Cursos e publicações contemplaram demanda do setor museal por capacitação

Uma das principais competências do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), a qualificação dos profissionais que atuam no setor museal foi contemplada em 2017 com o lançamento de publicações e a realização de cursos sobre diversos temas relacionados à área.

Curso presencial é uma iniciativa do programa Saber Museu e vai oferecer orientações para a elaboração daquele que é considerado o principal instrumento para a gestão de museus.

Curso presencial com Maristela Simão oferecido este ano pelo Ibram. Publicação tratou do tema

A cargo do programa Saber Museu, foram realizados ao longo do ano seis cursos presenciais em três unidades da federação – Rio Grande do Sul, Espírito Santo e Distrito Federal – sobre montagem de exposições, elaboração de planos museológicos, fomento para a área museológica e conservação preventiva de acervos culturais.

Os cursos contemplaram um público direto de cerca de 300 pessoas de 16 unidades da federação e todo o material relacionado está disponível também na plataforma virtual Saber Museu. A ideia é que, em breve, sejam promovidos outros cursos através do ambiente virtual de aprendizagem, sobre os temas mencionados e outros.

Publicações
Como desdobramento do trabalho do Saber Museu, foi lançado este ano o primeiro volume da série Caminhos da Memória – que passa a agregar a expressiva produção de conhecimento gerada para a realização dos cursos, oficinas, seminários e outras atividades de capacitação, presenciais e a distância.

Com pesquisa e elaboração de Maristela Simão, Lúcia Valente e Katia Bordinhão, Caminhos da memória: para fazer uma exposição traz orientações básicas, além de recursos teóricos e metodológicos, para a montagem de uma exposição, abrangendo as fases de planejamento, execução e avaliação. A versão digital do livro está disponível para download gratuito.

Também foi lançada em 2017, em parceria com o Programa Ibermuseus, a versão atualizada da publicação Gestão de Riscos ao Patrimônio Musealizado Brasileiro, com texto integral do programa e cartilha, agora também traduzidos para o espanhol.

Foram ainda disponibilizadas em 2017 as versões digitais e gratuitas dos livros Pontos de Memória: Metodologia e Práticas em Museologia Social (disponível em português, espanhol e inglês) e Subsídios para a elaboração de planos museológicos.

Texto e foto: Ascom/Ibram

Livros e filmes abordam a memória institucional dos Museus Castro Maya

O tema Museus e suas memórias guia as atividades para a 11ª Primavera dos Museus – que acontece entre 18 e 24 de setembro de 2017.

Ottoni de Castro Maya no Museu do Açude

Ottoni de Castro Maya no Museu do Açude

Os museus ligados ao Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), que coordenada a temporada nacional de eventos, têm desenvolvido ações que buscam a preservação da memória institucional enquanto parte legítima de suas histórias.

A trajetória dos Museus Castro Maya, no Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, remonta diretamente à memória de Raymundo Ottoni de Castro Maya (1884-1968).

Industrial, editor de livros, esportista, defensor do patrimônio histórico, artístico e natural cariocas e, especialmente, colecionador de arte, seu acervo deu origem às duas instituições reunidas nos Museus Castro Maya: Museu da Chácara do Céu, no bairro de Santa Teresa, e Museu do Açude, no Alto da Boa Vista.

Histórias entrecruzadas
Os dois espaços foram residências de Castro Maya. O estilo refinado do mecenas ficava visível quando realizava recepções para personalidades mundiais e amigos no Rio.“Este período está registrado no primeiro livro que publicamos, em 1997, sobre nosso patrono – Castro Maya, anfitrião”, explica Vera Alencar, diretora dos museus.

“A publicação foi o início de uma série editorial que não só revela os múltiplos aspectos da atuação de Castro Maya na vida da cidade, como também resgata parte da memória dos museus, através das diferentes facetas de sua personalidade”, acrescenta.

50 anos do Museu do Açude

Museu do Açude durante comemoração dos seus 50 anos de criação (2014)

Por meio da produção editorial tem sido abordados aspectos relevantes: Castro Maya, bibliófilo; Castro Maya, colecionador de Debret; Castro Maya, colecionador de Portinari e Castro Maya e a Floresta da Tijuca são publicações que conectam a história de Castro Maya com os acervos das instituições. Conheça essas e outras publicações na Livraria do Ibram.

A exposição permanente Retratos de Raymundo, que recepciona os visitantes no Museu do Açude,  faz um recorte dessas diversas facetas do colecionador carioca.

Memória audiovisual
Além dos livros, três filmes também registram aspectos da memória dos museus. O mais antigo deles, O olhar de Castro Maya (2004), foi dirigido por Sylvio Tendler a partir de filmes 16mm realizados por Castro Maya entre 1930 e 1960.

Já em 2016, o documentário Castro Maya, carioca da perfeição, também sob direção de Tendler, retomou parte das imagens de arquivo e propôs uma nova abordagem para a relação entre memórias e acervos.

Outro documentário que vale o registro é Museus Castro Maya (2008), realizado por Marco Altberg, e que faz um recorte mais ligado às instituições.

Interior do Museu da Chácara do Céu/Museus Castro Maya no Rio

Interior do Museu da Chácara do Céu/Museus Castro Maya no Rio

Outros dois projetos que também se relacionam à memória dos museus são o Encontro de Colecionadores e Os amigos da gravura.

O primeira convida colecionadores particulares ou instituições para exposições na Chácara do Céu, com o propósito de estabelecer um diálogo entre acervos e coleções, intercalando memórias e permitindo novas leituras.

O segundo, criado pelo próprio Castro Maya em 1948, convida artistas para participar com um trabalho inédito em gravura, com tiragem limitada, que é incorporado ao acervo do museu.

Conheça mais sobre os Museus Castro Maya e assista episódio do programa Conhecendo Museus. Saiba como participar da 11ª Primavera dos Museus.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Museus Castro Maya/Divulgação

Matéria relacionada
Conheça o projeto de memória institucional do Museu da República no RJ

Holocausto é tema de novo volume da coleção “Museu, Memória e Cidadania”

“Memórias da dor: coleções e narrativas sobre o Holocausto” é o décimo primeiro título da coleção “Museu, Memória e Cidadania”, editada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Produzida pela antropóloga Kátia Lerner, a obra é resultado de tese de doutorado defendida pela autora no Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) EM 2004.

O trabalho, que recebeu em 2008 o Prêmio Mário de Andrade para tese na área de Memória, Museus e Patrimônio Cultural, traz depoimentos de sobreviventes do Holocausto que servem como base para uma análise sobre os processos de construção e reconstrução de memória social.

A tiragem inicial da publicação já está disponível para interessados e pode ser solicitada através do e-mail faleconosco@museus.gov.br.

Museu Victor Meirelles abre a exposição Livros na quarta (21) em Florianópolis

O Museu Victor Meirelles/Ibram, em Florianópolis (SC), promove na quarta-feira (21), às 19h, a abertura da exposição Livros, de Giba Duarte, com curadoria de Fernando Boppré.

Exposição fica em cartaz em Florianópolis até 27 de outubro

A exposição fica em cartaz no Museu Victor Meirelles até 27 de outubro e é uma atividade da Agenda Cultural do museu, que conta com o patrocínio da Tractebel Energia, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A entrada é gratuita.

Às 18h, antes da abertura oficial, acontece a atividade Encontro com o Artista, evento que dá oportunidade para que o público converse com o artista sobre a sua obra, o processo de criação e sua trajetória.

Devido a abertura, no mesmo dia, da exposição Persona, de Carlos Asp, na Galeria Municipal Pedro Paulo Vecchietti, que fica próximo ao Museu Victor Meirelles, o Encontro terá a participação dos dois artistas, Giba Duarte e Carlos Asp, que dividirão o espaço na Sala de Exposições.

O artista
Nascido Em Santa Maria (RS), Giba é radicado em Florianópolis. Seu trabalho tem como ponto de partida a imagem que transita por vários experimentos como vídeo, intervenções, manipulações digitais, desenho ou mesmo pela simples composição fotográfica. “A superfície fotográfica é um fator determinante para mim. Mas a minha busca é pelo resultado final, que são as texturas, as camadas e suas múltiplas aplicações”, define.

O público visitante poderá conferir os trabalhos Dá para Escrever em Dias Negros, realizado entre 2011 e 2013, e Ramblas ou Quase Respiro, de 2013. Ambas são produções realizadas entre o Uruguai, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, onde o artista fotografa lugares, realiza comentários (áudio-) visuais sobre a imagem e constrói uma seriação possível de pequenas narrativas ou “historinhas”, como ele próprio gosta de dizer. Saiba mais sobre o museu e sua programação.

Texto e imagem: Divulgação MVM

Museu da República expõe livros raros que pertenceram a Vargas

Na última terça-feira (24), o Museu da República inaugurou a exposição temporária Dr. Getúlio: Entre o trabalho e os livros. A mostra vai apresentar ao público algumas preciosidades da biblioteca pessoal de Getúlio Vargas, que acabam de passar por processo de restauração. Da coleção de cerca de 1.000 exemplares, estarão disponíveis à visitação 50 raridades até o final do mês de setembro.

Entre os livros, estão obras especiais, como uma bela edição de A Divina Comédia, de Dante Alighieri, além de clássicos da literatura brasileira, estudos de direito, política, sociologia, e diversos livros autografados especialmente para Vargas – como um exemplar de “Olinda: segundo guia prático, histórico e sentimental de cidade brasileira”, escrito por Gilberto Freyre.

Também serão expostos objetos do escritório de Getúlio Vargas, incluindo sua mesa de trabalho, e o fardão utilizado por ele em sua posse na Academia Brasileira de Letras em 1943.

O Museu da República fica na Rua do Catete, 153, Catete, Rio de Janeiro- RJ.
Visitação de terças a sextas-feiras, das 10h às 18h, sábados, domingos e feriados, das 13h às 18h. Informações: (21) 3235-2650