Museu da República inaugura duas mostras nesta terça (8)

republica_tufoA Galeria do Lago, localizada no Jardim Histórico do Museu da República/Ibram, no Rio de Janeiro, exibirá a partir do dia 8 de setembro a exposição O Grande Tufo de Ervas. Com curadoria de Isabel Sanson Portella, a mostra traz para o interior da Galeria o universo das flores, as folhas, o verde, as cores, as ervas e os matos, revelando infinitas possibilidades para se admirar os jardins.

Para tanto, foram convidados dois artistas – Pedro Varela e Mauro Piva – que pesquisaram e dialogaram com a paisagem e a flora local. Mauro, que teve como partida a obra do alemão Albrecht Durer, O Grande Tufo de Ervas, utiliza desenhos e pinturas indo muito além de um simples exercício de observação da natureza. Mauro não faz uma ilustração botânica, mas uma aproximação cuidadosa, um tratamento quase humanizado das plantas.

Já Pedro Varela, segue um novo caminho misturando pinturas e recortes de papel pintado, além das flores de papel, construindo um universo idealizado que se identifica com o imaginário pré-existente dos trópicos. As pinturas parecem brotar de uma noite escura onde flores e plantas se misturam com outras formas e referências artísticas. Nas palavras do próprio artista “um emaranhado psicodélico-barroco-abstrato”.

A exposição pode ser vista até 17 de outubro, de terça a sexta-feira, das 10h às 12 h e das 13h às 17 h. Aos sábados, domingos e feriados, a visitação pode ser feita das 11h às 18 h. A entrada é franca.

Intervenções Bradesco ArtRio

Intervenção no Jardim do Museu da República

Intervenção no Jardim do Museu da República

O projeto Intervenções Bradesco ArtRio propõe aos visitantes do Museu da República um novo olhar, mais atento, mais criativo sobre esse espaço que é comum a todos. Obras de diversos artistas vão dialogar com a natureza local, interagindo com os visitantes, levando à reflexão sobre o papel das manifestações artísticas no cotidiano de uma cidade frenética. A intenção é fugir da rotina, surpreender, inverter o tempo real em favor do tempo da arte.

18 artistas participam do projeto: Chiara Banfi, Estela Sokol, Carolina Ponte, Suzana Queiroga, Flávio Cerqueira, Dayse Xavier, Andrey Zignatto, Claudia Hersz, Ângelo Venosa, Marcos Cardoso, Marcos Duarte, Felipe Barbosa, Rosana Ricalde, Marcone Moreira, João Loureiro, Jozias Benedicto, Úrsula Taustz e Daniel Tucci.

Nesta terça-feira (8), dia da inauguração, haverá a performance inédita Thespis ou Panikos, do artista Alessandro Sartore, às 16h30. A intervenção fica até o dia 14 de setembro nos Jardins do Museu.

Intervenção artística no Museu de Arte Religiosa e Tradicional (RJ)

Desde o dia 24 de maio, quem passar pelo Largo de Santo Antônio em Cabo Frio (RJ), endereço do antigo Convento de Nossa Senhora dos Anjos, hoje sede do Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Mart/Ibram), verá “formigas gigantes” subindo pelas paredes do monumento. São peças desenvolvidas pelo artista plástico Paulo Luis de Oliveira para a intervenção artística Formigas.

As peças ficam expostas até o dia 24 de junho e podem ser vistas a qualquer hora, tendo em vista estarem na faixada do prédio. A exposição é o resultado de parcerias que envolvem, além do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Cabo Frio, o Instituto Cultural Carlos Scliar e comerciantes da cidade.

As 70 formigas afixadas foram confeccionadas pelo artista e sua equipe com matérias-primas típicas da região: coco e palmeira areca bambu. Artista plástico há 30 anos, Paulo Luís começou a desenvolver a ideia há um ano e escolheu o tema pelas características de organização e trabalho das formigas.

Mas como se trata de uma intervenção, o objetivo final é provocar a curiosidade do público e a análise do tema sob os diversos enfoques, principalmente, relacionando-o à preservação do meio ambiente, cuja data mundial é comemorada no dia 5 de junho.

Por se tratar de um monumento reconhecido como patrimônio nacional, o trabalho de afixação das formigas nas paredes seguiu regras indicadas pelo Iphan e executadas pelo restaurador Alexandre Shichticas – reconhecido por trabalhados realizados em cidades históricas do Brasil e Europa.

Homenagem
As indagações geradas por Formigas entre o público podem ser variadas, mas para o curador José Antônio J. Mendes, a data de abertura da exposição foi escolhida em homenagem à Dolores Brandão Tavares, que foi funcionara do Mart por quase 30 anos e falecida em 25 de maio do ano passado. Outras informações pelo telefone (22) 2646.7340. Saiba mais sobre o museu.

Texto e foto: Divulgação Mart/Ibram.

Fachada do Mart em Cabo Frio recebe intervenção artística Formigas

A partir de hoje (24), quem passar pelo Largo de Santo Antônio em Cabo Frio (RJ), endereço do antigo Convento de Nossa Senhora dos Anjos, hoje sede do Museu de Arte Religiosa e Tradicional (Mart/Ibram), verá “formigas gigantes” subindo pelas paredes do monumento. São peças desenvolvidas pelo artista plástico Paulo Luis de Oliveira para a intervenção artística Formigas.

A abertura da exposição será às 16 horas. As peças ficam expostas até dia 24 de junho e podem ser vistas a qualquer hora, tendo em vista estarem na faixada do prédio. A exposição é o resultado de parcerias que envolvem, além do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Secretaria de Cultura da Prefeitura Municipal de Cabo Frio, o Instituto Cultural Carlos Scliar e comerciantes da cidade.

As "formigas gigantes" podem ser vistas até 24 de junho em Cabo Frio (RJ)

As 70 formigas afixadas foram confeccionadas pelo artista e sua equipe com matérias-primas típicas da região: coco e palmeira areca bambu. Artista plástico há 30 anos, Paulo Luís começou a desenvolver a ideia há um ano e escolheu o tema pelas características de organização e trabalho das formigas.

Mas como se trata de uma intervenção, o objetivo final é provocar a curiosidade do público e a análise do tema sob os diversos enfoques, principalmente, relacionando-o à preservação do meio ambiente, cuja data mundial é comemorada no dia 5 de junho.

Por se tratar de um monumento reconhecido como patrimônio nacional, o trabalho de afixação das formigas nas paredes seguiu regras indicadas pelo Iphan e executadas pelo restaurador Alexandre Shichticas – reconhecido por trabalhados realizados em cidades históricas do Brasil e Europa.

Homenagem
As indagações geradas por Formigas entre o público podem ser variadas, mas para o curador José Antônio J. Mendes, a data de abertura da exposição foi escolhida em homenagem à Dolores Brandão Tavares, que foi funcionara do Mart por quase 30 anos e falecida em 25 de maio do ano passado.

A ex-diretora será homenageada em missa realizada na Igreja conventual de Nossa Senhora dos Anjos, no museu, durante a abertura da exposição. Outras informações pelo telefone (22) 2646.7340. Saiba mais sobre o museu.

Texto e foto: Divulgação Mart/Ibram.

Exposição no Museu Lasar Segall reúne cerca de 100 obras modernistas

Mangue foi realizado por Di Cavalcanti em 1929

O Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), inicia seu programa de exposições 2012, no dia 31 de março, com Poéticas do Mangue, e tem como convidado para curadoria o professor Fábio Magalhães.

A mostra fica em exibição até 17 de junho e reúne um conjunto expressivo de cerca de 100 obras, entre desenhos, aquarelas, gravuras e pinturas, do período que perpassa a década de 1920 até meados de 1960.

Um dos grandes temas do Expressionismo Alemão, a prostituição feminina encontrou no Brasil um habitat quase ‘natural’ na região do mangue, nas proximidades do cais do porto no Rio de Janeiro. Na arte moderna brasileira, o tema foi abordado por vários artistas.

A mostra traz Lasar Segall (1891-1957) e Di Cavalcanti (1897-1976), os que mais registros fizeram da paisagem do meretrício carioca, e outros importantes nomes como Antonio Gomide (1895-1967), Poty Lazzaroto (1924-1998), Otto Lange (1879-1944), Walter Jacob (1893-1964).

No dia 19 de maio, às 17h, será o lançamento do catálogo/livro Poéticas do Mangue, quando ocorrerá uma mesa redonda com especialistas. A mesa fará parte das atividades da 10ª Semana de Museus, que acontece de 14 a 20 de maio – evento promovido anualmente pelo Ibram/MinC.

Intervenções
No mesmo dia 31 de março, o museu inaugura a quarta edição do Projeto Intervenções, evento em que há ocupação de diferentes áreas da instituição com instalações ou intervenções.

A convidada é a artista plástica Mônica Nador, que inspirada na xilogravura de Segall, Cabeça de negro (1929), realiza um trabalho de justaposição desta imagem, com um autorretrato realizado em 2004 por um morador da periferia de São Paulo que participa do Jardim Miriam Arte Clube (Jamac). Saiba mais.

Texto e imagem: Divulgação Museu Lasar Segall

Museu Victor Meirelles (SC) inicia projeto Armazém

O Museu Victor Meirelles inicia, no dia 5 de dezembro, o projeto Armazém. Com a proposta de fomentar intervenções experimentais e democratizar o acesso dos artistas ao programa de exposições do museu, o projeto será realizado nos intervalos das exposições temporárias programadas para o museu ao longo do ano – seis, no total.

As mostras ocorrerão no período de uma semana, no intervalo destas exposições, sendo que no último dia será programado um encontro com os artistas participantes, e com os curadores, para uma conversa com o público. Nesta primeira mostra do projeto Armazém, esta conversa acontece no dia 10 de dezembro, sábado, a partir das 11h, quando será realizado o finissage.

A primeira intervenção é organizada pela artista e professora Juliana Crispe. A curadoria é intitulada também Armazém e faz referência direta ao grupo Fluxus e ao texto de Arthur C. Danto, O Mundo como Armazém: Fluxus e Filosofia.

A artista pensou em obras de arte que criam relações com o público, como livros, publicações, cadernos e diários de artista, carimbos, objetos etc. Dentre os participantes encontram-se artistas que vivem e trabalham em Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Minas Gerais. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação Museu Victor Meirelles