Página 3 de 812345...Última »

Museu da Inconfidência receber mostra com fotografias de Alfredo Ferreira Lage

Avant l’orage (Antes da Tempestade). Juiz de Fora, MG, c. 1904, de Alfredo Ferreira Lage

Avant l’orage (Antes da Tempestade). Juiz de Fora, MG, c. 1904, de Alfredo Ferreira Lage

Nesta sexta-feira (14), o Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), que fica em Ouro Preto (MG), inaugura a mostra Simetria e permanência: a arte na fotografia de Alfredo Ferreira Lage. A exposição reúne um conjunto de fotografias feitas pelo colecionador e fundador do Museu Mariano Procópio, em Juiz de Fora (MG), e revela sua relação com a fotografia, especialmente no registro das paisagens e das personagens que o inspiraram, como composições bucólicas, vistas rurais e aspectos da fauna e flora mineira.

Com curadoria de Pedro Vasquez, Aldo Araújo, Janine Ojeda e Margareth Monteiro e reprodução e o tratamento digital das imagens de Thiago Barros, a exposição é coordenada pela Expomus, tem o patrocínio da Petrobras e é promovida em parceria com a Fundação Museu Mariano Procópio, detentor do acervo que será exposto. A mostra ocupará a Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I do Museu da Inconfidência, tem entrada gratuita e ficará em exibição até o dia 6 de setembro, de terça-feira a domingo, das 10 às 18h.

Alfredo Ferreira Lage

Nascido em Juiz de Fora, em 1865, Alfredo é filho do comendador Mariano Procópio Ferreira Lage. Em 1903, criou e presidiu o Photo Club Rio de Janeiro junto com Sylvio Bevilacqua, Barroso Neto e Guerra Duval, o que torna sua obra precursora dos fotoclubes no Brasil. Teve vários trabalhos premiados com medalha de ouro em exposições realizadas no Rio de Janeiro, em 1908, e na cidade italiana de Turim, em 1911, como a imagem alegórica Nouvelles de l’absent, mostrando uma jovem de costas lendo uma carta, segundo o gosto romântico da época. Abriu o Museu Mariano Procópio como espaço particular à visitação, fundando-o oficialmente em 1921. No ano seguinte, inaugurou a Galeria de Belas Artes do Museu Mariano Procópio, com apoio do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, do qual se tornou membro posteriormente. Em 1936, Alfredo fez a doação do Museu Mariano Procópio para o município de Juiz de Fora e criou o Conselho de Amigos do Museu Mariano Procópio. Morreu no Rio de Janeiro, aos 79 anos de idade.

Museu da Inconfidência recebe rede que pertenceu à Marquesa de Santos

Detalhe da rede doada ao Museu da Inconfidência / Aldo Araújo

Detalhe da rede doada ao Museu da Inconfidência / Aldo Araújo

O Instituto Marília Borges, por intermédio de Gisella Kasten, doou ao Museu da Inconfidência/ Ibram uma rede que pertenceu a Domitila de Castro Canto e Melo – a Marquesa de Santos (São Paulo, 1797-1867), conhecida por ter sido amante do Imperador Dom Pedro I. A peça, rica em bordados e detalhes, fez parte do acervo do antiquário do imigrante italiano Felício Cesarino que, ao se estabelecer no Paraná como agricultor, conheceu a esposa Ermida Victorelli, parente da personagem histórica. Ermida viveu até 1995, e sua sobrinha-neta Maria Aparecida Victorelli herdou a peça. Quando ela faleceu, em 2014, deixou a rede para a doadora.

Domitila casou-se em 1813, aos 15 anos, com o Alferes Felício Coelho Pinto de Mendonça. Este lhe tratava com crueldade e, após dar-lhe duas facadas, ocorreu o divórcio. Mais tarde, após rumores sobre um movimento a favor da independência do Brasil, Dom Pedro I saiu do Rio de Janeiro em agosto de 1822, rumo a São Paulo. Nos campos do Ipiranga, viu Domitila pela primeira vez, porque ela era irmã do cadete Francisco da sua escolta. O relacionamento durou sete anos e, em virtude dele, a “favorita” tornou-se primeira dama da Imperatriz Leopoldina e foi agraciada com os títulos de Baronesa, em 1824; Viscondessa, em 1825 e Marquesa de Santos, em 1826.

Mais sobre Domitila

O romance com Dom Pedro I pode ser acompanhado nas mais de 200 cartas trocadas pelo casal. No Rio de Janeiro, Domitila viveu em uma casa de sobrado ampla, com instalações de luxo, onde ocorriam os encontros com o imperador. Morou no local até 1826, quando passou a residir em um palácio vizinho à Quinta da Boa Vista. Após a morte da imperatriz Leopoldina, Dom Pedro I, contrariando as expectativas, casou-se com Amélia Beauharnais, a Duquesa de Luuchtemberg. A Marquesa de Santos então volta para São Paulo, onde se uniu a Raphael Tobias de Aguiar, militar e político.

A Marquesa de Santos viveu 70 anos. Teve, ao todo, 13 filhos, sendo quatro de Dom Pedro I. Na capital paulista, participou da vida pública do país, intervindo nas eleições e filiando-se ao partido liberal. Era dotada de grande prestígio político, e recebia em sua casa – um “solar” elegante e luxuoso – as principais personalidades da vida acadêmica e cultural da cidade. Dedicou os seus últimos anos a ajudar os pobres, doentes e estudantes. Depois de curta doença, Domitila faleceu no ano de 1867.

Museu da Inconfidência prorroga mostra de Ceschiatti

ceschiatti-300x198

Foto: Divulgação Museu da Inconfidência

A mostra Esculturas de Alfredo Ceschiatti, em cartaz na Sala Manoel da Costa Athaide, Anexo I do Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), será prorrogada até o dia 9 de agosto, dada a grande procura dos visitantes. A visitação, gratuita, ocorre de terça a domingo, das 10 às 18h.

As obras expostas são propriedade dos sobrinhos do artista, Ângela Maria Ceschiatti Barbosa e Christiano Barbosa da Silva Filho. A mostra tem curadoria de Margareth Monteiro, Janine Ojeda e Aldo Araújo.

O belo-horizontino, com predileção pela figura humana, é conhecido por sua plástica modernista e obras de destaque, como a Justiça, em frente ao Supremo Tribunal Federal, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.

Podem ser apreciados protótipos em bronze, em sua maioria, utilizados como estudo para a confecção posterior de obras definitivas. Vários deles originaram suas famosas esculturas em espaços públicos de Brasília, feitas a convite do arquiteto Oscar Niemeyer. Exemplos disso são Banhista do Congresso, de 142 centímetros de altura, que inspirou As banhistas, no espelho d’água do Palácio da Alvorada, e Anjo, em bronze dourado, na Câmara dos Deputados.

O Artista

Alfredo Ceschiatti (1918-1989) nasceu em Belo Horizonte. É um dos artistas criadores da Pampulha, marco inaugural do modernismo arquitetônico em Minas Gerais. Faz-se presente nos bronzes do batistério da capela franciscana, ao lado de Niemeyer, Portinari e Burle Marx. No Cassino, hoje Museu da Pampulha, ele esculpiu o abraço de duas mulheres para o remanso do jardim abraçado pela arquitetura de Niemeyer. Em Brasília, Ceschiatti é o autor dos quatro Evangelistas, na entrada da Catedral, e dos anjos em voo na grande nave redonda.

De suas mãos veio ainda As banhistas que seguram os cabelos prestes a fazerem tranças pousam sobre o espelho d’água do Palácio da Alvorada. No Rio de Janeiro, fez esculturas para o Monumento aos Pracinhas, no Parque do Flamengo. O irmão, João Ceschiatti, dá nome a uma sala do Palácio das Artes, por ter sido protagonista maior da cena mineira.

Museu da Inconfidência abre oficina de férias e apresenta novo projeto educativo

Incofidencia_bonecos_de_papel-264x300A oficina de férias Brincadeiras de antigamente será promovida na Casa do Pilar, Anexo III, pelo Setor Educativo do Museu da Inconfidência. As atividades, gratuitas, ocorrem de 20 a 31 de julho, de segunda a sexta-feira, das 14 às 17h, com o objetivo de resgatar brincadeiras tradicionais e estimular as crianças dos sete aos 12 anos de idade a criarem seus próprios brinquedos. As vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas via educativodomuseu@gmail.com ou (31) 3551-1378.

Outro projeto que será lançado nos próximos meses é Bonecos de papel: personagens de Ouro Preto, que abordará a história da cidade com o público infanto-juvenil através de figuras importantes para a formação cultural e social de Minas Gerais. O trabalho se dará sobre o material impresso que nomeia a ação e apresenta nomes como Tiradentes, Tomás Antônio Gonzaga, Marília de Dirceu e Chica da Silva, acompanhados de seus respectivos trajes.

A roupa será problematizada como cultura material e objeto histórico. Cada escola do município receberá um exemplar da publicação, acompanhado de folder sobre as dinâmicas desenvolvidas no Setor Educativo, cuja proposta é ser o espaço de mediação e de diálogo entre o museu e a comunidade. Saiba mais sobre outras atividades desenvolvidas pelo Museu da Inconfidência.

Museu da Inconfidência altera programação da 13ª Semana de Museus

Anjo

Anjo

As atividades programadas pelo Museu da Inconfidência (Ibram/MinC) para a 13ª Semana de Museus sofreram algumas alterações. Fazem parte da programação, a mostra “Ouro Preto Distritos: Memória e Identidade”, em cartaz na estação central do metrô da CBTU, em Belo Horizonte, a exposição Esculturas de Alfredo Ceschiatti e o workshop Bonecas de pano estilo Tilda.

Nesta terça-feira (19), acontece o workshop Bonecas de pano estilo Tilda, que será ministrado pela professora Vânia Joly no setor educativo, na Casa do Pilar. E no dia 22, às 20h30, o museu inaugura a mostra “Esculturas de Alfredo Ceschiatti “. O belo-horizontino, com predileção pela figura humana, é conhecido por sua plástica modernista e obras de destaque, como a Justiça, em frente ao Supremo Tribunal Federal, na Praça dos Três Poderes, em Brasília.  As obras que serão expostas são propriedade dos sobrinhos do artista, Ângela Maria Ceschiatti Barbosa e Christiano Barbosa da Silva Filho.

Poderão ser apreciados protótipos em bronze, em sua maioria, utilizados como estudo para a confecção posterior de obras definitivas. Vários deles originaram suas famosas esculturas em espaços públicos de Brasília, feitas a convite do arquiteto Oscar Niemeyer. Exemplos disso são Banhista do Congresso, de 142 centímetros de altura, que inspirou As banhistas, no espelho d’água do Palácio da Alvorada, e Anjo, em bronze dourado, na Câmara dos Deputados. A visitação, gratuita, ocorrerá de terça a domingo, das 10 às 18h. Curadoria de Margareth Monteiro, Janine Ojeda e Aldo Araújo.

Parceria com a CBTU

A Estação Central da Companhia Brasileira de Trens Urbanos – CBTU Belo Horizonte expõe banners que apresentam as tradicionais festas religiosas do interior de Minas Gerais. A mostra “Ouro Preto Distritos: Memória e Identidade”, realizada em parceria com o Museu, fica aberta à visitação pública até 31 de maio. O slogan enfatiza o importante papel dos museus no processo de fomento à sustentabilidade: seja por meio de suas boas práticas de atuação, seja pela conscientização do público sobre a necessidade de uma sociedade mais cooperativa e solidária. Esta é a quarta vez que a CBTU Belo Horizonte apoia a realização da Semana.

Mais informações na página do museu: http://www.museudainconfidencia.gov.br/

Foto: Aldo Araújo/Museu da Inconfidência

A Fotografia em Ouro Preto no séc. XIX é destaque no Museu da Inconfidência

Caminho da Estação, 1882. Acervo: Arquivo Municipal de Ouro Preto.

Caminho da Estação, 1882. Acervo: Arquivo Municipal de Ouro Preto.

O Museu da Inconfidência (Ibram/MinC) inaugura as atividades de 2015 na Sala Manoel da Costa Athaide nesta sexta-feira (20), com a abertura da mostra A fotografia em Ouro Preto no século XIX.

Serão expostas imagens e apresentadas informações que evidenciam a relevância da cidade para a história da fotografia. De 1845 a 1900, Ouro Preto recebeu o maior número de fotógrafos em Minas Gerais. Eles trabalharam tanto de forma itinerante, como em ateliês permanentes.

A iniciativa da exposição é do projeto Itinerâncias – a expansão da fotografia em Minas Gerais no século XIX, que objetiva estimular reflexões sobre a história da fotografia no estado. A proposta é trazer à tona diferentes representações da cidade e retratos diversos, que permitam enfatizar a trajetória dos fotógrafos. Estes vieram de vários países e divulgaram seu trabalho, principalmente, por meio de anúncios em jornais e revistas.

A visitação é gratuita e ocorre de terça a domingo, das 10 às 18h, até 3 de maio. A abertura acontece às 20h30.

Texto: Ascom/Museu da Inconfidência
Foto: Divulgação Museu da Inconfidência

Museu da Inconfidência disponibiliza online documentos musicais raros

O Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto (MG), deu início a um processo de difusão via internet de um importante acervo musical histórico brasileiro.

Com cerca de 1,3 mil obras musicais de autores nacionais e europeus, datadas do século XVIII ao início do século XX, a base de dados de documentos musicais do Museu da Inconfidência Musicologia (MIMus) já começou a ser aberta ao público.

Base de dados com arquivos musicais do Museu da Inconfidência (MG)

Base de dados com arquivos musicais do Museu da Inconfidência (MG)

Até o momento, podem ser pesquisados dados históricos e detalhes dos verbetes das coleções Francisco Curt Lange, registrado como Memória do Mundo no Brasil pela Unesco; Arquivo Público Mineiro, Anália Esteves Ribas e José Luiz Pompeu da Silva, presentes no acervo do museu. Para pesquisar conteúdos, basta buscar por palavras-chave ou números.

O sistema MicroIsis, software de armazenamento desenvolvido pela Unesco, foi usado para recuperar os dados. A organização do material foi feita pela musicóloga Mary Angela Biason.

O preparo para a internet foi responsabilidade do doutor em Ciência da Informação pela ECI-UFMG, Agnaldo Lopes Martins, e das bibliotecárias especialistas em MicroIsis Ana Maria de Mendonça, Mariângela Macedo Cunha Poni e Lúcia Maria Alves.

A consolidação da base de dados foi financiada pelo Instituto Brasileiro de Museus com apoio da Fundação Vitae e da Caixa Econômica Federal.

A expectativa é que, em breve, as demais coleções depositadas no acervo do Museu da Inconfidência, que ainda não passaram por tratamento técnico, sejam disponibilizadas, a exemplo das Coleções Cacilda Coeli Clímaco, Joaquim Nunes de Carvalho e Família Gesteira. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram

Férias nos museus Ibram: confira atividades programadas

De olho nas férias escolares, museus de todo o Brasil trazem programações especiais voltadas para crianças e adolescentes neste início de ano. Os museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) não fogem à regra e prepararam uma série de atividades de cunho cultural e recreativo.

Programação na Casa da Hera acontece na última semana de janeiro

Em Ouro Preto (MG), a ação educativa Férias no Setor Educativo do Museu da Inconfidência propõe resgatar brincadeiras tradicionais (bola de gude, peteca, amarelinha e pular corda) através de atividades lúdicas e manuais, além de pintura, musicalização e oficinas que estimulam as crianças a criarem seus próprios brinquedos.

A programação, que é voltada a crianças a partir de 6 anos e segue até o próximo dia 31, acontece de segunda a sexta, das 14h às 17h. As inscrições, gratuitas, podem ser feitas pelo e-mail educativodomuseu@gmail.com ou pelo telefone (31) 3551.1378.

Em Recife (PE), a ludoteca do Museu da Abolição está a todo vapor nestas férias. O novo espaço do museu se propõe a valorizar, preservar e difundir a memória e referências culturais afrobrasileiras de maneira interativa e divertida com jogos, oficinas e apresentações culturais. Saiba mais.

Filmes e histórias contadas
Já a Biblioteca Rocambole do Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), também segue em funcionamento durante as férias escolares, quando o público infanto-juvenil terá oportunidade de explorar seu acervo composto por cerca de 600 títulos, entre livros, revistas, gibis e outras mídias.

A partir da quarta-feira (21), será oferecida também programação especial que inclui exibição de filmes, contação de histórias e oficinas criativas. Confira a programação completa.

Atividade de leitura na Biblioteca Rocambole do Museu Imperial

Museu Imperial: várias atividades nas férias das crianças em Petrópolis

No Museu Casa da Hera, em Vassouras (RJ), a quarta edição das Férias no Museu convida as crianças a brincar e aprender se divertindo, ao mesmo tempo em que desfrutam da ampla área verde da Chácara da Hera.

A programação acontece entre os dias 27 e 31, e inclui as atividades Brincadeiras de Antigamente, Contar e Brincar Histórias, Cineclube, Laboratório de Brinquedos e Slackline.

Já a tradicional Colônia de Férias do Museu da República, no Rio de Janeiro (RJ), traz como tema este ano Rio, 450 anos de História, em homenagem ao aniversário da cidade.

As atividades programadas incluem passeios a locais representativos da história do Rio de Janeiro, atividades plásticas, exibição de filmes, construção de maquetes, atividades de música, dança com baile no Salão Nobre do museu, além de muita recreação no Jardim Histórico, com direito a banho de mangueira para aliviar o calor.

A programação gratuita acontece até o próximo dia 30, das 13h às 17h, e é voltada para crianças com idade entre 7 e 11 anos. Saiba mais.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Banco de imagens Ibram

Museu da Inconfidência recebe diploma da Unesco por coleção documental

Na quinta-feira (11), o Museu da Inconfidência/Ibram, de Ouro Preto (MG), recebeu o diploma de nominação da Coleção Francisco Curt Lange de Documentos Musicais no Registro Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo (MOW na sigla em inglês), da Organização das Nações Unidas para a educação, a ciência e a cultura (Unesco).

Angela Biason recebeu diploma de Mauricio Ferreira ontem (11) no Arquivo Nacional

O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Junior, que participa do comitê brasileiro do programa, fez a entrega do título à representante do Museu da Inconfidência, a especialista em musicologia Mary Angela Biason. A cerimônia foi realizada no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro (RJ).

“Aproveito a oportunidade para convidar instituições a apresentarem candidaturas na edição 2015 do Programa MOW Brasil. Os museus do Ibram, por exemplo, possuem riquíssimos acervos arquivísticos e bibliográficos passíveis de premiação,” disse Maurício Ferreira durante a entrega do diploma.

Contribuição
O presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Angelo Oswaldo, parabenizou o Museu da Inconfidência pelo reconhecimento da Coleção Curt Lange e ressaltou sua importância para a sociedade.

“Tive o privilégio de entregar o título de Cidadão Honorário de Ouro Preto a Curt Lange, no final da vida do grande musicólogo”, relembrou. “Sua contribuição à história da música brasileira é insuperável, e o acervo por ele constituído é um patrimônio de toda a humanidade”.

A coleção reúne mais de mil obras oriundas de várias cidades mineiras e se encontra no setor de Musicologia da Casa Setecentista do Pilar, anexo do museu em Ouro Preto, sendo resultado de pesquisas do musicólogo alemão Francisco Curt Lange (1903 – 1997), realizadas nas décadas de 1940 e 50.A coleção foi doada ao museu em 1983. Saiba mais.

O Programa Memória do Mundo foi criado pela Unesco em 1992 e tem como foco reconhecer documentos, arquivos e bibliotecas de grande valor regional, nacional e internacional como patrimônio da humanidade.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Agnaldo Santos/Arquivo Nacional

Museu da Inconfidência oferece oficina com brincadeiras tradicionais

A Casa Setecentista do Pilar, além de espaço de pesquisa e exposição, também oferece atividades educativas ao público

Com a proposta de resgatar brincadeiras tradicionais como pular corda, jogos com bola de gude e peteca, amarelinha, além de desenho, pintura e  musicalização, o Setor Educativo do Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto (MG), promove oficina de férias para crianças acima dos seis anos de idade.

As atividades lúdicas e criativas são gratuitas e acontecem na Casa do Pilar (anexo III do museu) entre os dias 15 de dezembro e 31 de janeiro de 2015, de segunda a sexta-feira, sempre das 14h e 17h.  Os jovens participantes também serão estimulados a criar os seus próprios brinquedos.

As crianças deverão levar lanche. A oficina tem vagas limitadas e as inscrições devem ser realizadas pelo email educativodomuseu@gmail.com ou pelo telefone (31) 3551.1378. Saiba mais sobre a Área Educativa do Museu da Inconfidência.

Texto: Divulgação Museu da Inconfidência

 

 

Página 3 de 812345...Última »