Alunos da comunidade do Morro do Borel visitam o MNBA

O Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, recebeu no último dia 30 a visita de um grupo de crianças com entre 9 e 10 anos do 4º ano do ensino fundamental.  Moradoras da comunidade do Borel, na Tijuca, e alunas do Centro Integrado de Educação Pública (CIEP) Dr. Antoine Magarinos Torres Filho, elas conheceram um museu pela primeira vez.

Para a historiadora e escritora Lili Rose, voluntária que promove atividades culturais nas escolas de comunidades pobres cariocas, a visita representou uma oportunidade fundamental para que as crianças pudessem experimentar, de modo consciente e direto, o contato com os bens históricos e artísticos.

“O acervo do MNBA é riquíssimo e eles ficam encantados com tudo que veem. Com isso, é desenvolvido neles um sentimento coletivo de auto-estima, vital para a tomada de posição da comunidade em relação a seu papel no presente e no futuro”, explica.

Responsável pela turma pelo terceiro ano consecutivo, a professora Elane Ronchini  resume o significado do primeiro encontro dos alunos com o museu: “Já passamos por momentos difíceis na comunidade, como quando tínhamos de ficar presos na escola para não sermos atingidos em trocas de tiros. Estar com eles aqui no MNBA é uma forma de comemorar uma nova e feliz realidade”.

Alunos do Morro do Borel visitam o MNBA

Apesar da chuva que caia na cidade do Rio de Janeiro, foi com muita alegria que o Museu Nacional de Belas Artes iniciou suas atividades na 9ª Semana de Museus. A diretora Mônica Xexéo e os educadores do MNBA receberam na manhã de terça feira (19) um grupo de alunos e professores do Morro do Borel, pacificado pelas UPPs (unidades de polícia pacificadora) recentemente.

Na visita, os estudantes inauguraram a sala educativa e de acolhimento do MNBA e participaram de um projeto pedagógico onde puderam brincar, contar histórias e compartilhar a expectativa de entrar em um museu pela primeira vez. Após, na Galeria de Arte Brasileira do Século XIX, ficaram impressionados com o tamanho e beleza de pinturas como: “Batalha do Avaí”, “Batalha dos Guararapes” e dos retratos de Dom Pedro I e Dom Pedro II.

Também foram ao MNBA, para visita guiada, cerca de 30 alunos do SESI de Macaé e pessoas de diferentes idades, que participaram do projeto “Um pintor de lembranças”, elaborado pela técnica do MNBA e pedagoga, Simone Bibian. Com fôlego total, a semana segue com diversas atividades pela frente.

Visite a página do museu:  www.mnba.gov.br