Instalação de Tatiana Grinberg no Museu do Açude

O trabalho da artista está instalado no jardim do Museu do Açude

No domingo, 27 de outubro, será inaugurada no Museu do Açude/Ibram, no Rio de Janeiro (RJ), às 12h, a instalação de Tatiana Grinberg intitulada des-ligamento/detachment.

Ocupando um dos platôs dos jardins históricos do parque do museu, a obra utiliza grama, terra adubada, cabo de aço galvanizado, braçadeira de ferro, castões, cintas de couro, feltro reciclado e fio de nylon. A visitação é gratuita e pode ser feita diariamente, exceto terças-feiras, das 11 às 17h, até 11 de março de 2014.

Segundo Vera de Alencar, diretora dos Museus Castro Maya, o trabalho de Tatiana Grinberg dá continuidade às atividades do Espaço de Instalações – Projetos Temporários. A proposta é imprimir uma dinâmica especial ao circuito expositivo de arte contemporânea e meio ambiente do museu, estimulando o público a frequentá-lo mais vezes e surpreendendo-o com novas leituras oferecidas pelos artistas sobre esse espaço tombado como patrimônio cultural.

Arte ‘cultivada’
Ao se aproximar do platô  dos jardins contíguos às escadarias, vê-se um pedaço de grama de 3,30m de altura por 2,85 de largura, com o formato de língua, suspenso para o alto, como se tivesse sido rasgado da terra. E dentro dele há uma pequena silhueta lembrando uma figura humana que tomba pela terra. Esta “mágica” foi obtida como resultado de um processo de seis meses de cultivo.  Com auxilio de um agrônomo, Tatiana gramou uma área de 3,5 x 3,5 m sobre uma manta de feltro com terra adubada.

Com a sistemática rega do jardineiro do museu e a exposição ao sol, a grama enraizou-se sobre o feltro. Paralelamente a artista foi tecendo uma grande malha com cerca de 5 mil metros de fios de aço. A etapa seguinte foi iça-la através de anéis presos em árvores do fundo do platô e sobre ela fixar a manta de grama, já recortada no formato desejado. Depois disso, artista recortou a silhueta, e com os devidos acabamentos de costura revelou as duas faces de sua orgânica instalação. Saiba mais.

Texto e foto: Divulgação Museus Castro Maya
Última atualização: 24.10.2013

Duas novas exposições em cartaz no Museu Lasar Segall (SP)

O Museu Lasar Segall/Ibram, em São Paulo (SP), exibe ao público, entre os dias 24 de novembro de 2012 e 24 de fevereiro de 2013, duas novas mostras.

O projeto Intervenções, com curadoria de Jorge Schwartz e de Marcelo Monzani, em sua sexta edição, tem como convidada a artista Marilá Dardot. Seu projeto consiste em escrever o verso “Para aprender da pedra, frequentá-la”, sobre o piso de pedras portuguesas do jardim do museu.

Este verso faz parte do poema A educação pela pedra (1955), de João Cabral de Melo Neto, e as letras serão construídas com o mesmo tipo de pedras e rejuntes de cimento, criando um verso em relevo no piso do jardim.

O projeto, que acontece desde o ano passado, apresenta artistas contemporâneos com intervenções que propiciam ao público a oportunidade de refletir sobre as relações entre espaço arquitetônico, espaço público e artes visuais.

Fotomontagens
Já a exposição John Heartfield – Fotomontagens apresenta, pela primeira vez no Brasil, 50 fotomontagens produzidas pelo fotógrafo alemão John Heartfield (1891-1968) para a revista AIZ de Berlim, do acervo do Instituto Valenciano de Arte Moderna (IVAM).

A exposição é uma parceria entre o Museu Lasar Segall/Ibram, o IVAM e os Museus Castro Maya/Ibram do Rio de Janeiro – que receberá itinerância da mostra a partir de 1º de março de 2013.

Entre 1930 e 1938, Heartfield produziu 237 fotomontagens  a partir da técnica de rotogravura e tipografia para a revista AIZ (foto). As 50 obras escolhidas para compor a mostra pertencem a publicações originais da época.

Heartfield é apontado como “Montador Dadá” sendo um dos líderes mais ativos do grupo Dadá, em Berlim. Designer gráfico, cenógrafo e promotor cultural o artista é considerado o fundador da fotomontagem política, e desenvolveu grande produção influenciada por Goya e Daumier e pelas propostas das colagens cubistas de Picasso e Braque.

As exposições podem se vistas diariamente, das 11h às 19h. O museu fecha às terças-feiras. Saiba mais sobre o Museu Lasar Segall.

Texto e foto: Divulgação Museu Lasar Segall