Página 1 de 812345...Última »

Museu da Inconfidência celebra 75 anos nesta sexta-feira (9)

“Leitura da Sentença de Tiradentes”, de Leopoldino Joaquim Teixeira de Faria (1836 – 1911). Óleo sobre tela, em moldura de madeira talhada e dourada. Dimensões: 2,70m (com medalhão) x 3,20m. Acervo do Museu da Inconfidência/Ibram.

O Museu da Inconfidência/Ibram, em Ouro Preto (MG), celebra seus 75 anos nesta sexta-feira (9). Como parte das comemorações, o Museu apresentará ao público a tela “Leitura da Sentença de Tiradentes” (foto), de autoria de Leopoldino de Faria (1836-1911) - pintor oficial da Academia Imperial do Rio de Janeiro -, que retrata cena importante da história da Conjuração Mineira.

Numa parceria com a Câmara Municipal de Ouro Preto, decidiu-se pela transferência da tela que ornamentava a sala da Presidência da Câmara Municipal, para o Museu da Inconfidência, considerando a necessidade de sua restauração e sua representação histórica.

A tela pertenceu à Assembleia Provincial de Minas Gerais. Com a mudança da capital para Belo Horizonte, foi transferido para o prédio da Câmara Municipal de Ouro Preto, onde permaneceu até maio deste ano. O local onde a obra se encontrava possui um pé-direito baixo, com pouca visibilidade e muita incidência de luz solar, o que provoca acelerado processo de perda de pigmentação, escurecimento e craquelamento da camada pictórica.

Retirada da Câmara Municipal para figurar a exposição “230 Anos da Inconfidência Mineira: caminhos e descaminhos”, realizada na Galeria Sala Manoel da Costa Athaide, no período de 15 de maio a 16 de junho deste ano, a tela foi recolhida ao Laboratório de Restauração e Conservação do Museu da Inconfidência para a limpeza e restauração, trabalho executado pelo restaurador Aldo Araújo.

Com a compreensão da importância da preservação da tela por parte Câmara Municipal e com a valiosa colaboração da Grande Loja Maçônica de Minas Gerais, que através do Programa Cultura Cidadã, não mediu esforços para o patrocínio da restauração da obra e produção da réplica, o Museu reafirma a sua missão institucional de preservar a memória da Inconfidência Mineira e de seus protagonistas.

O quadro que permaneceu isolado do grande público, com acesso restrito aos Vereadores e suas assessorias, agora poderá ser contemplado pelos visitantes do Museu da Inconfidência, que recebe cerca de 200.000 visitantes anuais.

Sobre o Museu

Museu da Inconfidência (MG)

Museu da Inconfidência (MG)

Situado na antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, o Museu da Inconfidência foi criado em 1944 pelo, então, presidente Getúlio Vargas e é, hoje, um dos museus históricos mais importantes e visitados do Brasil. Possui o maior acervo sobre a Inconfidência Mineira, também conhecida como Conjuração Mineira, luta separatista contra o domínio português, reprimida pela Coroa portuguesa em 1789.

São cerca de 4 mil itens que reúnem peças históricas e artísticas e formam um conjunto articulado de testemunhos culturais do período, refletindo a relação de Vila Rica com a conspiração, incluindo obras de autores como Antônio Francisco Lisboa (Aleijadinho), Francisco Vieira Servas, Francisco Xavier de Brito, Manoel da Costa Athaide, João Nepomuceno e Armand Julien Pallière, dentre outros. O Panteão dos Inconfidentes abriga restos mortais de 16 inconfidentes, incluindo o poeta Tomás Antônio Gonzaga.

O Museu da Inconfidência fica na Praça Tiradentes, 139, em Ouro Preto (MG), e está aberto ao público das 10h às 18h, de terça a quinta; e das 10h às 21h, às sextas-feiras. Aos sábados está aberto das 10h às 16h e aos domingos das 9h às 14h.

Quadro ‘Leitura da Sentença de Tiradentes’ está sendo restaurado no Museu da Inconfidência

A pintura “Leitura da Sentença de Tiradentes”, cedida pela Câmara Municipal de Ouro Preto ao Museu da Inconfidência/Ibram por meio de cessão não onerosa por tempo indeterminado, está sendo restaurada.

Restauração da tela 'Leitura da Sentença de Tiradentes'

Restauração da tela ‘Leitura da Sentença de Tiradentes’

De acordo com a diretora interina do Museu, Margareth Monteiro, a atividade será concluída no mês de julho. “A partir de agosto, durante os preparativos da comemoração dos 75 anos do Museu, o público poderá vislumbrar o resultado da restauração”.

Segundo Margareth, a tela já passou por quatro intervenções, sendo a primeira realizada, no ano de 1900, pelo pintor mineiro Honório Esteves.

“A tela encontra-se recoberta com verniz oxidado e uma espessa camada de cera negra, que prejudica detalhes da obra e o efeito de luz e sombra realizado pelo pintor. A pintura apresenta, também, grandes áreas com perda de policromia e craquelês, que são rachaduras finas e irregulares” salienta a diretora.

A restauração do quadro é uma parceria entre o Museu da Inconfidência e a Grande Loja Maçônica de Minas Gerais, responsável pelo patrocínio de recuperação da tela.

História do quadro

O quadro “Leitura da Sentença de Tiradentes”, datado do final do Império, é de autoria de Leopoldino de Faria (1836-1911), pintor oficial da Academia Imperial do Rio de Janeiro. Com três metros de largura por dois metros de altura, a tela passou por quatro intervenções de restauro ao longo dos anos.

O  Museu da Inconfidência fica na Praça Tiradentes,  139, Centro, em Ouro Preto (MG) e está aberto ao público de terça a domingo, das 10h às 18h. Durante o mês de julho, o Museu ficará aberto ao público até as 21h.

Museu da Inconfidência recebe exposição sobre poema de Olavo Bilac

Museu da Inconfidência - 2Entre os dias 12 de julho a 25 de agosto, o Museu da Inconfidência/Ibram vai receber a exposição “Fotografia&Poesia Vila Rica – centenário da publicação do poema de Olavo Bilac”. A mostra é realizada pelo grupo Coletivo Olho de Vidro, criado em 2007 pelos fotógrafos Alexandre Martins, Antônio Laia, Eduardo Tropia e Heber Bezerra e pelo poeta Guilherme Mansu.

Comprometido com a cidade de Ouro Preto, o grupo se caracteriza por apresentar anualmente uma exposição coletiva de fotografias e de poesia. O objetivo é estabelecer um espaço de reflexão, criação e experimentação. Cada um dos integrantes tem liberdade de interpretação sobre o tema proposto pelo poeta e discutido pelo grupo.

Quem foi Olavo Bilac

Um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras, Olavo Bilac nasceu no Rio de Janeiro, em 16 de dezembro de 1865 e faleceu na mesma cidade. Dedicou-se desde cedo ao jornalismo e à literatura. Teve intensa participação na política e em campanhas cívicas, das quais a mais famosa foi em favor do serviço militar obrigatório. Sua obra poética enquadra-se no Parnasianismo, que tem como características o vocabulário culto, o gosto pelas descrições, as rimas raras e o apreço pela métrica.

Poema Vila Rica

Poema épico que aborda a Inconfidência Mineira e a colonização de Minas Gerais pelos bandeirantes paulistas, tratando das lutas, do confronto com os índios, da descoberta das riquezas e, por fim, da fundação da Vila Rica de Ouro Preto.

Informações sobre a exposição aquiInconfidencia noturno

O  Museu da Inconfidência fica na Praça Tiradentes,  139, Centro, em Ouro Preto (MG) e está aberto ao público de terça a domingo, das 10h às 18h. Durante o mês de julho, o Museu ficará aberto ao público até as 21h.

Museu da Inconfidência celebra 74 anos de existência

Situado em prédio histórico que abrigou originalmente a antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, Museu da Inconfidência é um doas museus históricos mais importantes e visitados do Brasil.

Situado em prédio histórico que abrigou originalmente a antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, Museu da Inconfidência é um dos museus históricos mais importantes e visitados do Brasil.

O Museu da Inconfidência, em Ouro Preto (MG), completa neste sábado (11) seus 74 anos de existência. Um dos museus históricos mais importantes e visitados do Brasil celebrará o aniversário com programação que inclui bate papo, exibição de filmes e lançamento de livro.

A programação terá início na manhã desta sexta-feira (10), a partir das 10h30, com o bate-papo aberto ao público “Sete décadas do Museu da Inconfidência”, que reunirá ex-servidores da instituição; e prossegue a partir das 14h, no cinema anexo ao museu, com exibição de filmes.

No sábado, das 10h às 17h, o museu comemora seu aniversário oferecendo entrada gratuita a todos os visitantes. A partir das 15h, oferece exibição de filmes para o público infantil, com distribuição de pipoca. Fechando a programação, recebe o lançamento do livro “Caminho do Ouro, Caminho do Mar”, do escritor Flávio Leão.

O museu

Inaugurado em 11 de agosto de 1944 após reformas que adaptaram o edifício à nova função, o Museu da Inconfidência está situado em prédio histórico que abrigou originalmente a antiga Casa de Câmara e Cadeia de Vila Rica, que teve sua construção iniciada em 1785.

Primeira do gênero a se instalar fora do litoral, a instituição foi criada no bojo de uma política de resgate da memória brasileira e constituição de uma identidade nacional, e abriga restos mortais de participantes da Inconfidência Mineira que foram degredados para a África – exumados e trazidos de volta ao Brasil, em 1937, por determinação do então presidente Getúlio Vargas.

O museu reúne ainda mais de quatro mil peças com exemplares de praticamente todas as esferas da vida sociocultural mineira dos séculos XVIII e XIX, de relevante conteúdo histórico e iconográfico, que incluem objetos diversos e obras de autores como Antônio Francisco Lisboa (Aleijadinho), Francisco Vieira Servas, Francisco Xavier de Brito, Manoel da Costa Athaide, João Nepomuceno e Armand Julien Pallière, dentre outros.

Reaberto em 2006 após obras de modernização e de reformulação expositiva, o Museu da Inconfidência recebeu em 2011 as ossadas de mais três inconfidentes, identificadas mais de 200 anos após suas mortes através de pesquisa. Desde o final de 2017, o museu conta com nova diretora, escolhida através de seleção pública promovida pelo Ibram. Saiba mais.

Exposição no Museu da Inconfidência resgata história dos chafarizes da cidade

Ao completar 80 anos de tombamento federal em 2018, a cidade de Ouro Preto (MG) ganha uma exposição que marca o início das comemorações da data, ao mesmo tempo em que valoriza o acesso da população à água ao longo dos séculos.

Água e Ouro Preto: patrimônios de todos nós é a exposição que abre dia 23 de março no Museu da Inconfidência/Ibram, a partir das 19h, dando início às atividades de lançamento do Ano do Patrimônio Cultural de Ouro Preto. A entrada é franca.

Um dos chafarizes de Ouro Preto em frente ao Museu da Inconfidência/Ibram

Um dos chafarizes de Ouro Preto em frente ao Museu da Inconfidência/Ibram

A proposta é gerar uma reflexão sobre o pertencimento e reconhecimento da relevância da memória histórica para a formação da cultura nacional. Margareth Monteiro, Zaqueu Astoni Moreira e Mateus Júnio Pires Guimarães são os curadores da exposição.

Linha do tempo
A mostra registra a entrega das obras de restauração para uso do Chafariz de São José – construído no século XVIII e um dos símbolos da expressividade artística brasileira do período colonial.

São apresentados objetos do acervo do Museu da Inconfidência e do Arquivo Público Municipal, além de documentos sobre as arrematações dos chafarizes da cidade, cuja responsabilidade se remetia às câmaras municipais.

A partir da Carta Régia de 1603, primeira menção que se conhece sobre os recursos hídricos no Brasil Colônia, enfatiza-se a importância da água em todo o ciclo do ouro em um linha do tempo.

O traçado urbano da antiga Vila Rica revela, em monumentais conjuntos arquitetônicos, dezenas de chafarizes que canalizavam a água de grandes mananciais, sendo distribuída à população por bicas ou carrancas que jorravam dia e noite. As obras elegiam locais de maior acesso ou áreas do comércio local, visando atender a um maior número de pessoas.

A exposição é realizada por meio de uma parceria entre o Museu da Inconfidência e da Prefeitura de Ouro Preto, através da Secretaria de Cultura e Patrimônio, com apoio da Câmara Municipal de Ouro Preto e da Converso Comunicação, e conta com patrocínio da Gerdau e da Valenet.

A exposição Água e Ouro Preto: patrimônios de todos nós fica em cartaz até 29 de abril na Sala Manoel da Costa Athaide (anexo I do Museu da Inconfidência) e pode ser visitada de terça a domingo, das 10h às 18h. Saiba mais sobre o Museu da Inconfidência.

Texto e foto: MI/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Peças sacras de museus Ibram em MG integram exposição do Masp

Obras dos acervos do Museu da Inconfidência, Museu Regional de São João del-Rei e do Museu do Ouro estarão expostas no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp), a partir do sábado (10). Os três museus fazem parte da rede do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) em Minas Gerais (MG).

A imagem de São Sebastião é uma das três obras do MRSJDR na exposição do Masp

A imagem de São Sebastião é uma das três obras do MRSJDR na exposição do Masp

As peças integram a exposição temporária Imagens do Aleijadinho, que apresenta a obra de Antônio Francisco Lisboa (1738-1814), uma das principais referências da arte sacra, do barroco e do rococó no Brasil, ativo em Minas de meados do século XVIII ao início do século XIX.

A mostra apresenta cerca de 50 obras, que incluem esculturas devocionais, além de mapas, gravuras, fotografias, pinturas e esculturas de viajantes e outros artistas, que contribuem para a compreensão do contexto e da influência do artífice mineiro na história da arte brasileira.

O Museu Regional de São João del-Rei, por exemplo, emprestou três imagens para a mostra: São Sebastião, São João Evangelista e São Francisco de Assis.

Já o Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, emprestou quatro peças: duas esculturas Pastor de Presépio, um Anjo Tocheiro e uma imagem de Nossa Senhora do Carmo.

E o Museu do Ouro, em Sabará, emprestou uma escultura de Sant’ana Mestra. Todas as peças são do século XVIII e feitas em madeira policromada – algumas possuem ainda douramentos.

Em cartaz até 3 de junho, a exposição e o catálogo têm organização de Rodrigo Moura, curador-adjunto de arte brasileira do Masp. Saiba mais.

Texto e foto: Masp e MRSJDR/Divulgação
Edição: Ascom/Ibram

Museu da Inconfidência lança filme Os Tiradentes de Oscar Araripe

Marinho Antunes e Oscar Araripe no Museu da Inconfidência. Arquivo pessoal/Oscar Araripe.

Marinho Antunes e Oscar Araripe no Museu da Inconfidência. Arquivo pessoal/Oscar Araripe.

O documentário Os Tiradentes de Oscar Araripe será lançado nesta quarta-feira (6) no Museu da Inconfidência (Ibram/MinC). A exibição, gratuita, será no Auditório, às 19h. O filme,  com cenas filmadas em Ouro Preto, Tiradentes, Rio de Janeiro e  Belo Horizonte, tem direção do cineasta Marinho Antunes. Com 20 minutos de duração, a filmagem conta a história da criação dos painéis de 3×3 metros representando Tiradentes, que foram pintados pelo artista Oscar Araripe nos anos 90 para as comemorações do Bicentenário da Morte do herói, em 1992.

Na época, Araripe, pintor profundamente ligado a Ouro Preto, residia na cidade, onde realizou seu primeiro trabalho artístico, em 1966 – uma adaptação para o teatro do Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, num dos primeiros festivais de inverno, na Casa da Ópera. O documentário apresenta impressões do artista, sua relação com o herói da Inconfidência e, também, depoimentos de personalidades do mundo da Justiça, da Arte e da Cultura.

Os dois painéis de 3X3 metros representando Tiradentes, feitos para as comemorações do Bicentenário da Morte do herói, em 1992, foram expostos pela primeira vez no pátio do Anexo do Museu da Inconfidência, e depois em vários museus e locais no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. A versão Rio do painel hoje se encontra nas escadarias da Faculdade Nacional de Direito e a outra, a versão Ouro Preto, acaba de ser colocada no hall principal do Palácio da Justiça, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

Texto: Ascom Museu da Inconfidência

Ouro Preto homenageia ex-diretor do Museu da Inconfidência, Rui Mourão

Rui Mourão, diretor do Museu da Inconfidência por 43 anos.

Rui Mourão, diretor do Museu da Inconfidência por 43 anos.

O dia 05 de outubro, quinta-feira, receberá uma série de atividades que marcam as boas-vindas à nova diretora do Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), a arquiteta restauradora Deise Cavalcanti Lustosa, e a despedida do romancista e ensaísta Rui Mourão, que ocupou o posto durante 43 anos. Haverá cerimonial de posse, sessão solene organizada pelos vereadores na Câmara Municipal de Ouro Preto, lançamento de livro e abertura de exposição.

A primeira cerimônia começa às 17h, no Auditório, Anexo I, com transmissão oficial do cargo pelo presidente do Instituto Brasileiro de Museus – Ibram, Marcelo Mattos Araújo, seguida de homenagem dos servidores. Às 19h, a Câmara Municipal reverenciará Rui Mourão, com entrega de placa em Honra ao Mérito pelo Vereador Chiquinho de Assis. O encerramento se dará com o lançamento do livro de contos Caderno de Viagem, de Lucas Carvalho Rôla Santos, no Auditório do Museu, e inauguração de mostra com o mesmo nome na Sala Manoel da Costa Athaide.

EXPOSIÇÃO – Os 32 desenhos que compõem a exposição Caderno de Viagem são produzidos em nanquim sobre papel, dentro da perspectiva do “Realismo Fantástico”, apresentando situações cotidianas, mas com alguma ruptura surreal, que conduzem a um novo significado das situações retratadas. As obras, todas de autoria de Lucas Carvalho Rôla Santos, trazem para o primeiro plano o absurdo, mas de maneira naturalizada.

As imagens tecem diálogo com a vida, cujo dia-a-dia também guarda seus absurdos, velados pela lida irrefletida com a rotina e as exigências que ela impõe. Na superfície da série, viram, todavia, objeto de reflexão e causam o espanto pelo real. As ilustrações expostas também integram livro de contos de igual nome, no qual aparecem como contos imagéticos, autônomos, figurando entre páginas para que estejam a serviço da imaginação do leitor.

Texto: Ascom Museu da Inconfidência

Foto: Janine Ojeda

Museu da Inconfidência: nova diretora toma posse em Ouro Preto (MG)

Deise Lustosa é a nova diretora do Museu da Inconfidência/Ibram em Ouro Preto (MG)

Deise Lustosa é a nova diretora do Museu da Inconfidência/Ibram em Ouro Preto (MG)

A nova diretora do Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), Deise Cavalcanti Lustosa, tomou posse no cargo na segunda-feira (18), em Ouro Preto (MG), após seleção em chamamento público organizado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Ela substituirá o escritor e membro da Academia Mineira de Letras Rui Mourão, que solicitou aposentadoria após dirigir a unidade por 43 anos.

Natural do Rio de Janeiro, e residente na histórica cidade mineira, Deise Lustosa é arquiteta pela Faculdade Metodista Izabela Hendrix, especialista em Cultura e Arte Barroca pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e em Conservação e Restauração de Monumentos e Conjuntos Históricos pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Foi sócia-proprietária da MD Arquitetura e Consultoria Ltda. e atuou em inúmeros projetos de conservação e restauração, com destaque para bens tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/MinC) – dentro do Programa PAC das Cidades Históricas em Mariana (MG).

Entre outras experiências profissionais, foi diretora administrativa do Museu do Oratório por 10 anos. Também participou da criação e implantação do Sistema de Museus de Ouro Preto e foi presidente e diretora da Fundação de Arte de Ouro Preto (Faop) e diretora de Conservação e Restauração do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA).

Viste a página web do Museu da Inconfidência para mais informações.

Texto: Museu da Inconfidência/Divulgação
Foto: Mateus Lustosa/ Acervo pessoal

Ibram divulga resultado preliminar para diretor do Museu da Inconfidência

Museu da Inconfidência (MG)

Museu da Inconfidência (MG)

Publicado no Diário Oficial dessa sexta-feira (11), o resultado preliminar do Edital de Chamamento Público para preenchimento do cargo de Diretor do Museu da Inconfidência/Ibram (Ouro Preto – MG).

Os recursos ao resultado devem ser enviados exclusivamente por e-mail ao Ibram, no prazo de 5 dias a partir de hoje, conforme formulário de recurso disponível aqui.

O chamamento foi lançado em abril deste ano e puderam concorrer ao cargo servidores públicos ou não, com formação acadêmica, conhecimento das políticas públicas do setor museológico e da área de atuação do museu, além de experiência comprovada em gestão envolvendo atividades de relacionamento com organizações de governo e entidades da sociedade em geral.

A seleção contou com análise de documentação, de currículo e plano de trabalho e entrevista. A comissão de seleção é formada pela Superintendente do Iphan em Minas Gerais, Célia Maria Corsino, pela Diretora de Difusão, Fomento e Economia dos Museus do Ibram, Eneida Braga Rocha de Lemos e pelo Diretor do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro, Paulo Knauss.

Página 1 de 812345...Última »