Museu das Bandeiras envia para restauro sete peças históricas de seu acervo

As peças, todas de mobiliário em madeira dos séculos XVIII e XIX, serão restauradas em Belo Horizonte (MG) graças a Acordo de Cooperação Técnica celebrado com a Associação Casa de Cora Coralina.

As peças, todas de mobiliário em madeira dos séculos XVIII e XIX, serão restauradas em Belo Horizonte (MG) graças a Acordo de Cooperação Técnica celebrado com a Associação Casa de Cora Coralina.

Em parceria com outra importante entidade voltada à memória local, o Museu das Bandeiras (MUBAN), em Goiás (GO), acaba de encaminhar para restauração sete bens culturais que integram seu acervo. Os itens foram enviados na última segunda-feira (6) a Belo Horizonte (MG), onde serão restaurados por profissionais do Grupo Oficina de Restauro.

As peças, todas de mobiliário em madeira dos séculos XVIII e XIX, serão restauradas graças a Acordo de Cooperação Técnica celebrado com a Associação Casa de Cora Coralina. O conjunto abarca um trono episcopal; uma cadeira de sola; duas mesas de centro; uma mesa bufete; uma cômoda-papeleira; e uma cadeira torneada.

O tratamento dos bens culturais incluirá, a partir da avaliação de cada caso específico: higienização, descupinização, desinfestação, imunização preventiva, remoção de intervenções anteriores consideradas inadequadas, reintegração de cores, aplicação de verniz, contenção de fissuras e rachaduras, refixação de partes e confecção de peças complementares, entre outras intervenções.

“As peças fazem parte da história da cidade e, em se tratando de acervo museológico, as intervenções sugeridas deverão levar em conta a manutenção das marcas e alterações que lhes foram impostas ao longo de suas histórias”, explica Rosangela Reis Costa, conservadora e restauradora do Grupo Oficina de Restauro. A previsão mínima é de 8 meses de trabalho.

Cultura afro, videoinstalação e minicurso ocupam o MUBAN durante o FICA 2017

A cidade histórica de Goiás (GO) recebe de hoje a 25 de junho, a 19º edição de um dos eventos mais importantes do calendário local: o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental (FICA). Parceiro do festival, o Museu das Bandeiras (MUBAN), vinculado ao Ibram, volta a receber parte de sua programação, que se espalhará pela cidade.

Nesta terça-feira (20), dia da abertura do evento, o museu participa de sua programação com a videoinstalação Enxovia Forte. O projeto foi desenvolvido a partir de pesquisa realizada por alunos dos cursos técnico e superior em Audiovisual do Instituto Federal de Goiás (IFG) no arquivo do MUBAN.

Através de imagens e sons especificamente desenvolvidos para ser apresentados na sala da enxovia – espécie de antiga masmorra localizada na parte inferior do museu – a videoinstalação leva o visitante aos tempos de funcionamento da antiga Casa de Câmara e Cadeia que o prédio abrigou originalmente. A videoinstalação permanece em cartaz durante todo o período do FICA.

Na quarta-feira (22), a partir das 9h, a programação do Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental inclui roda de conversa e um café da manhã para abertura da exposição fotográfica Diálogo entre Tempos, que remete à história da cidade de Goiás a partir da memória do cidadão vilaboense.

Religiosidade africana e Direito à Memória - A religiosidade de matriz africana também ocupará o museu como parte do “FICA na Comunidade”: também no dia 22, às 14h, o MUBAN recebe o Fórum de Comunidades Religiosas de Matrizes Africanas da Cidade de Goiás.

Com o tema “Sustentabilidade das Comunidades Religiosas de Matrizes Africanas da Cidade de Goiás”, o fórum terá apresentação de políticas públicas, leis e projetos focados na valorização e respeito das comunidades e suas religiões. Serão convidadas representações das 22 comunidades religiosas existentes na região da Cidade de Goiás.

Nos dias 22 e 23, a diretora do Museu das Bandeiras, Stélia Castro, será ainda uma das ministrantes do minicurso “O Direito à memória e as lutas sociais do campo”, que também contará com a participação de Janaína Sevá (UFG), José Roberto Novaes (UFRJ) e Ricarda Canozo (UNICAMP). Confira a programação completa do FICA 2017.

Museu das Bandeiras recebe atividades do Festival FICA

A Cidade de Goiás recebe, até o dia 21 de agosto, o Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental – FICA. Nesse período Museu das Bandeiras recebe algumas atividades apoiadas pelo evento e não cobrará ingresso dos visitantes.

Idealizado por Luiz Felipe Gabriel, Jaime Sautchuk, Adnair França e Luís Gonzaga, o Fica despontou em 1999 como marco de um novo momento da cultura em Goiás, sob a coordenação geral do cineasta João Batista de Andrade. A pouco mais de dois meses da data de sua realização (2 a 6 de junho de 1999), João Batista produziu o regulamento, estabeleceu a premiação – cada prêmio homenageia uma personalidade da cultura goiana – e criou o formato final do festival, entre outras providências.

Nos dias 17, 18 e 19 o Museu das Bandeiras receberá, das 9h às 12h em seu pátio, a oficina de dança Corpo, Ambiente e Movimento, com a professora Eliete Miranda, da companhia Corpafro, do Rio de Janeiro. O projeto Juventude, Corpo e Ambiente é quem traz essa iniciativa para o museu.

No dia 20, a partir das 17h30min, o MuBan recebe o Sarau das Nascentes, evento realizado por moradores e artistas da cidade para alertar de forma poética sobre a questão da água na Cidade de Goiás. O evento contará com performances, música e declamação de poesias, além de projeção de imagens de nascentes da região.

A programação completa do festival está disponível aqui.

MuBan comemora aniversário de Goiás com mostra ‘Saiu no Jornal’

mubanA cidade de Goiás foi capital do estado desde sua fundação, em 1727 até 1937, quando foi fundada a nova capital, Goiânia. Desde então, todos os anos, em comemoração ao aniversário da cidade de Goiás, o município recebe o governador e volta a ser sede simbólica do Governo. A data é marcada com festejos e é para comemorar esse dia que o Museu das Bandeiras preparou a exposição Saiu no Jornal – 289 anos de notícias da cidade de Goiás, formada por registros do período de transição.

Entre os dias 23 e 25 de julho, a exposição será montada na Praça do Coreto, onde acontece a cerimônia de transferência da capital. Após essa data, a mostra passa a ocupar o pátio interno do Museu das Bandeiras e segue até 31 de agosto.

A exposição conta com reprodução de fotos, recortes de jornais e documentos que fazem parte do arquivo do Museu das Bandeiras e agora estão à disposição para que o público possa conhecer um pouco mais sobre esse importante momento político da história do estado.

O MuBan funcional de terça a sexta, 9h às 12h e 13H às 17h; aos sábados das 13h às 17; domingos e feriados das 9h às 13h.

Museu das Bandeiras recebe mostra “Memória das Mulheres Coralinas”

Foto: Divulgação MUBAN

Foto: Divulgação MUBAN

O Museu das Bandeiras recebe, até 31 de março, a exposição “Memória das Mulheres Coralinas: fotografias e objetos”. A mostra apresenta fotos, objetos e peças artesanais produzidas ao longo do processo de aprendizagem, entre 2014 a 2016, pelas mulheres integrantes do Projeto Mulheres Coralinas, realizado pela Prefeitura Municipal de Goiás e a Secretaria de Políticas para as mulheres, vinculada ao Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos.

O objetivo da exposição é divulgar o processo vivenciado pelas mulheres ao longo da execução do Projeto. A mostra é composta por 27 fotografias, tamanho 30×40, em moldura preta. O tema são as mãos das mulheres participantes nas oficinas. Segunda as curadoras Ebe Maria de Lopes Siqueira e Geovana Lopes “as fotografias constituem arte, que valoriza a condição feminina e, ao mesmo tempo, é documento de um momento singular proporcionado pelo Projeto, que foi o encontro entre a formação para o trabalho, cultura por meio das leituras da obra de Cora Coralina, e conhecimento sobre o patrimônio histórico e cultural de Goiás”.

A exposição também é composta por objetos que revelam o processo de criação das Mulheres Coralinas: argila, palha, tecidos de tamanhos variados e botões. O Museu das Bandeiras fica na Praça Dr. Brasil Ramos Caiado, na Cidade de Goiás.

 

Museu das Bandeiras realiza atividades para comemorar Dia do Orgulho Gay

O Museu das Bandeiras/Ibram, localizado na Cidade de Goiás (GO),  realiza, entre 28 de junho e 7 de julho, a 1ª Semana do Babado, por ocasião do Dia do Orgulho Gay e da Consciência Homossexual (28 de junho).

A atividade se insere no programa Afirmação, iniciado ano passado pelo museu, voltado à promoção da inclusão social e da igualdade racial, da valorização da diversidade cultural e do respeito aos direitos e à dignidade humanos.

A proposta é discutir a presença e a memória da comunidade LGBTTT (Lésbicas, Gays, Travestis, Transexuais e Transgêneros) brasileira, bem como os preconceitos sofridos pela mesma. Serão realizadas roda de conversa, exibição de filmes, piquenique e uma exposição formada por textos e fotografias de casais homoafetivos em situações cotidianas.

Como participar
As pessoas que tiverem interesse em construir junto com o museu a exposição temporária Do babado: registros de uma sociedade plural e homofóbica devem enviar suas fotografias, até o dia 13 de junho, para o email mdb@museus.gov.br ou pela página dos Museus Ibram em Goiás no Facebook.

As fotos devem estar em formato .jpeg e em alta resolução (300 dpi), e estarem acompanhadas do termo de autorização de publicação assinado pelo fotógrafo (caso exista) e do termo de autorização de uso de imagem, assinado por todas as pessoas que apareçam na foto.

O Museu das Bandeiras se reserva o direito de selecionar as fotografias que serão utilizadas na exposição e não serão aceitas fotografias que não atendam os pré-requisitos, acima mencionados, e envolverem nu frontal, sexo explícito, violência, apologia ao crime e uso de drogas e bebidas alcoólicas.

Fotos em que apareçam menores de idade deverão apresentar autorização dos pais ou responsáveis pelos mesmos e documento de comprovação legal de parentesco ou de responsabilidade. Saiba mais sobre o museu.

Texto: Divulgação Museu das Bandeiras

Museu das Bandeiras (GO) comemora 8 de março com Bordando Cidadania

No dia 9 de março, o Museu das Bandeiras/Ibram comemorou o Dia Internacional da Mulher (8 de março) com cinco internas da Unidade Prisional de Goiás. Dentro da cela, por meio de dinâmicas de grupo, refletiu-se sobre a condição feminina e sobre a convivência carcerária. A seguir, uma torta em homenagem às mulheres foi partilhada pelo grupo.

A atividade é parte do Projeto Bordando Cidadania, desenvolvido desde 2008 pelo Museu das Bandeiras em parceria com a Cabocla Criações – empresa da Cidade de Goiás.

O museu, que ocupa uma antiga Cadeia Pública, entre os anos de 1766 e 1950, desenvolve o projeto como forma de inserir o uso de tecnologias artesanais e sustentáveis na práxis museal e também uma maneira de se fazer cumprir a missão social do museu enquanto agente transformador da sociedade.

Desde a sua criação, o projeto tem levado às internas e algumas egressas oportunidade de profissionalização, geração de renda e remissão de pena, além de contribuir para a recuperação e elevação da auto-estima.

Atualmente, o Projeto também atende a alguns internos e seus familiares, todos atraídos pela garantia de sustentabilidade e possibilidade de re-inserção social e de permanência no mercado de trabalho. Saiba mais.

Fonte: Divulgação Museus Ibram em Goiás