desocupação do Museu da Maré

Na tarde de ontem (27), representantes do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Sistema Estadual de Museus do Rio de Janeiro e do Instituto Pereira Passos, ligado à Prefeitura do Rio, estiveram no Museu da Maré, localizado no Complexo da Maré, na capital fluminense.

Representantes das três esferas do executivo em reunião com direção do Museu da Maré

Representantes das três esferas do executivo em reunião com a direção do Museu da Maré

A visita teve por objetivo encontrar uma solução para o pedido de desocupação do galpão industrial que o museu ocupa desde 2006, devido ao fim de comodato estabelecido com a Companhia Paulista de Comércio Marítimo – proprietária do espaço antes utilizado para o reparo de peças navais.

Considerado referência internacional para a Museologia Social, por lidar com o registro, preservação e divulgação da história das comunidades da Maré, o museu mantém uma exposição permanente, além de desenvolver atividades lúdico-educativas, oficinas e outras ações em torno da memória social.

Ação conjunta
Para o presidente do Ibram, Angelo Oswaldo, que esteve no local, “a reunião foi positiva: estamos propondo uma ação integrada entre os executivos federal, estadual e municipal para que possamos encontrar um espaço de diálogo com os proprietários do imóvel”, acredita. “O Museu da Maré é uma conquista e atraí a atenção de pesquisadores e frequentadores de museus de todo o mundo”.

A preparação de nota técnica pelo professor da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e Museólogo do Museu da República Mário Chagas, sobre o papel relevante do “museu de favela” para a memória social da cidade, assim como um pedido de encontro entre os proprietários do imóvel e os representantes do poder público, a ser feito pela direção do museu, foram alguns dos encaminhamentos do encontro. Saiba mais sobre o Museu da Maré.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Representação Ibram Rio
Última atualização: 1º.10.2014

Energia nuclear é tema de programação no Museu da Maré

Até 2 de julho, o Museu da Maré, no Rio de Janeiro, oferece uma agenda diversificada sobre o tema energia nuclear.  Voltada especialmente para o público escolar, o objetivo é estimular crianças e jovens a refletirem, na teoria e na prática, sobre a relação entre o homem e natureza mediada pela tecnologia.

Além de exposição temática, a programação prevê mostra de vídeos, oficinas, jogos e contação de histórias em quadrinhos de personagens que se relacionam com o tema, como Capitão Átomo, Hulk, Homem Aranha, Tartaruga Ninja e Formiga atômica.

Para os professores, será oferecido, no dia 15 de abril, às 14h, o curso átomo e suas histórias, ministrado pela especialista  da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), Márcia Pereira. O evento é resultado de parceria do Museu da Maré com a Casa de Ciências da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEM).

Mais informações no (21) 3868 6748, museudamare@ceasm.org.br ou no www.museudamare.org.br.  O Museu da Maré fica na Av. Guilherme Maxwell, 26, Maré, Rio de Janeiro (RJ). Funciona de terça a sábado, das 9h às 18h, e a entrada é franca.

Museu da Maré abre mostra sobre os 200 anos da Independência América Hispânica

O Museu da Maré (RJ) apresenta a partir desta quinta-feira, 5 de agosto, às 17h , a mostra A Carta da Jamaica, com obras feitas especialmente para esse projeto, que busca investigar, com recursos contemporâneos, o bicentenário da independência da América Hispânica, comemorado em 2010 na Argentina, Chile, Colômbia e México, e nos próximos anos nos demais países de língua espanhola do continente

A exposição, que segue até 18 de setembro e recebe o patrocínio do Instituto Goethe do Rio de Janeir, apresenta as contradições da realidade por meio de um tratamento estético sobre fatos culturais, políticos e geográficos da América Latina, composta por 19 nações e um total de 600 milhões de habitantes.  Dos conflitos militares até as danças indígenas, passando pelo isolamento geográfico que o mar impõe às Américas.

Também serão exibidos no museu os vídeos dos artistas Julian d’Angiolillo (Argentina), Joaquin Sánchez (Bolívia), Marxz Rosado Ríos (Porto Rico) e Bjørn Melhus (Noruega/Alemanha).

Esses artistas foram convidados a viajar e residir em várias cidades da América Hispânica, para produzirem seus trabalhos. Desde cidades tranquilas do interior a metrópoles pujantes, locais ligados ao passado e ao presente.

SIMÓN BOLÍVAR

De seu exílio em Kingston, em setembro de 1815, o libertador Simón Bolívar, então, com 32 anos, escreveu em inglês sua legendária “Carta da Jamaica“, dirigida a um amigo. Em sua obra mais importante, o herói da Independência esboçou um grandioso panorama para a América, dos Estados Unidos até o Chile e a Argentina.

Sua fulminante análise começa com um levantamento dos movimentos independentistas entre 1810 e 1815 e das razões que moveram os “espanhóis americanos” a se empenharem pela Independência. Segue um apelo à Europa para apoiar a causa hispano-americana. Na terceira parte, Bolívar, considerado o maior político sul-americano de todos os tempos, discorre sobre as perspectivas de futuro para cada uma das repúblicas. Conclui seu tratado, escrito com muita elegância, com um apelo à união dos povos americanos.

 O Museu da Maré fica na Av. Guilherme Maxwell, 26 – Maré – Rio de Janeiro – RJ
Aberto de terça à sexta, das 09h às 18h, e sábados das 10h às 16h. Entrada franca.
Informações: (21) 3868.6748, museudamare@ceasm.org.br

www.museudamare.org.br

Feijoada Cultural no Museu da Maré

Regada a muito samba, o Museu da Maré, no Rio de Janeiro, vai promover no dia 12 de junho, a partir das 13h, a Feijoada Cultural.  A programação conta com apresentação da cantora Paula Princi, que perpassa por todos os estilos da música brasileira, e do Ponto de Cultura O Som das Comunidades, que trabalha com a inserção cultural e econômica de crianças através da Educação Musical em comunidades.

O evento também será de inauguração da exposição do Projeto Ondas Radiofônicas – Processos colaborativos em arte públicas e sonoras, que integra a Seleção Interações Estéticas da Secretaria de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura – SCC/MinC. A mostra apresentará o resultado das oficinas realizadas pelo museu com os jovens da comunidade da Maré sobre o papel e a importância do rádio.

Além da feijoada convencional, também será oferecida uma especial, de feijão e legumes, para os vegetarianos. O ingresso custa R$ 10,00 e está à venda no Museu da Maré, Bazar Três Meninas, Lan House do Papel e no Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré-CEASM, na Maré.

O Museu da Maré fica na Av. Guilherme Maxwell, 26, Maré, Passarela 7 , Rio de Janeiro – RJ. Mais informações no (21) 3868 6748 e no www.museudamare.org.br

Exposição conta a História da Maré na Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Termina nesta sexta-feira, 21 de maio, a exposição Rede Memória da Maré, na Câmara Municipal do Rio de Janeiro. A mostra retrata o cotidiano de uma comunidade marcada por conflitos e histórias marcantes, através de fotos, mapas, vídeos, documentos e objetos cedidos pelos próprios moradores da região.
A exposição foi concebida pelos coordenadores do Museu da Maré Markito Fonseca, Marcelo Vieira e Luciano Ribeiro e é uma homenagem à comunidade que foi instituída como bairro no ano de 1994.

Durante a semana, a comunidade da Maré foi homenageada através de diversas ações pelo vereador Paulo Messina , com a concessão da Medalha Pedro Ernesto ao Museu da Maré, a entrega de Moções e Congratulações e Louvor à Associação de Moradores do bairro, além da apresentação do Projeto de Lei que institui a Semana da Maré entre os dias 1º e 8 de maio.

A exposição está aberta das 9h às 18h, no Sagão José do Patrocínio, entrada Principal da Câmara do Rio. Entrada Franca.

Museu da Maré oferece oficina pedagógico-literária

A psicóloga e diretora do Instituto para Atividades Lúdicas e Linguagens, a alemã Ângela Tham, vai ministrar a oficina Aprender a Sonhar através de livros ilustrados, com tradução simultânea para português, nesta terça-feira, 18 de maio, das 13h30 às 18h, no Museu da Maré, no Rio de Janeiro.

Voltada para promotores de leitura, a oficina pretende mostrar como os livros infantis abrem jogos de linguagem através das palavras e das imagens, transmitindo em cenas o que muitas vezes não é possível transmitir por palavras.

Através de histórias de livros infantis pré-escolhidas, serão transmitidos importantes pensamentos teóricos de forma leve e lúdica, mostrando como é possível redescobrir os livros sob os aspectos pedagógico- literário e  literário-terapêutico. A oficina é resultado de parceria do Goethe – Institut Rio de Janeiro com apoio do Museu da Maré e do Centro de Estudos e Ações Solidárias da Maré (CEASM).

O Museu da Maré fica na Av. Guilherme Maxwell, 26, Maré – Passarela 7 da Av. Brasil, Rio de Janeiro – RJ. Informações: (21) 3868 6748.

Museu da Maré comemora 4º ano com Caravanas Euclidianas

Em comemoração ao seu quarto ano de existência, o Museu da Maré, no Rio de Janeiro, receberá nesta sexta e sábado, 7 e 8 de maio, as Caravanas Euclidianas, uma itinerância realizada em diversas regiões do Estado do Rio de Janeiro, que tem o propósito de contribuir para a inclusão educacional apresentando e difundindo a obra deste que é considerado um dos maiores autores da literatura brasileira.
A programação desta  sexta (7), começa às 18h30,   com a exibição do filme A Paz é Dourada, de Noilton Nunes, sobre a vida e obra de Euclides da Cunha. Às 20h , a noite será animada com  Roda de Samba, com participação  especial de  Edeor de Paulo, compositor do samba-enredo “ Os Sertões”, estandarte de ouro de 1976 – considerado um dos mais belos de todos os tempos. Já no sábado (8), das 10h às 16, serão oferecidas oficinas de literatura e áudio-visual sobre o autor.
Segundo Noiton Nunes, “ Euclides da Cunha era um visionário. Além de sua importância para a literatura brasileira, é considerado um dos primeiros ecologistas a chamar a atenção, ainda no final do séc. XIX,  para as devastações que começaram a ocorrer no Estado do Rio de Janeiro com a chegada das fábricas e transportes modernos.”
O Museu da Maré fica na Av. Guilherme Maxwell, 26 – Maré,  Passarela 7 da Av. Brasil, Rio de Janeiro – RJ. Mais informações:  (21) 3868 6748.

Página 1 de 212