MHN conclui pesquisas sobre Casa do Trem e carruagens na literatura

Sob a orientação do Núcleo de Pesquisa do Museu Histórico Nacional (MHN), que integra a rede Ibram no Rio de Janeiro (RJ), duas pesquisas de iniciação científica foram concluídas recentemente com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj).

“Estudo sobre as carruagens e sua presença em obras literárias de José de Alencar e Machado de Assis” trouxe um novo recorte para obras de escritores consagrados desde o século XIX.

“Na coleção do Museu Histórico Nacional estão presentes algumas carruagens que aparecem nas histórias contadas por José de Alencar e Machado de Assis”, explica o bolsista Adilson da Silva Santos Junior, autor da pesquisa orientada por Álvaro Marins.

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

A Vitória é um modelo de carruagem citado em obra de José de Alencar

“A última seção da coleção contém carros do século XIX até o século XX. As primeiras carruagens expostas na coleção são as vitórias, veículo que aparece parado no início d’a Pata da Gazela” – obra escrita por Alencar em 1870″, revela o bolsista.

“Seja na estrutura da classe senhorial, simbolizada através do Romantismo de Alencar, ou nas formas irônicas presentes nos textos de Machado, as representações literárias desses autores mostram com eficiência as carruagens do século XIX e, sobretudo, a sua função social”, conclui Adilson Santos Junior.

Arquitetura em pauta
A Casa do Trem, um dos edifícios que compõe o complexo arquitetônico do MHN, também foi tema de pesquisa recente. “Valoração e autenticidade histórica na restauração de bens imóveis coloniais: um estudo sobre a Casa do Trem” foi realizada por Fernanda Pinheiro Pereira da Silva sob a orientação de Rafael Zamorano.

O edifício, cuja construção foi iniciada em meados do século XVIII, ficou pronto em 1762. Com a finalidade de guardar armamentos destinados a tropas que seriam enviadas de Portugal para reforçar a defesa da cidade, constantemente ameaçada por corsários, o prédio foi integrado ao MHN em 1922 – ano de criação do museu como parte das celebrações do Centenário da Independência do Brasil.

“A Casa do Trem é testemunha não apenas da história da ocupação do Rio de Janeiro, mas guarda em sua trajetória os embates sobre a autenticidade dos edifícios antigos da cidade, onde houve claramente uma apagamento da intervenções neocoloniais buscando uma suposta autenticidade colonial”, aponta Fernanda Pinheiro em seu relatório final.

As duas pesquisas serão publicadas nos Anais do MHN, assim como ficarão disponíveis para consulta na biblioteca do museu.Saiba mais sobre o Museu Histórico Nacional.

Texto e foto: Ascom MHN

Servidoras do Ibram lançam livros literários

thumbnailA temática dos museus e da memória está presente em duas publicações literárias lançadas esse mês de outubro por servidoras do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC).

Nessa sexta-feira (27), a historiadora Eneida Queiroz, lança o livro Úmida Trama. O romance narra a história de criação dos quadros “A origem do mundo”, do realista francês Gustave Courbet, e “Leitura”, do brasileiro José Ferraz de Almeida Junior.  O evento de lançamento acontece no Rio de Janeiro, na Livraria Arlequim, às 18h.

Este é o segundo livro da historiadora, que dedica-se a dar vida a personagens dos museus e da história brasileira. Seu primeiro livro, “A mulher e a casa” retrata o amor entre uma escravocrata e um abolicionista no século XIX.

Outra servidora do Ibram, a museóloga Luciana Palmeira, também lançou seu primeiro livro este mês, em parceria com a também museóloga Cássia Valle. Calu: uma menina cheia de histórias aborda de forma lúdica criativa e transformadora as memórias da ilha da Boca do Rio, contadas por uma menina, que foi habilitada por seus avós – griots, detentores do passado e da ancestralidade – para ser uma nova narradora e propagadora das histórias, das personagens, dos costumes e dos modos de agir de matriz africana que se tornou parte constitutiva da diversidade cultural do lugar.

Calu está a venda no site da Editora e Úmida Trama pode ser adquirido na Livraria Arlequim, no Rio de Janeiro, e-book pela Amazon ou direto com a autora através do e-mail eneidaqueiroz2002@yahoo.com.br.

Museu Imperial recebe Festa Literária da Serra Imperial até sábado (2)

Acontece até sábado (2) em Petrópolis, no Rio de Janeiro, a Festa Literária da Serra Imperial, que reúne personalidades da vida literária brasileira, com o objetivo de valorizar o livro como um dos agentes primordiais do desenvolvimento cultural do nosso país.

O evento, organizado pelo Instituto Oldemburg de Desenvolvimento, em parceria com a Fundação Cesgranrio, o Museu Imperial, o Centro Cultural Raul de Leoni e a Casa de Educação Visconde de Mauá acontece em diversos locais da cidade de Petrópolis, entre eles, o Museu
Imperial.

Este ano o grande homenageado da Festa é Machado de Assis, fundador da Academia Brasileira de Letras, que comemora 120 anos de existência. Além de palestra, será apresentada uma exposição de fotos do acervo da Biblioteca Nacional associadas a poesias do grande escritor. Outro homenageado é Antonio Callado, com a exposição Quarup, que revive o mágico romance sobre os índios do Xingu.

A FLISI 2017, por meio de oficinas literárias para crianças e jovens, também homenageará o educador Paulo Freire, que revolucionou a pedagogia com seu método de despertar a consciência crítica dos alunos.

A programação vai desde exposições e visitas mediadas ao Museu Imperial a exibição de filmes e mesas-redondas. Também acontecem lançamentos de livros e palestras. A programação completa está disponível aqui.

Diretor do Museu da Inconfidência recebe prêmio de literatura em MG

O escritor e diretor do Museu da Inconfidência (Ibram/MinC), Rui Mourão, receberá, nesta quarta-feira (6), o Prêmio Governo de Minas Gerais de Literatura, edição 2012, no qual foi vencedor na categoria Conjunto da Obra.

Rui Mourão dirige o Museu da Inconfidência há 38 anos

A cerimônia acontece às 11h no Centro de Arte Popular CEMIG – CAP (Rua Gonçalves Dias, 1608, Funcionários, Belo Horizonte). O evento contará com a presença do Governador do Estado, Antonio Anastásia, e da Secretária de Estado de Cultura, Eliane Parreiras.

A secretária afirma que o prêmio desempenha um importante papel para o fortalecimento da produção literária do estado e do país, apoiando o trabalho dos escritores em atividade, com destaque para os mais jovens, e reconhecendo a trajetória de escritores brasileiros vivos. Veja aqui todos os premiados na edição 2012.

Rui Mourão, romancista e ensaísta, nasceu em Bambuí (MG) em 1929. Dirige o Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, desde 1974. Lecionou Literatura Brasileira na Universidade de Brasília e nas universidades Tulane, Houston e Stanford, nos Estados Unidos. Participou dos movimentos das revistas literárias Vocação e Tendência. É membro da Academia Mineira de Letras.

Entre as diversas premiações e medalhas que recebeu, destacam-se o Reconhecimento Especial do Pégaso, na Colômbia (concorrendo com 427 livros publicados do continente), Ficção 2002 da Academia Brasileira de Letras e Homem do Ano no Brasil em 2009 e 2010 (concedido pelo American Biographical Institute dos USA). Saiba mais sobre Rui Mourão.

Texto e foto: Divulgação Secult MG

 

Museu do Oratório (MG) participa de Feira do Livro

Com o objetivo de despertar o interesse da população para o hábito da leitura, a cidade de Ouro Preto recebe a II Feira Cultural do Livro – Projeto “Histórias sem fim”, que acontece entre os dias 24 e 27 de agosto. Em 2011, o Museu do Oratório participa do evento, oferecendo a oficina Releitura do Patrimônio através de Oratórios.

Nos dias 24 e 25 de agosto, a oficina será destinada aos alunos do ensino fundamental das escolas públicas de Ouro Preto. Já no dia 26 de agosto, o público alvo são grupos de adultos e da terceira idade da comunidade. As inscrições para o dia 26 já estão abertas e são gratuitas. As oficinas acontecem das 13h30 às 16h. Os interessados podem entrar em contato pelo telefone (31) 3551-5369 ou ir diretamente a recepção do Museu do Oratório (Adro do Carmo, 28 – Centro – Ouro Preto).

Todos os oratórios confeccionados na oficina serão expostos na Casa dos Contos, em Ouro Preto. A Feira Cultural do Livro é realizado pela Secretaria de Educação, por meio da Biblioteca Pública de Ouro Preto.

Fonte: Ascom Museu do Oratório

Acordo entre Ibram e ABL promove preservação da memória da literatura brasileira

Objetivo é a parceria em ações de preservação, gestão e difusão dos acervos documentais, bibliográficos e artísticos da Academia Brasileira de Letras

14/7/2011 – O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/Ministério da Cultura) e a Academia Brasileira de Letras (ABL) assinaram acordo de cooperação nesta quinta-feira. O objetivo é promover a preservação, gestão e difusão dos acervos documentais, bibliográficos e artísticos da ABL e de seus acadêmicos.

Vilaça (esq.) e Nascimento (dir.) na sede da ABL. Foto: Guilherme Gonçalves/Divulgação ABL

O acordo foi assinado pelo presidente do Ibram, José do Nascimento Junior, e pelo presidente da ABL, Marcos Vinicios Vilaça, na sede da Academia, no Rio de Janeiro. “Assinar um termo de cooperação com uma Casa como a ABL é uma honra e motivo de orgulho para o Ibram”, disse o presidente do instituto.

Caberá ao Ibram prestar consultoria aos técnicos da Academia nas ações de gestão, preservação e divulgação de suas coleções, assim como promover, em conjunto com a ABL, planos de trabalho para a identificação de coleções pessoais de interesse para a memória da literatura brasileira. Também será atribuição do instituto orientar sobre processos legais de proteção a coleções e sobre a criação de museus relacionados à literatura brasileira.

À ABL caberá tornar disponíveis fontes e bases de dados sobre a história da literatura brasileira. Outra atribuição será a de fornecer dados sobre as coleções pessoais que estão sob a guarda da Academia. O acordo permite, ainda, que as duas instituições estabeleçam novos campos de cooperação.

Nascimento destacou que a assessoria a ser prestada pelo Ibram faz parte da missão do instituto de apoiar entidades que produzem suporte à memória do país. Em sua avaliação, a difusão desses acervos aos cidadãos reforça o conceito de direito à memória e ajuda a manter as produções para conhecimento das futuras gerações. “Só preserva quem conhece. Por isso, quanto mais a população conhecer esses acervos, melhor será a preservação para as próximas gerações”, afirmou.

Para o presidente da ABL, acadêmico Marcos Vilaça, havia grande disposição e interesse da ABL em efetivar a cooperação com o instituto. “Somos de certa forma uma casa de memórias muito solidária com a ideia de sistematização de uma cadeia de museus no Brasil”, disse.

Nascimento informou que, de acordo com o Cadastro Nacional de Museus (mantido pelo Ibram), o Brasil possui hoje 73 instituições museológicas que desenvolvem atividades ligadas à memória da literatura brasileira, sendo que 17 delas têm nomes de escritores da Academia Brasileira de Letras (veja aqui a relação).

Biblioteca Acadêmica Lúcio de Mendonça

ABL – Fundada em 20 de julho de 1897, a Academia Brasileira de Letras tem por fim o cultivo da língua e a literatura nacional. É composta por 40 membros efetivos e perpétuos, eleitos em votação secreta, e 20 sócios correspondentes estrangeiros. A Memória da ABL é formada por acervos arquivísticos e museológicos relacionados com a história da Academia e com a vida e a obra dos patronos, membros efetivos e sócios correspondentes. Seu acervo museológico é formado por obras de arte, mobiliário de época e peças de arte decorativas, assim como objetos de uso pessoal dos acadêmicos. O Arquivo da ABL tem grande variedade de documentos textuais e iconográficos. É composto por correspondências, discursos, originais de obras literárias, fotografias e periódicos.

Leitores da saga literária “Percy Jackson” visitam MNBA

Um público diversificado esteve presente no último sábado, 18 de junho, no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio, para acompanhar as comemorações programadas para o lançamento do livro O Herói Perdido, do escritor norte-americano Rick Riordan. O autor é o criador da série Percy Jackson, um conjunto de cinco livros que contam histórias de aventura de um menino semi-deus.

A parceria inédita entre o Museu Nacional de Belas Artes e a Editora Intrínseca trouxe mais de 120 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos, para acompanhar a visita guiada pelo professor de história Vitor Correia à galeria de moldagens do museu, onde puderam apreciar (a maioria, pela primeira vez) as estátuas e representações de figuras mitológicas que pertencem ao acervo do MNBA.

O evento permitiu aos leitores cariocas conhecer não só as obras, cultura, arte e mitologia greco-romana – tema principal dos livros de Rick Riordan e que fazem parte nova saga Os Heróis do Olimpo, lançada em conjunto a publicação –, mas também possibilitou aos visitantes relacionar as informações recebidas e as obras vistas no museu com a história do livro.

Para Leonardo Freitas, estudante de 17 anos, a exposição foi de grande importância para ajudar a compreender o universo vivido pelo personagem. Muitos pais que marcaram presença no evento elogiaram a iniciativa. “A oportunidade foi única e diferente. Acredito que esse tipo de atividade cultural poderia acontecer mais. Parabenizo o MNBA”, disse João Rodrigues, pai de um menino de 13 anos.

Fonte: Assessoria de Imprensa do MNBA

Mitologia grega em destaque no MNBA

A inspiradora mitologia grega é um tema recorrente na obra do americano Rick Riordan e para comemorar o lançamento da nova série do escritor,  uma parceria entre a Editora Intrínseca e o Museu Nacional de Belas Artes, no próximo dia 18 de junho,  sábado,  vai levar dezenas de  leitores  para uma  visita guiada na Galeria de Moldagens I. 

A  partir das 14h,  os  leitores que estiverem presentes ao lançamento do livro O Herói Perdido na Livraria Saraiva, filial da Rua do Ouvidor(no centro do Rio de Janeiro), serão conduzidos por um professor de história da arte até o MNBA.  Chegando ao Museu, eles farão uma visita guiada na imponente Galeria de Moldagens I que abriga reproduções de esculturas de figuras e divindades greco-romanas, cujos originais estão em vários museus europeus.

Um dos espaços mais conhecidos e visitados do MNBA, a Galeria de Moldagens  exibe esculturas que foram produzidas entre 1812 e 1928, em oficinas ligadas aos museus franceses. Utilizadas no ensino da arte ao longo de décadas, estas cópias foram incorporadas por sucessivos diretores da Academia Imperial de Belas Artes e o próprio D. Pedro II doou várias moldagens,  formando um acervo que, em grande parte,  foi transferido posteriormente para o Museu Nacional de Belas Artes.  As obras  em exposição no MNBA  formam a maior e melhor coleção de moldagens deste período  no Brasil. 

Visite o site:  www.mnba.gov.br

Museu Victor Meirelles homenageia James Joyce

O Museu Victor Meirelles, em Florianópolis (SC), comemora no dia 16 de junho o Bloomsday, ou o dia de Bloom, uma homenagem ao livro Ulisses e ao escritor irlandês James Joyce. A data é compartilhada pelos amantes da literatura e em Florianópolis (SC) é celebrada desde 2002.

O evento será realizado às 17h, quando um grupo fará uma leitura simultânea de trechos dos capítulos do Ulisses, em várias línguas. Participam alunos do Curso de Artes Cênicas da UFSC, professores do Centro Comunicação e Expressão e simpatizantes em geral.

O Bloomsday é a única homenagem que se faz a um livro, por ele ser considerado um marco na literatura mundial. A obra relata a “odisseia” de Leopold Bloom durante as 16 horas do dia 16 de junho de 1904.

Mais informações: (48) 3222-0692 ou pelo email mvm.ac@museus.gov.br

   

Museu Imperial conta história na Semana do Meio Ambiente

Em comemoração à Semana do Meio Ambiente, a Biblioteca Rocambole do Museu Imperial promoveu uma contação de história com a leitura do livro “Vamos abraçar o mundinho”, de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen. O livro parte do questionamento: O que fazer para vivermos bem no mundo e preservar a vida? Com sua arte cheia de cores e texto delicado, a autora apresenta soluções ao alcance de todos, como economia de água, reciclagem e cuidado com os animais e as matas. O objetivo é mostrar que, com cada um ajudando um pouco, é possível “abraçar e proteger o mundinho”.

O Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), organiza nos dias 9 e 22 de junho, às 13h30, a exibição do vídeo Turma da Mônica em Uma Aventura no Tempo, voltada para crianças de 6 a 9 anos. Já nos dias 10 e 30 de junho, acontece a “Hora do conto”, com a obra “O menino que morava no livro”, tendo como público-alvo crianças de 5 a 7 anos.

A Biblioteca Rocambole é formada por um acervo de cerca de 350 obras, incluindo livros, revistas, gibis, DVDs, jogos, dicionários e atlas, que estão abertas à consulta de quaisquer interessados. Também é possível se cadastrar gratuitamente para realizar empréstimos de livros e revistas.

O espaço funciona de quarta a sexta-feira, das 9h às 12h, para consultas e empréstimos, e de 14h às 17h, para atividades com grupos escolares. Escolas e outras instituições de ensino interessadas em participar podem realizar o agendamento junto ao setor de Educação do Museu Imperial, através do telefone (24) 2245-7735. Todos os eventos são gratuitos.

A biblioteca possui ainda um blog no qual crianças, pais e professores podem interagir com o personagem Rocambole, consultar a programação e receber informações sobre História, Literatura e outros temas. O endereço é http://bibliotecarocambole.blogspot.com.

SERVIÇOS

 Biblioteca Rocambole

Endereço: Museu Imperial – Rua da Imperatriz, 220, Centro – Petrópolis

Informações: (24) 2245-4162 / 2245-4182

Agendamento de grupos escolares: (24) 2245-7735

Blog: http://bibliotecarocambole.blogspot.com

Exibição do vídeo “Turma da Mônica em Uma Aventura no Tempo”

Datas: 9 e 22 de junho de 2011 – 13h30

Público-alvo: alunos de 6 a 9 anos / grupos de até 20 pessoas

Informações e agendamento gratuito: (24) 2245-7735

Hora do conto – obra “O Menino que Morava no Livro”

Datas: 10 e 30 de junho de 2011 – 13h30

Público-alvo: alunos de 5 a 7 anos / grupos de até 20 pessoas

Informações e agendamento gratuito: (24) 2245-7735

Museu Imperial

Endereço: Rua da Imperatriz, 220, Centro – Petrópolis, RJ

Telefones: (24) 2245-5550 / (24) 2245-5560

Site: www.museuimperial.gov.br

Visitação: de terça a domingo, das 11h às 18h

Jardins: de terça a domingo, das 8h às 18h

Preços:

Adultos: R$ 8,00

Estudantes, professores e maiores de 60 anos: R$ 4,00

Menores de 7 anos e maiores de 80: gratuito

Moradores de Petrópolis e petropolitanos, às quartas-feiras e no último domingo do mês: gratuito