Ibram participa da inauguração do Museu da História da Inquisição em BH

O Presidente do Instituto Brasileiro de Museus, José do Nascimento Junior, participou neste domingo (19) da abertura do primeiro Museu da História da Inquisição no Brasil. O Museu fica em Belo Horizonte (MG) e foi idealizado por Marcelo Miranda Guimarães que, há mais de vinte anos, pesquisa o tema.

A abertura contou com a presença do deputado estadual João Leite, Naftale Katz, Fundador do Instituto Histórico Israelita Mineiro, da museóloga e historiadora Neuza Fernandes – entre outras autoridades.

Uma encenação teatral, que conta a história da inquisição desde o século XV, foi apresentada aos presentes, que puderam entender um pouco mais sobre o assunto. Em seguida, foi feita uma visita ao museu, que oferece uma biblioteca com mais de 350 obras, vestuários da época e um pedaço do rolo de uma Torá (Pentateuco), que sobreviveu a perseguição inquisitorial na Espanha, uma das preciosidades da coleção exposta.

O museu pretende ser referencia no tema e oferece um banco de dados para pesquisas sobre a história e origem do povo judeu. O espaço fica no bairro Ouro Preto, na capital mineira, e a visitação pode ser feita de terça à sexta e aos domingos. Saiba mais sobre o novo museu.

Texto: Ascom/Ibram

Museu da História da Inquisição no Brasil será aberto em Belo Horizonte

Uma importante capítulo da história do país será mostrado no Museu da História da Inquisição do Brasil, que abre em Belo Horizonte (MG) no dia 19 de agosto.

Painéis, gravuras e pinturas de artistas, exposição de documentos e livros antigos, objetos e até mesmo através de réplicas de alguns equipamentos de tortura fazem parte do acervo do novo museu – uma iniciativa da Associação Brasileira dos Descendentes de Judeus da Inquisição (Abradjin) – que ficará instalado no bairro Ouro Preto da capital mineira.

O museu oferecerá ao público uma biblioteca com mais de 350 obras, constituída por uma coletânea de raríssimos e antigos livros sobre a Inquisição, datados de 1637, e outros documentos originais.

O espaço também conta com um mini-auditório com recursos de multimídia, um banco de dados para pesquisas sobre a história e origem do povo judeu – encarado como um dos grupos étnicos participantes da formação do Brasil. Vestuários da época e um pedaço do rolo de uma Torá (Pentateuco), que sobreviveu a perseguição inquisitorial na Espanha, é uma das preciosidades da coleção que será exposta.

Uma sala do museu foi dedicada aos brasileiros vítimas da Inquisição. Nela constarão os nomes e números dos processos de condenação religiosa no Brasil. Saiba mais.

Fonte: Divulgação Abradjin
Edição: Ascom/Ibram