I Encontro de Museus Indígenas de Pernambuco começa nesta quinta (13)

A Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife, sedia de 13 a 15 de dezembro, o I Encontro de Museus Indígenas de Pernambuco. O evento deve reunir cerca de 30 representantes de povos indígenas para a troca de saberes e relatos de suas experiências sobre organização e gestão de seus museus e espaços culturais.

Com o intuito de estimular práticas museais desses povos, bem como sua articulação em rede, o Instituto Brasileiro de Museus (Ibram/MinC) está apoiando a participação de representantes dos pontos de memória Museu dos Jenipapo – Kanindé e Museu dos Kanindé, do Ceará; Museu Virtual dos Pataxó, da Bahia; e Museu Maguta, do Amazonas.

O encontro também pretende debater as ações de identificação e planejamento de processos de musealização desenvolvidas pelo Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Etnicidade e bacharelado em Museologia da UFPE junto a representantes dos povos indígenas de Pernambuco.

O evento também contará com a participação de representantes do Ibram/MinC, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Fundação Nacional do Índio (Funai), Fundação do Patrimônio Artístico e Histórico de Pernambuco (Fundarpe), professores e estudantes universitários.

O encontro será no Auditório do CFCH/UFPE na Cidade Universitária. Saiba sobre as inscrições e a programação detalhada do encontro.

Texto: Divulgação Pontos de Memória

 

 

Exposição indígena Ymaguaré no Forte Defensor Perpétuo (RJ)

O 14º Ymaguaré – Mitos e Lendas Indígenas, evento que reúne a etnia Guarani e outros povos da Mata Atlântica, aconteceu de 9 a 11 de dezembro no Forte Defensor Perpétuo/Ibram, em Paraty (RJ). Uma exposição com alguns dos melhores trabalhos dos artesãoes dessas comunidades fica em exibição no Salão da Tropa do Museu Forte Defensor Perpétuo até 17 de fevereiro.

O encontro foi marcado pelo lançamento do documentário Tupã Rembiapó, registro dos costumes da aldeia de Paraty-Mirim, realizado pela Associação Nhandeva, pela apresentação do coral de Paraty-Mirim e Araponga, além de oficinas de cestaria, dança e arco-e-flecha, e concursos de esculturas, cestaria indígena e tradicional.

O concurso de cestaria tradicional (Viejo Award), que teve o apoio do Poeh Center do Pueblo de Pojouaque (Novo México, EUA), premiou os artesãos Ronaldo Rodrigues, de Paraty-Mirim, e Marciana Oliveira, da aldeia de Araponga, na categoria de Cestaria Indígena, e Isaque Oliveira e Sebastião da Silva, no concurso de Esculturas de Madeira.

O Ymaguaré integra o calendário cultural de Paraty desde 2003. Em 2004, foi considerado um dos dez melhores projetos culturais do Estado de Rio de Janeiro no concurso Cultura Nota 10, promovido pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio em parceria com a Unesco.

O 14º Ymaguaré é realizado pela Associação Artística Cultural Nhandeva, este ano em parceria com o Museu Forte Defensor Perpétuo/Ibram. O evento conta com apoio da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro, da Prefeitura Municipal de Paraty, do Museu do Índio/Funai e do Iphan/MinC.

Texto e fotos: Divulgação Forte Defensor Perpétuo

Rede de Museus Comunitários do Ceará encontra-se em Fortaleza

Ecomuseus, museus indígenas, Pontos de Memória e outras iniciativas museais cearenses reúnem-se no dia 21 de outubro, às 14h, no auditório do Museu do Ceará. O objetivo é potencializar as experiências que incorporam a linguagem museológica na construção e no fortalecimento da organização local.

O encontro também pretende ser um espaço de debate e articulação de propostas a serem reivindicadas junto aos governos, como a formulação de políticas públicas que reconheçam e assegurem a função social dos museus comunitários.

Há alguns anos, diversas iniciativas de criação de museus e outros espaços de memória e preservação do patrimônio cultural vêm sendo realizadas de forma autônoma em várias comunidades cearenses – no litoral, na serra e no sertão.

Embora originadas em diferentes contextos e entre diversos grupos sociais e étnicos (indígenas, assentados, comunidades tradicionais , dentre outros), essas experiências trazem semelhanças quanto à participação e apropriação comunitária do patrimônio e da memória local, como ferramentas de afirmação, preservação e defesa de territórios, ecossistemas e referências culturais.

O encontro é aberto ao público. O Museu do Ceará localiza à Rua São Paulo, 51 – Centro, Fortaleza. Mais informações pelos telefones (85) 3101.2609/2607.

Fonte: Divulgação Pontos de Memória

Exposição Séculos Indígenas no Brasil, em Brasília

Está em cartaz até o dia 12 de outubro, no Museu dos Povos Indígenas, em Brasília, a Exposição Séculos Indígenas no Brasil.

A mostra apresenta o material artístico e documental produzido ao longo dos 19 anos de existência do projeto “Séculos Indígenas no Brasil”, composto por fotografias, desenhos, gravuras, objetos de arte indígena do acervo de Darcy e Berta Ribeiro, filmes, vídeos, animações e textos. O conteúdo da exposição apresenta diferentes aspectos da vida cotidiana em várias comunidades indígenas brasileiras, além de trazer, em forma de depoimentos inéditos, a visão de figuras referenciais indígenas e da luta ambiental no Brasil, como Darcy Ribeiro, José Lutzenberger e os líderes Ailton Krenak e Álvaro Tukano, num diálogo plural e múltiplo.

No último dia (12/10) haverá uma atividade cultural especial para o dia das crianças e o lançamento de um livro (escrito pelo líder indígena – Álvaro Tukano).

O Memorial está aberto para visitação de 2a. a domingo e fica no Eixo Monumental.

A visitação do acervo é realizada com a presença de mediadores indígenas de diversas etnias (são jovens indígenas estudantes, que foram devidamente preparados para receberem os estudantes e professores para essa exposição).

Informações: (61) 3342-1156