Ibram seleciona para requalificação do Museu Regional de São João del-Rei

MRSJDR

O projeto executivo contratado será utilizado como base para a posterior contratação da obra a ser realizada no museu, que está instalado em antigo imóvel residencial do séc. XIX tombado como patrimônio histórico.

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) promove, na próxima sexta-feira (16), pregão eletrônico destinado à contratação de empresa especializada para elaboração de projeto executivo de instalações elétrica e luminotécnica, além de pontos de rede de internet e pontos de telefonia, para o Museu Regional de São João del-Rei, em Minas Gerais.

A licitação é objeto do Edital Nº 24/2016 e será feita na modalidade menor preço global. O pregão eletrônico será realizado no dia 16, a partir das 10h, através do site www.comprasgovernamentais.gov.br. Dúvidas podem ser esclarecidas através do e-mail licitacao@museus.gov.br.

O projeto executivo contratado será utilizado como base para a posterior contratação da obra a ser realizada no museu, que está instalado em antigo imóvel residencial do séc. XIX, tombado como patrimônio histórico, e abriga acervo com cerca de 500 objetos que narram a intimidade e modo de viver dos mineiros no período colonial.

A atualização das instalações elétricas e luminotécnicas do Museu Regional de São João del-Rei irá compatibilizá-las com as atividades e ações cotidianas da instituição garantindo a conservação e integridade física do prédio e de seu acervo.

Somada à instalação de rede de internet e telefonia, a intervenção garantirá que as necessidades atuais do museu sejam atendidas de forma segura e satisfatória em termos de expografia.

Texto: Ascom/Ibram
Foto: Divulgação

ArtRio 2016: jardim do Museu da República recebe arte contemporânea

A edição 2016 da ArtRio, feira que reúne galerias nacionais e internacionais desde 2011 na capital fluminense, terá, pelo segundo ano consecutivo, o projeto Intervenções Bradesco ArtRio ocupando, com arte contemporânea, os jardins históricos do Museu da República/Ibram, no bairro do Catete.

Jose Bechara_MiniOxy

José Bechara expõe MiniOxy, da série Esculturas Gráficas (2007-2016)

Com curadoria da museóloga Isabel Portella, 14 artistas irão propor, entre os dias 27 de setembro e 2 de outubro, um diálogo entre as obras e a natureza local. A abertura acontece neste dia 27 (terça-feira), às 14h, e tem entrada franca.

“A ‘arte sem paredes’ como suporte, sem limites, sem portas de entrada, ganhando jardins e parques, proporciona diferentes e incontáveis leituras”, explica a curadora, “traduzindo o pensamento artístico do nosso tempo”.

Tombado em 1938, o jardim do antigo Palácio do Catete, que se espalha por uma área de 12 mil m², já passou por reformas, mas mantém o projeto original criado pelo paisagista francês Paul Villon (1841-1905), responsável por outros projetos na cidade do Rio de Janeiro, quando o palácio tornou-se sede da Presidência da República (1896).

Aproveitando o momento da ArtRio, no dia 27, a Galeria do Lago do Museu da República, dedicada a divulgar arte contemporânea, abre a exposição “Objetos Notáveis”, onde a artista visual Carla Chaim apresenta o resultado de um ano de pesquisa no museu, como parte do prêmio Foco Bradesco ArtRio 2015.

No dia 29, às 11h, acontece um encontro com a curadora Isabel Portella e a artista. A exposição pode ser visitada gratuitamente até o dia 27 de novembro. Saiba mais sobre o museu e como chegar.

Outros circuitos
Além do Museu da República, outros museus da rede do Instituto Brasileiro de Museus integram os Circuitos Artísticos da ArtRio, que levam o público a conhecer roteiros de arte que estão em locais de visitação pública.

Intervenção de Adrianna Eu, Barco de cada um, no jardim do MR

Intervenção de Adrianna Eu, Barco de cada um, no jardim do Museu da República

O Museu da Chácara do Céu, em Santa Teresa, integra o circuito Museus e Espaços Culturais, com foco em arte moderna, popular e contemporânea.

O Museu do Açude, no Alto da Boa Vista, faz parte de dois roteiros: Circuito Tim Blue Man Group, com a azulejaria portuguesa presente no museu, e Circuito de Arquitetura – museus tombados, locais considerados “fundamentais na história da cidade e dos cariocas”. Neste circuito, inclui-se ainda o Museu Villa-Lobos/Ibram em Botafogo.

Já o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), na Cinelândia, integra o Circuito Artístico O Meu Rio. Para o curador Marcos Veloso o Rio é “repleto de lugares, de pequenas ‘quebradas’, de pontos quase imperceptíveis no mapa e de intensos e mutantes fluxos e trechos”.

Texto: Ascom/Ibram
Fotos: Flávio Leão/Museu da República
Foto destaque: Trabalho de Flávio Cerqueira (Casa Triângulo) na intervenção 2015/Divulgação ArtRio

Museu do Açude agrega três instalações a seu Circuito de Arte Contemporânea

acude 01O Museu do Açude, no Rio de Janeiro (RJ), inaugurou no último domingo (31) três instalações que vêm a ampliar de forma permanente seu rico Circuito de Arte Contemporânea (foto), que já conta com obras de nomes consagrados como Iole de Freitas, Lygia Pape, Nuno Ramos, Helio Oiticica, Anna Maria Maiolino e Eduardo Coimbra.

As instalações foram produzidas pelos artistas Waltercio Caldas, José Resende e Angelo Venosa, que já conceberam esculturas de grande porte para importantes espaços urbanos do Rio de Janeiro e criaram as novas obras especialmente para o espaço, estabelecendo uma relação com a história da Floresta da Tijuca, onde está situado o Museu do Açude.

Com uma obra em aço inoxidável de 14 metros de altura por seis de largura, o carioca Waltercio Caldas usou a grama da floresta como parte de sua produção, que trabalha a relação do azul do objeto com o próprio céu. “É uma situação pensada no espectador. O trabalho é o motivo para as pessoas experimentarem o lugar e se relacionarem com o entorno”, explica Waltercio.

Autor de uma escultura que foi devastada por uma tempestade em 2002, o artista paulista José Resende foi convidado a criar uma nova instalação, que ficará junto à sede do museu. “Propus uma peça que tem a ver com a poética do trabalho anterior. Uma linha reta, solta no espaço, que aparece inesperadamente, feita com tubo de aço e placas de granito cinza claro”, explica.

Filho de marceneiro, Angelo Venosa apresentará um objeto feito em madeira, com técnica usada em construção de barcos. A obra, de forma arredondada, mede aproximadamente 2,4 metros nas três dimensões, com peso estimado de 300kg. “Não poderia estar em melhor companhia, são dois artistas que admiro bastante”, diz o artista sobre os parceiros de intervenção no Museu do Açude.

Os trabalhos de Waltercio Caldas e Angelo Venosa para o Museu do Açude contam com o patrocínio da Bradesco Seguros, integrando a programação das Olimpíadas no Rio de Janeiro. Já a obra de José Resende, uma antiga dívida do museu com o artista, está sendo feita com recursos do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e Ministério da Cultura.

É uma honra para o Museu do Açude receber essas novas peças pensadas por esses três gigantes da arte brasileira”, comemora Vera de Alencar, diretora dos Museus Castro Maya (Museu do Açude e Museu da Chácara do Céu).

O Circuito de Arte Contemporânea do Museu do Açude pode ser visitado diariamente, exceto às terças-feiras, das 11 às 17h. O museu está localizado na Estrada do Açude, 764, Alto da Boa Vista, no Rio de Janeiro (RJ).