Força-tarefa do Ibram realiza inventário do Museu Casa da Princesa

Equipe do Ibram realiza inventário do Museu Casa da Princesa, composto por cerca de 1,2 mil itens.

Equipe do Ibram realiza inventário do Museu Casa da Princesa, cujo acervo é composto por cerca de 1,2 mil itens.

Durante toda a última semana, uma força-tarefa integrada por dez servidores do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) das áreas de Museologia, História, Artes, Arquivologia e Biblioteconomia – originários de Brasília, Espírito Santo, Maranhão, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo – esteve mobilizada para importante missão no Museu Casa da Princesa, em Pilar de Goiás (GO).

Inaugurado em 1981, o Museu Casa da Princesa – também conhecido como Casa Setecentista – funciona numa antiga moradia senhorial exemplar da arquitetura civil colonial brasileira.

O acervo da instituição é composto por cerca de 1,2 mil itens, que incluem documentos históricos, fotografias, mobiliário, utensílios sacros, domésticos, de trabalho (engenho, mineração e tear) e também instrumentos de tortura utilizados nos casarões de fazendas goianas dos séculos XVIII, XIX e XX.O trabalho de inventário foi iniciado na manhã da última segunda-feira (3) e tomou quatro dias completos. Os servidores mobilizados deixaram Pilar de Goiás na manhã desta sexta-feira (7) e já retornam a seus locais de origem.

“O inventário é um importante instrumento de identificação dos bens culturais musealizados, essencial para a gestão de seu acervo”, explica a museóloga Luciana Palmeira, da Coordenação de Acervo Museológico (CAMUS) do Ibram. “É uma etapa primordial para a preservação e a comunicação do acervo deste museu, realizada num grande esforço compartilhado desta equipe”.

Ibram e Museu Casa da Hera concluem inventário de acervo

O Museu Casa da Hera/Ibram, em Vassouras (RJ), concluiu o inventário do acervo museológico da instituição. Ao todo, foram identificadas 1.219 peças, especialmente mobiliário, porcelanas, prataria, pinturas e objetos de uso pessoal de Eufrásia Teixeira Leite, última proprietária do imóvel. O inventário foi realizado graças a parceria entre o museu e a Coordenação de Patrimônio Museológico do Ibram.

Dentre os itens da coleção destacam-se o piano Henri Herz, de 1862, ainda em funcionamento, o aparelho de jantar em faiança inglesa com monograma e peças de indumentária desenhadas por estilistas famosos, como Charles Worth, considerado o “pai da alta-costura” e dos desfiles de moda com modelos. A casa Worth vestia uma elite que incluía a realeza européia, famílias ricas dos Estados Unidos e atrizes famosas.